O polvo de anéis azuis, o assassino mais bonito do fundo do mar

polazu1Por Maurício M. Tadra, 07/06/2013 - O fundo do mar é definitivamente uma das regiões mais complexas para ser explorada pelo homem. Tão incrível quanto o próprio universo das viagens espaciais, a busca do conhecimento em território suboceânico pode ser tão incrível quanto a descoberta de vida em outros planetas. Um ótimo exemplo da complexidade da vida marinha é uma das criaturas mais belas e mais venenosas de todo o mundo. Trata-se do chamado polvo-de-anéis-azuis (de nome científico Hapalochlaena maculosa). A criatura costuma ser encontrada entre o Japão e a Oceania, ou seja, nos mares do Oceano Pacífico, e felizmente só ataca quem tem coragem suficiente de provocá-lo.

Quando algum infeliz ser sem amor à vida faz isso, o corpo do polvo responde ao estímulo exaltando os anéis azuis — que funcionam mais ou menos como um indicador de morte certa. Com isso, a agressividade do cefalópode atinge níveis altíssimos e ele ataca as presas pulando sobre elas. Através de mordidas com sua pequena boca, o polvo injeta seu veneno letal, que é capaz de matar uma criatura de até 1,2 tonelada (1.200 quilogramas).

Leia também - Curiosidades bizarras de alguns países

Curiosamente, essa espécie de polvo é bem pequena e atinge no máximo o tamanho de uma bola de golfe. Mesmo assim, a substância tóxica que ela possui é capaz de matar uma pessoa em até 30 minutos. Por sorte, a taxa de incidentes com esse perigoso animal é muito baixa — o que é ótimo, pois não existem antídotos que consigam combater a ferocidade do veneno do polvo-de-anéis-azuis. Ainda, no caso de uma pessoa ter sido atacada pelo animal, é preciso mantê-la sob cuidados médicos intensivos, sendo que a respiração terá que ser feita de maneira artificial. Esse quadro deve ser mantido até que o próprio corpo consiga excretar o veneno pela urina.

Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Classe: Cephalopoda
Ordem: Octopoda
Família: Octopodidae
Gênero: Hapalochlaena
Espécie: H. Maculosa

A sua dieta consiste tipicamente de caranguejos pequenos e camarões, mas pode também alimentar-se de peixes quando a oportunidade surge. Ele salta para a presa, morde-a e usa o seu bico para a rasgar aos poucos, sugando a carne para fora do exoesqueleto do crustáceo. Em condições de laboratório foram vistos em atos de canibalismo, comendo elementos da mesma espécie, embora isto não seja observado na natureza.

polazu2

?O veneno do polvo-de-anéis-azuis é um grande coquetel de compostos tóxicos conhecidos como tetradotoxina, capaz de matar as vítimas com grande facilidade, sendo que uma única dose é capaz de matar 20 (vinte!) homens. Se equipara ao veneno do Conus, um caracol marinho igualmente venenoso. Os acidentes com seres humanos são raríssimos, o que é uma sorte: não existe antídoto para o veneno deste polvo.

O polvo produz veneno que contém tetrodotoxina, 5-hidroxitriptamina, hialuronidase, tiramina, histamina, triptamina, octopamina, taurina, acetilcolina e dopamina. O componente principal da neurotoxina do veneno do polvo de anéis azuis era originalmente conhecida como maculotoxin mas descobriu-se posteriormente ser idêntico à tetrodotoxina, uma neurotoxina que também é encontrado em caramujos e baiacu. A tetrodotoxina causa paralisia motora e parada respiratória em poucos minutos de exposição, levando à parada cardíaca, devido à falta de oxigênio. A toxina é criada por uma bactéria nas glândulas salivares do polvo.


Fonte: https://www.megacurioso.com.br
           http://www.aherdeiradomar.com.br
           http://www.squidoo.com

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade