Mórmons

morsei topoOs Santos dos Últimos Dias (SUD), mais popularmente conhecidos como Mórmons, é um movimento religioso restauracionista iniciado no século XIX nos Estados Unidos da América e liderado inicialmente por Joseph Smith Jr., definido pelos seus seguidores como primeiro profeta desta época.

São normalmente identificados com sua maior denominação, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. O nome provém de um considerado sagrado livro de escrituras compilado pelo antigo profeta Mórmon, intitulado O Livro de Mórmon, Outro Testamento de Jesus Cristo. Segundo a versão oficial da igreja o nome dado pelo Senhor, pelo qual os membros da Igreja devem ser conhecidos é santos dos últimos dias (SUD).

Leia também - Ordem dos Nove Ângulos

Segundo a doutrina da igreja, nesta dispensação, que é a da plenitude dos tempos ou a última dispensação antes do glorioso dia da segunda vinda de Jesus Cristo foi incluído "dos Últimos Dias" para designar os membros da igreja nesta época, pois verdadeiramente estamos nos últimos dias. A palavra Mórmon de fato tem origem no Livro de Mórmon, livro compilado pelo profeta Mórmon, que teve seu nome devido a um lugar onde vivia o povo do Rei Noé e que segundo o próprio profeta Joseph Smith, tem como significado simplesmente "muito bom".

Histórico

Na primavera de 1820, Joseph Smith Jr., então com quatorze anos, perturbado por não saber qual era a "igreja verdadeira", narra ter ido a um bosque próximo a sua casa para orar, pois, queria saber a qual igreja realmente era a igreja do Senhor. Segundo Smith Jr., em resposta à sua oração, o Pai Celestial e Seu Filho, Jesus Cristo, lhe apareceram. Joseph escreveu: “Vi um pilar de luz acima de minha cabeça, mais brilhante que o sol, que descia gradualmente sobre mim, quando a luz pousou sobre mim, vi dois Personagens cujo esplendor e glória desafiam qualquer descrição, pairando no ar, acima de mim. Um deles falou-me, chamando-me pelo nome, e disse, apontando para o outro: — Este é Meu Filho Amado. Ouve-O!” Foi respondido a Joseph que não deveria unir-se a nenhuma das igrejas existentes naquele tempo, pois a igreja de Jesus Cristo não estava na terra.

Em um segundo momento (depois da Primeira Visão), um ser ressurreto chamado Morôni, que viveu nas Américas por volta do ano 400 depois de Cristo, teria aparecido a Smith jr. na forma de um anjo. Ele lhe falou de um livro escrito em placas de ouro (mais conhecido como "as placas de ouro") com caracteres até então desconhecidos, que quatro anos depois receberia para traduzi-lo. Smith Jr. teria recebido as placas em 1827 e a partir dessa altura ele as teria traduzido para a inglês, dando origem ao Livro de Mórmon, que juntamente com a Bíblia,[20] Doutrina e Convênios e Pérola de Grande Valor é considerado escritura divina para os Santos. O termo mórmon, geralmente usado para referir-se a estes, deriva do nome do profeta Mórmon, que foi um dos autores e compiladores das escrituras que formaram o livro com seu nome.

Durante o período de tradução dos caracteres, Smith Jr. foi auxiliado por Oliver Cowdery o qual era seu escrivão. Voltou a orar, às margens do rio Susquerrana, e como resposta obteve outra visão. Dessa vez teria lhe aparecido João Batista, o qual lhes conferiu pela imposição de mãos, o sacerdócio de Aarão que lhes dava autoridade para batizar. Alguns dias depois lhes apareceram Pedro, Tiago e João, os quais possuíam as chaves do reino de Deus, transferidas a eles pelo Senhor antes de sua ascensão aos céus, os quais lhes impuseram as mãos e lhes conferiram o sacerdócio de Melquisedeque. Primeira Visão.

morsei3

Em 6 de abril de 1830, com apenas 6 pessoas, conforme o número mínimo exigido pela lei americana, a igreja foi formalmente organizada. E nesse mesmo ano de 1830, Smith Jr. publicou o Livro de Mórmon, tornou-se o primeiro Élder da Igreja por ele iniciada e denominada A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, isso porque cuidava ser a mesma igreja que Jesus criara quando estava na terra, só que agora Restaurada por um profeta chamado e ordenado por Deus. A mensagem da Igreja conquistou não apenas seguidores como também inimigos políticos e religiosos.

Segundo B. H. Roberts, um historiador mórmon, para além de motivos religiosos, ele também referiu como motivo da perseguição a tendência dos Santos se congregarem numa só comunidade. Após a sua conversão, os Santos congregavam-se em locais indicados pelos seus líderes. Houve muitas perseguições aos Santos devido às diferenças significativas entre comunidades, nomeadamente:

diferenças culturais. Os membros da Igreja eram na sua maioria provenientes de Estados de Leste e do Norte e contrastavam imensamente com os moradores da fronteira Norte Americana em temas polêmicos na época, como por exemplo a Abolição da Escravatura, sendo os mórmons contra a escravidão humana.

diferenças políticas. Como a comunidade mórmon crescia de forma esmagadora, ao mesmo tempo ganhava grande peso em votos, tornando-se ameaçadora a nível político colocando em risco os lugares governamentais ocupados pelos antigos moradores pela possibilidade de virem a ser ocupados por cidadãos mórmons.

Por conseguinte, os mórmons foram vítimas de centenas de atos de violência e segregação, como incêndios de caravanas lideradas por missionários e peregrinos. A intolerância com os religiosos mórmons, culminou no assassinato de Joseph Smith Jr., morto dentro da cela onde estava preso, em Carthage, Illinois.


O Mormonismo é uma seita? No que os Mórmons acreditam?

morsei2


A religião Mórmon foi fundada há menos de duzentos anos atrás por um homem chamado Joseph Smith. Ele afirmava ter recebido uma visita pessoal do Deus Pai e de Jesus Cristo e disse que todas as igrejas e os seus credos eram uma abominação. Joseph passou a tentar impor uma nova religião que afirma ser a “única verdadeira igreja na terra”. O problema com o Mormonismo é que ele contradiz, modifica e expande a Bíblia. Os cristãos não têm razão para acreditar que a Bíblia não é verdadeira e adequada. Acreditar e confiar verdadeiramente em Deus significa acreditar na Sua Palavra. E toda Escritura é inspirada por Deus, o que significa que ela vem Dele (2 Timóteo 3:16).

Os mórmons acreditam que existem de fato quatro fontes de palavras divinamente inspiradas, ao invés de apenas uma. 1) A Bíblia “enquanto traduzida corretamente”. Versículos que estão incorretamente traduzidos nem sempre são claros. 2) O Livro de Mórmon foi “traduzido” por Smith e publicado em 1830. Smith afirmou que este é o “livro mais correto” da terra, e que uma pessoa poderia chegar mais próximo de Deus seguindo seus preceitos “do que através de qualquer outro livro”. 3) “Doutrinas e Alianças” é considerado escritura pelos Mórmons, contendo uma série de revelações modernas referentes à “Igreja de Cristo como ela foi restaurada”. 4) “Pérola de Grande Valor” é considerado pelos Mórmons por “clarificar” doutrinas e ensinamentos que foram perdidos da Bíblia e adiciona a sua própria informação sobre a criação do mundo.

Leia também - 30 Termos espirituais importantes

Os mórmons acreditam no seguinte sobre Deus: que Ele nem sempre foi o Ser Supremo do universo, mas atingiu este estado através de uma vida justa e por esforço persistente. Eles acreditam que o Deus Pai tem um “corpo de carne e ossos tangível como o do homem”. Apesar de deixado de lado pelos líderes mórmons modernos, Brigham Young ensinava que Adão na verdade era Deus e o pai de Jesus Cristo. Os cristãos sabem o seguinte a respeito de Deus: existe apenas um único e verdadeiro Deus (Deuteronômio 6:4, Isaías 43:10, 44:6-8), Ele sempre existiu e sempre irá existir (Deuteronômio 33:27, Salmos 90:2, 1 Timóteo 1:17) e que Ele não foi criado, mas é o Criador (Gênesis capítulo 1, Salmos 24:1, Isaías 37:16). Ele é perfeito e ninguém mais é igual a Ele (Salmos 86:8, Isaías 40:25). Deus Pai não é um homem, e jamais o foi (Números 23:19, 1 Samuel 15:29, Oséias 11:9). Ele é Espírito (João 4:24), e Espírito não é feito de carne e osso (Lucas 24:39).

Os mórmons acreditam que existem três diferentes níveis ou reinos após a vida: o Reino Celestial, o Reino Terrestre e o Reino Telestial, além da escuridão exterior. Aonde os homens irão parar depende do que eles acreditam e fazem nesta vida mortal. A Bíblia nos diz que após a morte, nós iremos para o Céu ou para o inferno dependendo do fato de nós termos acreditado em Jesus ou não. Estar ausentes dos nossos corpos como crentes significa que estamos com o Senhor (2 Coríntios 5:6-8). Incrédulos são mandados para o inferno, ou o lugar dos mortos (Lucas 16:22-23). Quando Jesus vier pela segunda vez, nós iremos receber novos corpos (1 Coríntios 15:50-54). Haverá um Novo Céu e uma Nova Terra para os crentes (Apocalipse 21:1), e os incrédulos serão jogados em um lago de fogo eterno (Apocalipse 20:11-15). Não há segunda chance para redenção após a morte (Hebreus 9:27).

Os líderes mórmons ensinaram que a encarnação de Jesus foi resultado de uma relação física entre Deus Pai e Maria. Eles acreditam que Jesus é um Deus, mas que qualquer humano pode se tornar um deus. Historicamente os cristãos ensinaram que Deus é Triúno e que Ele existe eternamente como Pai, Filho e Espírito Santo (Mateus 28:19). Ninguém pode atingir o status de Deus, apenas Ele é santo (1 Samuel 2:2). Nós apenas podemos ser feitos santos à vista de Deus através da fé Nele (1 Coríntios 1:2). Jesus é o filho unigênito de Deus (João 3:16) e é o único que já viveu uma vida sem pecado e sem culpa, e que agora tem o lugar mais alto de honra no Céu (Hebreus 7:26). Jesus e Deus são um em essência, sendo Jesus o Único que existia antes do nascimento físico (João 1:1-18, 8:56). Jesus entregou a Si mesmo como sacrifício, e Deus o levantou dentre os mortos, e um dia todos irão confessar que Jesus Cristo é o Senhor (Filipenses 2:6-11). Jesus nos diz que é impossível chegarmos ao Céu pelas nossas próprias obras, e que apenas através da fé Nele isso é possível (Mateus 19:26). E muitos não irão optar por Ele. “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela)” (Mateus 7:13). Nós todos merecemos punição eterna pelos nossos pecados, mas o infinito amor e a infinita graça de Deus nos permitem uma saída. “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23).

Claramente há uma única maneira de receber a salvação: conhecendo a Deus e Seu Filho, Jesus (João 17:3). Não é através de obras, mas de fé (Romanos 1:17, 3:28). Quando temos esta fé, automaticamente somos obedientes às leis de Deus e somos batizados por amor a Ele, mas não porque é um requisito para a salvação. Podemos receber este dom não importando quem somos ou o que fizemos (Romanos 3:22). “E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos”. (Atos 4:12). Apesar de os mórmons serem normalmente amigáveis, amorosos e gentis – eles estão envolvidos em uma falsa religião que distorce a natureza de Deus, a Pessoa de Jesus Cristo e os meios para a salvação.


10 fatos estranhos sobre a religião Mórmon


Os mórmons creem que o fundador e escritor do livro dos mórmons foi um profeta-historiador nativo, contemporâneo de Cristo – livro esse que é o principal texto religioso da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mormonismo). O mormonismo é uma religião com menos de dois séculos de existência, mas já acumula uma série de constrangimentos ligados a liderança. Líderes esses que preferem silenciar sobre os fatos históricos. Esses detalhes variam desde incoerências de seus textos a escândalos envolvendo a vida de seu fundador, Joseph Smith. De todas as religiões, a lista de constrangimentos mais difícil de “digerir”. As falhas do Mormonismo é um tema particularmente interessante: Mitt Romney é mórmon e esteve em campanha contra o presidente Barack Obama nas ultimas eleições presidenciais nos EUA. Como seria se o presidente americano fosse um mórmon?

10. Livro falsificado

O livro de Abraão, um dos principais textos do Mormonismo, uma tradução rasa deum papiro egípcio. Fragmentos do documento original foram encontrados e examinados por renomados e credenciados historiadores. Estes experts descobriram que os fragmentos eram trechos que descreviam um ritual de feitiços feitos em funerais para ajudar os espíritos a encontrarem seu lugar na vida após a morte. Não há relação alguma na tradução feita por Joseph Smith, que alegava que sua interpretação fora divinamente inspirada. O que foi constatado é que Smith inventou a tradução.

Mesmo assim, o fundamento criado a partir dessa crença, incluindo a fundamentalista Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos últimos dias, ainda mantem a mesma crença no documento – dito – sagrado, por representar a vontade de Deus. Os defensores do livro alegam que a tradução dos egiptologistas está errada, defendendo que o único ser humano capaz de entender os escritos hieróglifos corretamente era ele (excetuando, os escritores dos papiros, claro).

09. Mártir ou covarde?

Suicídio, ato heroico ou algo entre as duas opções? Alguns dizem que o fundador do Mormonismo lutou bravamente contra seus perseguidores, enquanto outros defendem que ele cometeu suicídio, pulando por uma janela. Algumas coisas são certas – ele atirou e contra ele atiraram, quando em determinado ponto, caiu pela janela. Ele possuía arma, uma pistola contrabandeada, o que descaracteriza seu pseudo martírio de qualquer forma, como defendido pelos Mórmons. Essa troca de tiros e revides descaracteriza o típico martírio cristão, que confiam seus destinos em Deus, contrastando com a falta dessa confiança, como acreditam seus seguidores sobre sua morte.

08. História mal contada

Não há evidências arqueológicas que comprovem que as menções contidas no Livro de Mórmon tenham existido: as ferramentas, tecnologia citada, e mesmo os animais não existiam na região americana naquela época. Um exemplo são os cavalos, gado, ovelhas e porcos ainda não haviam sido trazidos entre 2500 a.C. a 450 d.C., como relatado no livro (a história teria ocorrido no período que Cristo estava encarnado). Muitas dessas espécies de animais foram introduzidas nessa região só em meados de 1493 por Cristóvão Colombo.

Da mesma forma, não havia plantio de cevada ou trigo, assim como a exploração de ferro e aço ainda não haviam começado a ser explorado, nem os sistemas de pesos e medidas haviam sido adotadas naquele tempo.

07. Plágio

Existem passagens no livro de Mórmon idênticas às contidas na Bíblia do Rei James, livro que Joseph Smith teve acesso também.

Um exemplo é Alma 5:52, idêntico, palavra por palavra com a versão de Mateus 3:10. Smith plagiou 478 versículos do livro de Isaías, quando 201 são cópias da versão da bíblia do rei James. Se o livro dos Mórmons é divinamente inspirado, ele não poderia ter partes de outros livros que Smith leu.

06. Roupas íntimas mórmones.

A vestimenta íntima utilizada pelos Mórmons supostamente oferece proteção mágica contra tentações e pecados. Eles também creditam a essas peças de roupa a sobrevivência durante desastres naturais nas lendas urbanas da religião, embora seja estranhíssimo que pessoas creiam no poder sobrenatural de roupas encantadas. Devesse evitar que essas roupas sejam removidas, salvo quando absolutamente necessário, e serem repostas o mais rápido possível. Certamente você olhará para aquele mórmon com outros olhos a partir de agora.

05. Poligamia

Leia também - Conscienciologia: A Ciência da Consciência

Afinal: pode ou não pode? Era comum ver nos primeiros quarenta anos da religião casamentos plurais, de forma que alguns homens da seita, como o próprio fundador, possuíssem um verdadeiro arem, seguindo a doutrina contida em seu livro sagrado.

Joseph Smith já tinha o registro de doze esposas em 1843, até que fosse proibida por lei as aparições públicas expondo a prática da poligamia. De qualquer forma, Smith chegou a possuir 40 esposas em toda a sua vida (o que para mim, reforça a teoria do suicídio), algumas com no máximo 30 anos. Brigham Young, o que assumiu o lugar de Smith – e governador de Utah - teve 50. Atualmente, a igreja afirma que a poligamia é inaceitável, o que parece uma revelação trazida sobre a ilegalidade do ato. O deus mórmon muda de ideia, ao que parece.

04. Textos perdidos

A primeira tradução do livro sagrado da seita foi entregue a um amigo, que alega tê-lo perdido. Joseph Smith era o portador e único habilitado a traduzir os chamados “tabletes de ouro” – onde estavam registrado todo o texto original. Joseph defendia que essa perda era por eles não estarem autorizados a acessar os artefatos de ouro, sendo impossível comparar a tradução atual do livro com a original, desaparecida desde então.

morsei1

Na imagem acima, podemos ver sete linhas escritas por Smith, traduzidas segundo eles, diretamente dos tabletes.

03. Falsas testemunhas

Dois grupos de testemunhas supostamente viram a tradução original do Livro de Mórmon, até serem excomungados após desentendimentos com Smith. Ao que parece, o primeiro grupo - com três testemunhas - encontraram indícios de fraude, e preferiram desligar-se da seita. O segundo grupo, com oito membros, teve quer ser montado. Eles assinaram declarações onde confirmam que viram e pegaram nas placas de ouro, para depois desmentirem o que tinham declarado, já que na verdade, não houve esse encontro. Em outras palavras, Smith forçou-os a mentir a respeito da existência das placas.

02. Rituais copiados

Muitos símbolos e rituais praticados nos templos mórmons são cópias das práticas maçônicas. Alguns desses rituais incluem o simbolismo das “roupas íntimas mágicas” vestidas pelos mórmons, o cumprimento secreto nas mãos que todo maçom conhece, que é o que o símbolo secreto para os anjos que darão acesso ao mais alto Reino nos céus.

Por ter roubado e usado os rituais maçons em sua criação, ele foi expulso da maçonaria, embora tenha tentado apelar a eles, quando vieram matá-lo, abrindo aos antigos irmãos o sinal maçônico de sofrimento, e abandonando sua s crenças inventadas nos últimos momentos antes de sua morte.

01. O terrível assassinato dos inocentes

O massacre de Meadows Montain aconteceu em 1857, quando um grupo de integrantes da seita cercaram os vagões de um trem lotado de famílias que vinha do Arkansas, rumo a Califórnia. Os agressores fingiam ser índios nativos. Essa farsa tinha objetivos políticos e para isso, para evitar que fossem descobertos, eles assassinaram 120 homens, todas as mulheres e todas as crianças com mais de sete anos.

Estes constrangimentos conhecidos publicamente nos levam a uma conclusão que questiona o absurdo: Joseph Smith é seguido por décadas, e todos os dias, igrejas e comunidades persistem em crer no que podemos reconhecer não passar de fantasias. Essa lista de dificuldades com esta religião é apenas uma pequena mostra sobre o que podemos encontrar nessas comunidades, o que já é mais que suficiente para por em dúvida todo um sistema de convicções profundamente arraigadas. Um estado irracional a qualquer lógica humana.

O grande problema está nas convicções implantadas nas atuais religiões também, e que aos poucos, será desnudada aqui.O que parece absurdo aqui, na nossa, assim como eles, pode ser aceito por pura preguiça.

Tradução: Zé Luís.
Visto no List Serve


DOMINGO POR QUE ESTE É O DIA MAIS IMPORTANTE PARA OS MÓRMONS?


Talvez você tenha um amigo ou um familiar que seja santo dos últimos dias (ou mórmon) e se pergunte o porquê o domingo é um dia tão importante para nós. De fato, para os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, o domingo, é o dia mais importante e esperado da semana.

Em todo o mundo, membros da Igreja se reúnem em reuniões que duram 3 horas e em sua maioria, acontecem pela manhã. Muitos consideram o tempo longo para estarem em uma Igreja, sentados e ouvindo pregações, mas o que acontece lá é bem interessante e você pode participar também.

Leia também - Os Essênios e a vida secreta de Jesus

Em grande parte das unidades da Igreja, as reuniões de domingo se iniciam com uma Sacramental. Na Sacramental, cantamos hinos, oramos, partilhamos o sacramento e ouvimos oradores falarem dos mais diferentes assuntos. O sacramento que partilhamos todos os domingos é o pão e a água em lembrança do sacrifício expiatório de Jesus Cristo. Membros e visitantes são convidados a partilharem do sacramento e recordarem da Expiação de Cristo. É um momento bem especial para nós. A sacramental é o ponto principal de nosso domingo. Preparamos-nos para ela, durante toda a semana.

Depois da sacramental, temos encontros, algo que chamamos de aulas. Há várias organizações para que cada um possa aprender um pouco mais sobre Jesus Cristo e seu Evangelho.

PORQUE O DOMINGO
“Lembra-te do dia de sábado, para o santificar”. (Êxodo 20:8)

A lei de guardar o sábado foi observada durante um longo período. Muitos judeus acusavam Jesus Cristo de transgressor da lei por curar aos sábados. Há relatos bíblicos que registram sete curas realizadas por Cristo no sábado. (Lucas 4:33, 38-39; 6:6-10; 13:10-17, 14:2-4; João 5:5-10; 9:1-14).

Surge então uma grande dúvida: por que uns guardam o sábado e outros guardam o domingo? Por que o domingo é tão importante para os mórmons?

A lei do sábado era guardada antes da Ressurreição de Jesus Cristo. Após a sua Ressurreição, cristãos de várias denominações, inclusive, mórmons, guardam o domingo em lembrança da Ressurreição e do Sacrifício Expiatório de Jesus Cristo.

Depois de Sua ressurreição, Cristo se mostrou a Maria de Madalena e outros, no primeiro dia da semana (Marcos 16:9). Em outra ocasião, o Cristo ressurreto se mostrou aos apóstolos no primeiro dia da semana (João 20:19). Ele apareceu uma semana depois, de novo no primeiro dia da semana (João 20:26). O dia de pentecoste aconteceu 50 dias (7 semanas) depois de Sua ressurreição, então aconteceu no primeiro dia da semana (Atos 1:9).

Em Trôade, lemos que os cristãos se reuniram no primeiro dia da semana para ouvir sermões (Atos 20:7). Na igreja primitiva, de fato, praticamente não houve debate nesta questão. É por isso que a maioria dos cristãos hoje em dia guarda o Domingo como o Dia do Senhor. Em nossos dias, profetas e apóstolos modernos também têm ensinado que o dia do Senhor deve ser o primeiro dia da semana.

COMO FAZER DO DOMINGO UM DIA DIFERENTE

É comum muitas pessoas perguntarem se os mórmons não gastam aos domingos, fazem atividade física ou assistem jogos por exemplo. De fato, os membros da Igreja, são aconselhados a fazer do domingo, um dia diferente dos demais. Temos outros seis dias para assistir jogos, participar de jogos e fazer compras por exemplo.

Seguimos o que lemos em Deuteronômio 5:14 “não farás nenhum trabalho nele(no dia santificado), nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu boi, nem o teu jumento, nem animal algum teu, nem o estrangeiro que está dentro de tuas portas; para que o teu servo e a tua serva descansem como tu.”

Fazemos do domingo, um dia de descanso de nossos labores e desejamos o mesmo descanso a todas as pessoas. Vamos a Igreja e relembramos do Sacrifício Expiatório de Jesus Cristo e expressamos nossa gratidão a Ele.

E para que mais plenamente te conserves limpo das manchas do mundo, irás à casa de oração e oferecerás teus sacramentos no meu dia santificado. Porque em verdade esse é um dia designado para descansares de teus labores e prestares tua devoção ao Altíssimo. (D&C 59:9-10)


Fonte: https://pt.wikipedia.org
           https://www.gotquestions.org
           http://www.cristaoconfuso.com
           https://mormonsud.net

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade