HISTÓRIA E CULTURA

Inteligência Artificial Transformando Nossa Estrutura Social - A ascenção da classe inutil

intearfifi122/04/2022 - Yuval Noah Harari argumenta que quando a inteligência artificial tira muitos do trabalho, devemos forjar novos sistemas econômicos, sociais e educacionais. As pessoas que ficarão desempregadas criarão uma “classe inútil” que terá de ser redireccionada, em oposição à restante “classe trabalhadora” a quem será confiada a operação da maquinaria. O artigo fornece algumas ideias sobre como se preparar para a ascensão da “classe inútil”. Olhando para as consequências da revolução da IA, são discutidas possíveis soluções que irão mudar a nossa estrutura social.

Harari argumenta que, quando a inteligência artificial afastar muitas pessoas do trabalho, para podermos lidar com aquela parte da comunidade que corre o risco de ser marginalizada, devemos forjar novos sistemas económicos, sociais e educativos. Com o surgimento da Inteligência Artificial (doravante “IA”) e o uso de algoritmos, é inevitável que dispositivos computadorizados sejam inventados para executar funções de trabalho na forma de rotinas baseadas em hardware ou software que, consequentemente, forçarão uma grande parte da população. população sem trabalho. A automação substituirá inevitavelmente muitos empregos, causando o surgimento de uma nova “classe inútil”, como é chamada por Harari, transformando a atual estrutura social.

Quem fará parte da turma inútil?

No rescaldo da revolução da IA, “tal como a industrialização em massa criou a classe trabalhadora, a revolução da IA criará uma nova classe não trabalhadora”. A classe inútil, ou “Homo Inutilis”, será composta por aquelas pessoas que trabalham em empregos que podem ser facilmente automatizados. Na sociedade, veremos uma polarização entre duas classes: i) uma classe que permanecerá como a única força de trabalho da sociedade, que cuidará do funcionamento das máquinas e continuará impulsionando a inovação, e ii) uma classe inútil, aquele privado de trabalho, não terá nenhuma fonte de receita. Neste cenário, os militares, os alfaiates, os operários das fábricas serão substituídos por máquinas; os médicos não serão mais obrigados a realizar cirurgias ou fornecer diagnósticos, pois uma máquina tomará o seu lugar, assim como os robôs poderão encontrar os melhores argumentos para ganhar um caso em vez de advogados. Em contrapartida, a inovação, a investigação e a criatividade continuarão indiscutivelmente confiadas aos seres humanos. Contudo, realisticamente, teremos de lidar com a parte da sociedade que ficará desempregada e, possivelmente, desempregada.

Os desafios da classe inútil

Claramente, a classe inútil é uma ameaça à paz da comunidade por duas razões principais: i) necessitarão de um fluxo de receitas para sobreviver, e ii) necessitarão de um novo propósito na vida. A criação das duas classes irá aumentar ainda mais a desigualdade e isto poderá dar origem ao descontentamento e à desordem dentro de uma comunidade. Além disso, mesmo com fluxos de receitas garantidos fornecidos pelos governos aos desempregados, a psicologia humana desta classe precisa de ser considerada. Os humanos podem viver felizes sem propósito em suas vidas? Como podemos lidar com o tédio da turma inútil? De acordo com Harari, “…ninguém tem ideia de que tipo de empregos ou competências as pessoas necessitarão daqui a 30 anos. O que significa que não temos absolutamente nenhuma ideia do que ensinar aos nossos filhos na escola hoje (Discurso de Harari, 2020). Ele continua a afirmar que, mesmo que a revolução da IA criasse novas oportunidades de emprego, essas oportunidades seriam para empregos altamente qualificados e a maior parte da massa de desempregados que abandona empregos menos qualificados não será capaz de fazer a transição. Então, o que fazer com a recém-criada classe inútil, “que não tem utilidade militar ou económica e, portanto, não tem poder político?” e o que fazer com o novo preconceito socioeconómico criado pela revolução da IA?

Programas de renda básica universal

Uma solução para a perda de fluxo de receitas é instar os governos a implementarem programas de Rendimento Básico Universal. As reformas das políticas sociais são certamente necessárias para lidar com a mudança na estrutura da sociedade e para evitar desigualdades excessivas. Os programas de Rendimento Básico Universal permitem ao governo tributar as grandes empresas e os ricos e, subsequentemente, utilizar as receitas arrecadadas para cada adulto da sociedade. Cada cidadão da sociedade receberia uma certa quantia de dinheiro durante o ano para se sustentar. Os defensores do rendimento básico afirmam que é a melhor forma de combater a pobreza e a desigualdade (Samuel, 2020).

Nessa linha, Paul Mason, comentarista britânico, propõe a transição da sociedade para uma nova forma de socialismo (Post-Capitalism, 2015). Mason acredita que, face às questões da era digital, a realidade é que o capitalismo não pode continuar para sempre: o Estado deve fazer mais para domar as finanças privadas e os indivíduos devem fazer mais para contorná-lo. Vários países, como a Finlândia, entre 2017 e 2018, começaram a brincar com a ideia de introduzir um rendimento básico; e até agora, as evidências sugerem que os programas introduziram aumento da felicidade, saúde, frequência escolar, confiança nas instituições sociais e redução da criminalidade (Samuel, 2020).

Revolução social

No entanto, a perda de fluxo de receitas para a classe desempregada não é o único problema que a revolução da IA trará. Também precisaremos lidar com o tédio da classe inútil, incluindo as implicações para a saúde mental. É necessário criar novos sistemas socioeconómicos; precisamos de redireccionar ou de criar novos sistemas económicos, sociais e educativos que nos permitam lidar com a questão. Uma reforma completa do sistema educativo parece óbvia, embora não seja tão óbvio o que deveria ser ensinado. De acordo com Murky Waters não haverá necessidade de ensinar mais dados aos nossos filhos, mas precisaremos de nos concentrar em libertar a sua criatividade.

Com a ascensão da revolução da IA e os desafios iminentes que serão enfrentados pela classe inútil, serão necessários novos princípios éticos, leis, reformas sociais e do mercado de trabalho (Van Duüren, 2020). Dado que a classe inútil não terá praticamente nenhum poder político, e que é economicamente e militarmente inútil, deverão os valores da sociedade ser recalibrados? O caráter e a criatividade podem se tornar mais importantes que o conhecimento para o sucesso de uma pessoa? Uma coisa que parece clara é que precisamos de nos preparar para esta transição, ajudar-nos uns aos outros e ter a mente aberta à luz das futuras mudanças sociais.

Referências e links

Discurso de Harari, JN (2020). Automação no local de trabalho e a ‘Classe Inútil’. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=OMDlfNWM1fA.
Harari, JN (2017). Reinicie para a revolução da IA. 550 Natureza 324-327.
Harari, JN (2017). A ascensão da classe inútil. Ideias TED. Disponível em: https://ideas.ted.com/the-rise-of-the-useless-class/.
Samuel, S. (2020). Em todos os lugares a renda básica foi testada em um mapa. VOX. Disponível em: https://www.vox.com/future-perfect/2020/2/19/21112570/universal-basic-income-ubi-map.
Runciman, D. (2015). Pós-capitalismo pela revisão de Paul Mason: um sucessor digno de Marx? O guardião. Disponível em: https://www.theguardian.com/books/2015/aug/15/post-capitalism-by-paul-mason-review-worthy-successor-to-marx.
Águas Murkey (2020). “Classe inútil” de Yuval Noah Harari. Disponível em: https://murkywater.medium.com/yuval-noah-hararis-useless-class-1207bf9c457e.
Van Duüren, O. (2020). O nascimento do Homo Inutilis: a classe inútil, os desempregados e os desempregados. Disponível em: https://www.linkedin.com/pulse/birth-homo-inutilis-useless-class-un Employed-olivier-van-du%C3%BCren/.

Fonte: https://www.internetjustsociety.org