Os Templários - Parte 1

templar1Abençoados e Amaldiçoados pelos Papas e Idealizados Pelos Maçons A Ordem dos Cavaleiros Templários foi instituída em 1119 por Hughes de Payns, com a anuência papal de Urbano II, tendo como objetivo dar segurança aos lugares e templos ...

sagrados de Jerusalém, que havia sido conquistada em 1099 pela primeira cruzada. Em 1127, o Rei de Jerusalém, Balduíno II, pediu ao Papa, sanção papal para a nova Ordem dos Templários, e solicitou-lhe para definir a regra para a vida e conduta de seus membros. Regras e normas foram dadas e a Ordem dos Cavaleiros Templários passou a ser mais do que uma instituição militar, passou a ser uma ordem de Monges Guerreiros de Cristo. Votos de castidade, benção de armas e promessas de descanso eterno, caso morressem na batalha, eram algumas das indulgências concedidas aos cavaleiros de Cristo. Nesses cavaleiros estava incutida a idéia de que matar em nome de Deus era justificável e de que morrer por Ele, santificável. Parece que o Papa, para poder atingir mais facilmente seus ideais, usou a mesma filosofia islâmica da Jihad ou guerra santa, mas com uma roupagem ideológica cristã. O abade de Clairvaux, apoiado pelo papa, desfilou um discurso acalorado em favor dos Cavaleiros Templários dando-lhes autoridade para matar em nome de Deus:

Leia também - Símbolos Illuminati que podem passar despercebidos

"Na verdade, os cavaleiros de Cristo travam as batalhas para seu Senhor com segurança, sem temor de ter pecado ao matar o inimigo, nem temendo o perigo da própria morte, visto que causando a morte, ou morrendo quando em nome de Cristo, nada praticam de criminoso, sendo antes merecedores de gloriosa recompensa... aquele que em verdade, provoca livremente a morte de seu inimigo como um ato de vingança mais prontamente encontra consolo em sua condição de soldado de Cristo. O soldado de Cristo mata com segurança e morre com mais segurança ainda... Não é sem razão que ele empunha a espada! É um instrumento de Deus para o castigo dos malfeitores... Na verdade, quando mata um malfeitor, isso não é homicídio... e ele é considerado um carrasco legal de Cristo contra os malfeitores" (01).

Pouco tempo depois, no Concílio de Toeis, foram redigidos os estatutos dos templários, imitando a ordem de São Benedito, porém os cavalheiros eram de precária religiosidade, quebrando em pouco tempo todos os votos, incluindo os de pobreza e castidade, tendo como alegação a riqueza e o harém de Salomão. Um grande número de burgueses se alistou na ordem, e a religiosidade acabou cedendo lugar ao orgulho, avidez, luxúria, mas sem jamais deixar de defender o papado que lhes deu total liberdade.


O Declínio dos Templários

Foi no início do século XIV que, com a liderança de Jacques de Molay a Ordem entrou num período de acusações e decadência, culminando com sua extinção. Isso porque, independente do país onde estavam instituídos, os Templários somente reconheciam a autoridade do Papa. Conseqüentemente, os reis de diversos países em que os Templários habitavam consideravam a ordem com antipatia e desdém. Em 1307, o rei francês Filipe IV, o Belo, colocou seus olhos no tremendo poder político e nas riquezas dos Cavaleiros Templários franceses. Portanto, ele decidiu planejar como derrubar a ordem e confiscar suas riquezas. O rei infiltrou doze de seus homens em diversos comandos dos Templários, esses espiões serviram bem ao rei em seu plano de destruir os Cavaleiros Templários. Quando o rei atacou na alvorada do dia 13 de outubro de 1307, ele estava bem preparado com uma lista de crimes dos quais os Templários seriam acusados. Estas foram algumas das acusações: Heresia contra a Igreja Católica Romana; Adoração a objetos satânicos; Rejeição de Jesus Cristo, exemplificada por rituais onde se cuspia e pisava-se na cruz; Sodomia e outros atos de homossexualidade. Em toda a história, essas acusações são comuns contra ordens que exigem o celibato. O celibato entre homens comumente resulta em práticas homossexuais.

