Quando as espinhas aparecem depois

espinhaHomens e mulheres sofrem com a acne mesmo após atingirem a fase adulta. Alterações hormonais, uso de vitaminas, estresse e depressão podem desencadear o problema. A acne é uma preocupação recorrente do universo adolescente, mas ela também pode aparecer depois dessa fase e atrapalhar a vida de muita gente. Ter espinhas após os 20, 30 e até 40 anos é mais comum do que se imagina. “Muitos pacientes adultos me procuram incomodados com surtos de acne, que atingem 40% dos homens e 54% das mulheres”, diz a médica do serviço de Alergia e Imunologia do Hospital Cajuru, Adriana Schmidt. No geral, as causas da acne nessa fase são as mesmas das dos adolescentes, e estão relacionadas a problemas de funcionamento da pele.

“O sebo é produzido em uma composição mais gordurosa e tem dificuldade de sair do poro. Em contato com as células mortas e impurezas, a pele produz uma inflamação, que é a acne”, explica Annia Cordeiro Lourenço, médica especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

A acne pode ser consequência de alterações hormonais. “É comum em mulheres com ovário policístico ou que suspendem o uso do anticoncepcional, que fazem reposição hormonal ou que são gestantes”, diz Annia. De acordo com o médico dermatologista Roberto Gomes Tarlé, diretor do Instituto de Dermatologia do Hos-pital Ecoville, em Curitiba, a acne também é desencadeada pelo uso da vitamina B12, comum no tratamento da anemia. E problemas como estresse e depressão também podem agravar ou desencadear a afecção. “Distúrbios emocionais podem aumentar a produção de neuropeptídeos que regulam a oleosidade da pele”, diz Adriana.

Novos métodos no mercado

Uma novidade no tratamento da acne é a fototerapia. A LED (luz emitida por diodos) é um método baseado na emissão de raios luminosos que promete promover a diminuição da oleosidade da pele, tem ação anti-inflamatória e cicatrizante. De acordo com a médica dermatologista Annia Cordeiro Lourenço, o tratamento consiste em duas sessões semanais de 40 minutos cada, durante um mês e meio. A Terapia Fotodinâmica – originalmente utilizada na prevenção do câncer de pele – associa sessões de LED com um medicamento ativado pela luz que diminui a inflamação das espinhas e a produção de sebo. “Este é um método mais caro, mais agressivo, usado para resolver os problemas mais graves. Deixa a pele vermelha e inchada, e pode até descamar”, explica a médica. Uma sessão que dura duas horas pode resolver o problema.

Tratamento

A acne apresenta quatro estágios. Quando leve, apresenta cravos nas partes mais oleosas da pele. O tratamento é feito com o uso de sabonete – líquido ou gel – duas vezes ao dia. À noite, é aconselhável fazer a aplicação de soluções adstringentes e géis que estimulem a re-novação celular e combatam a ação de bactérias. De acordo com Adriana, o filtro solar não deve ser esquecido. “É fundamental que se use para evitar o surgimento de manchas nos locais onde a pessoa tem espinhas”, diz a médica.

Para quem tem acnes moderadas – pele com cravos e espinhas pe-quenas com presença de pus – ou moderadas graves – com espinhas maiores, avermelhadas, doloridas e inflamadas – é aconselhável o uso, por tempo prolongado, de antibióticos específicos para o problema. “É importante fazer a limpeza da pele com loções adstringentes mais potentes”, diz Annia.

Os casos mais graves do problema – pele com muitas lesões inflamadas e que não respondem aos outros tratamentos – precisam ser cuidados com um medicamento a base de isotretinoína, substância derivada da vitamina A que reduz o tamanho das glândulas sebáceas. “Ela consegue eliminar as condições que propiciam o desenvolvimento de bactérias e a inflamação”, explica Adriana. O uso da substância requer cuidado porque está associado a diversos efeitos colaterais, como alteração de enzimas do fígado, aumento nos níveis de colesterol e triglicerídios, ressecamento da pele e mucosas. “Ela é absolutamente contra-indicada em pacientes grávidas, pois pode causar alterações no feto”, explica Tarlé. Antes de começar a usar o medicamento, é preciso fazer alguns exames de sangue para assegurar o bom funcionamento do fígado e a normalidade nas concentrações de gorduras no sangue. “É um tratamento eficaz que muda a evolução da acne, mas só pode ser usado com acompanhamento médico”, diz ele.


De acordo com Tarlé, não existe nenhuma relação científica entre a alimentação e a acne. “A velha história de que chocolate dá espinha é um mito. É importante, entretanto, ter uma alimentação saudável, o que contribui para o equilíbrio do organismo todo.”

Pílulas

Uma das formas de tratar o problema tem sido o uso de anticoncepcionais. Alguns medicamentos contraceptivos têm na composição progestágeno e estradiol, capazes de promover a redução de cravos e espinhas e o controle da oleosidade. “Esses componentes são eficazes nos casos de disfunções hormonais, que causam a acne na maioria das mulheres acima de 30 anos”, explica Adriana. Um outro tipo de pílula, que conta com anti-hormônios masculinos na composição, também tem o mesmo efeito. “Eles diminuem a produção desses hormônios, responsáveis pelo aumento da oleosidade da pele”, acrescenta. O uso desses medicamentos deve ter orientação médica.

Fonte: Gazeta do Povo

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade