History Channel: Documentos comprovam que Hitler e Eva Braun morreram na Argentina em 1984

hitmor123/10/2017 - O FBI revelou que o governo dos EUA sabia que Adolf Hitler estava vivo e, em 1984, ele estava morando na Cordilheira dos Andes, muito tempo depois do fim da Segunda guerra Mundial. Nos últimos 70 anos, omundo foi levado a acreditar que Hitler teria morrido em 30/04/1945 depois de se suicidar em seu bunker subterrâneo. De acordo com a história oficial, seu corpo foi descoberto e identificado pelos soviéticos e depois transportado para a Rússia. Os russos mentiram? Com a divulgação desses documentos do FBI, certamente parece que o líder mais notório da história mundial escapou da Alemanha para desfruta uma vida pacífica no alto da Cordilheira dos Andes, América do sul.

Recentemente uma foto (abaixo) foi postada nas redes sociais sugerindo um "suposto" Hitler idoso, de 95 anos, possando com a anamorada no Brasil em 1984.

hitmor2

Documentos comprovavam que Adolf Hitler e Eva Braun fugirampara a Argentina em um submarino. Os recém lançados arquivos do FBI afirmam que Adolf Hitler escapou através de um submarino com destino a Argentina, onde ele permaneceu em um rancho fortemente protegido, sofrendo de asma e úlceras. Documentos divulgados mostram que, não só o suicídio de Hitler e Eva Braun foi falsificado, como o casal também teve a ajuda do diretor do OSS (Serviço Estratégico da Alemanha), Allen Dulles, para possibilitar a fuga. Em um dos documentos liberados revela-se que o FBI estava ciente de um misterioso submarino alemão navegava rumo a costa argentina.

Quem é o misterioso informante?

Leia também - Kuan Shih Yin

Em uma carta de Los Angeles ao Bureau (FBI) datada em agosto de 1945, um informante não identificado concordou em trocar informações por asilo político. O que ele disse aos agentes foi impressionante: ele não só sabia que Hitler estava na Argentina, como também era um dos quatro homens confirmados que conheciam o submarino alemão. Aparentemente, dois submarinos haviam chegado na costa argentina, e Hitler com Eva Braun estavam a bordo do segundo. O governo argentino não só escolheu o ditador alemão, como também o ajudou a se esconder. O informante passou então a dar instruções detalhadas e detalhes físicos credíveis sobre Hitler.

hitmor7

Mais evidências são encontradas

Justamente com os documentos do FBI, novas evidências apareceram para provar que Adolf Hiltler e Eva Braun não morreram naquele Bunker. Em 1945, a Marinha Americana estava em águas argentinas e informou Washington que havia uma alta probabilidade de que Hitler e Eva Braun tinham acabado de chegar a bordo do sum U-530, porém o fato foi ignorado pelo alto comando norte-americano. A prova adicional veio na forma de artigos de jornal detalhando a construção de uma mansão de estilo bávaro no pé da Cordilheira dos Andes. O arquiteto Alejandro Bustillo, relatou que foi contratado para fazer o design e a construção da nova casa de Hitler, que teria sido financiada por imigrantes alemães ricos.

hitmor4

Evidência irrefutável de que Hitler escapou

Leia também - Patrimônio Histórico Inglês revela locais assombrados

Talvez a evidência mais condenatória de que Hitler tenha sobrevivido a queda da Alemanha reside na Rússia. Com a ocupação soviética da Alemanha, os supostos restos de Hitler foram rapidamente escondidos e enviados para a Rússia, para nunca mais serem vistos novamente. Em 2009 Nicholas Bellatoni (um arqueólogo do Estado do Connecticut/USA), foi autorizado a realizar testes de DNA em um dos fragmentos de um crânio recuperado. O que ele descobriu desencadeou uma reação através dos serviços de inteligência e das comunidades acadêmicas: o DNA do crânio não combinava com as amostras de Hitler nem tão pouco com as amostras de Eva Braun, companheira do ditador.

hitmor3

Então, a questão passou a ser: "Se esse não era o crânio de Hitler, de quem eram as provas que os soviéticos recolheram no bunker?". Em 1945, o jornal Stars and Stripes citou que o General americano Eisenhower acreditava na possibilidade real de Hitler estar vivendo com segurança e comodidade na Argentina. Os documentos liberados pelo FBI provam que eles (o governo americano) não só sabia da presença de Hitler na Argentina, como também ajudou a encobrir o fato. Hitler escabpou para a Argentina? A resposta é sim.

 

Estes arquivos de FBI desclassificados levantam questões sobre a morte de Hitler no Führerbunker

 hitmor6

21/01/2016 - Um relatório de campo do FBI recentemente desclassificado e redigido contém informações sobre a alegada fuga de Adolf Hitler para a Argentina via submarino, o que é notável considerando que Hitler teria se suicido em 1945 antes que o Exército Vermelho capturasse Berlim. O relatório do FBI, datado de 21 de setembro de 1945, conta a história de um homem que ajudou seis altos oficiais argentinos a aterrar Hitler em solo argentino via submarino e o escondeu no sopé da Cordilheira dos Andes.

Infelizmente, o relatório não foi verificável na época porque algo importante não poderia ser localizado. Isso não é uma provocação, o item ou pessoa em questão é redatado. O documento relaciona a história contada ao FBI por um repórter do The Los Angeles Examiner. Em julho de 1945, o amigo do relator, "Jack", conheceu um indivíduo do governo argentino que queria transmitir uma história, mas apenas se pudesse garantir que não seria enviado de volta à Argentina, que acabava de sofrer um golpe militar.

hitmor5

O informante afirmou ser um dos quatro homens que conheceram Hitler em uma costa argentina cerca de duas semanas após a queda de Berlim em 1945, onde Hitler e sua nova esposa, Eva Braun, se suicidaram ostensivamente. Os registros soviéticos afirmam que os corpos de Hitler e Braun foram queimados e os restos enterrados e exumados repetidamente, tornando a verificação difícil. Hitler supostamente veio a terra com mais de 50 pessoas e se escondeu nas cidades de San Antonio, Videma, Neuquen, Muster, Carmena e Rason, ficando com famílias alemãs. o informante afirmou lembrar os seis oficiais e os outros três homens com ele na costa a noite que o fugitivo alemão chegou, sofrendo de asma e úlceras. Hitler também raspou o seu bigode de assinatura, revelando uma "bunda" distinta no lábio superior.

Leia também - DNA, Mudanças Corporais e Recomendações

Uma carta pessoal para J.Edgar Hoover, diretor do FBI, também foi escrita pelo informante. Mencionou especificamente que Hitler morava em uma residência subterrânea na Argentina, a 675 milhas a oeste de Florianópolis, a 430 milhas a noroeste de Buenos Aires. O ex-ditador vivia com dois duplos em uma área secreta atrás de uma parede fotossensível que deslizava de volta para revelar a entrada do bunker.

hitmor8

Bunker de Hitler

Hitler e seu círculo íntimo fizeram uso de uma conta bancária fornecida por uma "Sra. Eichorn "que dirigiu um grande hotel spa em La Falda, na Argentina, com um som de 30 mil Reichsmarks (pouco mais de US $ 2 milhões em 2015). Eichorn e sua família fizeram visitas repetidas à Alemanha nazista, onde ficariam com Hitler durante suas visitas. O FBI mesmo olhou para as publicações de notícias do mundo, encontrando fotos com os argentinos famosos, o que dá credibilidade à idéia de que funcionários argentinos de alto nível poderiam ajudar Hitler a entrar na Argentina.

hitmor9

O informante recebeu US $ 15.000 (quase $ 200.000 ajustados pela inflação em 2015) por sua ajuda, mas ele disse que o assunto pesava em sua mente demais para deixar isso, então ele se aproximou dos americanos. Ele disse ao amigo do repórter para ir a um hotel em San Antonio, na Argentina e se encontrar com um homem que ajudaria a localizar a localização da fazenda de Hitler, que estava fortemente protegida.

hitmor10

Hitler conversa com Joseph Goebbels

O repórter foi colocar um anúncio no jornal local e depois chamar "Hempstead 8458" (estes eram os dias antes da discagem de todos os números, o que significava que Hempstead era a localização da rede e o número é os últimos quatro dígitos do real número de telefone) para deixar o homem saber fazer os arranjos apropriados. O informante não conseguiu lançar mais luz sobre a história para o repórter e, apesar das tentativas de estabelecer uma reunião adicional, o repórter não conseguiu entrar em contato com o informante diretamente. O FBI viu o restaurante onde o repórter comeu suas refeições para ver se "Jack" ou o informante já apareceram, sem sucesso.

Leia também - Processo Cármico e Doença

Embora o informante também tenha alegado que Hitler pode ter entrado nos Estados Unidos, nenhum registro foi encontrado com o Serviço de Imigração e Naturalização (INS) para os nomes de alias conhecidos para Hitler, Jack ou o informante. O FBI considerou a história credível, mas não tinha informações suficientes para fazer uma investigação completa.

Um memorando do FBI para Hoover observou que o agente encarregado da investigação acreditava que Hitler e Braun sobreviveram ao outono de Berlim. Ambos os corpos não foram encontrados ou identificados na época. Ele acreditava que ambos desapareceram o dia antes de os russos entrarem em Berlim. Ele acreditava que o relacionamento normal de Hitler com a Suíça, juntamente com a falta de qualquer outro idioma de Hitler, tornaria a Suíça, e não a Argentina, o lugar ideal para que os dois escapassem.

 

Fonte: History Channel
http://www.businessinsider.com

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade