As impressionantes previsões de Tesla para o futuro e a crise inexistente - Parte 2

testu1dNa verdade, Tesla havia desenvolvido algo que superava as idéias originais de Hertz. Tratava-se de uma série de alternadores de alta freqüência, precursores daqueles que são usados atualmente nos rádios de onda contínua. Este invento se uniria à célebre “bobina de tesla”, dispositivo por ele apresentado publicamente já em 1891 que converte um sinal de baixa tensão e alta corrente em outro de alta tensão e baixa corrente, utilizando altas freqüências. Este instrumento, que é usado até hoje na maioria dos aparelhos de rádio, TV e nos monitores de computador, inclusive até hoje, é notável por sua simplicidade e utilidade. A maneira como Tesla concebia a tecnologia do rádio era diferente daquela que havia sido introduzida por Hertz.

Para Tesla, a transmissão de sinais de rádio é um fenômeno de condução elétrica que pode se dar através do ar ou da terra, e não apenas um fenômeno de radiação.5 Esta descrição proposta por ele virou tabu na ciência oficial, que aceitou como válido apenas o modelo hertziano de rádio. Não obstante, Tesla defendia seu modelo corajosamente, apontando as vantagens da transmissão de sinais de rádio a baixa freqüência através da terra sobre a transmissão em altas freqüências pelo ar de Hertz. Mencionava, por exemplo, o fato de que seu modelo consumia menos energia e não precisava de antenas.

Porém, em decorrência da intensa campanha que Marconi havia feito contra ele, seus argumentos acabaram sendo ignorados pela comunidade científica. Durante a Primeira Guerra Mundial, a eficácia das idéias de Tesla pôde ser demonstrada na prática, embora de forma acidental. Foi então descoberto que era possível ouvir as conversas dos adversários de guerra conectando auriculares a varas condutoras enterradas. A possibilidade de enviar sinais elétricos de baixa freqüência por terra foi demonstrada ainda por Nathan Stubblefield e pelo pesquisador James Harris Rogers. Este último eliminou por completo as antenas aéreas e verificou que o rádio “subterrâneo”, quando sob variações atmosféricas e climáticas, era mais estável que o outro.6

Outra contribuição importante de Tesla foi o “segredo da sintonia”, ou “princípio de quarto de onda”, um método simples para calcular o comprimento de uma bobina de sintonia num circuito de rádio. Esse método é utilizado até hoje para calcular o comprimento das antenas em circuitos de sintonia.7

Energia ao alcance de todos: o sistema mundial de transmissão de energia
“Não há uma crise de energia. Há apenas uma crise de ignorância.”

R. Buckminster Fuller

O que Tesla pretendia não era, simplesmente, tornar acessível a todos o uso da energia elétrica. Sua capacidade de visão o levou a lutar por um ideal ainda mais abrangente: a transmissão de energia elétrica sem fios mediante um sistema que permitiria distribuí-la pelo mundo inteiro, fazendo com que ela passasse a ser propriedade da humanidade. As casas, fábricas, trens, aviões, submarinos, carros e barcos receberiam esta energia através de antenas que os conectariam às torres receptoras locais. Esta seria a realização mais importante de toda a sua carreira.

O coração desse sistema era a “bobina de Tesla”, dispositivo capaz de produzir correntes alternadas com tensões de até milhões de volts e altas correntes e, ainda, com freqüências variadas. Tesla descobriu que, se uma lâmpada fluorescente era colocada a pouca distância desse dispositivo, ela se acendia e irradiava luz sem que, para tanto, houvesse necessidade de fios. O fenômeno da ressonância elétrica era a chave daquela descoberta. Em 1891, Tesla havia acabado de se tornar cidadão norte-americano, e essa nova tecnologia iria ser o seu presente ao país que o acolhera e ao mundo. Através dela, seria possível transmitir energia instantaneamente, a qualquer distância, através do ar. E isto significava energia gratuita para todos.

Um dos assistentes de Tesla questionou as implicações desse plano de distribuição de energia. Ele perguntava se uma empresa provedora de energia elétrica aceitaria fornecer sua mercadoria gratuitamente e se Tesla seria “autorizado” a introduzir um sistema como esse. Mas essas dúvidas só conseguiram exasperar o inventor, pois ele estava convicto de que seu plano iria ser aceito simplesmente porque se tratava de algo correto e que deveria ser realizado.

testu1e

Com o tempo, a visão de Tesla a respeito da transmissão de energia sem cabos foi se ampliando e evoluindo. A transmissão através do ar apresentava limitações devido à perda de energia a grandes distâncias. Por isso, ele decidiu usar a terra, e não o ar, como meio de propagação de energia. A própria Terra poderia fazer as vezes de condutor; as ondas elétricas se expandiriam através da crosta terrestre em frentes de ondas concêntricas passíveis de serem recebidas e utilizadas em pontos geográficos distantes. Desta forma, o planeta inteiro seria convertido num transmissor elétrico colossal.

Numa noite de 1899, Tesla realizou em seu laboratório, na cidade de Colorado Springs, um de seus experimentos mais famosos. Em sua tentativa de enviar energia elétrica através da terra, ele descobriu um efeito a que deu o nome de crescimento ressonante. Essa descoberta pode ser considerada uma das mais importantes façanhas elétricas já realizadas pelo homem. A tensão acumulada na antena da torre do laboratório produziu um arco de luz que se estendeu em direção ao céu e cresceu progressivamente até chegar a um comprimento de mais de 40 metros. E a experiência só não teve resultados ainda maiores porque houve uma interrupção inesperada: o gerador de energia elétrica da cidade de Colorado Springs não agüentou a sobrecarga e acabou se queimando. Tesla explicou o efeito de crescimento ressonante dizendo que a corrente elétrica havia atravessado o planeta inteiro até refletir-se no lado oposto, tendo sido reforçada por pulsos elétricos obtidos do gerador a cada vez que ela retornava ao seu ponto de partida.
Tesla e J.P. Morgan
O bilionário norte-americano J. Pierpont Morgan interessou-se pelo fenômeno Nikola Tesla. Naquela época, eram relativamente poucos os grupos financeiros que dominavam os recursos econômicos mundiais. Quando um desses grupos descobria alguém como Tesla, isso poderia ter grandes implicações para o destino desse alguém. Sem dúvida, Morgan ficou surpreso e imensamente satisfeito quando soube que ele trabalhava sozinho e que estava precisando de fundos para realizar suas pesquisas. O empresário simplesmente não podia correr o risco de que outro grupo que não o seu financiasse o inventor.

Tesla buscava um meio de viabilizar o seu Sistema Mundial de transmissão de potência elétrica e telecomunicações quando foi descoberto por Morgan.8 O empresário, que sabia de seu potencial, entreviu na parceria uma possibilidade de que seu grupo viesse a possuir o monopólio do sistema mundial de comunicações, o que, é claro, pareceu-lhe extremamente interessante. Mas, por outro lado, o novo projeto de Tesla representava uma ameaça ao recentemente instalado e imensamente lucrativo sistema de transmissão de corrente alternada. Se mais alguém se interessasse pelo novo sistema e o levasse adiante, isso seria muito perigoso para o grupo de Morgan. Porém, se ele próprio assumisse o financiamento, desfrutaria ao menos da vantagem de poder dirigir a utilização desse sistema segundo sua própria conveniência.

Feito o acordo, o empresário entregou inicialmente a Tesla U$150,000, montante esse que cobria apenas a primeira fase do projeto. Tesla providenciou então a construção de um novo laboratório em Long Island, perto de Nova Iorque. E assim, em 1900, a célebre torre de Wardencliff, que deveria superar em tamanho e capacidade de transmissão de potência a torre de Colorado Springs, começou a ser edificada.

Pouco tempo depois, sem prévio aviso, Morgan interrompeu o financiamento da construção do sistema e, quase que instantaneamente, uma onda de rumores espalhou-se pela cidade. Dizia-se que Morgan havia perdido o interesse pelo projeto por ser ele impraticável. Dado o prestígio e a influência do bilionário nos círculos do poder financeiro, esses rumores acabaram por espantar todos os outros possíveis financiadores. A partir de então, todos os esforços realizados por Tesla no intuito de atraí-los foram em vão. Em 1905, quando grande parte da torre já havia sido construída, o inventor se encontrava financeiramente exaurido. Ele canalizara para o projeto todos os seus próprios recursos e contraíra enormes dívidas.

Em 1917, durante a Primeira Guerra Mundial, utilizando-se da justificativa de que a torre, que ainda se encontrava inacabada, poderia ser usada por espiões alemães, o governo norte-americano mandou derrubá-la. A explicação parece pouco convincente. Além do mais, é no mínimo estranho que, mesmo depois de terminada a guerra, ninguém tenha se prontificado a reconstruí-la.
Chegado o momento da explosão, a torre de Tesla permaneceu incólume. Foi preciso dinamitá-la diversas vezes consecutivas para que ela finalmente ruísse.
Tesla e Bill Gates
De acordo com as previsões de Nikola Tesla, o Sistema Mundial da Torre de Wardencliff estaria apto a possibilitar: 9
1) A interconexão de todas as estações de telégrafos do mundo;
2) O estabelecimento de um serviço de telégrafos secreto e imune a interferências para uso do governo;
3) A interconexão de todos os telefones e estações telefônicas do mundo inteiro;
4) A difusão universal de notícias, música, etc.;
5) A transmissão mundial de textos na forma escrita (cartas, cheques, etc.);
6) A reprodução mundial de fotografias e desenhos;
7) O estabelecimento de um serviço universal de marinha capaz de permitir a orientação dos navegadores de todos os barcos e, conseqüentemente, a prevenção de acidentes e desastres navais.

Como se vê, Tesla estava várias décadas à frente de seu tempo. No final do século XIX, quando o rádio acabava de ser inventado e a televisão nem mesmo existia, ele foi capaz de distinguir claramente a possibilidade de que o mundo viesse a desfrutar de uma série de recursos tecnológicos que somente na era da informática chegaríamos a conhecer (através de inventos como, por exemplo, a Internet e o FAX). Porém, como a perspectiva da transmissão não comercial da energia elétrica estava incomodando muita gente, sobretudo os empresários dos EUA, o desenvolvimento do projeto de Tesla sofreu forte censura e não pôde se desenvolver. Esse foi, é claro, o “misterioso” motivo pelo qual a torre de Wandercliff foi condenada à destruição.

Mas as idéias de Nikola Tesla, vigorosas que eram, se mantiveram vivas, e, várias décadas depois da queda de sua torre, um jovem extremamente sagaz chamado Bill Gates, apropriou-se delas. Dessa forma, a parte do projeto de Tesla que previa a “transmissão de textos escritos, cheques e a reprodução de fotografias e desenhos”, que fora recebida tão ceticamente por seus contemporâneos, acabou se tornando uma realidade, só que com mais de sessenta anos de atraso. Bill Gates, como se sabe, é hoje o proprietário da principal empresa de informática do mundo, e é considerado, popularmente, uma espécie de gênio das comunicações. Mas sua genialidade talvez se resuma ao fato de que tenha sabido tirar partido do talento e idealismo alheios para fazer fortuna.

Tesla admirado por cientistas da época

testu1f

Faz-se notar, na trajetória de Tesla, a admiração que ele despertou nas pessoas que tiveram a oportunidade de conviver com ele. Sabe-se que vários dos mais célebres cientistas e inventores da época o respeitavam e inclusive o procuravam. Porém, eles não o faziam simplesmente porque admirassem seu gênio criativo, mas também porque buscavam obter, junto a ele, subsídios e idéias para seus próprios experimentos. Homens como Edison, nos EUA, e Lord Rayleigh, Guglielmo Marconi, Herman von Helmholtz e Lord Kelvin, na Europa, são exemplos disso. Sobre Tesla, Lord Kelvin, numa certa oportunidade, declarou: “Tesla contribuiu para a ciência da eletricidade mais do que nenhum outro homem de sua época”. Lord Rayleigh, por sua vez, afirmou: “Nikola Tesla é dotado de um dom especial para realizar descobertas”.10
Sendo assim, torna-se difícil levar a sério aqueles rumores segundo os quais Morgan deixara de ter interesse em financiar os projetos de Tesla por considerá-los inexeqüíveis. Esses boatos não passaram de um estratagema destinado a inviabilizar um trabalho que visava colocar a ciência a serviço da paz e do bem comum.

Tesla e Einstein

Embora se saiba que Tesla e Einstein se encontraram algumas vezes, e não se possa descartar a hipótese de que eles tenham conversado sobre ciência, torna-se evidente, pelos depoimentos de Tesla, que ele considerasse as afirmações de Einstein como tentativas arrogantes de subverter o significado intuitivo dos conceitos físicos básicos do homem. “A Física não é um submundo mental”, parecia ele advertir através de seus depoimentos e atitudes, “mas sim um dos inúmeros reflexos do homem”.

Tesla nunca conseguiu aceitar as interpretações de Einstein no que diz respeito à Teoria da Relatividade. A seu ver, o espaço não é curvo, mesmo porque ele não é um ente geométrico. O mesmo ele dizia em relação ao tempo. Para Tesla, o tempo era a energia vital que o impulsava a descobrir e desenvolver inúmeras coisas úteis, e não poderia ser desperdiçado, tal como Einstein o fizera, em especulações matemáticas inúteis sobre “o pensamento de Deus”. Ele também criticava toda tentativa de “explicar o funcionamento do universo sem reconhecer a existência do éter e a função indispensável que ele desempenha nos fenômenos”.11 O próprio Einstein, após ter passado anos tentando inutilmente desenvolver a sua teoria dos campos sem levar o éter em consideração, viu-se finalmente forçado a aceitar a sua existência.
Tesla era sabedor do poder da ciência e de seu potencial para produzir males ou benefícios. Ele via no desenvolvimento dos meios de transporte e comunicação uma possibilidade de aproximar as pessoas e de acabar com a desconfiança entre os povos. E afirmava, inclusive, que a ciência poderia até mesmo acabar com as guerras.12 Acontece que Tesla só concebia a ciência como um instrumento a ser utilizado de forma altruísta, enquanto que para Einstein ela foi um trampolim para a fama, um jogo destinado a satisfazer sua curiosidade, e, o que é mais grave, um instrumento de poder e de destruição.

Infelizmente, os financiadores e a mídia optaram por popularizar Einstein e desprezar Tesla. E as gerações seguintes se viram condicionadas a seguir o triste exemplo do primeiro. O desenvolvimento das armas nucleares é prova disso. Num apontamento não publicado, escrito em 15 de abril de 1932 (treze anos, portanto, antes da bomba atômica), Tesla declara: “Einstein afirma que, através de raios cósmicos, a matéria é transmutada em força, e vice-versa. Isto é absurdo. É o mesmo que dizer que o corpo material pode ser transformado em espírito, e o espírito em corpo.” A repulsa que Tesla sentiu a essa afirmação de Einstein talvez tenha por causa o pressentimento de que tal concepção, se posta em prática, não poderia levar senão a um desastre mundial.

O desaparecimento de Tesla

“Não quero proporcionar a alguns indivíduos invejosos e de pouca visão a satisfação de verem frustrarem-se os meus esforços (...). Meu projeto foi retardado pelas leis da natureza. O mundo não estava preparado para ele. Estava demasiado adiantado para o seu tempo. Mas as mesmas leis prevalecerão afinal e farão dele um sucesso triunfal.” Nikola Tesla, “Meus inventos”, 1919.

Uma pessoa que tenha ideais nobres acaba, forçosamente, tornando-se inimiga do “sistema”. O projeto de Tesla entrava em conflito com o maior filão econômico de sua época, pois ameaçava inviabilizar a comercialização da energia elétrica e, por isso mesmo, a construção de novas megacentrais dessa energia. No ambiente capitalista e acentuadamente competitivo da sociedade americana, Tesla só poderia ter sido considerado um louco ou um traidor.

Não é por mero acaso que as informações a respeito dos trabalhos de pesquisa desenvolvidos por Tesla na segunda metade da sua existência são escassas. Seu projeto para a implantação de um sistema global de transmissão de energia tem sido interpretado como uma tentativa de captar novas formas (ou seja, não elétricas) de energia. Acredita-se que ele tenha começado a investigar a possibilidade de captar a energia do campo gravitacional que envolve a Terra, ou, ainda, a do próprio éter.13 Interpretações posteriores ao seu trabalho alegam que no final de 1898, no campo experimental de Colorado Springs, Tesla chegou perto da solução técnica para coletar energia a partir do éter, e que fora esse o motivo que levara o banqueiro J.P. Morgan a retirar mais tarde o seu financiamento, pois ele receava que, se não o fizesse, o monopólio das fontes convencionais de energia estariam em breve ameaçadas. Atribui-se a Tesla a invenção de máquinas que retirariam energia do éter para transformá-la em energia útil e a de um “conversor de estado sólido” capaz de controlar um motor elétrico especial. Há informes alegando que este motor teria sido instalado numa limusine. A performance desta teria sido similar à de um carro tradicional, com a diferença de que o consumo de combustível então verificado teria sido praticamente nulo. O teste teria submetido a limusine a altas velocidades durante o período de uma semana.

Segundo consta, Tesla teria conseguido ainda produzir terremotos artificiais. Acredita-se que ele o tenha feito através de uma vibração induzida no campo do éter, a qual teria sido transferida a toda a matéria.14 Conta-se que, tendo ele testado esta tecnologia em Nova Iorque, verificou-se um forte tremor que atingiu uma área de vários quarteirões.

Várias descobertas de Tesla têm sido investigadas e até mesmo aplicadas para fins bélicos, o que se opõe frontalmente ao espírito do inventor. As “ondas estacionárias” de freqüência extremamente baixa (ELF), por exemplo, fenômeno conhecido como “Efeito Tesla”, têm sido usadas para a “guerra biopsicológica”.15 Um artigo da Associated Press de 20 de Maio de 1983, dá conta de que, por volta de 1960, a URSS usou um dispositivo chamado LIDA para influenciar o comportamento humano com a emissão de ondas de rádio de baixa freqüência.

Há indícios de que Tesla tenha sido assassinado. Após o seu falecimento, todas as suas anotações científicas desapareceram. É provável que elas tenham sido confiscadas pela Agência Federal de Investigações norte-americana (FBI).16 Embora esta entidade o tenha negado, existe uma declaração do Departamento de Defesa Norte-americano, datada de fevereiro de 1981, que sugere que o confisco poderia ter de fato ocorrido. Reza o documento: “Acreditamos que algumas das anotações de Tesla podem conter princípios básicos que seriam de valor considerável às pesquisas do Departamento de Defesa”.17 O fato é que alguns apontamentos de Tesla, escritos em inglês nos laboratórios do cientista, apareceram “misteriosamente”, alguns anos após o seu falecimento, já traduzidos para o idioma sérvio num museu em Belgrado que existe em sua homenagem. Outros, porém, jamais reapareceram.

tesfutu1g

É possível que o misterioso desaparecimento de Tesla18 (seu corpo só foi encontrado três dias após o desenlace), atribuído aos alemães, tenha sido o resultado de sua recusa em contribuir para que a energia nuclear fosse colocada a serviço da guerra. Pois se é verdade que, dado o notável talento do inventor, não seria de se estranhar que ele tivesse sido chamado pelo governo norte-americano a integrar o projeto da bomba (agentes representantes dos interesses do Eixo e dos aliados circulavam como aves de rapina em torno de seus projetos e descobrimentos), é igualmente certo que ele, dado o caráter íntegro e honesto que sempre deu mostras de possuir, não teria se sujeitado a aceitar semelhante “convite”. Não se pode, entretanto, descartar a hipótese de que seu trabalho tenha sido aproveitado a serviço da guerra e, até mesmo, da fabricação da bomba atômica.

Na verdade, custa acreditar que a morte de Tesla não tenha qualquer relação com os interesses políticos que, naquele conturbado momento histórico (estava-se às vésperas do fim da Segunda Guerra Mundial), se encontravam em jogo no cenário mundial. Ela foi atribuída aos alemães, mas ninguém soube explicar convincentemente que espécie de razões a Alemanha poderia ter tido para eliminá-lo. Resta considerar que a queima de arquivos é uma tática usual dos serviços secretos, e que essa tática costuma ser acompanhada de uma acusação contra o inimigo, ao qual é imputada a culpa pelo crime praticado. Quem sabe, com o tempo, a justiça se manifeste e revele esses tenebrosos fatos a fim de que os homens não mais se esqueçam que a flor do bem só pode ser colhida da árvore da verdade.
Nikola Tesla viveu incompreendido e perseguido durante a sua existência, mas deixando como exemplo uma história de vida que se encontra registrada na memória da misteriosa fênix que, sempre viva, há de ressuscitar quantas vezes se fizer necessário.
Notas

1. In: George Trinkaus - Tesla: The Lost Inventions. High Voltage Press. Claremont, CA
2. In: John O”Neil - Prodigal Genius - The life of Nikola Tesla Brotherhood of Life, Inc., 110 Dartmouth, SE, Albuquerque, New Mexico USA, 1994.
3. Idem.
4. B. Eric Rhoads, Blast from the past: A pictorial history of radio”s first 75 years,
Streamline Press, 1996.
5. In: George Trinkaus, Radio Tesla - The secret of Tesla”s radio and wireless power, High Voltage Press, Claremont, CA, 1993. 6. Idem.
Tesla, Nikola, Uma máquina para acabar com a guerra, segundo relatado a George Sylvester Viereck, Revista Liberty, fevereiro 1935, p. 5-7.
7. Ibidem.
8. Nikola Tesla, My inventions - The autobiography of Nikola Tesla, Tesla Book Company, Chula Vista, CA, EUA, 1919.
9. Idem.
10. Ibidem.
11. http://www.cinemedia.com.au/SFCV-RMIT-Annex/rnaughton/TESLA_BIO.html)
12. Tesla, Nikola, Uma máquina para acabar com a guerra, segundo relatado a George Sylvester Viereck, Revista Liberty, fevereiro 1935, p. 5-7.
13. In: Jan van Helsing - Secret Societies and Their Power in the 20th Century - trad. do alemão por Urs Thoenen. Gran Canaria, Ewertverlag, 1995.
14. Idem.
15. Ibidem.
16. In: http://foia.fbi.gov/tesla.htm (Arquivo da FBI sobre Tesla na internet)
17. Idem.
18. The Secret of Nikola Tesla, Zagreb film production, International Home Cinema, Venice, CA, USA, 1986.
Quem é J. P. Morgan?
O Grupo J.P. Morgan e Co. Inc, sediado em Nova Iorque, figurava, em 1929, na administração de nada menos que 2.450 sociedades, cujo capital atingia 74 bilhões de dólares, aproximadamente um terço de todo o capital existente nos Estados Unidos. Imagine-se o quanto esse patrimônio terá aumentado desde então, sobretudo após a vitória dos EUA na Segunda Guerra Mundial! Trata-se, sem dúvida, de um conglomerado verdadeiramente monstruoso.
Em Trustes e Cartéis (Ed. Globo, 1945), o Grupo Morgan é referido como um "gigantesco polvo". A metáfora se explica, é claro, pelo fato de ele se encontrar representado em quase todas as partes do mundo através dos milhares de firmas a ele associadas. O livro enumera algumas das organizações vinculadas ao Grupo Morgan em 1938:
-Bancos particulares:
Morgan, Stanley & Co. - Dexel & Co., Philadelphia.
Morgan Greenfeld & Co. - Morgan & Cie, Grandes Bancos
Bankers Trust Co.
New York Trust Co.
The First National Bank of New York
-Firmas:
GENERAL ELETRIC CO (conhecida como GE)
UNITED STATES STEEL CORP (há algumas décadas, a maior siderúrgica do mundo)
E. I. DU PONT de Nemours (indústria de produtos químicos)
GENERAL MOTORS CORP (conhecida como Chevrolet)
A obra enumera ainda outros 22 gigantes mundiais, dentre os quais:
-INTERNATIONAL NICKEL - Controle de 90% da produção de níquel;
-DUPONT - Maior fornecedora de munição para os aliados durante a II Guerra;
-UNITED STATES STEEL - Produção de 41% do total de aço dos EUA em 1930;
-GENERAL MOTORS - Produção de 42% do total de veículos nos EUA em 1938;
-WESTERN UNION - Após haver "engolido" 538 companhias telegráficas menores, esta empresa ficou com o monopólio de 80% de todas as redes americanas;
-INTERNATIONAL TELEPHONE & TELEGRAPH - A famigerada ITT, hoje transformada em AT&T. Proprietária de dois terços de todas as companhias telefônicas da América do Sul e de um quarto de todos os cabos submarinos do mundo (atualmente, a empresa atua via satélite).

Nikola Tesla está finalmente começando a atrair a atenção real e encorajar o debate sério quase 70 anos após sua morte. Ele era de verdade? Um maluco? ? Parte de um experimento no início de controle do governo corporativo Sabemos que ele foi, sem dúvida, perseguido pelos agentes do poder de energia do seu dia - a saber Thomas Edison, a quem são ensinados na escola a reverenciar como um gênio. Ele também foi atacado por JP Morgan e outros "capitães da indústria". Após a morte de Tesla em 7 de janeiro de 1943, o governo dos EUA se mudou para seu laboratório e apartamento e confiscou toda a sua pesquisa científica, alguns dos quais já foram liberados pelo FBI através do Freedom of Information Act. (Eu já incorporado as primeiras 250 páginas abaixo e adicionou um link para o arquivo. Pdf das páginas finais, 290 no total). Além de sua perseguição por interesses de governo corporativo (que é praticamente um atestado de autenticidade), há pelo menos uma indicação sólida de integridade de Nikola Tesla -. ele rasgou um contrato com Westinghouse que valia bilhões, a fim de salvar a empresa de pagar-lhe os seus enormes pagamentos de royalties Mas, vamos dar uma olhada no que Nikola Tesla - um homem que morreu sem dinheiro e sozinho - tem realmente dado ao mundo. Para melhor ou pior, com ou sem crédito, ele mudou a face do planeta de formas que talvez nenhum homem jamais tem.

Fonte: Gizmodo
http://ondastesla.blogspot.com.br/

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade