A carta de uma psiquiatra sobre “Cinquenta Tons de Cinza” para os jovens

tonci1Por Miriam Grossman, 19/2/2017 - Não há nada de cinza sobre os 50 tons de cinza. É tudo preto. Deixe-me explicar. Eu ajudo pessoas que estão quebradas por dentro. Ao contrário dos médicos que utilizam raios X ou exames de sangue para determinar por que alguém está com dor, as feridas que me interessam estão ocultas. Faço perguntas e ouço atentamente as respostas.

É assim que eu descubro por que a pessoa na minha frente está “sangrando”. Anos de escuta atenta me ensinaram muito. Uma coisa que eu aprendi é que os jovens são totalmente confusos sobre o amor – para achá-lo e mantê-lo. Eles fazem escolhas erradas e acabam sofrendo muito.

Leia também - Criança mimada é falta de educação, sim. E a culpa é dos pais

Eu não quero que você sofra como as pessoas que vejo em meu escritório, por isso estou avisando sobre um novo filme chamado Cinquenta Tons de Cinza. Mesmo se você não ver o filme, sua mensagem tóxica está se infiltrando na nossa cultura e poderia plantar ideias perigosas em sua cabeça.

Cinquenta Tons de Cinza está sendo lançado no Dia dos Namorados, então você vai pensar que é um romance, mas não caia nessa. O filme é realmente sobre uma relação doentia e perigosa, preenchido com abuso físico e emocional. Parece glamouroso, porque os atores são lindos, têm carros caros e aviões, e Beyonce está cantando. Você pode concluir que Christian e Ana são legais e que seu relacionamento é aceitável.

Não se permita ser manipulado! As pessoas por trás do filme só querem o seu dinheiro; eles não se preocupam nem um pouco com você ou seus sonhos. Abuso não é glamouroso ou legal. Nunca é OK, sob quaisquer circunstâncias. Isto é o que você precisa saber sobre Cinquenta Tons de Cinza: Christian Grey foi terrivelmente negligenciado quando era uma criança. Ele está confuso sobre o amor, porque ele nunca experimentou a coisa real. Em sua mente, o amor está emaranhado com sentimentos ruins como dor e o constrangimento. Christian gosta de machucar mulheres de formas bizarras. Anastasia é uma menina imatura que se apaixona pelos olhares e pela riqueza de Christian, e tolamente segue seus desejos.

No mundo real essa história iria acabar mal, com Christian na cadeia e Ana em um abrigo – ou morgue. Ou Christian continuaria batendo em Ana, e ela sofreria como nunca. De qualquer maneira, as suas vidas não seriam um conto de fadas. Confie em mim. Como médica, estou lhe pedindo: não assista Cinquenta Tons de Cinza. Se informe, conheça os fatos e explique aos seus amigos por que eles não devem assitir também.

Aqui estão algumas das ideias perigosas promovidas em Cinquenta Tons de Cinza:

toncin2

1. As meninas querem caras como Christian: Grosseiro e que mande nela.

Não! Uma mulher psicologicamente saudável evita dor. Ela quer se sentir segura, respeitada e cuidada por um homem que ela pode confiar. Ela sonha com vestidos de casamento, não algemas.

2. Homens querem uma garota como Anastasia: Calma e insegura.

Errado. Um homem psicologicamente saudável quer uma mulher que sabe se defender por si mesma. Ele quer uma mulher que o corrija quando ele sair da linha.

3. Anastasia exerce livre escolha quando ela consente em ser machucada, então ninguém pode julgar a sua decisão.

Lógica falha. Claro, Anastasia tinha livre escolha – e ela escolheu mal. A decisão auto-destrutiva é uma má decisão.

4. Anastasia faz escolhas sobre Christian de forma racional e distante.

Duvidoso. Christian constantemente serve Anastasia com álcool, prejudicando seu julgamento. Além disso, Anastasia se torna sexualmente ativa com Christian – sua primeira experiência – logo após conhecê-lo. O sexo é uma experiência poderosa – particularmente na primeira vez. Finalmente, Christian manipula Anastasia para assinar um acordo que a proíbe de falar a alguém que ele é um abusador. Álcool, sexo e manipulação – dificilmente seriam os ingredientes de uma decisão racional.

5. Os problemas emocionais de Christian são curados pelo amor de Anastasia.

Apenas em um filme. No mundo real, Christian não mudaria de forma significativa. Se Anastasia quisesse ajudar pessoas emocionalmente perturbadas, ela deveria ter se tornado uma psiquiatra ou uma psicóloga.

Leia também - Massacre de Haximu

A principal questão: as idéias de Cinquenta Tons de Cinza são perigosas e podem levar à confusão e más decisões sobre o amor. Existem grandes diferenças entre os relacionamentos saudáveis e não-saudáveis, mas o filme borra essas diferenças, de modo que você começa a se perguntar: o que é saudável em um relacionamento? O que é doentio? Há tantos tons de cinza … Eu não tenho certeza. Ouça, é da sua segurança e do seu futuro que estamos falando aqui. Não há margem para dúvidas: uma relação íntima que inclui violência, consensual ou não, é completamente inaceitável.

É preto e branco. Não existem tons de cinza aqui. Nem mesmo um.

 

Cinquenta Tons Mais Escuros (2017): um perigoso desastre

toncin3

Thiago Siqueira - Embora o elenco principal desta continuação não tenha se modificado, nem a diretora do original, Sam Taylor-Johnson ou a roteirista Kelly Marcel retornaram para este “Cinquenta Tons Mais Escuros”. O comando da produção passou para o diretor James Foley (da série “House of Cards”) e o guião foi assinado por Niall Leonard, marido da própria criadora da franquia, E.L. James, que, mesmo trabalhando como roteirista desde 1987, assina aqui seu primeiro trabalho para cinema. Ou seja, não é à toa que por várias vezes a produção mais pareça um filme ruim feito para TV, mesmo que isso não explique a inabilidade do diretor em entregar aqui ao menos uma establishing shot razoável.

Na trama, alguns meses após os eventos do capítulo anterior, Anastasia (Dakota Johnson) e Christian (Jamie Dornan) reatam seu enlace, com ele tentando explicar para a moça os motivos do seu sadismo na cama. Enquanto isso, Anastasia é perseguida por uma ex-submissa de Christian (Bella Heathcote, de “O Demônio de Neon”), confronta Elena (Kim Basinger,”Sentinela“), mulher que iniciou Christian no mundo do BDSM e, finalmente, tem de encarar uma situação de assédio por parte de seu chefe, Jack Hyde (Eric Johnson, de “Smallville”).

Colocando deste modo, até parece que muita coisa acontece durante a projeção, mas não é bem assim. O longa tem 118 minutos que passam sem engatar nenhuma trama. Os conflitos são apresentados, desenvolvidos e resolvidos (uso esses termos no sentido amplo) em um espaço de tempo tão curto que simplesmente não há tempo para o público notar a existência destes, quanto mais ter qualquer tipo de catarse com suas resoluções – um incidente envolvendo um helicóptero marca bem esse problema.

Chega a ser um insulto ver Kim Basinger desperdiçada em uma participação que dura, literalmente, quatro cenas. Sim, AQUELA Kim Basinger, que estrelou “9 1/2 Semanas de Amor”, um thriller erótico seminal, tem apenas cinco minutos em tela, sendo que sua Elena, do ponto de vista narrativo, deveria estar lá para nós falar mais sobre Christian e representar um obstáculo real para o “romance” do casal central. O ápice da participação da atriz no filme é quando jogam um drinque na sua cara e lhe dão um tapa, em uma sequência digna de uma paródia de novela mexicana.

E o que dizer de Jack Hyde. É difícil não imaginar E.L. James se sentindo extremamente inteligente ao referenciar “O Médico e o Monstro” de maneira tão “sutil”. O “vilão” interpretado por Eric Johnson se transforma de chefe interessado em estuprador louco em menos de duas cenas. Não há nenhuma nuance na interpretação canastrona de Johnson, ele simplesmente se transforma.

Detalhe que o filme usa Hyde para justificar a postura de Christian em tratar Anastasia como sua propriedade. Ao impedir que a moça vá em uma importante viagem de negócios com o chefe, ele não está exercendo seu domínio de “macho alfa” ou defendendo sua propriedade, mas sim protegendo Anastasia. E isso sendo que na única cena na qual Christian e Hyde dividem a tela, eles se apresentam como “O Namorado” e “O Chefe”, praticamente se digladiando para ver quem tem mais controle sobre Anastasia.

E nisso temos a pobre Leila, vivida por Bella Heathcote. A moça, além de óbvios problemas mentais (causados por conta do seu relacionamento anterior com Christian), também possui habilidades ninja. Sim, pois só isso explica ela conseguir invadir o fortificado condomínio de Grey sem ser notada pela equipe de seguranças do bilionário ou entrar no apartamento de Anastasia para ver o casal dormindo e sair sem levantar suspeitas.

toncin4

Todos esses pontos – o chefe assediador, o relacionamento com uma mulher mais velha e experiente ou os danos causados pelo estilo de vida de Christian às suas submissas – seriam plots que poderiam fazer a relação entre Christian e Anastasia soar mais interessante e dariam aos atores material dramático com que trabalhar. Nenhum dos três funciona e, enquanto Dakota Johnson até que se esforça, Jamie Dornan novamente nos brinda com uma performance digna do Cigano Igor.

Leia também - Filhos Mimados: adultos incapazes de lidar com frustração

No entanto, o problema que mais chama a atenção neste desastre é a estrutura adotada por Foley e Leonard, que se resume a diálogo brega/cena ruim de sexo com música da moda/diálogo brega. O longa aposta tudo nos encontros sexuais entre Anastasia e Grey, filmados de um modo tão pobre que faria corar o mais tosco dos filmes exibidos no extinto Cine Privé da Rede Bandeirantes. As cenas de BDSM não causam frisson ou excitação, mas evocam a mais profunda vergonha alheia.

Não há química (física ou dramática) entre Johnson e Dornan, com o filme se tornando moderadamente divertido apenas por conta da péssima entrega dos diálogos horrorosos proferidos no decorrer da narrativa (“Você me ensinou a f****, mas ela me ensinou a amar!”). Até mesmo as tentativas de mostrar as raízes dos problemas de Christian são apresentadas de uma forma tão cafona que se torna impossível levar a sério a trama, apesar do filme nos implorar para fazê-lo.

No início do longa, Anastasia é mostrada como uma jovem adulta independente e que conseguiu escapar de sair de um relacionamento nocivo. Ao longo da projeção, o público se vê forçado a torcer para que ela volte para um homem que não tem nenhum senso de privacidade e cuja noção de romantismo se mistura com a de possessão.

Por mais que ultrapasse frequentemente e involuntariamente a fronteira do hilariante em sua breguice, “Cinquenta Tons Mais Escuros” é um filme retrógrado e perigosíssimo, que, ao mesmo tempo em que cita Jane Austen e Charlotte Brontë, reforça e romantiza uma cultura de dominação masculina e a noção de que o lugar da mulher é servindo o seu macho provedor.


FONTE: Meg Meeker
              http://cinemacomrapadura.com.br


FONTE: Meg Meeker

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade