O Big Bang Cerebral

bigcere1Você já parou para pensar como nós e alguns outros animais somos tão parecidos? Mas o que torna o cérebro dos humanos tão mais complexo do que o de outros primatas? O desenvolvimento da vida na terra assumiu diversas formas. O progresso da ciência nos permitiu estudar isso, causando grande progresso. Com essa curiosidade e amor pela neurogenética, cientistas saíram em busca do gene perdido que revolucionou a maneira de pensar e interagir com o mundo.

Nós compartilhamos uma grande semelhança genética com alguns animais como é o caso dos chimpanzés (a similaridade chega a 98%). O cientista Robert May, em 2001, chocou o mundo científico ao dizer que compartilhamos 50% do genoma de uma banana. Dessa forma, o que nos torna tão diferentes? Em que parte do nosso DNA está a receita para o imenso desenvolvimento do neocórtex?

Lucy, nosso fóssil ancestral mais longínquo já descoberto, pertencente à espécie Australopithecus afarensis, povoou a Terra há cerca de 3,8 milhões de anos atrás e possuía um volume cerebral de 500 cm³, aproximadamente. O primeiro ancestral do gênero Homo, o Homo erectus, surgiu por volta de 1,8 milhões de anos atrás com o dobro de volume cerebral e uma maior capacidade de formar grupos complexos.

Os hominídeos modernos, como o Homo sapiens e seus primos neandertais, surgiram em cena com um grande upgrade em sua capacidade cognitiva e um volume cerebral de aproximadamente 1,4 L. Esse “big bang” neuronal se deve principalmente a uma área cerebral denominada neocórtex com ampla função cognitiva, de linguagem, habilidade executiva e memória de trabalho.

Mas, a que se deve esse salto evolutivo anatômico e funcional do sistema nervoso? Cientistas do instituto alemão Max Planck, em Dresden, atribuem esse desenvolvimento a um único gene. Em seus estudos com células tronco pluripotentes precursoras embrionárias de neurônios, eles verificaram que essas células humanas se multiplicavam e não formavam unicamente um neurônio, como fazem em camundongos, mas uma numerosa quantidade dessas células.

bigcere2

A pesquisadora Marta Florio isolou esse grupo de células embrionárias neuroprecursoras em fetos humanos com 13 semanas de gestação, doados por mães que sofreram abortamento, e de camundongos com 14 dias de gestação. Esse pool de células foi cultivado e seus genes foram comparados. Florio e sua equipe perceberam que humanos possuem um gene chamado ARHGAP11B e os camundongos não. Quando criaram modelos experimentais em camundongos mutados com esse gene, Florio constatou que os camundongos desenvolviam um neocórtex com maior volume e densidade celular.[/column]

Pesquisadores da Universidade de Washington cruzaram dados e perceberam que esse gene estava presente em humanos e neandertais, mas não em camundongos e chimpanzés. Contudo, apesar da presença desse único gene conseguir explicar uma alteração anatômica tão relevante, ela ainda seria insuficiente para explicar as diferenças funcionais. A função cognitiva humana é fruto de grande interação gênica. Agora, você já é capaz de dizer, será que deixamos os chimpanzés “para trás” em função de um único gene?


Fonte: https://www.scientificamerican.com
           https://prezi.com

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Precisando de um notebook novo?
LNVACE10

Curta nossa página

Mundo

Publicidade