Bebidas Energéticas

energetica1Bebida energética é a bebida que estimula o metabolismo, uma combinação de metilxantinas, vitaminas B, e ingredientes de ervas exóticas que têm por finalidade fornecer energia. Estas bebidas contêm cafeína, guaraná, taurina, ginseng, maltodextrina, inositol, carnitina, creatina, glucoronolactona, ginkgo biloba. Enquanto algumas versões contêm altos teores de açúcar, outras são adocicadas artificialmente. A carnitina apesar de ser um forte estimulante, está presente em pequenas doses, portanto qualquer efeito de explosão pode ser psicológico. A quantidade de cafeína contida em uma dose de energético corresponde a 500 ml de refrigerante à base de cola.

A taurina, um aminoácido presente no organismo humano, aumenta a resistência física e diminui os efeitos depressores do álcool.  A cafeína como é um estimulante do Sistema Nervoso Central (SNC) ocasiona aumento da atenção, estimula a liberação de adrenalina e facilita a liberação de cálcio, o que proporciona uma contração muscular mais efetiva.

Sendo assim, a cafeína, pode atuar em três diferentes sistemas de fornecimento de energia (ATP, anaeróbio e aeróbio) estimulando-os. 

 

A glucoronolactona é uma substância formada a partir de glicose, auxilia nos processos de eliminação de toxinas endógenas e exógenas. No exercício físico age como um desintoxicante, diminuindo a fadiga e melhorando a performance.

A bebida energética contém grande quantidade de carboidrato, o que a caracteriza como “Bebida Energizante”. São hipertônicas, tem grande concentração de açúcar, por isto estimulam a sede. Apresenta também vitaminas hidrossolúveis, como as do complexo B.

Inicialmente a bebida energética foi desenvolvida para o público noturno, como, por exemplo, aquelas pessoas que desejavam passar a noite toda dançando. Porém hoje o perfil do consumidor é mais abrangente: tanto jovens e estudantes quanto outras pessoas de diferentes idades fazem uso dessa bebida para os mais diversos fins.
Combustível da noite
Raves, discos, festas de embalo. O consumo das bebidasenergéticas é grande. Só que a mistura com álcool nãoé boa, pois estimula, e muito, o metabolismo dosconsumidores. Mas pesquisas realizadas no laboratório
da USP mostram que os saudáveis esportistas podemconsumir os energéticos.

A maioria das pessoas conhece os energéticos como ocombustível da noite. Muito comuns em boates da moda,jovens misturam-nos com bebidas alcoólicas para ter?pique? durante toda a madrugada. Os fabricantes se
defendem dizendo que o produto não representa nenhummal para a saúde e que pode ser usado normalmente porqualquer pessoa.

Para acabar com todas as dúvidas sobre essa bebida?milagrosa?, que promete dar ?asas? e muita disposiçãoa todos os seus consumidores, resolvemos recorrer àspesquisas feitas por dois cientistas do laboratório demetabolismo do Instituto de Ciências Biomédicas da
USP, Luis GG Costa Rosa e Érico Caperuto.

Segundo os especialistas, ?os energéticos são bebidasque têm em sua composição carboidratos, cafeína,inositol, glucoronalactona, taurina, algumas vitaminase minerais, conforme a definição da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)?.

Analisando uma latinha de um quarto de litro,encontramos 80 miligramas de cafeína ? o mesmo que umaxícara de café expresso; 1.000 miligramasde taurina ?aminoácido desintoxicante e estimulante; 600 miligramas de glucuraronolactona ? desintoxicante; 25miligramas de niacina ? faz bem para a pele e reduz a produção de gordura. Mesmo assim, os energéticos não servem para emagrecer, já que uma latinha possuía proximadamente 112 quilocalorias. Ainda encontramos nos energéticos as vitaminas B e carboidratos.

A taurina é um aminoácido conhecido há muito tempo,essencial ao organismo. O excesso da substância nãocausa problemas, pois o corpo a elimina naturalmente.A cafeína pode causar a chamada dependência leve, jáque é normal tomar um cafezinho após as refeições,Coca-Cola no jantar ou almoço e energéticos quando saímos à noite. Mas o efeito é temporário e a pessoa pode se sentir mal quando esses benefícios acabarem.

Estimulante

Os energéticos são considerados substâncias estimulantes por causa da presença da cafeína em sua fórmula. ?A cafeína é uma metilxantina(1,3,7-trimetilxantina) com propriedades revigorantes moderadas?, afirmam os profissionais do Laboratório de Metabolismo do Instituto de Ciências Biomédicas daUSP. Portanto, no sistema nervoso central, os efeitos da cafeína se expressam na forma de redução dasensação de fadiga e de sonolência e em maior rapidezde pensamento.

Cuidado: ?Com doses elevadas, podem surgir sintomas de nervosismo, ansiedade, insônia, tremores e hiperestesia. A ingestão de doses de cafeína de 85 a 250 miligramas (equivalente a três xícaras de café)
aumenta a capacidade de manutenção de esforços mentais?.

A cafeína, por se tratar de uma substância com poder revigorante moderado, é a substância psicoativa mais utilizada no mundo, presente em refrigerantes, café, chá, cacau e seus derivados e chocolates, entre outros alimentos. Segundo pesquisas de nossos consultores, a ingestão de 6 mg/kg de peso corporal aumentou a performance de esquiadores da modalidade cross-country.

Hidratação

Mas o corredor não pode se enganar e consumir os energéticos a fim de reidratar o corpo durante os treinamentos e as competições. ?Não é o mais aconselhável, pois eles não têm a proporção adequada de carboidratos nem repositores eletrolíticos (sódio e potássio), além de conter gás e cafeína, que atrapalham o processo de absorção e hidratação. A cafeína tem, por outro lado, um pequeno efeito diurético, o que pode gerar incômodos?, explicam eles.

Contra-indicações

A não ser pela presença da cafeína, não existem contra-indicações quanto à ingestão de energéticos. Se compararmos, uma lata de energético tem a mesma quantidade de cafeína que uma ou duas xícaras de café expresso puro. Tanto corredores quanto indivíduos sedentários podem ingerir energéticos sem restrições, apenas com a preocupação em relação à cafeína, que pode ter efeitos colaterais, como desconforto
gastrointestinal e aumento da freqüência cardíaca,

entre outros. ?Qualquer pessoa pode ingerir energéticos, exceto mulheres grávidas, pessoas sensíveis à cafeína, idosos, lactantes, cardiopatas e crianças?, afirmam os pesquisadores.

Quem sofre de alterações cardíacas precisa ter cuidados redobrados, porque a cafeína aumenta a força de contração e a freqüência cardíaca, provocando arritmias e taquicardias e aumentando ? e muito ? a necessidade de oxigênio. Com isso, os cardiopatas que consumirem energéticos podem até sofrer infartos e morrer.

Tipos de energéticos

Qualquer mudança na fórmula dos energéticos é vetada por uma portaria da Anvisa; isso é, muda-se a marca, muda-se o sabor, mas a composição continua a mesma.

Nossos cientistas ainda explicam que há alguns anos foi desenvolvida uma fórmula alternativa, com Pfaffia paniculata, uma erva brasileira, sem taurina, com comprovada ação ergogênica e segurança de uso, mas que
ainda está em observação pela Anvisa.

Para que servem

?Eles funcionam como bebidas estimulantes, melhoram o estado de alerta e diminuem a sensação de fadiga, além de conter em sua composição os carboidratos, que são a principal fonte de energia para o corpo?, avaliam.

Cuidados

Apesar de não haver contra-indicações, os energéticos devem ser usados com cuidado, os mesmos cuidados que se tem em relação à ingestão de café. A ingestão deve ser limitada. ?Mas o energético é alternativo ao sabor do café, que tem efeitos estimulantes semelhantes, contendo ainda carboidratos, sendo, portanto uma boa opção para quem precisa de um estímulo extra.?

Energético brasileiro

Sabidamente, as bebidas energéticas têm seu uso associado ao consumo de bebidas alcoólicas. ?De fato, à taurina, presente na fórmula dos energéticos, tem sido imputado um papel de estimulante indireto do consumo de álcool após condicionamento, em experimentos com modelos animais (Quertemont et al.,Alcohol, 16:201-206, 1998). Assim, o maior uso desse tipo de bebida ocorre de noite.?

Foi na tentativa de criar uma bebida energética voltada para o público fisicamente ativo que o Laboratório de Metabolismo do Instituto de Ciências Biomédicas da USP desenvolveu, com a empresa Horizonte, uma fórmula sem taurina e com a adição da Pfaffia paniculata, erva encontrada no Brasil, com propriedades semelhantes às do ginseng.

?Essa formulação gerou um produto com efeito ergogênico, detectado em experimentos com animais, incapaz de interferir no consumo de álcool, inofensivo à saúde e com as propriedades estimulantes da cafeína, contendo ainda carboidrato, principal substrato energético para atividades de intensidade moderada/alta. Hoje, a possibilidade de
comercialização desse produto está sendo avaliada pela Anvisa.?

Quem inventou

O empresário austríaco Dieter Mateschitz, em 1989, importou do Japão um xarope usado contra o sono. Foi então que surgiu o Red Bull, com o objetivo de deixar os consumidores, sobretudo os esportistas, ?ligados?. Na Europa, há mais de 60 marcas da bebida. São autorizadas também nos EUA, onde se consome em média 1 milhão de latinhas por mês.

Bebidas energéticas estão associadas a comportamento de risco entre adolescentes (2008)

Pesquisadores da área de saúde identificaram um novo e surpreendente indicador para comportamento de risco entre adolescentes e jovens adultos: bebidas energéticas.

Energéticos com altas doses de cafeína, como Red Bull, Monster, Amp (no Brasil, Burn e Flying Horse), cresceram em popularidade na última década. Cerca de um terço dos jovens entre 12 e 14 anos afirma tomar bebidas energéticas regularmente, o que corresponde a mais de US$ 3 bilhões em vendas anuais nos Estados Unidos.
A tendência tem gerado crescente preocupação entre pesquisadores da área de saúde e profissionais de educação. Em todo o país, a bebida tem sido associada a relatos de náusea, batimentos cardíacos anormais e entradas nas emergências dos hospitais.

Em Colorado Springs, muitos estudantes do ensino médio ficaram doentes no ano passado depois de tomar Spike Shooter, uma bebida com alta concentração de cafeína, levando o diretor do colégio a banir as bebidas. Em março, quatro estudantes do ensino fundamental em Broward County, Flórida, foram parar na emergência com palpitações no coração e sudorese depois de beber o energético Redline. Em Tigard, Oregon, professores enviaram este mês aos pais de alunos um e-mail alertando que os estudantes que levavam energéticos para a escola estavam "literalmente alterados pela agitação da cafeína ou se recuperando de um choque de cafeína".

Novas pesquisas sugerem que as bebidas estão associadas a uma questão de saúde muito mais preocupante do que os efeitos de agitação da cafeína - cujos riscos são aceitáveis.

Em março, o "Journal of American College Health" publicou um relatório sobre a ligação entre bebidas energéticas, atletas e comportamento de risco. A autora do estudo, Kathleen Miller, pesquisadora sobre vício da Universidade de Buffalo, afirma que o estudo sugere que o alto consumo de bebidas energéticas está associado a comportamentos típicos de usuários de drogas, um conjunto de comportamentos agressivos e arriscados que inclui sexo sem proteção, abuso de substâncias e violência.

A descoberta não significa que as bebidas causam mau comportamento. Mas os dados sugerem que o consumo regular de bebidas energéticas pode ser um sinal de alerta aos pais de que seus filhos têm mais tendência a assumir riscos para sua saúde e segurança. "Parece que os jovens que tomam muito bebidas energéticas têm mais tendência a assumir riscos," disse Miller.

A American Beverage Association (Associação Americanas de Bebidas) afirma que seus membros não comercializam bebidas energéticas para adolescentes. "O público-alvo são adultos," disse o porta-voz Craig Stevens. Ele afirma que a venda está direcionada às "pessoas que realmente podem pagar os dois ou três dólares pelo produto."

As bebidas possuem uma variedade de ingredientes em diferentes combinações: estimulantes naturais como guaraná, ervas como ginkgo e ginseng, açúcar, aminoácidos, incluindo taurina, e também vitaminas. Mas o principal ingrediente ativo é a cafeína.

A dose de cafeína varia. Uma porção de 340 gramas do energético Amp contém 107 miligramas de cafeína; a mesma quantidade de Coca-Cola ou Pepsi tem de 34 a 38mg. O energético Monster tem 120mg de cafeína e o Red Bull tem 116mg. A mais alta concentração é a do Spiker Shooter, que contém 428mg de cafeína em cada 340 gramas, e o Wired X344, com 258mg.

Steve ressalta que as bebidas energéticas mais conhecidas geralmente têm menos cafeína do que uma xícara de café. Na Starbucks, a dose de cafeína varia segundo a bebida, de 75mg em um cappuccino ou latte de 350ml, até 250mg em um café de 350ml passado no coador.

Uma preocupação em relação a essas bebidas é que, pelo fato de serem servidas geladas, podem ser consumidas em grandes quantidades e mais rapidamente do que bebidas quentes como café, que são bebericadas.

Outra preocupação é a crescente popularidade da mistura de energéticos com álcool. A adição de cafeína pode fazer usuários de álcool se sentirem menos bêbados, mas a coordenação motora e o tempo de reação visual são tão prejudicados quanto quando bebem álcool puro, segundo um estudo de abril de 2006 publicado no informativo médico Alcoolismo: Pesquisas Clínicas e Experimentais.

"Você fica cem por cento bêbado do mesmo jeito, só que um bêbado acordado", disse Drª. Mary Claire O'Brien, professora associada dos departamentos de medicina emergencial e serviços de saúde pública da Wake Forest University Baptist Medical Center, em Winston-Salem, na Carolina do Norte.

 

energetica2O'Brien pesquisou o uso de álcool e bebidas energéticas entre estudantes universitários em 10 universidades na Carolina do Norte. O estudo, publicado este mês na Academic Emergency Medicine, mostrou que estudantes que misturaram energéticos com álcool ficaram bêbados com duas vezes mais freqüência do que aqueles que consumiram só álcool, e tiveram uma tendência muito maior a se machucarem enquanto estavam embriagados ou necessitaram tratamento médico durante a bebedeira.

Pessoas que misturaram energéticos com álcool tiveram maior tendência a ser vítimas ou protagonistas de comportamento sexual agressivo. O efeito permaneceu mesmo depois que os pesquisadores controlaram a quantidade de álcool consumida.

Fabricantes de bebidas energéticas afirmam não encorajar os consumidores a misturá-las com álcool. Michelle Naughton, porta-voz da PepsiCo, que comercializa o energético Amp, disse, "Esperamos que os consumidores apreciem nossos produtos com responsabilidade."

Como Atuam as Bebidas Energéticas - Efeitos Colaterais das Bebidas Energéticas

Qual a diferença das bebidas energéticas? Como elas funcionam?

Muitas vezes somos surpreendidos por dúvidas como estas e para saber a resposta fizemos uma pesquisa.

As bebidas energéticas, como, por exemplo, o Red Bull e o Flash Power, possuem carboidrato, cafeína e taurina e tem efeito estimulante. No caso das bebidas esportivas, como por exemplo, o Gatorade, estas são isotônicas e tem o objetivo de repor líquidos, eletrólitos e carboidratos, segundo a nutricionista Renata Mendes.

As bebidas energéticas costumam ser vendida em latas de 200ml a 250ml, e tem alto teor de cafeína, que estimula o estado de alerta do corpo. Elas têm a capacidade de reduzir o sono durante um tempo estabelecido. Por exemplo, quem não tem o costume de beber café todo dia, ela pode ter um efeito de três horas, conforme informações da nutricionista Fabiana Schmidt.

Para alcançar um efeito estimulante, a cafeína deve ser consumida em uma proporção do peso corporal da pessoa vezes três, de acordo com a nutricionista Renata. Veja um exemplo: um homem de 70kg tem que consumir, no mínimo, 210mg de cafeína para sentir os efeitos da substância de maneira perceptível.

O guaraná (em pó, cápsulas ou líquido) é uma planta rica em cafeína e também é utilizado para conseguir um ganho extra de energia. Em comum com as bebidas energéticas artificiais, o guaraná tem que ser consumido em uma proporção adequada para ter efeito, segundo Renata.

Só que os energéticos se forem ingeridos em excesso e indiscriminadamente, podem ter efeitos colaterais sérios, como aumento da freqüência cardíaca, insônia e diurética, avisa Renata.

A cafeína também acelera a perda de cálcio e magnésio pelo organismo, que pode resultar em câimbras. A cafeína em excesso pode resultar na dependência da substância, visto que reduz a sensação de dor e cansaço, alerta Renata. E ela avisa ainda que a substância taurina, presente em alguns energéticos, pode ter efeitos perigosos quando misturada a bebidas alcoólicas. Embora não se tenham estudos que comprovem, só que existe evidências que mostram que a taurina pode suprimir o efeito depressor do álcool, deixando a pessoa muito mais excitada, mais estimulada.

E mais, usar energéticos diariamente além de tirar o sono, essas bebidas, ao reduzirem a absorção de cálcio pelo organismo, podem resultar futuramente em uma osteoporose.

As três funções básicas de uma bebida isotônica são repor líquidos, eletrólitos e carboidratos, que leva a restauração do equilíbrio do organismo. Bebidas como o Gatorade, por exemplo, são mais indicadas as pessoas desidratadas, que necessitam repor líquidos e minerais de maneira mais rápida, segundo a nutricionista Fabiana.
Essas bebidas são fundamentais para atletas, principalmente em atividades físicas de longa duração. Nas provas que duram mais de três horas, o atleta precisa repor sódio no organismo, senão, há chances de convulsões e até de morte, diz Renata. Mas em atividades com menor tempo de duração, o sódio acelera a hidratação dos competidores.

Bebidas energéticas atacam esmaltes dos dentes

As bebidas energéticas, suplementos desportivos e as limonadas engarrafadas fazem publicidade que as associa com uma vida sã. Contudo, um estudo clínico publicado na revista da Academia Geral de Odontologia (Academy of Geral Dentistry ou AGD em inglês) em Janeiro de 2005 conclui que a exposição dos dentes a estas bebidas durante longos períodos de tempo produz mais dano do que a exposição a gasosas tradicionais em condições similares.
A proporção de danos das bebidas gasosas é entre três e onze vezes menor do que o produzido por suas alternativas até agora consideradas mais saudáveis.

Existem duas formas de minimizar os danos: a primeira é bebê-las completas em lugar de fazê-lo em poucas quantidades durante um longo período. A outra é aplicar limpeza bucal imediatamente depois de consumi-las. O estudo não minimiza o dano produzido pelas bebidas gasosas ao esmalte dental, simplesmente o põe em escala frente a um dano maior.

Diferenças entre bebidas energéticas e esportivas

Uma dúvida muito comum entre praticantes de atividade física é se bebidas esportivas podem ser substuídas ou não por bebidas energéticas e vice-versa. A verdade é que estas duas classes de produtos são totalmente distintas!!!

As bebidas esportivas são isotônicas, ou seja, contêm as mesmas proporções de nutrientes encontradas nos fluidos corporais. Já as bebidas energéticas são hipertônicas, com quantidades de nutrientes em concentrações superiores à do sangue, e por isso geralmente provocam mais sede.

Enquanto a bebida esportiva tem como principal finalidade repor líquidos, carboidratos (glicose, frutose e sacarose), eletrólitos  (sódio, cloreto e potássio) e também algumas vitaminas durante e após os exercícios, a energética não deve ser utilizada com a finalidade de matar a sede.  A composição desta última é diferenciada, varia de acordo com a marca, e geralmente inclui substâncias como cafeína, metilxantina, vitaminas do complexo B e açúcares, além de componentes herbais exóticos, como guaraná, ginseng, maltodextrina, inositol, taurina, carnitina, creatina, glicuronolactona e ginkgo biloba.

A mais importante destas substâncias é definitivamente a cafeína, que além dos efeitos ergogênicos parece também aumentar o consumo de lipídios pelo corpo, poupando as reservas de carboidratos, o que é muito importante em exercícios de longa duração. A cafeína ainda está relacionada a um aumento da atenção, estímulo da liberação de adrenalina e facilitação da liberação de cálcio, propiciando uma contração muscular mais efetiva.Vale ressaltar que apesar da cafeína aumentar momentaneamente a performance física e mental, o consumo abusivo na maioria das vezes prejudica o desempenho, já que pode causar tremores, desordens do sono e problemas gastrintestinais.

Quem é que nunca viu em boates, barzinhos e outros locais de entretenimento e diversão pessoas consumindo algum tipo de bebida energética, muita das vezes, acompanhada de bebidas alcoólicas? Isto tornou-se um hábito entre diversos grupos, de diferentes idades, com o intuito de se obter maior disposição e ânimo para encarar longas noitadas. O que não se sabe, entretanto, é que o uso em conjunto  dessas bebidas é prejudicial ao organismo!
Os energéticos que são estimuladores do SNC acabam por mascarar os efeitos tóxicos e depressores do álcool. A intoxicação leve é caracterizada por incoordenação motora discreta, distúrbios da fala e alterações da crítica, já a moderada causa sonolência acentuada e também incoordenação motora. Em doses muito elevadas ocorre anestesia, coma, diminuição de reflexos, paralisia respiratória e inclusive morte.

Apesar de bebidas energéticas não serem prejudiciais se utilizadas com moderação e em situações apropriadas, é importante saber optar por marcas que não apresentem concentrações abusivas de nenhuma substância. Sempre verifique a procedência, veja se há aprovação e registro no Ministério da Saúde e leia os rótulos!!!
Quem sofre de alguma patologia como disfunção renal e hipertensão arterial deve sempre consultar seu médico e/ou nutricionista antes de consumir qualquer uma destas bebidas.
Quais os perigos das Bebidas Energéticas?
O principal intuito das bebidas energéticas, é para estimular o cérebro de muitas pessoas que passam por problemas de estresse, serve para fazer com que muitos jovens que desejam estudar fiquem acordados e até mesmo por jovens que querem sair à noite, e para muitas pessoas que passam por contínuos esforços físicos.

Essa é uma bebida bastante comercializada, que em sua propaganda faz a promessa de aumentar a resistência física do indivíduo e de agilizar a concentração do mesmo. As bebidas energéticas eram utilizadas nas guerras para o alívio do “estresse” dos soldados, ou seja, causava alucinações a eles.
Os perigos que as bebidas energéticas podem apresentar são: doenças no fígado, enxaquecas, tumores cerebrais. Quando essa bebida for ingerida se faz necessário que o indivíduo não pratique exercícios físicos (pelo fato de a bebida já acelerar os batimentos cardíacos). Os energéticos também, como a cafeína possuem variados componentes como: A taurina, A Glucoronolactona, as vitaminas (em geral), e os carboidratos. Por isso se faz necessário que haja moderação no uso desse tipo de energético , para que mais tarde não ocorra prejuízos com a saúde.

Fonte: http://www.brasilescola.com/curiosidades/perigo-das-bebidas-energeticas.htm
           http://listas.cev.org.br/arquivos/html/cevcorrida/2003-10/msg00004.html
           http://cienciaesaude.uol.com.br/ultnot/2008/06/05/ult4477u710.jhtm
           http://www.mundodastribos.com/como-atuam-as-bebidas-energeticas-efeitos-colaterais-das-bebidas-energeticas.html
   http://pt.wikinews.org/wiki/Bebidas_energ%C3%A9ticas_atacam_esmaltes_dos_dentes
           http://www.melhoresdietas.com.br/diferencas-entre-bebidas-energeticas-e-esportivas.htm
http://www.colegioweb.com.br/curiosidades/quais-os-perigos-das-bebidas-energeticas

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade