Cientistas ingleses inventam roupa em spray

roupa spray16/10/2010 - Criação pode revolucionar a indústria mundial do vestuário. A criação de um estilista pode revolucionar a indústria de roupas. Veja só a novidade, que vem de uma universidade inglesa: um spray se transforma em tecido e pode ser aplicado diretamente sobre o corpo. Em Londres aconteceu um desfile para apresentar essa nova tecnologia. Atrás dos sofisticados e criativos vestidos, estão anos de muita pesquisa. O foco não é o design. O que chama a atenção é o tecido, feito pelo estilista Manel Torres a partir de uma tecnologia inovadora. À primeira vista, o lembra uma pintura corporal. Rapidamente a pele é toda coberta pelo que parece uma tinta comum, mas a verdade logo se revela. Aos poucos, o tecido em spray ganha a forma de uma camiseta e começa a secar no corpo.

Poucos segundo depois da aplicação a camiseta está pronta. Facilmente o produto se solta do corpo do modelo. A textura é de um tecido emborrachado. Se quiser, é possível colorir a camiseta que surge após instantes. Para tirá-la também é fácil.

A técnica foi desenvolvida em um laboratorio de engenharia de uma importante universidade de Londres. O criador conta que criou o tecido aerosol “para que o processo de fazer roupas se acelere”.

 roupa spray 2

O spray é composto de pequenas fibras e um solvente, que evapora logo depois da aplicação. O tecido pode ser lavado e vestido novamente. O material dentro da lata é formado por fibras de algodão, polímeros (substâncias plásticas para dar liga e "colar" as fibras) e solventes que mantêm tudo em estado líquido para ser espirrado no corpo. Depois que a mistura atinge o corpo e ganha sua forma, começa a secar rapidamente. Em cerca de 15 minutos, a nova roupa está pronta. O produto é bem gelado, o cheiro lembra o de uma tinta comum e é muito rápida a aplicação.

A ideia dos pesquisadores é criar um tecido que rapidamente toma a forma dos objetos onde é depositado. Além de ser usado por pessoas que querem ter roupas totalmente customizadas, o Fabrican poderia ser usado como ataduras em hospitais, na indústria e por designers. E onde mais a imaginação permitir.

O próximo passo é testar o produto na indústria farmacêutica, e tentar agradar a quem não gosta de roupas coladas ao corpo e minimizar o cheiro de solvente das peças. Os pesquisadores querem agora desenvolver curativos já esterilizados para ser usados em pacientes com queimaduras e outros ferimentos.

Fonte: Portal R7

 

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Precisando de um notebook novo?
LNVACE10

Curta nossa página

Mundo

Publicidade