ROACUTAN, um dos medicamentos mais perigosos ja produzidos

roacutan08/06/2015 - O conhecido medicamento de nome ROACUTAN (isotretinoína), também já vendido com o nome de Accutane, Claravis, Sotret e Amnesteem, “é uma das drogas mais perigosas já produzidas”, diz o médico Dr. Joseph Mercola. No entanto, este medicamento continua sendo o padrão da indústria para o tratamento de acne grave. Para mais de meio milhão de pessoas em todo o mundo tem sido prescritos Roacutan, apesar do fato de que ele está destinado a ser utilizado apenas como último recurso (e mesmo assim o seu uso é questionável!). Nos EUA, a fabricante suíça Roche, passou a maior parte deste século em tribunais para se defender contra ações judiciais de pessoas cuja saúde foi  irreparavelmente danificada por meio desta droga.

 

A Roche perdeu 9 de 13 processos judiciais desde 2007, e foi condenada a pagar mais de 25 milhões de dólares em danos em 2010, além de outros 18 milhões de dólares em 2012, para os usuários de Roacutan (anteriormente chamada de Accutane), que desenvolveram doença inflamatória intestinal como resultado do uso da droga.

Accutane tem sido apontada como uma das causas de depressão e suicídio. Em 2004, as varreduras no cérebro mostraram que as pessoas que tomam Accutane sofreram uma redução de 21% da atividade no córtex orbitofrontal, uma área do cérebro conhecida por mediar sintomas de depressão (Am J Psychiatry 2005;162:983-991.). Essas alterações podem explicar a depressão, comportamento suicida e agressivo, e reações psicóticas relatadas por usuários de Accutane (Roacutan).

A isotretinoína é uma droga de categoria X para a gravidez, que significa que, se a mulher está a tomar isotretinoína (Roacutan ou Accutane) e engravidar, está praticamente garantido que poderá danificar o bebê. Accutane (Roacutan) é extremamente teratogênico (causando danos para o feto!). De acordo com a FDA: “Se você está grávida ou há possibilidade de engravidar, a isotretinoína (Roacutan) pode causar defeitos de nascimento, aborto, nascimentos prematuros e morte em bebês”.– U.S. FDA, Isotretinoin

roacutan 2

“Há um risco extremamente alto que os defeitos congênitos graves no caso de gravidez durante a administração de isotretinoína (Roacutan) em qualquer quantidade, mesmo que por curtos períodos de tempo. Os defeitos congênitos que foram documentados, após a exposição a isotretinoína incluem anormalidades do rosto, olhos, orelhas, crânio, sistema nervoso central, sistema cardiovascular, timo e glândulas paratireóides. Casos de escores de QI inferior a 85, com ou sem outras anomalias foram relatados. Tem sido relatado aumento no risco de aborto espontâneo, e nascimentos prematuros.– U.S. FDA, iPLEDGE

Há outras formas de tratar naturalmente acne, mesmo em sua forma grave, por meio da nutrição. Dentre os nutrientes importantes no tratamento de acne, destaca-se dois deles: zinco e ceramidas na forma oral. Para mais detalhes sobre os nutrientes, leia os artigos nos links abaixo:

Zinco: https://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/07/23/zinco-no-tratamento-da-acne/

Ceramidas: https://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/12/17/ceramidas-trata-de-pele-seca-dermatite-eczemas-e-ainda-protege-a-pele-do-envelhecimento-precoce/

Referências: 1. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2012/12/12/acne-drug-accutane.aspx

http://ajp.psychiatryonline.org/doi/abs/10.1176/appi.ajp.162.5.983

http://www.fda.gov/Drugs/DrugSafety/PostmarketDrugSafetyInformationforPatientsandProviders/ucm094305.htm

https://www.ipledgeprogram.com/AboutIsotretinoin.aspx


Roacutan: Os benefícios e os riscos de utilizar este medicamento para acne


O impacto que a acne causa nas pessoas é algo realmente sério, podendo destruir a auto-estima de um indivíduo. Um caso chamou a atenção de autoridades britânicas. Melissa Martin-Hughes, de 18 anos, cometeu suicídio. A jovem era usuária do medicamento Roacutan. Segundo os médicos, o medicamento poderia ter levado Melissa a uma grave depressão.