Além dessas acusações, os Templários confessaram a adoração de um ídolo barbudo, aparentemente uma cabeça, a quem chamavam de Baphomet. Mas quem seria esse ídolo? Algumas fontes afirmam o seguinte:

"O símbolo do Baphomet foi usado pelos Cavaleiros Templários para representar Satanás. O Baphomet representa os poderes das trevas combinados com a fertilidade do bode. Em sua forma 'pura', o pentáculo é mostrado envolvendo a figura de um homem nos cinco pontos da estrela - três pontas para cima e duas pontas para baixo, simbolizando a natureza espiritual do homem."

"Baphomet: o bode que era o ídolo dos Templários... Algumas autoridades afirmam que Baphomet era uma cabeça monstruosa, outros que era um demônio na forma de bode.... Uma figura mágica e panteísta do Absoluto. A tocha entre os dois cifres representa o equilíbrio e a inteligência da tríade. A cabeça do bode, que é sintética, inclui algumas características do cachorro, do touro e da mula... As mãos são humanas... elas formam os sinal do esoterismo em cima e embaixo, para transmitir mistério aos iniciados... e apontam para duas luas crescentes... A parte inferior do corpo está coberta... A barriga do bode é bem proporcional... O bode tem seios femininos.... Em sua fronte, entre os chifres e abaixo da tocha, está o sinal do microcosmo, ou o pentáculo com uma ponta na ascendente..."(03).

Mesmo sem ignorar a perseguição política e os interesses comerciais do Rei Felipe, todas as conjecturas apontam para um desvio profundo da primordial vocação ideológica e religiosa que tinham os Templários. Agora eles haviam se tornados esotéricos e defendiam um sistema de doutrina religiosa bizarra, uma mistura de esoterismo, cabala, cristianismo, judaísmo, islamismo... Enfim, em uma salada bem confusa se tornaria a Ordem dos Templários que chegaria, oficialmente, ao seu fim com a sua extinção pelo papa Clemente V em 1313.


O Renascimento dos Templários e a Maçonaria

"É provável que a Ordem dos Templários tenha funcionado por algum período na clandestinidade, com seus membros reunindo-se secretamente... Uma das causas de sua subsistência talvez tenha sido a manutenção de atividades secretas, hipótese levantada por alguns historiadores... Não seria surpreendente constatar-se o funcionamento de ordens esotéricas com raízes no movimento dos Templários. Independente de como isso se deu, o fato é que existem algumas organizações que se consideram descendentes diretas da Ordem dos Templários de Jerusalém... Entre essas organizações está a maçonaria... Contudo, nem todos os maçons são Templários. O Templário é apenas uma parte da estrutura maçônica conhecida... Por isso mesmo, assume-se como organização fraternal cristã, fundada no século XI..." (adaptado - 01)

Alguns historiadores acreditam que os Cavaleiros Templários escaparam das perseguições do rei Filipe IV de França e do Papa Clemente V, fugindo para a Escócia e para a Inglaterra, e renomeando o grupo para Maçonaria. A fundação da Grande Loja Maçônica, em 1717, seria o restabelecimento dos Templários.

Sobre a Maçonaria, alguns estudiosos afirmam que ela está ligada às lendas de Ísis e Osíris, do Egito; ao culto a Mitra, vindo até a Ordem dos Templários e à Fraternidade Rosacruz entre outros elementos.

templar2

Conclusão: Nosso objetivo, ao descrevermos sobre a Ordem dos Templários, é para esclarecermos três pontos: Primeiro, como os Católicos Medievais absorveram a ideologia Islâmica da Jihad, matando e guerreando de maneira fanática e sem critérios cristãos, visando atingir objetivos de papas e reis. Segundo, para mostrar o desvio dos Templários em sua ideologia religiosa, criando uma religião particular de cunho extremamente duvidoso. E por último, questionar como a Maçonaria, que se arvora mais como movimento filosófico do que religioso, pode se orgulhar de ter em sua etimologia um movimento execrado até pelas instituições medievais.

Enfim, esperamos que as informações aqui passadas possam esclarecer a todos os leitores que estudam tanto o catolicismo como a maçonaria.

A Milícia de Cristo

"Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão", assim denominaram-se originalmente os Templários, Ordem Militar fundada no ano de 1119, em Jerusalém, para proteger os peregrinos e os lugares sagrados da Terra Santa. Os bravos guerreiros tiveram sua base afincada bem no coração do inimigo islâmico, visto que o seu quartel-general, uma concessão do rei Balduíno II, situava-se num prédio ao lado da Mesquita de Al-aqsa, ocupando uma parte superior do que restara do Templo de Salomão.
Compondo uma síntese entre a sincera fé dos monges e o destemor dos soldados de elite, consagraram-se como a mais poderosa e valente organização militar da época das Cruzadas: a tropa de choque de Deus. Prestigio que lhes rendeu, depois de se transferirem para a Europa, em 1291, serem os depositários fiéis dos bens dos cristãos ricos. Justamente por isso, pela cobiça que despertaram, é que pereceram nas mãos do rei da França em 1307.

A Desastre dos Templários

NEKAN, ADONAI !!! CHOL-BEGOAL!!! PAPA CLEMENTE... CAVALEIRO GUILHERME DE NOGARET... REI FILIPE: INTIMO-OS A COMPARECER PERANTE AO TRIBUNAL DE DEUS DENTRO DE UM ANO PARA RECEBEREM O JUSTO CASTIGO. MALDITOS! MALDITOS! TODOS MALDITOS ATÉ A DÉCIMA TERCEIRA GERAÇÃO DE VOSSAS RAÇAS!!!"

Foram essas as derradeiras palavras que Jacques de Monay, o 22º e último Grão-Mestre da Ordem dos Templários, proferiu antes das chamas lhe levarem a vida. Acesa a fogueira no pelourinho nos fundos da catedral de Notre-Dame em Paris, ele ali expiou ao anoitecer do dia 18 de março de 1314, imprecando contra o Papa, o Guarda-selos do rei, e o próprio soberano da França. E tinha toda a razão em lançar o anátema contra os três. Sete anos antes, um sórdido conluio entre o rei Filipe IV, o belo, e o Papa Clemente V, tendo o fiel Nogaret como executor, selara-lhe o destino.

Até então a ordem dos monges guerreiros de manto branco e cruz vermelha fora um colosso militar e financeiro. Na noite do dia 12 para 13 de outubro de 1307, as suas instalações, por todas as partes do reino, viram-se invadidas pelos oficiais de Filipe IV. Inclusive seus edifícios em Paris, denominados Ville Neuve du Temple.
Para suprema infâmia dos cavaleiros aprisionados, seus últimos dirigentes, além de terem perdido tudo, foram arrastados aos tribunais reais denunciados por Nogaret, o jurista do rei, pelas práticas de heresia e de pederastia.

Num processo forjado, nos quais os procedimentos inquisitoriais foram aplicados com a máxima crueldade possível, acusaram-nos de serem adoradores pagãos do diabólico Baphomet, de cuspirem na cruz, de negarem os sacramentos e de se entregarem a licenças sexuais uns com os outros. Arrancaram-lhes as confissões por meio de terríveis torturas e outros tormentos, quando, em meio aos urros de dor, com as carnes dilaceradas e queimadas pelo largo uso que os inquisidores fizeram do strappado e do braseiro, concordaram em dizer aos seus supliciadores o que eles queriam ouvir.

Leia também - Exorcismo

Filipe, o belo, atiçado pelas intrigas de um traidor, um ex-cavaleiro chamado Esquiseu de Floyran, o Judas dos Templários, não se conformara em desmantelar-lhes as instalações e confiscar-lhes os valores, quis também desonrá-los para sempre. Por isso, acusou-os de sodomitas. Denúncia estendida a De Monay e a outros 140 cavaleiros postos a ferros (54 deles expiram pelo fogo).

O Declínio das Cruzadas

Até poucos anos antes da catástrofe, a Ordem dos Templários era a mais prestigiada das três milícias de Cristo formadas ao tempo em que Jerusalém ainda se encontrava sob o controle direto dos príncipes cristãos. Depois da expulsão deles da Terra Santa, por ocasião da queda de São João d´Acre frente os muçulmanos, em 1291, os Cavaleiros Hospitalários confinaram-se na ilha de Chipre, e, mais tarde, na Ilha de Malta, enquanto que os Cavaleiros Teutônicos, de volta à Alemanha, mobilizaram-se na conquista das terras de poloneses pagãos.Os Templários, todavia, viram-se geograficamente mais favorecidos, pois se hospedaram em Paris, quase no coração da Europa de então.

As sedes deles, mais numerosas na França (um total de 704 conventos e prelazias), espalhavam-se pela Inglaterra, Alemanha, Itália, Espanha e Portugal. As suas propriedades totais somavam há mais de nove mil tipos diferentes. Devendo obediência apenas ao papa, sempre ausente ou distante, na prática usufruíam a mais completa autonomia em relação aos reinos, bispados e baronatos que os acolhiam. Um monge templário somente obedecia ao seu superior hierárquico: o grão-mestre ou o dom prior

Os Banqueiros de Cristo

Graças ao empenho deles na causa defesa da Cristandade, ao heroísmo e coragem demonstrada em inúmeras batalhas travadas contra o Islã, e devido a absoluta correção como se conduziam, os prédios que aquartelavam os monges - desde que a Ordem fora fundada em Jerusalém, em 12 de junho de 1119, por Hugo Payens e por seu companheiro Godofredo de Saint-Omer - tornaram-se locais seguríssimos.

A pureza e a espada, conjugadas, eram as apreciadas garantias dadas pelos Templários aos donos dos dobrões que acolhiam em depósito. Numa era de incertezas extremas, de pilhagens e incêndios constantes motivados pelas guerras feudais intermitentes, qualquer recinto protegido pela cruz da Ordem aparecia como se fora um oásis. Um cofre-forte inexpugnável protegido pelo Senhor.

Era tal a confiança que despertavam que não tardou para que sus instalações se transformassem em estabelecimentos bancários, ainda que informais, fazendo deles, entre os séculos XII e XIII, os principais fornecedores de crédito a quem os poderosos da época recorriam (consta que na Espanha até os chefes mouros obtinham empréstimos junto a eles).

Não há nenhum exagero em afirmar-se que a Ordem dos Templários tornou-se, bem antes dos Médicis e dos Fuggers, o primeiro banco europeu. Assim foi que se gerou a lenda da fortuna fabulosa, mais jamais comprovada, do Tesouro dos Templários.

Aumentando e solidificando ainda mais a estranheza com que eles eram vistos pela gente comum, um espesso véu de segredo parecia cobrir tudo o que dissesse respeito ao Templo e a sua gente. De fato, as cerimônias de admissão e iniciação dos monges recendiam às práticas esotéricas secretas, fato perfeitamente compreensível numa instituição militar fundada em território inimigo, como foram os primeiros anos dos Templários na época do Reino Latino de Jerusalém. Nada se sabia ou se ouvia do que ocorria no seu intramuros, pois os cavaleiros estavam presos aos perpétuos votos de segredo.

Todavia, a continuação daqueles ritos sigilosos preservados em meio aos reinos cristãos somente fez crescer a desconfiança geral contra os monges soldados. O que fez por tornar ainda mais plausível junto à opinião da época as incríveis assacações que lhes foram feitas pelos esbirros de Filipe IV. Ainda que na Itália Dante Alighieri tenha suspeitado delas, o engenhoso alquimista maiorquino Raimundo Lullio, o "Doctor Inspiratus", creditou-as como verdadeiras.



O Declínio do ímpeto cruzado

A derrota dos cristãos frente a Saladino na batalha de Hattin, em 1187 (no final dela 200 templários foram executados), a perda definitiva de Jerusalém, em 1244, com a conseqüente expulsão do restante dos ocidentais da Palestina menos de 50 anos depois, abateu o ânimo das empresas cruzadas. Espírito este que já fora profundamente abalado quando a Quarta Cruzada, ocorrida em 1204, desviando-se totalmente dos seus objetivos, terminara por assaltar e pilhar Constantinopla, a capital da cristandade oriental. Algo que começara em 1095 como um forte e sincero apelo à fé, a retomada dos Lugares Santos das mãos dos infiéis, um tanto mais de século depois desandara numa empreitada militar de traição e vilania cometida por cavaleiros ocidentais contra os próprios cristãos.(*)

(*) O assalto dos latinos à grande cidade grego-cristã-ortodoxa selaria para sempre o Cisma da Cristandade, pois nunca mais as Igrejas de Roma e a Grega de Constantinopla fizeram as pazes.

A própria reciclagem da função da Ordem, de trincheira avançada dos cruzados para banco de empréstimos, foi significativa do desencanto crescente da nobreza e do povo em seguir a bandeira da cruz contra o Crescente.
Deste modo, a cabeça coroada de Filipe, o belo, monarca sempre carente de recursos, deu em pensar qual a utilidade verdadeira do tesouro dos Templários? Se não se prestava mais para financiar as expedições dos cristãos em território muçulmano para que mais serviria? Além disso, aquela constelação de castelos, fortalezas e conventos nas mãos dos guerreiros de Cristo, formava um império fora das vistas do soberano: a Ordem dos Templários posava como se fora um estado dentro do estado.

Cai o Bispo, Cai a Torre

Despido de qualquer constrangimento moral, algo que Maquiavel, se então já fosse vivo, provavelmente aplaudiria, Filipe, o belo, agiu como um hábil jogador de xadrez. Para conquistar a "torre" do Templo, aplicou a tática da ação indireta: primeiro derrubou o "bispo" que a sustentava à distância, isto é, o próprio papa. Sempre recorrendo ao prestativo Guilherme de Nogaret, Filipe IV, aproveitando-se da confusão que abalava Roma, acusou Bonifácio VIII de herético e simplesmente arrancou-lhe o báculo, banindo-o da cidade. Em seguida, em junho de 1305, tramou a indicação de um súdito seu, Bertrand de Goth, o arcebispo de Bordeaux, para ser entronado como Celestino V.

Ora, se a imunidade dos cavaleiros da cruz vermelha derivava da especial proteção do Papado, colocando a mitra sobre um pontífice dócil aos seus desígnios, o monarca francês, depois de ter-lhes invadido e ocupado os conventos, não demorou em obter o consentimento para a supressão definitiva deles por meio de um consistório privado ocorrido em Viena na data de 22 de novembro de 1312.

Medida essa que ficou circunscrita ao Reino da França, visto que o Templo continuou atuando na Inglaterra, na Espanha e em Portugal. Filipe, o belo, sempre sinuoso, recorreu ainda a um outro estratagema.

Para não açambarcar descaradamente os bens dos quem flagelara, autorizou que parte do patrimônio deles fosse transferida para a Ordem de São João, mais é evidente que lhe coube o montante do leão. Se algum consolo restou aos templários que sobreviveram à hecatombe, num processo que se arrastou ainda por 13 anos, foi estarem vivos para assistirem como foi precisa a maldição lançada por De Monay aos seus algozes. Não transcorreu um ano da execução do grande-mestre para seus inimigos também morrerem: Filipe, o belo, Nogaret e Celestino V, todos os três entregaram a alma a Deus antes daquele desgraçado ano de 1314 findar.

Todavia, outros estabelecimentos da Ordem, em Portugal, em Castela e Aragão, onde se estendia o grande fronte da guerra da Cristandade contra o Islã, continuaram engajados nos séculos seguintes na faina de lutar contra os mouros.

Franco-maçons e Jesuitas

O fim dos Templários na França e o mistério que pairava sobre a Ordem têm provocado desde então muitas fantasias, produzindo uma prodigiosa bibliografia que nunca mais parou de crescer. Apaixonados pelo ocultismo, admiradores das seitas secretas, simpatizantes das teorias conspirativas, caçadores de tesouros perdidos ou simples curiosos, associaram-se ao longo desses séculos todos para imaginarem ou darem foros de verdade as mais diversas e incríveis histórias sobre eles. Todavia, dois fatos concretos a Ordem dos Templários terminou por inspirar, uma de viés secular e a outra religiosa: a Franco-Maçonaria e a Companhia de Jesus.

Leia também - A Igreja Universal do Reino de Deus

As primeiras lojas maçônicas supõe-se que aparecidas entre 1212 e 1272, herdaram-lhes o gosto pelo protocolo secreto e pela imposição do sigilo aos seus iniciados, enquanto que Inácio de Loyola, que fundou a ordem dos jesuítas, em 1534, neles se inspirou para dar corpo a um empreendimento religioso que, além do estudo e da devoção, obedecesse às regras da disciplina militar, agindo como os soldados de Cristo na luta contra a heresia e o paganismo. Deste modo, os famosos Exercícios Espirituais fixados por ele seriam uma revivência mais espiritualizada da Régle du Temple (o manual religioso-militar adotado pelos monges templários por orientação de Bernardo de Clarival).

Quanto ao destino da monarquia francesa torna-se pertinente observar que se em 1307 os cavaleiros da Ordem viram-se atacados no Templo de Paris pelos emissários armados do rei, este mesmo prédio, quase cinco séculos depois, serviu como prisão do rei Luís XVI e da sua família durante a Revolução Francesa de 1789: o Le Temple.
Dali, retirados das celas da Tour Carrée, depois de condenados, os soberanos destituídos foi conduzido à execução pela guilhotina no ano de 1793, um em janeiro e o outro em outubro. Como o número de franco-maçons, que se entendiam como sucessores dos templários, era expressivo nos meios insurgentes e revolucionários, pode-se perceber o ocorrido como um histórico acerto de contas, ainda que por estranhas vias, da desaparecida Ordem dos Templários com a Monarquia francesa. Robespierre, o incorruptível grande-mestre da revolução, vingou De Monay.

Nove Cavaleiros

Criada em 1118, na cidade de Jerusalém, por nove cavaleiros de origem francesa, a Ordem dos Templários, cujo nome completo era Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão, tornou-se, nos séculos seguintes, numa instituição de enorme poder político, militar e econômico.

Eles receberam, como área para sua sede o território que corresponde ao Templo de Salomão, em Jerusalém, e daí a origem do nome da Ordem. Segundo a lenda, eles teriam encontrado, no território que receberam, documentos e tesouros que os tornaram poderosos. Conforme alguns, eles ficaram com a tutela do Santo Graal, o cálice onde foi coletado o sangue de Jesus Cristo na cruz, e o mesmo que foi usado na última ceia.

Inicialmente as suas funções limitavam-se aos territórios cristãos conquistados na Terra Santa durante o movimento das Cruzadas, e visavam a proteção dos peregrinos que se deslocavam aos locais sagrados. Nas décadas seguintes, a Ordem beneficiou de inúmeras doações de terra na Europa que lhe permitiu estabelecer uma rede de influências em todo o continente.

A ascenção meteórica dos Templários levou à sua própria queda. Com medo de um estado dentro do seu próprio estado, o rei Filipe IV de França, com apoio do Papa Clemente V, planejou a destruição da Ordem do Templo. Em toda a França, os cavaleiros do Templo foram presos simultaneamente a 13 de Outubro de 1307, uma sexta-feira. Submetidos a tortura, a maioria admitiu práticas consideradas hereges, como adorar um ídolo chamado Baphomet, homossexualidade ou cuspir na cruz. A maioria foi executada na fogueira, incluindo o seu grão mestre Jacques DeMolay, em 1314.

O rei Filipe tentou tomar posse dos tesouros dos templários, no entanto quando seus homens chegaram ao porto, a frota templária já havia partido misteriosamente com todos os tesouros, e jamais foi encontrada.
Após a aniquilação dos Tempários na maior parte da Europa, a Ordem continuou em Portugal, como Ordem de Cristo (da qual o Infante D. Henrique foi grão mestre), patrocionando o conhecimento da Escola de Sagres.
Segundo alguns, na Escócia ela gozou de liberdade suficiente para continuar suas atividades sem ser incomodada pela inquisição da Igreja Católica, tendo se misturado a fraternidades maçônicas, servindo de base para o Rito Escocês da Franco-Maçonaria.
Pobres Cavaleiros de Cristo

Os Cavaleiros Templários foram os membros da mais antiga e poderosa das três Ordens Militantes que serão abordadas neste trabalho (Templários, Hospitalários e Teutônicos). Sua sede localizava-se próxima ao Templo de Salomão, motivo pelo qual foram chamados Templários.

Em 1.118 AD a Ordem tinha sido sancionada oficialmente pela Igreja católica romana e tinha muitos membros e havia enriquecido. Eles eram uma Ordem bem organizada, com muitos contatos externos, inclusive entre os sarracenos e o poderoso grupo conhecido como "Os Assassinos de Hashshashin".

Os Templários lutaram corajosamente pelo Cristianismo durante a 2ª Cruzada, mas depois que Jerusalém foi recapturada pelos Turcos, retiraram-se para Chipre.  Uma vez removidos da Terra Santa, os Templários tiveram o propósito de sua existência junto ao Clero e a nobreza, estremecidos, o que possibilitou a vergonhosa cobiça de suas riquezas pelo Rei da França, Felipe IV "O Belo" e seu assecla o Papa Clemente.

Entre as invenções dos Templários, podemos citar a principal que foi a idéia original da criação dos bancos, com seus cheques e outros métodos de crédito projetados para ajudar as finanças e suas atividades na Terra Santa.

Os Templários não foram a primeira Ordem Militar a encontrar o que o autor do texto chama de "os vampiros" e que eu expressaria como o "lado negro da força", mas, foram eles certamente, os primeiros a combater estes "vampiros" sob uma base organizada. A perseguição inumana aos Templários e o aparente sucesso destes vampiros, incitou o que o autor denomina como "as crianças de Cain", a organizarem-se e conspirarem para dissolver a Ordem.

Conforme citado acima, o Rei Felipe IV (um fantoche destes vampiros) torturou e matou muitos Templários, além de confiscar suas propriedades, com a anuência de um Papa dominado e subserviente Mas, segundo o autor, os Templários foram apenas fragmentados e sobrevivem em Sociedades Secretas, amplamente dispersas e com Lojas em todo o mundo. Os Templários são (o autor refere-se a eles no presente) pessoas intelectuais e empresariais com alto nível aquisitivo.

O equipamento (atualmente apenas ritualístico) de combate é igual aos tradicionais cavaleiros porém, não é admitido o uso de nenhuma marca, broche, símbolo ou emblema de identificação. Suas batas monásticas e cerimoniais são distintivas, com uma cruz alargada vermelha (a Cruz Patté ou de Malta) fixada sobre um fundo branco. Sua bandeira é um céu preto em um campo branco ou a tão conhecida bandeira quadriculada (usada para designar os vencedores em competições).

Os Templários foram uma força fragmentada por mais de 600 anos e sobreviveram como uma organização secreta. A sede da Ordem reavivada está na Escócia, em um castelo e catedral misteriosos, conhecidos como Rosslyn. Situado na área central escocesa, este lugar místico foi tema de muitos rumores e lendas sobre ter contido muitos dos segredos e tesouros dos Templários durante séculos

Os atuais Templários pertencem a um grupo cauteloso e fechado, que, após a amarga experiência de princípios do século 14º, costumam manter-se herméticos a estranhos. São pessoas que dão muita importância à investigação e pesquisa. A presença feminina era na antigüidade, permitida desde que em funções não combatente e mesmo assim, após adotar o hábito de freira.

O autor afirma que existe atualmente, muita pressão para a aceitação de mulheres na Ordem. Eu gostaria neste momento de interromper o texto para comentar que atualmente, estão pipocando dezenas de Grupos que se denominam descendentes dos Templários de Origem. É preciso ter-se muito cuidado e muito bom senso na análise de tais grupos.

Quase todos os Templários são obcecados pelo conhecimento; sendo este, considerado como primário para o desenvolvimento da habilidade de pesquisa. Eles normalmente têm conceitos profissionais altamente educados. Cultivam o desenvolvimento intelectual, bem como o burocrático, investigador, lingüístico, legislativo e habilidades financeiras. Possuem também, fortes contatos, Influência e recursos.

Princípio Histórico

Os Cavaleiros Templários, tiveram sua origem em um pequeno grupo de cavaleiros cruzados, cuja tarefa original era a de manter as estradas da Terra Santa seguras, protegendo os peregrinos contra os ataques dos muçulmanos ou bandidos.

Formado aproximadamente em 1.115 por Hugo de Payens ou Borgonha e mais oito cavaleiros, conquistaram rapidamente a simpatia do Rei Baldwin II de Jerusalém, que lhes concedeu o direito de usar parte do antigo Templo de Salomão como sendo sua sede.

Em 1.118, o pequeno grupo, jurou ante ao Patriarca de Jerusalém que eles manteriam os votos monásticos de pobreza, obediência e castidade enquanto protegeriam a rota dos peregrinos entre Jerusalém, Jerico e o Jordão.
O número de cavaleiros cresceu rapidamente, pois, o conceito de um grupo devoto de guerreiros que faziam o trabalho de Deus na Terra Santa angariou grande popularidade.

Com este aumento de seu efetivo, Hugo resolveu interagir junto ao Papa para que seus cavaleiros fossem reconhecidos como uma ordem monástica oficial, com regras específicas para o papel de combatente do Cristianismo.  Em 1.124 Hugo viajou para a Europa para conseguir apoio para o seu novo grupo de guerreiros - monges. O Papa convocou um Concílio da Igreja Católica em Troyes, e S. Bernardo de Clairvaux auxiliou na aprovação da Ordem, além de ser o responsável pela elaboração de suas Regras. Com a aprovação do Papa e de S. Bernardo que já gozava na época de grande reputação, a Ordem ganhou muitas adesões de novos cavaleiros.
Em 1.130, Hugo já possuía 300 novos membros.  A nova Ordem foi conduzida por um Mestra Principal (Grão Mestre), pelo Seneschal, Marechal, Chefe e Preceptor (mestre de províncias). Cada província foi dividida em várias preceptorias, cada uma com seu próprio capitão de cavaleiros e um lugar-tenente.

Leia também - O Pastor Jim Jones e o Templo do Povo

Os Templários permitiram o ingresso na Ordem de membros subordinados na categoria de sargentos (não pertenciam à nobreza), bem como cavaleiros que só serviam em um curto espaço de tempo; foi permitido o casamento, desde que, em caso de morte, todos os bens do casal fossem transferidos para a Ordem.

A Ordem começou a receber também, presentes em forma de terras e dinheiro. Na plenitude de seu poder, a Ordem possuiu mais de 9.000 títulos e solares (pequenos castelos) ao longo da Europa e da Terra Santa.


Segundo os historiadores, foi esta vasta riqueza que causou a queda da Ordem, pois causou a inveja e a cobiça do Rei Felipe "O Belo" da França.

templar3

Por volta de 1.177, cerca de 80 Templários conduzindo outros 300 cavaleiros, conduziram um ataque de cavalaria que culminou por vencer Saladino que chefiava um exército muito maior. Os muçulmanos foram derrotados, o que aumentou o prestígio da Ordem. Infelizmente, as glórias de vitórias como esta, eram estragadas através de várias derrotas estúpidas. Em 1.187, o Mestre Principal da Ordem, Gerard Ridefort conduziu uma força de 90 Templários e 40 outros cavaleiros, contra 7.000 homens da cavalaria muçulmana. Só ele e dois outros Templários escaparam com vida. Mas eles demonstraram com isso, a determinação templária de lutar até o amargo fim. Em 1.243, com a perda de Jerusalém para os muçulmanos, só 36 Templários sobreviveram (de um total de 300 sobreviventes). Em 1.250, 200 Templários morreram nas ruas de Mansurah depois que o Grão Mestre deles tinha adverti-los de uma iminente emboscada.

Por ocasião da derrota final da Cristandade na Terra Santa - o outono de Acre – os cavaleiros foram forçados a buscar refúgio no "chapterhouse" deles, cujas paredes, com o ataque muçulmano, já estavam sofrendo severos danos. Enquanto negociavam um tratado de rendição, os muçulmanos começaram a sacrificar civis que estavam abrigados dentro dos limites da Ordem. Obedecendo aos votos que haviam feito quando da entrada na Ordem, os Templários restantes correram em defesa deles/delas. Enquanto isso, o oficial que negociava o tal tratado, foi covardemente decapitado. Depois de outra semana de lutas, os Templários restantes, morreram junto com 2.000 atacantes muçulmanos quando o edifício da Ordem desmoronou sobre eles no último ataque.

Até que a Ordem fosse dissolvida em 1291, os Templários também foram pressionados a envolverem-se em uma nova cruzada, que culminaram em mais fracassos. Segundo o autor, a Ordem nesta ocasião, já tinha sido reduzida a um grupo de banqueiros.

Conforme já mencionamos, o Rei Felipe VI " O Belo " organizou a queda da Ordem.

O autor conta-nos que foram "plantados" espiões entre os graus, com um plano cuidadosamente organizado de acusar a Ordem de heresia, que seria o único motivo plausível para a sua dissolução e principalmente, confisco de seus bens.

Em 1305, um destes espiões, o renegado Templário Esquiu Floyrian, foi amplamente utilizado por Felipe para o ataque à Ordem na França. Ataques semelhantes estavam montados na Inglaterra e Espanha, mas as acusações caíram no ridículo. Seguiram-se vários anos de disputas legais, durante os quais, o Grão Mestre Jacques de Molay colocou sua fé na suposta invulnerabilidade da Ordem contra a autoridade da nobreza e confiou em proteção papal; porém, os ataques foram feitos individualmente contra os membros da Ordem, o que os tornou vulneráveis às torturas.  Em 1312, foi dissolvida a Ordem.


Lugar Santo: CAPELA de ROSSLYN, ESCÓCIA

Três milhas sul de Edimburgo e sete milhas da antiga sede dos Templários, na Escócia, em Balantrodoch, está a aldeia chamada Rosslyn. Empoleirado na extremidade de um desfiladeiro sobre a cidade encontramos a Capela de Rosslyn - gotejando tão pesadamente com esculturas góticas, nórdicas e celtas que parece ser parte de algo maior. Esta era a intenção. Pretendia-se originalmente que Capela de Rosslyn fosse a Capela da Senhora, parte de uma estrutura maior que pretendeu ser a maior Catedral na Europa. A falta de capital e a necessidade de atenção em outro lugar (?) impediu a obra de ser completada.

O interior da capela que teve suas fundações iniciadas em 1.446, contém muitas imagens esculpidas além de padrões geométricos e símbolos que são muito populares entre os maçons.

PARTE 2

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade