Cédulas com os rostos de Che Guevara e Chávez

cecher topo21/07/2016 - Em uma cidade no sul da Itália, as transações com uma moeda "de mentirinha" não só são aceitas pelos comerciantes locais, como também são incentivadas pelo governo local. O vilarejo calabrês Gioiosa Ionica, de 7 mil habitantes, recebeu um grupo de refugiados requerentes de asilo, e estes recebem cédulas, ou "tickets", como são chamados, como parte de um sistema de vales. Eles podem gastar o dinheiro no que quiserem, mas apenas dentro do município, para que as empresas locais se beneficiem. Em vez de joias arquitetônicas europeias, as notas mostram uma coleção de retratos de líderes comunistas e de esquerda: Che Guevara na cédula de 10 euros, Hugo Chávez, na de 20 e Karl Marx na de 50.

O reverso mostra a assinatura de Giovanni Maiolo, o coordenador de serviços de refugiados na cidade. Foi dele a ideia de usar as efígies de personalidades da esquerda. "Acredito na luta por direitos", contou ele à BBC. "Estamos ajudando pessoas a fugir de guerras e opressão, e acho que é a mesma luta por libertação do ser humano travada por Guevara, mas de outro jeito".

Maiolo garante que ninguém na cidade reclamou da escolha. Em Gioiosa Ionica, a situação é vista como benéfica para todos. Refugiados podem comprar comida e ter algum dinheiro, enquanto os comerciantes conseguem novos clientes, ajudando a aliviar as tensões a respeito dos recém-chegados. E os benefícios vão além.

Mais inquilinos

cecher1

O município recebe, do governo em Roma, € 35 (US$ 39) por dia para cada requerente de asilo. A ideia é que essa quantia cubra todas as despesas: de alojamento, alimentação e cuidado médico a aulas de italiano e assistência com busca por trabalho e com a burocracia do pedido de asilo.

E que também permita que sobre um trocado como dinheiro de bolso. Em Gioiosa Ionica, mais acostumada a emigração do que a imigração, esse valor está fazendo a diferença. Casas que antes estavam vazias encontram inquilinos enquanto mais pessoas gastam dinheiro em lojas locais. O dinheiro local garante que os solicitantes de asilo possam comprar comida regularmente, mesmo quando os recursos vindos de Roma estão atrasadas. Os serviços que cuidam dos refugiados pagam aos comerciantes em euros reais quando chega o dinheiro vivo.

Novos trabalhos

cercher2

O cuidado prestado aos refugiados criou 20 postos de trabalho. Tudo isso faz parte do plano do prefeito. Salvatore Fuda, de centro-esquerda, foi eleito há três anos com uma agenda política que incluía trazer imigrantes para o local, juntando-se ao projeto governamental Sistema de Proteção para Solicitantes de Asilo e Refugiados.

"Um projeto como o nosso, com 75 refugiados, nos traz cerca de 1 milhão de euros (US$ 1,1 milhões) por ano no total", disse Fuda.

"Este dinheiro é dado para a cidade, não aos imigrantes. Se você comparar o orçamento anual da nossa cidade, que é de 8 milhões de euros (US$ 8,8 milhões), você pode ver que é uma grande ajuda econômica". Fuda promoveu o plano não apenas por causa do dinheiro, mas também para trazer uma experiência de multiculturalismo aos jovens locais.

"As crianças de Gioiosa Ionica não terão nenhuma dificuldade se conhecem pessoas de diferentes cores, culturas ou religiões. Terão aprendido, por exemplo, que no Afeganistão ou na Índia joga-se críquete, não futebol, e terão visto como jogar" disse o prefeito. Os imigrantes também parecem bastante felizes. Em vez de ter que viver em grandes centros de refugiados com pouco a fazer, eles podem ganhar experiência de trabalho e partilhar casas com outros refugiados, onde podem cozinhar para si mesmos. Uma gráfica, por exemplo, deu um emprego a um jovem somali.


Fonte: http://www.bbc.com/

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Publicidade