O que exatamente é o Roacutan?

Trata-se de um medicamento usado em casos graves de acne. Seu princípio ativo, a isotretinoína, é um derivado da vitamina A. Sua ação é baseada
principalmente na redução da oleosidade e produção de sebo, bem como controlar as bactérias que causam a acne. Em alguns casos, o tratamento com o medicamento pode se estender por até 8 meses e deve ser obrigatoriamente prescrito por médicos dermatologistas. Trata-se de uma medicação extremamente eficaz, mas que pode provocar problemas sérios.

A acne severa pode levar seus portadores à depressão. Seria correto receitar um medicamento que pode piorar este problema psicológico? A depressão no caso de pacientes que usam o medicamento é algo um pouco complicado, pois fica muito difícil separar o que seria depressão derivada de uma pele que destrói a auto- estima de uma que, possivelmente, seja provocada pelo medicamento.

Nenhum estudo até o momento provou a causalidade entre o Roacutan e depressão, mas os médicos estimam que exista uma ligação. O Roacutan é semelhante à molécula da vitamina A, por tanto, não está claro o motivo pelo qual esta substância levaria à depressão. Caso um paciente inicie o tratamento com o medicamento e perceber qualquer alteração de humor, deve informar imediatamente seu médico e parar o tratamento ou continuar e obter acompanhamento psiquiátrico.

Por que o medicamento é prescrito se pode ser tão prejudicial?

O Roacutan é um medicamento muito eficaz, mas a prescrição fica a cargo de um ato de equilíbrio entre o médico e paciente. Os benefícios e os riscos têm de ser cuidadosamente ponderados: em algumas pessoas os efeitos psicológicos são mínimos ou inexistentes, já a melhoria na pele é algo muito significativo. Outros tratamentos podem ser eficazes?

Existem outros tratamentos seguros e eficazes, mas mesmo assim pode levar meses até obter resultados satisfatórios, e é necessário rigor no tratamento para que os sinais de melhora apareçam. Existem antibióticos orais, já para as meninas são recomendados alguns tipos de pílulas anticoncepcionais, amplamente utilizados para este fim. Outras substâncias – peróxido de benzoíla é uma delas – são de ação tópica e também podem oferecer resultados consideráveis em casos de acne de grau leve ou moderada.


Efeitos Colaterais de Roacutan


Alguns efeitos adversos de Roacutan® são dose-dependentes. Com a dose recomendada, o risco / benefício é geralmente aceitável, considerando a gravidade da doença. Os efeitos adversos são geralmente reversíveis com a alteração da dose ou interrupção do tratamento. Alguns podem persistir após a suspensão da medicação. Os eventos adversos listados a seguir refletem a experiência de estudos investigacionais e de pós-comercialização. A relação de alguns desses eventos com a terapia com Roacutan® é desconhecida. Muitos desses efeitos são semelhantes àqueles observados em pacientes que utilizam altas doses de vitamina A (ressecamento da pele e membranas mucosas, por exemplo, dos lábios, da passagem nasal e dos olhos).

Reação muito comum (ocorre em 10% ou mais dos pacientes que utilizam este medicamento):
Desordens sanguíneas e do sistema linfático: anemia, aumento nas plaquetas ou diminuição da contagem plaquetária (trombocitopenia), elevação da taxa de
sedimentação.
Desordens sensoriais: blefarite, conjuntivite, irritação ocular, ressecamento ocular.
Desordens hepáticas e biliares: elevações transitórias e reversíveis de transaminases hepáticas.
Pele e anexos: fragilidade cutânea, prurido, ressecamento da pele e lábios.
Desordens do sistema musculoesquelético: mialgia (dores musculares), artralgia (dores articulares), lombalgia (dor na região lombar).
Alterações laboratoriais: aumento de triglicérides e colesterol séricos, diminuição de HDL.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):
Desordens sanguíneas e do sistema linfático: neutropenia.
Desordens do sistema nervoso central: cefaleia.
Desordens do sistema respiratório: ressecamento da mucosa nasal (epistaxe).
Outras reações: hematúria, proteinúria.

Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento):
Desordens do sistema nervoso central e psiquiátricas: depressão.
Pele e anexos: alopecia reversível, reações alérgicas da pele.
Outras reações: hipersensibilidade sistêmica.

Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento):
Infecções: infecções bacterianas locais ou sistêmicas por microrganismos Gram-positivos (Staphylococcus aureus).
Desordens sanguíneas e do sistema linfático: linfadenopatia.
Alterações laboratoriais: hiperuricemia, diabetes mellitus, células brancas na urina.
Desordens do sistema nervoso central e psiquiátricas: aumento da pressão intracraniana (pseudotumor cerebral), alterações comportamentais, tentativa de
suicídio, suicídio, convulsões, tontura, insônia, letargia, parestesia, síncope.
Desordens sensoriais: distúrbios visuais, catarata lenticular, visão turva, distúrbios visuais de cor (reversível com a descontinuação), intolerância a
lentes de contato, opacidade da córnea, distúrbios da adaptação ao escuro (visão noturna diminuída), ceratite, fotofobia, papiledema como sinal de
hipertensão intracraniana benigna. audição comprometida em algumas frequências e zumbido.
Desordens do sistema respiratório: broncoespasmo (particularmente em pacientes com uma história prévia de asma), ressecamento da faringe (rouquidão).Desordens do sistema gastrintestinal: colite, ileíte e hemorragia gastrintestinal, náusea, diarreia grave, doença inflamatória intestinal, como doença de Crohn. Pacientes tratados com Roacutan® especialmente aqueles com altos níveis de triglicérides apresentam risco de desenvolver pancreatite (pancreatite fatal raramente relatada).
Desordens hepáticas e biliares: hepatite.
Desordens cardiovasculares: palpitação, taquicardia.
Pele e anexos: exantema, acne fulminante, piora da acne (ocorre no início do tratamento e persiste durante várias semanas), dermatite facial, distrofia ungueal, hirsutismo, granuloma piogênico, paroníquia, sudorese, hiperpigmentação da pele, fotossensibilidade, aumento na formação de tecidos de granulação.
Desordens do sistema musculoesquelético: hiperosteose, artrite, calcificação dos ligamentos e tendões, redução na densidade óssea, fechamento epifisário prematuro, tendinite.
Outras reações: glomerulonefrite, vasculite (inflamação da parede dos vasos) (por exemplo, granulomatose de Wegener), vasculite alérgica, edema e fadiga.

Reações sem frequência estabelecida: diminuição da contagem de células brancas sanguíneas, alterações de células vermelhas (como redução da contagem de células vermelhas e hematócritos), respostas alérgicas, infecções (incluindo herpes simples disseminado), irregularidades menstruais, alterações urogenitais não específicas, doença vascular trombótica, perda de peso e adelgaçamento de cabelos.

Pós-comercialização
Durante o período pós-comercialização, eritema multiforme, síndrome de Stevens-Johnson e necrólise epidérmica tóxica foram relatados com o uso de Roacutan® (vide item Advertências e precauções).
Casos sérios de rabdomiólise foram relatados, frequentemente levando à hospitalização e alguns casos com evolução fatal, particularmente naqueles que realizam atividade física intensa.

Em caso de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA, disponível em
www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou à Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Fonte: Nutrição Brasil
DailyMail
http://www.medicinanet.com.br/

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade