RELIGIÃO, CULTOS E OUTROS

Espere, ó Falso Profeta

viganocertoO Dicastério para a Doutrina da Fé informou-me, com um simples e-mail, da iniciação de um julgamento criminal extrajudicial contra mim, com a acusação de ter incorrido no crime de cisma e contestar que eu neguei a legitimidade do Papa Francisco, de ter quebrado a comunhão “com Ele” e de ter rejeitado o Concílio Vaticano II. Sou convocado para o Palazzo del Sant’Uffizio em 20 de junho, pessoalmente ou representado por um advogado. Eu suponho que a sentença também está pronta, dado o processo extrajudicial. Considero as acusações feitas contra mim como motivo de honra. Creio que a própria formulação das acusações confirma as teses que tenho repetidamente e apoiado nas minhas intervenções. Não é por acaso que a acusação contra ...

mim diz respeito ao questionamento da legitimidade de Jorge Mario Bergoglio e da rejeição do Vaticano II: o Concílio representa o câncer ideológico, teológico, moral e litúrgico do qual a “igreja sinodal” bergógena é metástase necessária.

O Episcopado, o Clero e o Povo de Deus devem ser seriamente questionados se é coerente com a profissão da Fé Católica, ajudando passivamente a destruição sistemática da Igreja por suas cúpulas, assim como os outros sempresoradores estão destruindo a sociedade civil. O globalismo pede a substituição étnica: Bergoglio promove a imigração descontrolada e pede a integração de culturas e religiões. O Globalismo apoia a ideologia LGBTQ+: Bergoglio autoriza a bênção de casais do mesmo sexo e impõe a aceitação da homossexualidade aos fiéis, cobrindo os escândalos de seus protegidos e promovendo-os nas mais altas posições de responsabilidade. O Globalismo impõe a agenda verde: Bergoglio faz um culto à adoração da Pachamama, escreve a delirante encíclicas sobre o meio ambiente, apoia a Agenda 2030 e ataca aqueles que questionam a teoria do aquecimento global de origem antropogênica. É exorbitada do papel de alguém em questões de estreita relevância da ciência, mas sempre e somente em uma direção, que é que diametralmente se opôs ao que a Igreja sempre ensinou. Impôs o uso de soros genéticos experimentais, que causaram danos muito graves, mortes e esterilizações, chamando-os de “um ato de amor”, em troca de financiamento das indústrias farmacêuticas e fundações filantrópicas.

Sua permissibilidade total com a religião de Davos é escandalosa. Onde quer que os governos a serviço do Word Economic Forum tenham introduzido ou estendido o aborto, promoveu o vício, legitimou as uniões homossexuais ou a transição de gênero, encorajou a eutanásia e tolerava a perseguição aos católicos, nenhuma palavra foi gasta em defesa da Fé ou da Moral ameaçada, em apoio às batalhas civis de tantos católicos abandonados pelo Vaticano e pelos Bispos. Nem uma palavra para os católicos perseguidos na China, graças à Santa Sé que considera os bilhões mais importantes de Pequim na vida e na liberdade de milhares de fiéis chineses à Igreja Romana. Nenhum cisma, na “igreja sinodal” presidida por Bergoglio, não é visto nem pelo Episcopado alemão nem pelos bispos do governo consagrado na China sem o mandato de Roma. Porque a sua ação é consistente com a destruição da Igreja e, portanto, deve ser ocultada, minimizada, tolerada e finalmente encorajada. Nestes onze anos de “pontificate”, a Igreja Católica foi humilhada e desacreditada acima de tudo por causa dos escândalos e da corrupção dos líderes da Hierarquia, totalmente ignorada, enquanto o mais implacável autoritarismo do Vaticano se enfureceu sobre sacerdotes e religiosos fiéis, pequenas comunidades de freiras tradicionais, comunidades ligadas à Missa Latina.

Este zelo unidirecional lembra o fanatismo de Cromwell, típico daqueles que desafiam a Providência na presunção de finalmente conhecer no topo da pirâmide hierárquica, livre para fazer e desfazer à vontade sem ninguém obstinando. E esta obra de destruição, este desejo de renunciar à salvação das almas em nome de uma paz humana que nega a Deus não é uma invenção de Bergoglio, mas o principal (e inconfessável) propósito daqueles que usaram um Concílio para contradizer o Magistério católico e começar a demolir a Igreja a partir de dentro, em pequenos passos, mas sempre em uma direção, sempre com a tolerância indulgente ou culpada, se não mesmo a aprovação da Igreja. A Igreja Católica tem sido ocupada lentamente, mas inexoravelmente, e Bergoglio recebeu a tarefa de torná-la uma agência filantrópica, a “igreja da humanidade, da inclusão, do meio ambiente” a serviço da Nova Ordem Mundial. Mas esta não é a Igreja Católica: é a sua falsificação.

A renúncia de Bento XVI e a nomeação pela máfia de São Galáguo de um sucessor, de acordo com os ditames da Agenda 2030, tiveram que permitir – e de fato permitido – administrar o golpe global com a cumplicidade e autoridade da Igreja de Roma. Bergoglio é para a Igreja o que outros líderes mundiais são para suas nações: traidores, sempres-sorers, liquidatórios finais da sociedade tradicional e alguns de impunidade. vitium consensusO vício do consentimento de Bergoglio em aceitar a eleição baseia-se precisamente na óbvia alienação de sua ação de governo e magisterosidade do que qualquer católico de qualquer momento espera do Vigário de Cristo e do Sucessor do Príncipe dos Apóstolos. Tudo o que Bergoglio realiza constitui uma ofensa e provocação a toda a Igreja Católica, aos seus santos de todos os tempos, aos mártires que foram mortos no ódio Fidei, aos Papas de todos os tempos até o Concílio Vaticano II.

Isto é também e principalmente uma ofensa contra a Cabeça divina da Igreja, Nosso Senhor Jesus Cristo, cuja autoridade sacra Bergoglio exerce em detrimento do Corpo Místico, com uma ação que é muito sistemática e coerente para poder aparecer o fruto de mera incapacidade. Na obra de Bergoglio e seu círculo, a admoestação do Senhor se concretiza: cuidado com os falsos profetas, que vêm a vocês como cordeiros, mas que em sua esfera interior são lobos vogais (Mt 7:15). Com eles, sinto-me honrado por não ter desejo nenhuma comunhão eclesial: o deles é um átrio, que esconde sua cumplicidade com os senhores do mundo para enganar tantas almas e impedir qualquer resistência ao estabelecimento do Reino do Anticristo.

Diante das acusações do Dicastério, afirmo, como Sucessor dos Apóstolos, estar em plena comunhão com a Igreja Apostólica Romana, com o Magistério dos Romanos Pontífices e com a Tradição doutrinal, moral e litúrgica ininterrupta que guardaram fielmente.

Repito os erros neomodernistas que foram cometidos no Concílio Vaticano II e no chamado “magistério pós-conciliar”, em particular na questão da colegialidade, do ecumenismo, da liberdade religiosa, da laicidade do Estado e da liturgia.

Repito, rejeito e condeno os escândalos, erros e heresias de Jorge Mario Bergoglio, que manifesta uma gestão absolutamente tirânica do poder, exercida contra o propósito que legitima a Autoridade na Igreja: uma autoridade que é vigária da de Cristo, e que, como tal, somente a Ele deve obedecer-Lhe. Esta separação do papado do seu princípio legitimante, que é Cristo, o Pontífice, transforma o ministerium numa tirania autorreferencial.

Com esta “Igreja de Bergoglian”, nenhum católico digno do nome pode estar em comunhão, porque age em manifeste descontinuidade e ruptura com todos os Papas da história e com a Igreja de Cristo.

Cinquenta anos atrás, no mesmo Palácio do Santo Ofício, o arcebispo Marcel Lefebvre foi convocado e acusado de cisma por recusar o Vaticano II. Sua defesa é minha, suas palavras são minhas, meus são seus argumentos diante dos quais as autoridades romanas não poderiam condená-lo por heresia, tendo que esperar que os bispos consagrassem os bispos tivessem o pretexto de declará-lo cismático e demiti-lo excomungado quando ele estava morto. O padrão é repetido mesmo depois de dez décadas terem mostrado a escolha profética de Mons. - É o Lefebvre.

Nestes tempos de apostasia, os católicos encontrarão fiéis nos Pastores o mandato recebido de Nosso Senhor e um encorajamento para permanecer na Verdade de Cristo.

Depositum guardião, de acordo com a exortação do Apóstolo: como o momento em que terei que prestar contas ao Filho de Deus de todas as minhas ações minhas, pretendo perseverar nos bonummen e não falho no testemunho de fé que é exigido daqueles que, como Bispos, são dotados da plenitude do Sacerdócio e do Sucessor constituído dos Apóstolos.

Convido todos os católicos a rezar para que o Senhor venha em auxílio da sua Igreja e infunda coragem para aqueles que são perseguidos pela fé.

+ Carlo Maria Viganí, Arcebispo

20 de Junho 2024
S.cti Silverii Pape e Martyris
B.ti Dermitii O'Hurley, Episcopi et MartyrisTradução

Fonte: https://exsurgedomine.it/