Neurocientista diz que ninguém deveria estar na escola às 7h da manhã

auman1PorKarlla Patrícia - Acordar cedo já não é muito agradável e quando é preciso estudar é pior ainda. A privação de sono tem efeitos nocivos ao organismo e dentre outros problemas, pode resultar em baixa performance escolar, aumento de peso, sintomas depressivos, declínio da atividade física. Fernando Louzada, neurocientista pós-graduado pela Harvard, defende veemente a mudança do horário de estudo para alunos do período da manhã. Segundo ele, o sono é importante não só para a concretização do aprendizado. O sono e mais individualmente os sonhos permitem a geração de novas ideias, a criatividade e, consequentemente, a capacidade de resolução de problemas.

Além disso, estudos prévios mostram que dormir ajuda a formar memórias declarativas, que é toda aquela que conseguimos declarar como nome, datas, fatos, locais e também a memória procedural, ou seja, motora. Se aprendemos a realizar uma tarefa motora de digitação, por exemplo, quando dormimos, o sono melhora o seu desempenho. Os neurocientista fizeram um teste propondo um desafio de videogame para voluntários e quando eles não conseguiam passar de certa fase, tiravam um cochilo. Comparado com outro grupo que não dormia, as pessoas que tiravam o cochilo dobravam a chance de sucesso em resolver a tarefa.

Leia também - Pragas Caseiras - Como controlar e eliminar

AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO IGNORAM A LÓGICA

A lógica que define os horários das instituições é uma lógica que desconsidera todo este conhecimento. A Academia Americana de Pediatria sugere iniciar as aulas depois das 8h30. Já é um grande avanço, mas o que eu tenho proposto é um horário flexível. Ter um núcleo comum que começa às 9h e vai até o 12h e um outro núcleo com horário flexível com atividades como aula de língua, educação física, etc. Então se você entrou às 7h você sai 12h e se você entra as 9h você sai as 14h. O adolescente precisa dormir nove horas em média e durante os dias letivos está dormindo sete e meia.

O argumento daqueles que são contrários é que não adianta começar a aula depois porque o adolescente vai começar a dormir mais tarde. Claro que adianta, porque uma coisa é você precisar dormir às 22h, outra é meia noite. Mostramos em uma pesquisa que independentemente do horário que o jovem tem que acordar para ir para a escola, ele dorme no mesmo horário. “A melhor escola é aquela perto de casa porque é aquela que oferece mais tempo de sono”, diz o neurocientista.

 

Aula da manhã começa cedo demais no Brasil

 

2016 - Estudos mostram que período de ensino deveria ser iniciado uma hora mais tarde. Para muitos pais, os dias começam logo cedo com uma batalha: fazer os filhos levantarem no horário certo e ir para a escola. E essa luta diária já é alvo de vários estudos nacionais e internacionais que afirmam que as aulas no período matutino começam cedo demais, o que prejudica o sono das crianças e adolescentes e, em alguns casos, até o rendimento escolar dos estudantes.

Uma pesquisa da Universidade de Aveiro, em Portugal, concluiu que a tendência das escolas de definir os horários mais à tarde para as crianças do ensino infantil e fundamental 1 (do 1º ao 5º ano) e os mais cedo para pré-adolescentes e adolescentes dos ensino fundamental 2 (do 6º ao 9º ano) e médio está em “contradição com a fisiologia humana”.

Leia também - Garrafa feita de papel

Segundo a pesquisa, durante a puberdade, a fisiologia dos adolescentes os impele a deitar e a acordar mais tarde. Por isso, recomenda-se que as aulas para essas etapas de ensino só deveriam começar após as 10h30 — em Portugual , em geral, as aulas têm início às 9h30. No ano passado, um relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, dos Estados Unidos, também afirmou que as aulas dessas duas etapas deveriam iniciar mais tarde. A recomendação é de que as atividades deveriam começar às 8h30, não às 8 horas, como na maioria das escolas de lá.

No Brasil, onde as aulas começam ainda mais cedo, uma pesquisa do Instituto de Pesquisa e Orientação da Mente (IPOM) mostrou que os adolescentes de 14 a 18 anos estão dormindo mal e enfrentando distúrbios do sono. Segundo a pesquisa, dos 1.830 jovens ouvidos, 43% disseram dormir de 3 a 5 horas por noite e 94% afirmam sentir sonolência ou queda de rendimento durante o dia.

“Com a rotina que temos, principalmente nas grandes cidades, temos muitas opções de atividades e compromissos noturnos. Isso também passou para as crianças e os jovens, que vão dormir cada vez mais tarde e continuam acordando muito cedo para ir à escola A falta de sono provoca irritabilidade, depressão e mudanças de comportamento”, observa a médica Dalva Poyares, do Instituto do Sono e professora da Unifesp.

PAIS DEVEM ORIENTAR FILHOS SOBRE SONO

Diretores de algumas escolas que percebem essa dificuldade já iniciaram projetos para tentar mudar o horário do início das aulas, mas encontram resistência dos pais. Principalmente daqueles que trabalham e seguem para o escritório depois de deixarem os filhos na escola. Esther Carvalho, diretora de escola, disse que já se pensou em mudar o horário de entrada do período, que é às 7h20, mas não foi possível pela rotina dos pais e também para que as aulas não atrapalhassem o horário de almoço dos alunos.

“Nas escolas americanas o período é integral, por isso há essa flexibilidade. Para nós, ainda é um desafio”, diz Esther.

Por contas disso, as escolas buscam orientar e dar dicas aos pais para que incentivem os filhos a entrar em uma rotina mais saudável, dormindo mais cedo. Segundo ela, os pais precisam conversar e ficar atentos às atividades dos filhos a noite. “Não adianta mandar ir para o quarto. Os jovens têm os celulares nas mãos e ficam até tarde trocando mensagens ou jogando online.” A também diretora escolar, Mirna Suzano, afirma que muitos jovens só começam a ficar mais “acordados” depois da segunda aula. Ela disse que a recomendação aos professores é que deixem as aulas mais dinâmicas, com atividades em duplas ou grupos.

Leia também - Médico brasileiro cria kit para diagnóstico de câncer de mama

Os professores também ficam atentos a alunos que podem demonstrar sinais de sono. “Quando percebemos que é muito frequente o aluno ficar sonolento em sala, chamamos os pais para que fiquem mais atentos aos horários dos filhos e os orientem melhor.”

Fonte: http://diariodebiologia.com
           http://www.bemparana.com.br

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade