Cientistas descobrem primeira galáxia sem matéria escura

matees topo28/03/2018 - Desafiando tudo o que se sabe sobre matéria escura até agora, astrofísicos de universidades norte-americanas e canadenses descobriram uma galáxia com níveis irrelevantes de matéria escura. A galáxia é conhecida por NGC1052-DF2 e está localizada a 65 milhões de anos-luz. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores mediram a velocidade de 10 aglomerados globulares — conjuntos cintilantes de milhões de ...

estrelas — e verificaram que eles se movem lentamente. Segundo a teoria vigente, a presença de matéria escura está relacionada diretamente à velocidade de uma galáxia: acredita-se a força gravitacional da matéria escura é responsável por manter as galáxias em movimento. Pouca movimentação significaria, portanto, pouca presença de matéria escura.

Leia também - Superlaser da Estrela da Morte pode ser construído com diamante

Fazendo os cálculos, os cientistas chegaram à conclusão de que esse sistema teria cerca de 400 vezes menos matéria escura do que outras galáxias. A descoberta desafia tudo o que se sabe sobre a matéria escura e a formação das galáxias, já que os cientistas consideram que a matéria escura teria dado origem a esses grandes sistemas estelares. Além disso, todas as galáxias conhecidas possuem matéria escura — a Via Láctea, por exemplo, deve ter até 30 vezes mais matéria escura do que matéria normal.

Mas ainda é cedo para dizer adeus a todas as teorias já feitas sobre o tema. James Bullock, pesquisador da Universidade da Califórnia, chama atenção para o fato de a galáxia estudada estar orbitando uma outra. Por isso, talvez a matéria escura da NGC1052-DF2 tenha existido durante o processo de formação da galáxia, mas, com o tempo, fora atraída pelo sistema vizinho.

Caso sejam encontradas outras galáxias que tenham essa mesma característica, entretanto, as teorias existentes e as estratégias para tentar registrar a matéria escura terão que ser revisadas.

A equipe de van Dokkum continuará a buscar outras galáxias que apresentem características que desafiam nossa compreensão sobre o tema. Em 2016, o grupo de pesquisadores descobriu uma galáxia que se movimenta de forma tão rápida que, ao contrário da NGC1052-DF2, deve ser constituída de 99,99% de matéria escura.

"Nós sabemos tão pouco sobre a matéria escura que qualquer nova restrição é bem-vinda," brinca van Dokkum.


Existe uma galáxia sem matéria escura e os astrônomos estão de cabelo em pé

matees1

Registro da NGC 1052-DF2


29/03/2018, por Patrícia Gnipper - Ainda não se sabe muito a respeito da matéria escura – uma forma de matéria invisível que não interage com a matéria comum, interagindo apenas gravitacionalmente (por isso, somente se pode suspeitar de sua existência ao observar os efeitos gravitacionais sobre a matéria visível). Acreditava-se que esse tipo de matéria estaria presente em todo o universo, mas, agora, os mistérios ficaram ainda maiores, pois acabaram de descobrir a existência de uma galáxia desprovida de matéria escura.

Trata-se da NGC 1052-DF2, situada a cerca de 65 milhões de anos-luz daqui, mais especificamente na constelação de Cetus, a Baleia. Ela tem mais ou menos as mesmas dimensões físicas da Via Láctea, mas abriga um número muito menor de estrelas (tem apenas uma a cada 200 da nossa galáxia). A grande questão, aqui, não é somente o porquê de essa galáxia específica não possuir matéria escura, mas como isso é possível, já que, de acordo com o que a ciência acredita, a matéria escura é necessária para a formação de uma galáxia. Por isso, como a NGC 1052-DF2 teria "nascido" e se sustentado mesmo sem esse componente essencial?

Bom, primeiramente, já foi possível determinar que sua massa é bem baixa, por conta da ausência de matéria escura e também pelo baixo número de estrelas presentes ali. De acordo com Pieter van Dokkum, da Universidade de Yale, "durante décadas, pensamos que as galáxias nascem a partir de bolhas de matéria escura e, depois, gases se ajuntam nos halos de matéria escura. São esses gases que se transformam em estrelas, lentamente se construindo, resultando em galáxias como a Via Láctea". Mas a NGC1052-DF2 "desafia as ideias-padrão de como nós pensamos que as galáxias se formam", diz.

Leia também - Primeiro policial robô do mundo começa a operar em Dubai

Sendo assim, a galáxia desprovida de matéria escura ajuda a provar que essa matéria realmente existe em outras, ainda que não se saiba o motivo pelo qual a matéria é ausente especificamente na NGC 1052-DF2. Sua descoberta foi feita com o Dragonfly Telescope Array, cujo propósito é justamente estudar objetos distantes cuja visualização a partir da Terra é muito difícil.

A equipe de astrônomos, que registrou a descoberta na revista Nature, também contou com diversos outros telescópios para espiar o interior da galáxia, que foi classificada como do tipo "ultradifusa" (categoria que vale para aquelas que são tão tênues quanto as galáxias-anãs, mas ocupam uma área tão grande quanto a Via Láctea). Ali, os cientistas também encontraram uma população vasta de aglomerados globulares (tipo de aglomerado estelar cujo formato é esférico, e seu interior é denso, abrigando estrelas muito antigas). Esses aglomerados se movem muito mais lentamente na órbita da galáxia do que o esperado.

E observar essa velocidade foi crucial para calcular a massa desta galáxia, uma vez que, quanto mais rápido os objetos se movem ali, maior a massa da galáxia. Portanto, a velocidade lenta indicou a pouca massa da NGC 1052-DF2.

Mas, voltando à ausência da matéria escura (coisa que jamais havia sido observada em nenhuma outra galáxia do espaço conhecido), para van Dokkum, "não há teoria que preveja esse tipo de galáxia, que é um completo mistério, já que tudo ali é estranho". Mas existe uma possível explicação: como a NGC 1052-DF2 está em um aglomerado de galáxias dominado por uma enorme galáxia elíptica chamada NGC 1052, isso pode, de alguma forma, ter influenciado a formação desta galáxia tão peculiar.

Segundo o estudo, a galáxia menor poderia ter se formado a partir de gases colapsando em direção à NGC 1052 em formação, mas, por algum motivo, fragmentando-se antes de chegar lá. Outra ideia seria a de que a galáxia sem matéria escura teria surgido a partir de gases ejetados quando duas outras galáxias estavam se fundindo, ou, ainda, ser resultado de um evento cataclísmico que possa ter varrido todo o gás e matéria escura da NGC 1052-DF2.

No entanto, nenhuma dessas hipóteses consegue explicar todas as peculiaridades da galáxia misteriosa, ao menos por enquanto. A equipe segue contando com o Dragonfly, a partir de agora, com a missão de descobrir outras galáxias similares a esta, a fim de fazer comparações e estatísticas que nos ajudem a desvendar esse mistério.


Fonte: https://revistagalileu.globo.com
           Science Alert

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Precisando de um notebook novo?
LNVACE10

Curta nossa página

Mundo

Publicidade