A Ordem do Lótus Negro (O.L.N.)

orne1A Ordem do Lotus Negro (O.L.N) é uma sociedade ocultista de orientação neo-templária. Seus ensinamentos apresentam a convergência e a mescla de várias tradições diferentes principalmente do Templarismo Gnóstico, Budismo Tântrico e Hermetismo Egípcio. A ordem apresenta-se ao público como uma confraria templária sem fins lucrativos, com finalidade religiosa e iniciática. A ordem mantém seu próprio sistema teológico, litúrgico e de ordenação sacerdotal.

A teologia gnóstica da O.L.N não segue um livro sagrado e nem possui dogmas centrais, no sentido de “verdades absolutas”, apenas normas místicas e diretrizes gerais que fundamentam os princípios filosóficos e espirituais de seus membros.

A O.L.N também recebe o nome de "Fraternidade Hermética da Luz" ou "Fraternitas Lucis Hermeticae (F.L.H)" e "Ordem Templária dos Guerreiros de Shambala", pois é seu principal objetivo alinhar os mistérios da antiga Ordem de Salomão ou Ordem dos Templários, como é mais conhecida, com a Trilha Sagrada do Guerreiro de Shambala. O simbolismo iniciático da ordem contém uma reunificação das tradições ocultas do Ocidente e do Oriente e busca fundir a tradição mágica ocidental com a sabedoria da espiritualidade oriental.

O segredo das iniciações superiores reside no treinamento e no uni-direcionamento da mente (sânscrito: egkagrata), na habilidade de manter a mente focada em um ponto sem oscilar. A vontade espiritual é algo que a humanidade adormecida nada sabe. Ela depende da correta compreensão do significado de Shambala, pois o caminho para Shambala passa diretamente por Atma (alma individual, ou "verdadeiro Eu").

As bases da Ordem do Lótus Negro

orne2

A Fraternidade da Luz Hermética foi criada pelo afro-americano Pascal B. Randolph (1825-1875). Randolph foi um médico americano, ocultista, espiritualista, médium e escritor. Ele ficou conhecido como a primeira pessoa a revelar a doutrina sexual dos rosa cruzes na América do Norte.

Tendo viajado bastante Randolph estava ligado, tanto filosófico como magicamente, às correntes iniciáticas orientais, particularmente o tantrismo hindu-budista e as seitas esotéricas do Oriente Médio.

O sistema iniciático de bases tibetanas da F.L.H foi incorporado ao sistema maçônico da Ordo Templi Orientis (O.T.O) (clique AQUI para ler sobre essa ordem). Poucos sabem mas a Fraternidade da Luz Hermética foi o sistema original de três graus da O.T.O pré-Crowleyana.

Devido a fragmentação do sistema O.T.O no mundo inteiro houve inevitável e gradativamente uma perda dos contatos com a fonte de seus mistérios originais. Assim decidiu-se reformular a ordem através de nova fórmula mágica que contemplasse os ritos e práticas necessários para restabelecer a conexão espiritual perdida. Foi assim que nasceu, em 2004, a Ordem do Lótus Negro (O.L.N) que atualmente trabalha/opera sob regime de Clã Mágico, isto é familiar. Seu grande expoente e o idealizador dessa reformulação é Helio Monteiro.

Contatos com Entidades Superiores

orne3

Randolph acreditava numa Presença Inteligente, do poder e da força, que refletia no Universo através do Espelho Akáshico do Tempo (passado, presente e futuro). Ele afirmava que existem seres e inteligências sobre-humanas (serafins, vajrassatvas etc) que habitam mundos invisíveis para a visão comum e que apenas aos iniciados foi dada a felicidade de contemplação. Esses mundos são esferas espaciais povoadas por inteligências superiores em formas fluídicas e mesmo sólidas. Randolph acreditava que podemos contatar estes seres sobre-humanos através dos ritos de Alta Magia. O contato com outras esferas de vida e consciência é possível, estando submetido às leis naturais que regem o Universo, seja ele visível ou invisível.

Os iniciados da Fraternidade da Luz Hermética visavam, principalmente, a comunhão voluntária com Poderes e Entidades Transcendentais além do Véu da consciência. Seus rituais esotéricos envolviam o uso de espelhos mágicos para desenvolver a clarividência, e outros poderes psíquicos. Randolph dizia que o iniciado pode ter acesso às dimensões habitadas pelos seres invisíveis e confirmar suas existências.

Somente com a exaltação da consciência (método tibetano chamado sialam), pode-se evocar as imagens desses seres poderosos no Espelho, pois elas são sobre-humanas. Através da prática assídua o iniciado desenvolve seu Corpo de Luz e transforma-se em um Ser de dupla-conscientização. Isso significa que sua consciência humana fica unida, simbioticamente, a uma Consciência Superior não-humana para com ela aprender e evoluir. Os tibetanos chamam isso de Tulkuísmo. A mente de um ser de alta envergadura espiritual prolonga-se - desde os planos invisíveis - na mente de seus "Tulkus".

Uma Gnose Antediluviana

orne4

Embora não exista comprovação histórica (apenas indícios) os seguidores da Ordem do Lótus Negro acreditam que Randolph ensinava uma síntese de conhecimento mágico oriundo dos povos de origem turaniana. Costuma-se chamar-lhe também de “Xamanismo da Mongólia” embora os mongóis receberam-no dos turanianos que viviam na Sibéria Oriental. Tanto os turânianos (primitivos chineses) como os mongólicos (seus sucessores) foram chamadas de “raças amarelas”, devido à cor da tez de seus corpos. Através de migrações sucessivas os pré-históricos acádios, povo semita de origem turaniana, trouxeram a cultura asiática a Mesopotâmica. Muitos dos assustadores ritos taumatúrgicos dos feiticeiros babilônicos da era pré-semita foram preservados nos tabletes de barro e na vasta biblioteca do Rei Assurbanípal.

O antigo Reino de Turânia representa a Hiperbórea em seu sentido amplo, uma esfera desconhecida para além do Norte (daí a palavra grega "hiper-boreas", literalmente o que está "ao norte do Vento Norte") o mundo do barbarismo e morada dos seres infernais. As áreas de difusão geográfica da Magia Turaniana foram vastas e incluem a população mongólica assim como as práticas xamanísticas dos chineses, japoneses e outros povos do Extremo Oriente. Mais de uma autoridade aceita que pode muito bem haver uma continuidade de tradição transmitida entre os povos mongóis. Os mongóis foram herdeiros de colônias turanianas e acadianas na Tartária.

Ao que tudo indica a primitiva Magia Turaniana fundamentava-se no culto do espírito e na crença da imortalidade das almas. Suas práticas incluíam o teriantropismo (habilidade de projetar a consciência em formas animais) e a capacidade que possuíam de projetar sombras na matriz astral e vivificá-las com o poder da vontade. Aliás, esse é um processo relacionado a Velha Magia pois os primeiros feiticeiros foram aqueles que conseguiam evocar seus atavismos pré-civilizados, ou lembranças selvagens, em uma imagem mental (forma-pensamento), e materializá-los na realidade.

orne5

Para entrar em comunicação com o mundo espiritual o teurgo-xamã deveria primeiro encontrar-se com os espíritos nos plano astral e assimilar deles sua natureza. Enriquecido, então, por eles, com abundante provisão de essência espiritual ele oferece aos espíritos parte de sua natureza física, seu magnetismo etérico, para colocá-los desta maneira em condições de poderem se manifestar, algumas vezes de forma semi-objetiva, da qual carecem. Esse processo de mudança temporal é o que chamamos de Teurgia. A cultura espiritual dos turanianos também influenciou os Sacerdotes-Magos do Egito através do intercâmbio comercial com os povos da região mesopotâmia.

Shamballa - A Cidade dos Filhos de Deus

Para Madame Blavatsky (clique AQUI para saber mais sobre ela) os turânianos primitivos era a quarta sub-raça atlante e que diz que desde a sua origem estava imbuída do espírito de colonização, o que ela levou a cabo numa escala considerável. Diz-se que essa raça deturpou-se com reis opressores que se proclamavam deuses, com idolatrias e com o uso da magia negra etc. Os membros da Ordem do Lótus Negro (O.L.N) acreditam que a Magia Turaniana seja, talvez, fragmentos deturpados de um antigo Culto Sabeano (ou Estelar) que existiu há cerca de 75.000 anos atrás e cujos princípios remontam um conhecimento mágico herdado da raça vermelha, isto é, da civilização Atlante que, possivelmente, receberam-no dos Lemurianos e estes de uma original raça troncal, que foram os primeiros habitantes (como reino hominal propriamente dito) do planeta Terra.

A crença dos seguidores da A Ordem do Lótus Negro acreditam que Magia Turaniana foi levada pelos nômades ao Deserto de Gobi (entre a Mongólia e a China) ainda em tempos pré-históricos. Lá ela sobreviveu em cultos esotéricos ligados a lenda de Shamballa, a cidade invisível das areias de Gobi, governada pelo Rei do Mundo, guardada pelos terríveis gênios djins (criadores de miragens). Dizem os teósofos que Shamballa era a "morada dos deuses" (ou dos mestres ascensos) e foi habitada pelos últimos vestígios de uma raça que precedeu a nossa. Essa cidade teria sido o farol e o coração da Fraternidade Branca na Terra e se tornou a capital de um imenso império que compreendia o conjunto da Ásia Oriental e Central. Shamballa, a Cidade dos Filhos de Deus, esteve em seu apogeu 45.000 a.C e durou até o último período glacial (entre 12 e 16 mil anos atrás).

Segundo Helio Monteiro, é difícil saber o que é lenda ou o que é historicamente verdadeiro em relação ao antigo reino de Shamballa. Devemos também levar em conta que uma lenda não significa uma mentira, nem tão pouco uma verdade absoluta, o que devemos considerar é que uma história tão antiga, como a relacionada a Shamballa, para ter sobrevivido na mente das pessoas, deve ter no mínimo uma parcela de fatos verídicos. Independente de se levar Shamballa em conta os arqueólogos comprovaram que formas acadianas (mongólicas) puras da Magia Turaniana foram preservadas nos tabletes de argila de coleções, como as da Biblioteca do Palácio de Assurbanipal (Assíria). A maioria dos textos da Biblioteca Real formava uma obra colossal de Magia redigida em acadiano, isto é em língua derivada do turaniano, aparentada aos idiomas fenício e tártaro.

Atualmente não existe dúvidas que parte desse conhecimento sobreviveu nas várias fraternidades gnósticas na região do Mar Morto até, pelo menos, o século II d.C. A O.L.N criou um núcleo de ocultismo experimental orientado para a investigação da tradição mágica turaniana, e outras, ligadas a história oculta do planeta.

Os círculos da O.L.N.

orne6

A O.L.N contêm três círculos: o Templo Externo, o Templo Interno e o Templo Secreto. O Templo Externo está organizado no modelo das sete iniciações herméticas. As sete iniciações têm relação com a ascensão gnóstica do iniciado através das sete esferas planetárias ou chakras cósmicos do corpo de Adão Kadmon (o Homem Celeste). Na tradição ocultista as esferas planetárias encontram suas correspondências com os sete centros de energia do corpo (chakras) e com as forças astrológicas, angélicas e elementais da natureza.

No Templo Interno existem apenas três graus e mais três sub-graus totalizando nove graus ao todo. Os graus da O.L.N não são simbólicos mas sim níveis de realização espiritual que envolvem domínio mágico dos planos de vida e consciência relacionados aos mesmos.

Os três (03) graus ou níveis de competência mágica:
Sacerdócio do Primeiro Grau: Mestre do Templo
Sacerdócio do Segundo Grau: Ptah ou Hekau da Casa da Vida
Sacerdócio do Terceiro Grau: Epoptae dos Illuminati

O Templo Secreto é a cidade etérea de Shambala.

orne7

Ao atingir o grau de Epoptae dos Iluminati presume-se que o sacerdote transformou-se em um Demiurgo ou criador de mundos e planos dimensionais, sendo capaz de moldar a plasticidade da matéria astral à vontade, e precipitar manifestações na realidade ordinária. Ele (ou ela) torna-se um Archote, um canal-vivo para o afluxo do akasha shambaliano, mantendo contato telepático com a Consciência Iniciática dos Mestres Ocultos (Siddhas) de nossa ordem.

orne8

A O.L.N mantêm um círculo externo denominado "Templo Estrela do Oriente" que oferece sessões públicas espiritualistas sempre aos domingos. Existem três tipos de práticas místico-ritualísticas que são oferecidas gratuitamente a comunidade:
Ritos de Harmonização com os Ancestrais
Ritos de Prosperidade e Abertura de Caminhos
Ritos de Cura e Ascensão Espiritual

Fraternidade Branca

As inteligências superiores e invisíveis que trabalham junto a O.L.N estão quase sempre relacionados com o momento de transição astrológica/cármica que nosso planeta atravessa. Muitos deles fazem parte da Grande Fraternidade Branca (que no presente não está manifestada sobre a Terra), constituída, em parte, daquelas almas altamente desenvolvidas, que atingiram aquele estágio do caminho da evolução que lhes confere a qualidade de membros do que a literatura ocultista denomina Governo Interior do Mundo.

Sobre isso é importante lembrar que a O.L.N foi criada por orientação e determinação dos Mestres Ocultos de diferentes ramos da Grande Fraternidade Branca (G.F.B). Eles são os irmãos ancestrais (Mestres e Guias) que junto as demais Hierarquias de Luz oferecem sua proteção, com suas irradiações espirituais.

Sobre Helio Monteiro

orne9

A Ordem do Lotus Negro (O.L.N) foi fundada em 2004 e passou por diversas modificações internas e externas até atingir o status atual de fraternidade iniciática sacerdotal. Ela é dirigida pelo seu Frater Superior e Hierofante dos Mistérios, Helio Monteiro (Dharmagupta), que é estudioso de Filosofia Yogui, Ocultismo Hermético e Budismo Tântrico desde a década de 1980. Nos anos de 2010 recebeu iniciação mística nos Ritos Tântricos da Ordem Adinatha. Helio também foi consagrado como mago-sacerdote da Igreja Gnóstica da linhagem apostólica de Krumm Heller (Huiracocha), Jorge Adoum, Paulo de Paula e Khaled Khan, 777.

Atualmente trabalha como Terapeuta Reikiano assim como oferece Consultoria Metafísica e Energética em diversos casos tais como: mudanças de comportamento, investigação de fenômenos ocultos, bloqueios energéticos, harmonização de ambientes (feng shui), alinhamento dos cakras, resgate da autoestima, desenvolvimento do potencial interior (espiritualidade) etc.


Fonte: http://lizzabathory.blogspot.com.br
           http://circulotifoniano.blogspot.com.br

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade