As impressionantes previsões de Tesla para o futuro e a crise inexistente - Parte 1

tesfutu1aJá estamos em 2015 e o povo ainda quer saber: onde raios estão os skates voadores que vimos em “De Volta para o Futuro”? Já andaram fazendo pegadinha com a gente ano passado, com vídeo e tudo. Todo mundo acreditou e quis pedir um na hora. Mas era mentira. #chateada Não tenho a menor previsão ...

de que dia/ano essa invenção mirabolante vai chegar ao mercado a fazer parte do nosso dia a dia. Até porque eu não sou nenhuma Nikola Tesla. Esse sim manjava do futuro. Se estivesse vivo hoje, ele provavelmente saberia a resposta. Porque além de ser um físico genial, ele realmente previu um monte de tecnologias do século 21. E com bastante precisão.

Em 30 de janeiro de 1926, uma revista chamada Collier publicou uma entrevista com o lendário inventor. Nela, Tesla falou sobre suas previsões surpreendentes para o futuro. Entre elas, ele falava de um mundo de máquinas voadoras, energia sem fio e superioridade feminina. Algumas das previsões foram certeiras. Outras, nem tanto. Tesla já sabia sobre o futuro da TV e tecnologia de telefones móveis

No início de 1926, quando a tal entrevista com Tesla foi publicada, a televisão estava engatinhando ainda. Mas só o fato de ela ter sido inventada foi suficiente para Tesla ver um futuro brilhante para aquela tecnologia. Já naquela época, ele previu o que hoje chamamos de Smart TVs. Segundo palavras do próprio Tesla, quando a tecnologia sem fio (nossa queria wireless) estivesse perfeitamente estabelecida no mundo todo (como está cada vez mais), o planeta se tornaria um enorme cérebro. Na entrevista, ele inclusive disse que seríamos “capazes de nos comunicar uns com os outros de imediato, independentemente da distância”.

Ele também chegou a falar com todas as palavras que por meio da televisão e da telefonia iríamos poder ver e ouvir uns aos outros perfeitamente como se estivéssemos frente a frente, ainda que estivéssemos fisicamente separados por milhares de quilômetros. “Um homem será capaz de transportar uma [dessas tecnologias] no bolso do colete”. E não é que ele acertou!?

Na entrevista, ele continua:

“Seremos capazes de testemunhar e ouvir eventos de posse de um presidente, a reprodução de um jogo, a destruição causada por um terremoto ou o terror de uma guerra como se estivéssemos presentes. Quando a transmissão sem fio de energia for comercial, os transportes e a comunicação serão revolucionados. Já os filmes serão transmitidos por wireless de curta distância. Mais tarde, a distância será ilimitada”.

A transmissão sem fio foi de particular interesse para Tesla, como você vai ver no próximo item. Mas foram suas previsões em torno da tecnologia de telefonia móvel que têm se mostrado mais realizadas, digamos assim, aqui no início do século 21.

Tesla sobre máquinas voadoras

Tesla foi incrivelmente otimista em relação ao futuro das máquinas que voam a partir da perspectiva de 1926. “Talvez a aplicação mais valiosa da energia sem fio será a propulsão de máquinas voadoras, que não vão precisar de nenhum combustível e estarão livres de quaisquer limitações dos atuais aviões e dirigíveis. Vamos voar de Nova York para a Europa em poucas horas. Fronteiras internacionais serão em grande parte destruídas e um grande passo será dado em direção à unificação e existência harmoniosa das várias raças que habitam o planeta. A tecnologia sem fio não só irá tornar possível o fornecimento de energia para regiões inacessíveis, como também vai ser politicamente eficaz, harmonizando interesses internacionais; ela irá criar compreensão em vez de diferenças”. A ideia de viajar de Nova York para Londres em apenas algumas horas permaneceu uma fantasia até a era do jato, mas ainda estamos à espera de aviões que “carregam nenhum combustível”, como ele previu.

Tesla sobre energia sem fio e impressão de jornais em casa

Tesla estava muito à frente de seu tempo, de muitas formas. E como ele e Hugo Gernsback (que era inventor, editor e autor de ficção científica) eram amigos, pode-se traçar uma linha direta entre algumas das idéias que Tesla teve e as previsões fascinantes que iriam aparecer em muitas revistas de tecnologia e ficção científica de Gernsback. Um exemplo perfeito é o do jornal sem fio. Ele previu que os aparelhos receptores, da forma como conheciam em 1926, seriam extintos. “Estática e todas as formas de interferência serão eliminadas, de modo que inúmeros transmissores e receptores poderão ser operados sem interferência. É mais do que provável que o jornal diário seja impresso ‘sem fio’ em casa durante a noite”. Perceba que Tesla estava prevendo jornais sem fio nos 1920, mas o pessoal da indústria começou a ensaiar a impressão de jornais em casa só na década de 1930. Apesar de ser incrivelmente lento e barulhento, a engenhoca realmente funcionou.

Tesla previu a superioridade feminina, para o bem e para o mal

Nikola Tesla proclamou nesta mesma entrevista que um dia – em breve – as mulheres seriam superiores aos homens. Mas ele não quis dizer isso como sendo uma coisa exatamente positiva. Na verdade, dentro do contexto de suas crenças da época, ele era absolutamente aterrorizado com a ideia de que as mulheres se tornassem “vítimas” de seu próprio sucesso.

Collier publicou o que ele disse:

“É claro que para qualquer observador treinado e até mesmo para o sociologicamente destreinado, uma nova atitude com a discriminação sexual permeou todo o mundo através dos séculos, recebendo um estímulo abrupto logo depois da Primeira Guerra Mundial. Esta luta da fêmea humana em direção a igualdade entre os sexos vai acabar em uma nova ordem, com a mulher sendo superior. A mulher moderna, que antecipa em fenômenos meramente superficiais o avanço de seu sexo, é apenas um sintoma superficial de algo mais profundo e mais potente do que está fermentando no seio da corrida.

Não é na imitação física rasa de homens que as mulheres vão conquistar a sua igualdade e mais tarde a sua superioridade, mas sim no despertar do intelecto das mulheres. Através de inúmeras gerações, desde o início, a subserviência social das mulheres naturalmente resultou na atrofia parcial ou, pelo menos, na suspensão hereditária de qualidades mentais que sabemos não ser nada inferiores do que a dos homens”.

O momento que vivemos atualmente, em que as mulheres estão cada vez mais fortes no mercado de trabalho, deixam bem claro que Tesla acertou mais uma vez. Ele continua o raciocínio na entrevista:

“Mas a mente feminina tem demonstrado uma capacidade para todas as aquisições mentais e conquistas dos homens, e com as gerações futuras essa capacidade será ampliada; a mulher média vai ser bem educada como o homem médio e, em seguida, mais instruída. As faculdades latentes do seu cérebro serão estimuladas para uma atividade que será tanto mais intensa e poderosa por causa dos séculos que esteve em repouso. A mulher vai ignorar os precedentes e assustar a civilização com seu progresso.

A aquisição de novos campos de atuação das mulheres, a sua usurpação gradual da liderança, vai finalmente dissipar as sensibilidades femininas, vai sufocar o instinto maternal, de forma que o casamento e a maternidade podem se tornar abomináveis e a civilização humana vai se desenhar cada vez mais como a civilização das abelhas”.

Nikola Tesla tinha uma relação complicada com as mulheres, e muito porque ele não sabia como se comunicar melhor com elas. Ele até chegou a demitir uma secretária porque achava que ela estava muito gorda.
Tesla x Edison: quem foi melhor?

Tesla sobre eugenia e a perfeição da humanidade

No final da entrevista para a revista Collier, vemos indícios de ideias de Tesla em torno de eugenia que ficaram rondando a cabeça dele até o fim de seus dias. “A imaginação vacila diante da perspectiva de analogia entre a civilização humana e a misteriosa civilização soberbamente dedicada das abelhas; mas quando nós consideramos como o instinto humano para a perpetuação domina a vida em suas manifestações normais, exageradas e perversas, vemos uma justiça irônica na possibilidade de que esse instinto, com o avanço intelectual constante das mulheres, pode ser finalmente manifestado na forma das abelhas, mas vai demorar séculos para quebrar os hábitos e costumes dos povos que barram o caminho para que tal civilização exista de forma simples e cientificamente ordenada.

Vimos um início deste movimento nos Estados Unidos. Em Wisconsin a esterilização de criminosos confirmados e exames de homens pré-casamento são exigidos por lei, enquanto a doutrina da eugenia é agora, corajosamente, pregada onde há algumas décadas a sua defesa era tida como uma ofensa. Homens velhos sonham e jovens têm tido visões desde o início dos tempos. Nós, hoje, só podemos sentar e nos perguntar quando um cientista terá sua voz”.

A defesa de Tesla sobre a esterilização forçada e aprovação do governo para parceiros de casamento não era tão bizarra em alguns círculos sociais, mas é certamente um aspecto de seu sistema de crença que muitas pessoas aqui no século 21 gostariam de esquecer. Me incluo nessa.

Tesla foi um inventor brilhante e um pensador visionário, isso é fato. Especialmente depois de saber quantas coisas ele previu em uma época em que coisas como “transmissão sem fio” eram difíceis de se pensar até para a ficção. Mas, como a grande maioria dos gênios, ele era um homem complexo, com ideias que podem ter sido moda para alguns em seu tempo, mas fazem com que pensadores modernos torçam o nariz.


Nikola Tesla. A crise de energia é uma mentira

tesfutu1b


Uma pessoa que tenha ideais nobres acaba, forçosamente, tornando-se inimiga do “sistema”. O projeto de Tesla entrava em conflito com o maior filão econômico de sua época, pois ameaçava inviabilizar a comercialização da energia elétrica e, por isso mesmo, a construção de novas megacentrais dessa energia. No ambiente capitalista e acentuadamente competitivo da sociedade americana, Tesla só poderia ter sido considerado um louco ou um traidor. Várias descobertas de Tesla têm sido investigadas e até mesmo aplicadas para fins bélicos, o que se opõe frontalmente ao espírito do inventor. Há indícios de que Tesla tenha sido assassinado. Após o seu falecimento, todas as suas anotações científicas desapareceram. É provável que elas tenham sido confiscadas pela Agência Federal de Investigações norte-americana (FBI).

Tesla e Maria Orsic

Ambos eram de origem jugoslava , amantes dos animais , os vegetarianos , nenhuma faculdade terminou, solteira e sem filhos , sem religião, contra a guerra , pobres e quase pobres, e ambos foram vigiados de perto pelas agências militares e de inteligência : Nikola Tesla pelo FBI, CIA e OSS , e Maria Orsic pela Gestapo e da SS. Nikola emigrou para Nova York e Maria a Berlim .

Se as descobertas e invenções no campo eletromagnético de Nikola Tesla foi um dos maiores segredos guardados por agências militares , foi ainda maior grau de classificação , a segurança , a extensa correspondência que ele tinha com Maria Orsic . Maria e Nikola estavam relacionadas com a construção de uma máquina voadora anti- gravitacional e contatos com extraterrestres. Nikola era um cientista , um gênio do eletromagnetismo , mas Mary era uma menina que gostava de usar cabelos longos abaixo da cintura , joelhos quase , que ensinavam ballet para iniciantes e um professor de línguas , mas um dia caiu transe e começou a ter experiências mediúnicas contínuas em que ele recebeu todos os dados técnicos e desenhos para a construção de uma nave voadora anti- gravitacional.

Tanto Maria e Tesla, manteve uma grande correspondência que nada se sabe e sempre foi um registro de segurança máxima classificados. Entre os papéis de Tesla detalhes elaborados , desenhos e planos para uma máquina anti- gravidade voando encontrado na linha de UFO alemão Vril Bell e Mary Orsic.

Na Alemanha nazista , havia duas linhas diferentes na construção de OVNIs ou Vril alemão do Terceiro Reich : cientistas alemães e austríacos que trabalham com base no fato de que eram tradicional ou sistemas de propulsão de dados científicos de ponta , que logo passaram para o controle da SS , e projecto de Mary Orsic e Dr. Otto Schumannbasado em dados técnicos fornecidos por extraterrestres.

Maria recebeu os dados técnicos língua suméria dos seres que afirmam ser mensageiros do planeta Ashtari / Aldebaran e Dr. Otto Schumann, desde o início, ficou impressionado ao ver que a projetos de aeronaves de vanguarda Viktor Schauberger y Karl Haushofer não eram tão avançados.

Nikola Tesla era sobre alienígenas que escreveram em sânscrito em seu notebook, e disse que duas raças alienígenas em guerra , estava preocupado para a humanidade, e por isso ele inventou o " raio da morte", que poderia destruir naves alienígenas. 20 de julho de 1931, Nikola Tesla fez a seguinte declaração para a revista "Time Magazine" "Eu criei uma maneira que permitirá que os seres humanos possam transferir energia em grandes quantidades, milhares de cavalos de potência , de um planeta para outro , independentemente da distância ". Nikola Tesla morreu em 7 de janeiro de 1943 em seu quarto em seu quarto de hotel em Nova York e imediatamente todo o seu trabalho e os bens foram confiscados pelo governo dos Estados Unidos . Maria desapareceu em Março de 1945, em Berlim, e nunca conheceu mais soubesse nada sobre ela.

Nikola Tesla

Poucos sabem quem é Nikola Tesla. Para alguns, “tesla” é apenas uma das unidades usadas para designar medidas de intensidade de campo magnético. O fato é que Nikola Tesla (1856 – 1943) é o homem que possibilitou o uso em grande escala da eletricidade, o inventor do sistema multifásico de corrente alternada, do rádio, da lâmpada fluorescente, um dos descobridores dos raios X e autor de muitas outras invenções que estão registradas através de mais de 700 patentes.1

Como costuma acontecer aos homens de visão, Tesla teve que suportar a incompreensão de seus contemporâneos. Dentre suas descobertas, o mundo só conheceu aquelas que interessaram ao poder financeiro, e aquele que teria sido o seu invento mais importante foi também o mais visado. Trata-se do Sistema Mundial de transmissão de energia elétrica sem fios, projeto que foi “abafado” pelas mesmas mãos que se apoderaram de várias de suas idéias e que as usaram ou em proveito próprio ou a serviço da tecnologia bélica, o que, sem dúvida, contribuiu para intensificar o quadro de brutalidade humana que caracterizou o século XX.

Diferentemente da grande maioria dos cientistas, Tesla foi sempre guiado pelo ideal de colocar o seu trabalho científico a serviço do bem-estar do homem, e em nome desse objetivo chegou a passar por situações de verdadeira penúria financeira. Tendo compreendido que o uso contínuo e prolongado das fontes de energia usadas na época constituiriam, a longo prazo, uma ameaça à manutenção das reservas naturais do planeta, ele passou décadas tentando descobrir uma fonte energética não poluente e que não destruísse a natureza. E, para desespero das grandes empresas geradoras de energia, ele apresentou um surpreendente projeto de construção de megacentrais de energia elétrica o qual abria, de forma concreta, a possibilidade de que esta viesse a ser consumida pelos usuários sem qualquer custo. Isso foi o suficiente para que Tesla se tornasse um incômodo para muita gente e um perigo para uma sociedade que era dominada pelo materialismo e pelo egoísmo.

Por ter levado às últimas conseqüências seu ideal de ser efetivamente útil à sociedade, o inventor do sistema que possibilitou o aproveitamento doméstico e industrial da eletricidade – a qual é, como se sabe, responsável pelo enorme progresso tecnológico ocorrido no século XX – foi, em vida, perseguido, desprezado, ignorado e até humilhado, tendo chegado ao ponto de passar os últimos anos de sua existência na solidão de um quarto de hotel e na miséria. E, postumamente, a única homenagem que lhe prestam é o banimento de seu nome da história da ciência que é ensinada nas universidades. E, por incrível que pareça, nem mesmo a grande maioria dos docentes da área da Física costumam estar a par do assunto. Mas é chegada a hora de conhecer e reconhecer este gênio inventivo, que, tendo encarnado o protótipo do legítimo cientista, legou às gerações seguintes um raro exemplo de conduta.

A descoberta do motor de corrente alternada

tesfutu1c

Nikola Tesla nasceu em 1856 na província de Lika, que abrange regiões da Croácia e da Eslovénia.2 Desde pequeno, ele já se interessava por coisas que passavam despercebidas às outras pessoas, e, em especial, por determinados fenômenos da natureza que ele constantemente observava. Essa atitude revelava o dom inato que tanta influência teria em seu destino, e também no nosso.

Tesla estudou na renomada Escola Politécnica de Gratz, Styria, onde tinha aulas laboratoriais de eletricidade com o físico Poeschl. Enquanto este fazia demonstrações com um dínamo que alimentava um motor, Tesla notou que os contatos elétricos em forma de escovas em dispositivos chamados “comutadores” produziam faíscas. E, durante uma aula, expôs ao professor a sua hipótese de que deveria ser possível operar o motor sem esses dispositivos usando corrente alternada ao invés da corrente contínua (ou constante) que se usava na época. Poeschl disse-lhe então que isso era inviável, dado que a eletricidade flui em uma direção enquanto que o campo magnético tem dois pólos, cada um dos quais atuando de forma oposta sobre a corrente. E que, portanto, o uso de um comutador era indispensável para alterar, no momento certo, a direção da corrente na armadura giratória. E completou sua argumentação afirmando com ceticismo: “O Sr. Tesla poderá realizar obras grandiosas, mas não esta, com certeza. Pretender realizá-la é o mesmo que pensar em transformar uma força retilínea como a da gravidade num esforço giratório. É um esquema do tipo de movimento perpétuo. Uma idéia impossível.”

A verdade é que Poeschl raciocinou de forma lógica, considerando que não seria possível, através de uma corrente alternada (ou seja, uma corrente elétrica que varia no tempo em forma periódica e cuja direção muda uma vez a cada ciclo), fazer com que o motor girasse sempre numa mesma direção. Acreditava-se que o movimento realizado por ele mudaria de direção a cada vez que a corrente também o fizesse. Era devido a esta crença que se usava a corrente contínua, que flui sempre na mesma direção. Durante algum tempo, Tesla não questionou a opinião do professor, mas algo lhe dizia que sua idéia era realmente viável, e ele não a esqueceu.
Em 1882, passeando em companhia de um amigo e sentindo-se inspirado diante da beleza de um pôr-do-sol que contemplava ao mesmo tempo em que declamava um poema de Goethe, Tesla concebeu a idéia que mudaria o mundo para sempre: o motor de corrente alternada. Este genial invento, notável por sua simplicidade, aproveita a energia elétrica tal qual é produzida naturalmente pelos dínamos. Ele é baseado no conceito de campo magnético giratório, obtido através de várias correntes alternadas defasadas entre si. Com o campo magnético giratório, os complicados e caros comutadores deixavam de ser necessários. Para surpresa de todos os estudiosos da área da Física, uma hipótese que até então parecera absurda apresentava-se agora como uma realidade. Uma realidade surpreendentemente boa, que abriu as portas para a distribuição da energia elétrica por todo o mundo.

Com o uso da corrente alternada, foi possível desenvolver os transformadores, através dos quais obtém-se facilmente altas tensões elétricas, necessárias para o transporte de grandes quantidades de energia elétrica sem risco de queima dos fios de condução. No sistema de corrente contínua, a ausência de transformadores implicava o uso de baixas tensões e altas correntes, sendo necessários então cabos extremamente grossos. Porém, essa solução era tão cara que se fazia impraticável para distâncias acima de alguns quilômetros. Além disso, as perdas de energia que este sistema ocasionava eram enormes. Assim, para iluminar Nova Iorque, por exemplo, teriam sido necessárias cem estações geradoras de potência de corrente contínua, e com a tecnologia da corrente alternada apenas uma já bastava, não só para cumprir a mesma função como também para atingir uma área ainda maior. Tornou-se possível, portanto, transportar a energia elétrica das grandes centrais geradoras, as quais poderiam tornar utilizável o enorme potencial energético oferecido pela natureza (tal como ocorre, por exemplo, nas usinas hidroelétricas), até distâncias de milhares de quilômetros da fonte, viabilizando-se assim o uso extensivo da eletricidade. Desse modo, o progresso e o desenvolvimento das civilizações puderam ser impulsionados como nunca.

Compreendendo o importante significado de sua descoberta, Tesla tentou convencer investidores europeus a financiarem a construção dos sistemas de corrente alternada. Suas tentativas, porém, foram infrutíferas. Em 1884, ele chegou aos Estados Unidos e apresentou sua descoberta ao célebre Thomas Alva Edison. Na época, todas as companhias comerciais de energia elétrica, inclusive a do próprio Edison, estavam baseadas em dispositivos de corrente contínua. Devido a interesses econômicos, e também por falta de humildade em reconhecer a superioridade da idéia de Tesla em relação às suas próprias idéias, Edison não conseguiu avaliar adequadamente o projeto do inventor europeu, tendo-se limitado a tachá-lo de inviável. É provável que, no fundo, aquilo que o motivasse a agir assim fosse o medo de perder o status de “rei da eletricidade” de que então gozava.

Apesar do desinteresse demonstrado por Edison na ocasião, Tesla foi aceito na Continental Edison Company graças a uma carta de recomendação escrita por um gerente dessa mesma Companhia em Paris, onde o inventor europeu trabalhara. A carta de recomendação dirigida a Edison dizia: “Conheço dois grandes homens, e você é um deles; o outro é esse jovem”. Devido ao seu incrível engenho técnico, Tesla conseguiu conquistar a admiração de Edison, e seu prestígio junto a ele aumentou vertiginosamente em pouco tempo. Propôs então modificar os geradores fabricados por esse outro inventor a fim de que se tornassem mais eficientes, diante do que este prometeu pagar-lhe U$S 50.000,00 caso ele conseguisse de fato realizar essa proeza. Após árduo trabalho, Tesla projetou e construiu vinte e quatro novos tipos de dínamo, os quais, efetivamente, se revelaram superiores aos modelos antigos. Ao inquirir Edison acerca do pagamento prometido, Tesla recebeu a decepcionante resposta de que o oferecimento havia sido apenas uma brincadeira típica do humor americano. Por esta ofensa, Nikola Tesla se demitiu da empresa e partiu em busca de algum meio de dar a conhecer ao mundo seu grande invento. Mas ele não tardou a descobrir, para grande surpresa sua, que nem mesmo nos EUA era possível encontrar alguém que se interessasse por ele!
Os dois anos que se seguiram a esse episódio (1886 e 1887) foram marcados por grandes dificuldades para Tesla. Durante esse período, sua situação financeira se agravou tanto que ele chegou a passar fome, e foi graças a pequenos trabalhos de conserto de aparelhos elétricos que conseguiu sobreviver. Finalmente, um dos associados da companhia de telégrafos Western Union interessou-se em investir na fabricação e utilização das lâmpadas fluorescentes desenvolvidas por ele e, assim, ambos montaram a Tesla Electric Company. Vários meses de luta se seguiram, durante os quais ele desenvolveu uma grande variedade de acessórios para seu sistema de corrente alternada, como os motores e transformadores multifásicos e outras peças para o sistema de distribuição de energia elétrica. Tal foi o acúmulo de patentes registradas então por Tesla que não foi mais possível ignorá-lo. Em maio de 1888, o Instituto Americano de Engenheiros Elétricos o convidou a dar uma palestra. O convite foi aceito, e ele discorreu então, diante de uma platéia surpresa, sobre o sistema de corrente alternada, demonstrando, através de explicações criteriosamente embasadas nas leis da Física, as incríveis vantagens de seus inventos. Com essa exposição, Tesla ofereceu ao público uma descrição bastante aproximada daquilo que é o sistema elétrico usado hoje em dia no mundo inteiro.

Depois daquela palestra, o inventor e empresário George Westinghouse farejou um verdadeiro filão no invento de Tesla e reconheceu a sua superioridade inquestionável, apesar da feroz propaganda que Edison fazia contra o sistema de corrente alternada. Decidiu então agir rápido. Visitou-o em seu laboratório e ofereceu-lhe o valor de um milhão de dólares por todas as patentes associadas a essa corrente alternada, além de um dólar por cada cavalo de potência fornecido. Posteriormente, Westinghouse, tendo mudado de idéia acerca deste segundo item do contrato, induziria Tesla a cancelá-lo.

Um passo decisivo no reconhecimento da superioridade do sistema de corrente alternada sobre o de corrente contínua foi dado no momento em que foi decidida a construção de uma estação geradora de potência nas cataratas do Niágara. O sistema de Tesla já havia provado a sua eficácia experimental, mas ainda não havia sido utilizado em grande escala. Os empresários envolvidos naquele grande investimento fizeram uma minuciosa avaliação das tecnologias referentes às duas formas de corrente e acabaram escolhendo a desenvolvida por Tesla. A inauguração da usina em 1892 representou simultaneamente, no que concerne à geração de potência em grande escala, a consagração do sistema de Tesla e a aposentadoria da tecnologia de corrente contínua defendida por Thomas Edison.

Radiodifusão e a bobina de Tesla

Em muitos livros de história de radiofonia consta a equívoca afirmação de que o inventor do rádio teria sido o físico italiano Guglielmo Marconi. Poucos sabem que, em 1890, Tesla já havia desenvolvido o primeiro tubo eletrônico destinado a ser usado como detector num sistema de rádio. Em 1892, ele descreveu seu invento em palestras em Londres e Paris e, no ano seguinte, apresentou em detalhes o funcionamento de seu sistema de transmissão e recepção por rádio no Instituto Franklin na Filadélfia.3 Este sistema já era formado de praticamente todos os componentes dos rádios de hoje. Sempre interessado antes em desenvolver novos projetos do que em explorar comercialmente os inventos já realizados, Tesla passou imediatamente a desenvolver o sistema de transmissão de potência elétrica sem fios.

Marconi, que conhecia bastante bem os experimentos de Tesla, somente em 1895 conseguiu produzir ondas eletromagnéticas em seu laboratório. Sua experiência assemelhava-se a uma que havia sido realizada em 1887 pelo físico alemão Heinrich Hertz. Através dessas ondas, Marconi foi capaz de enviar e receber mensagens telegráficas a uma distância um pouco superior a dois quilômetros. Rapidamente, ele aperfeiçoou seu sistema e fez demonstrações públicas de transmissão de mensagens a distância, testando espaços cada vez maiores. Com isso, ele atraiu a atenção do grande público, da imprensa e dos grandes investidores. Através de intensa publicidade, adquiriu popularidade mundial e acabou se consagrando como o inventor do rádio4. Em 1901, Tesla referiu-se ao italiano nos seguintes termos: “Marconi é um bom rapaz, vamos deixá-lo continuar. Ele está usando dezessete das minhas patentes”. Durante bastante tempo ele aceitou, sem exigir nada em troca, o “bom uso” que Marconi estava dando a essas patentes. Só quando este se lançou ferozmente à exploração comercial das mesmas sem sequer mencioná-las é que Tesla entrou com um processo na justiça americana reclamando os seus direitos. Era 1914. O veredicto, em primeira instância, foi favorável a Marconi, e foi preciso esperar até 1943 (ou seja, quase trinta anos!) para que a Suprema Corte dos EUA, aceitando o recurso, concedesse a Tesla o direito de ser reconhecido como aquilo que de fato era: o inventor do rádio. Quando isto aconteceu, ele sequer pôde desfrutar de sua vitória, uma vez que, dois meses antes, havia deixado este mundo.

PARTE 2

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade