A maior usina de energia solar flutuante do mundo já está funcionando na China

solmar130/01/2018 - A República Popular da China construiu a maior usina de energia solar flutuante do mundo. Concebida sobre uma mina de carvão abandonada na província de Anhui, a planta contém 116 mil painéis fotovoltaicos e pode gerar 40 megawatts de eletricidade – o suficiente para alimentar 15 mil residências. A iniciativa decorre do compromisso assumido pelo governo chinês em se afastar de fontes de energia poluidoras. Milhares de pessoas morrem todos os anos devido à poluição atmosférica alastrada no país. Somente em 2013, a poluição gerada pela queima do carvão causou 366 mil mortes prematuras.

Considerando um dos países mais poluentes do mundo, a China está dedicando todos seus esforços em projetos de energia renovável. O país investiu 133 bilhões de dólares em energias renováveis em 2017, o maior investimento já realizado no setor. Deste patamar, mais da metade foi destinado à energia solar. A usina de energia solar foi construída na cidade de Huainan. A região, que no passado foi utilizada para mineração intensiva de carvão, acabou sendo completamente inundada por chuvas e deslizamentos de terra. O espaço foi agora reaproveitado pelo governo chinês para conceber a nova estação.

A planta em Huainan não só faz pleno uso dessa área, reduzindo a demanda por terra, mas também melhora a geração [de energia] devido aos efeitos de resfriamento da superfície. – Governo da República Popular da China

Construída pela empresa Sungrow Power Supply, a instalação é considerada o maior projeto solar flutuante do mundo, superando outras plantas similares na Índia e na Austrália. A estação, recentemente conectada à rede para iniciar o fornecimento de energia às residências da região, funcionará por 25 anos.

A China é o país que mais gera energia solar em todo o mundo

solmar2

Leia também - Fatos pouco conhecidos da ciência

Com uma capacidade instalada de 77 gigawatts, eles planejam adicionar mais 110 GW até 2020, com um investimento que somará US$ 360 bilhões ao longo dos próximos três anos. Uma das futuras usinas solares na China será a maior do mundo, com seis milhões de painéis fotovoltaicos e capacidade de 2 gigawatts; ela custará um total de US$ 2,3 bilhões. O objetivo do país é obter 20% da energia a partir de fontes renováveis até 2030. No Brasil, a energia solar ainda é bem pequena. A capacidade instalada de sistemas fotovoltaicos é de míseros 28 MW, segundo a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Isso corresponde a apenas 0,02% do total; nossa matriz é dominada por usinas hidrelétricas e termelétricas.

No ano passado, a Aneel publicou novas regras para a geração doméstica de energia solar. Residências que gerarem mais energia do que consumirem recebem créditos para diminuir a conta de luz; podem transferir esses créditos para terceiros; e podem dividi-los entre os moradores caso a geração seja feita em um condomínio. Além disso, foi reduzida a burocracia para registrar painéis solares junto às empresas de energia: o processo dura até um mês, e foi reduzido a uma única etapa. A agência espera que, até 2024, cerca de 1,2 milhão de unidades consumidoras passem a produzir sua própria energia, com potência instalada de 4,5 gigawatts.

 

Fonte: https://futuroexponencial.com
           https://tecnoblog.net

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Precisando de um notebook novo?
LNVACE10

Curta nossa página

Mundo

Publicidade