1 em 12 médicos nos EUA receberam pagamento de fabricantes de opióides

opioi topo11/08/2017 - À medida que as autoridades de saúde pública combatem a epidemia de overdose de opioides, em parte, reduzindo a prescrição desnecessária, um estudo mostra que os fabricantes de medicamentos pagaram mais de US $ 46 milhões a mais de 68 mil médicos ...

ao longo de um período de 29 meses. Em um novo estudo publicado no Jornal Americano de Saúde Pública, Brandon Marshall, professor associado de epidemiologia na Escola Universitária de Saúde de Brown, e colegas relatam pela primeira vez, dezenas de milhões de dólares que as empresas farmacêuticas estão pagando aos médicos por meio de refeições , honorários e outros programas de marketing e educação.

“A epidemia de opioides, que é responsável por milhares de mortes a cada ano, é uma tragédia nacional que devemos trabalhar e combater em todos os níveis”, disse Marshall em um relatório do Centro Médico de Boston sobre os resultados. Scott Hadland do Centro Médico de Boston é o principal autor do estudo.

Leia também - O Legado das Difenilas Policloradas (PCBs)

“É nossa esperança que este estudo desencadeie uma conversa maior sobre o papel das empresas farmacêuticas na prescrição excessiva de medicamentos opioides e solicita uma investigação mais aprofundada sobre o que precisamos fazer para enfrentar esse problema”.

Aqui, Marshall compartilha pensamentos adicionais sobre o que a equipe encontrou e o que isso pode significar:

QUE CONEXÃO PODE HAVER ENTRE OS PAGAMENTOS DOS FABRICANTES DE MEDICAMENTOS AOS MÉDICOS E A ATUAL EPIDEMIA DE USO DE OPIOIDES?

Nesse estudo nacional, utilizamos dados dos Centros de Serviços Medicare e Medicaid (CMS) para rastrear os pagamentos relacionados a uma medicação opioide da indústria farmacêutica aos médicos. De acordo com uma lei implementada recentemente, as empresas farmacêuticas agora são obrigadas a denunciar todos os “valores de pagamentos” – pagamentos a médicos dos EUA.

O que achamos surpreendente: entre agosto de 2013 e dezembro de 2015, mais de 375 mil pagamentos relacionados a opiáceos foram feitos para mais de 68 mil médicos nos EUA. Embora o pagamento médio aos médicos tenha sido de US $ 15, mais de 1% dos médicos relataram receber mais de US $ 2,600 por ano em pagamentos relacionados à promoção de produtos opioides.

Embora a maioria dos desembolsos tenha sido pequena, para atividades como refeições patrocinadas pela indústria, pesquisas anteriores sugerem que os pagamentos das empresas farmacêuticas resultam em uma maior prescrição de medicamentos comercializados, mesmo quando esses pagamentos são de baixo valor monetário.

Como tal, é possível que esses pagamentos – particularmente um número tão grande de pagamentos – tenham levado ao alto nível de prescrição de opioides que continuamos a ver hoje. No mínimo, provavelmente são contraproducentes para esforços nacionais para reduzir a prescrição excessiva de opioides.

COMO ESSES DADOS AVANÇAM NOSSA COMPREENSÃO DESSA POSSÍVEL CONEXÃO?

A nosso conhecimento, este estudo é o primeiro a rastrear os pagamentos da indústria farmacêutica especificamente relacionados aos medicamentos opiáceos. Mostramos que esses medicamentos continuam a ser amplamente promovidos e comercializados, mesmo à luz da acelerada epidemia de opiáceos nos EUA. Os pacientes devem saber que podem descobrir o tipo de pagamentos que seu médico recebeu para todos os medicamentos relacionados a coisas como viagens, presentes, taxas de fala e refeições – visitando o site do CMS.

O QUE TE SURPREENDEU NESSES NÚMEROS?

Ficamos mais surpresos com o grande número de médicos que receberam um pagamento relacionado com opiáceos. Na verdade, um em cada 12 médicos (e um em cada cinco médicos de família) aceitou um pagamento relacionado a um produto opioide presencial durante o período de estudo. Esses números demonstram até que ponto as empresas farmacêuticas comercializam amplamente esses medicamentos para médicos em quase todas as partes do país.

OS PAGAMENTOS FORAM MUITO CONCENTRADOS EM 1% DOS MÉDICOS, MAS TAMBÉM FORAM MUITO DIFUNDIDOS (UM EM CADA CINCO MÉDICOS DE FAMÍLIA). QUAL PODE SER O SIGNIFICADO DESSES PADRÕES?

Estamos muito preocupados com o grande número de médicos que receberam um pagamento relacionado a uma medicação opióide. Estamos particularmente preocupados com a alta porcentagem de médicos de família que receberam pagamentos, já que os médicos de cuidados primários são os provedores de primeira linha para os pacientes.

No entanto, o pequeno número de médicos que receberam pagamentos muito elevados requer uma investigação adicional. É possível que alguns médicos, depois de receber tanto dinheiro da indústria farmacêutica, promovam esses produtos para outros médicos em suas práticas e hospitais. Esta é outra maneira pela qual esses pagamentos podem estar influenciando os padrões de prescrição em geral.

QUAL É O PRÓXIMO? EXISTEM OUTRAS QUESTÕES-CHAVE RELACIONADAS A ESTA QUESTÃO QUE DEVEM SER EXPLORADAS?

Leia também - Regras simples de sáude....mas que não há "interesse" em divulgar !!!

Atualmente, estamos estudando se as regiões do país com o maior número de pagamentos também são as mais afetadas pela mortalidade por excesso de opioides. Em última análise, gostaríamos de determinar se e como esses pagamentos afetam a prescrição de opiáceos e, por sua vez, como as práticas de prescrição estão relacionadas a maiores mortes por overdose.


Opióides e derivados de Morfina


Os opioides são drogas que atuam no sistema nervoso para aliviar a dor. O uso indevido e contínuo pode levar à dependência física e a sintomas de abstinência. Eles vêm em comprimidos, cápsulas ou na forma líquida. Aqui estão algumas marcas conhecidas e nomes populares:

opioi1

Efeitos ddos opioides e derivados de morfina

Efeitos a curto prazo - Efeitos a curto prazo de opioides e derivados de morfina incluem:

Sonolência
Respiração reduzida
Prisão de ventre
Inconsciência
Náusea
Coma

Efeitos a longo prazo

O uso contínuo ou indevido de opioides pode resultar em dependência física e dependência química. O corpo adapta-se à presença da droga e, se o uso for reduzido ou suspenso, surgem os sintomas de abstinência. Esses incluem: inquietação, dores nos músculos e ossos, insônia, diarreia, vômito, calafrios e tremedeiras. Também pode ser desenvolvida uma tolerância, o que significa que quem usa há muito tempo tem que aumentar as doses para se conseguir o mesmo barato.

Leia também - Vou abrir minha "igreja" e já volto !!!

“Um ‘amigo’ meu me ofereceu oxicodona. Comecei com tabletes de 40 mg, então, dois meses depois passei para 60 mg. Neste ponto eu estava realmente dependente e comecei a mastigá-los para ter efeito mais rápido e não ficar enjoada. Tinha que tomar um ao levantar de manhã, senão ficava doente. Tinha que tomar outro antes do meio-dia. Então mais uns dois de tarde e no começo da noite. Eu sabia que tinha ficado dependente porque eu precisava deles para o corpo poder funcionar. Eu me sentia muito mal sem eles. Não ficava só mal fisicamente, além disso, sem eles eu não conseguia lidar com as pessoas ou com a vida. Então cheguei às 80 mg e o meu mundo desabou. Comecei a roubar de todos que conhecia para conseguir uma dose...” — Charleen


Fonte: Futurity.org
           http://www.mundosemdrogas.org.br

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade