A História da Computação e da Segurança de Informação - Parte 1

computacaoPor Adriane Vanacor. Computação - A capacidade do ser humano em calcular quantidades nos mais variados modos foi um dos fatores que possibilitaram o desenvolvimento da matemática e da lógica. Nos primórdios da matemática e da álgebra, utilizavam-se os dedos das mãos para efetuar cálculos. Na região do Mar Mediterrâneo, surgiram o alfabeto e o ábaco. A primeira ferramenta conhecida para a computação foi o ábaco, cuja invenção é atribuída a habitantes da Mesopotâmia, em torno de 2400 a.C.. Seu uso original era desenhar linhas na areia com rochas.

Versões mais modernas do ábaco ainda são usadas como instrumento de cálculo. O ábaco dos romanos consistia de bolinhas de mármore que deslizavam numa placa de bronze cheia de sulcos. Também surgiram alguns termos matemáticos: em latim "Calx" significa mármore, assim "Calculos" era uma bolinha do ábaco, e fazer cálculos aritméticos era "Calculare".

No século V a.C., na antiga Índia, o gramático Pānini formulou a gramática de Sânscrito usando 3959 regras conhecidas como Ashtadhyāyi, de forma bastante sistemática e técnica. Pānini usou meta-regras, transformações e recursividade com tamanha sofisticação que sua gramática possuía o poder computacional teórico tal qual a Máquina de Turing.

Entre 200 a.C. e 400, os indianos também inventaram o logaritmo, e partir do século XIII tabelas logarítmicas eram produzidas por matemáticos islâmicos. Quando John Napier descobriu os logaritmos para uso computacional no século XVI, seguiu-se um período de considerável progresso na construção de ferramentas de cálculo.

John Napier (1550-1617), escocês inventor dos logaritmos, também inventou os ossos de Napier, que eram tabelas de multiplicação gravadas em bastão, o que evitava a memorização da tabuada. A primeira máquina de verdade foi construída por Wilhelm Schickard (1592-1635), sendo capaz de somar, subtrair, multiplicar e dividir. Essa máquina foi perdida durante a guerra dos trinta anos, sendo que recentemente foi encontrada alguma documentação sobre ela. Durante muitos anos nada se soube sobre essa máquina, por isso, atribuía-se a Blaise Pascal (1623-1662) a construção da primeira máquina calculadora, que fazia apenas somas e subtrações.

A primeira calculadora capaz de realizar as operações básicas de soma e subtração foi inventada em 1642 pelo filósofo, físico e matemático francês Blaise Pascal. Pascal, que aos 18 anos trabalhava com seu pai em um escritório de coleta de impostos na cidade de Rouen, desenvolveu a máquina para auxiliar o seu trabalho de contabilidade. A calculadora usava engrenagens que a faziam funcionar de maneira similar a um odômetro. Pascal recebeu uma patente do rei da França para que lançasse sua máquina no comércio. A comercialização de suas calculadoras não foi satisfatória devido a seu funcionamento pouco confiável, apesar de Pascal ter construído cerca de 50 versões. A máquina Pascal foi criada com objetivo de ajudar seu pai a computar os impostos em Rouen, França. O projeto de Pascal foi bastante aprimorado pelo matemático alemão Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1726), que também inventou o cálculo, o qual sonhou que, um dia no futuro, todo o raciocínio pudesse ser substituído pelo girar de uma simples alavanca.

abaco

Em 1671, o filósofo e matemático alemão de Leipzig,Gottfried Wilhelm Leibniz introduziu o conceito de realizar multiplicações e divisões através de adições e subtrações sucessivas. Em 1694, a máquina foi construída, no entanto, sua operação apresentava muita dificuldade e sujeita a erros.Em 1820, o francês natural de Paris, Charles Xavier Thomas, conhecido como Thomas de Colmar,projetou e construiu uma máquina capaz de efetuar as 4 operações aritméticas básicas: a Arithmomet. Esta foi a primeira calculadora realmente comercializada com sucesso. Ela fazia multiplicações com o mesmo princípio da calculadora de Leibnitz e efetuava as divisões com a assistência do usuário.

Todas essas máquinas, porém, estavam longe de ser um computador de uso geral, pois não eram programáveis. Isto quer dizer que a entrada era feita apenas de números, mas não de instruções a respeito do que fazer com os números.


Os Algoritmos


No século VII, o matemático indiano Brahmagupta explicou pela primeira vez o sistema de numeração hindu-arábico e o uso do 0. Aproximadamente em 825, o matemático persa Al-Khwarizmi escreveu o livro Calculando com numerais hindus, responsável pela difusão do sistema de numeração hindu-arábico no Oriente Médio, e posteriormente na Europa. Por volta do século XII houve uma tradução do mesmo livro para o latim: Algoritmi de numero Indorum. Tais livros apresentaram novos conceitos para definir sequências de passos para completar tarefas, como aplicações de aritmética e álgebra. Por derivação do nome, atualmente usa-se o termo algoritmo.


Shannon e a Teoria da Informação


Até a década de 1930, engenheiros eletricistas podiam construir circuitos eletrônicos para resolver problemas lógicos e matemáticos, mas a maioria o fazia sem qualquer processo, de forma particular, sem rigor teórico para tal. Isso mudou com a tese de mestrado de Claude E. Shannon de 1937, A Symbolic Analysis of Relay and Switching Circuits. Enquanto tomava aulas de Filosofia, Shannon foi exposto ao trabalho de George Boole, e percebeu que tal conceito poderia ser aplicado em conjuntos eletro-mecânicos para resolver problemas de lógica. Tal idéia, que utiliza propriedades de circuitos eletrônicos para a lógica, é o conceito básico de todos os computadores digitais. Shannon desenvolveu a teoria da informação no artigo de 1948 A Mathematical Theory of Communication, cujo conteúdo serve como fundamento para áreas de estudo como compressão de dados e criptografia.


História da Segurança


Em 1845, um ano depois da invenção do telégrafo, foi desenvolvido um código de encriptação para manter secretas as mensagens transmitidas.Durante os anos 70, equipes formadas por elementos do governo e da indústria – crackers – tentavam ultrapassar as defesas de sistemas de computadores num esforço de descobrir e corrigir as falhas de segurança.


O nascimento do “Orange Book”.


Em 1977, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos apresentou um plano sistemático para tratar do Problema Clássico de Segurança, o qual daria origem ao "DoD Computer Security Initiative", que, logo depois desenvolveria um "centro" para avaliar se as soluções disponibilizadas, eram realmente seguras.

Com a construção do "Centro", foi gerada uma necessidade da criação de um conjunto de regras a serem utilizadas no processo de avaliação. Este conjunto de regras ficaria conhecido informalmente como "The Orange Book". O processo de escrita do "Orange Book", conhecido oficialmente como "Trusted Computer Evaluation Criteria - DoD 5200.28-STD",foi iniciado ainda no ano de 1978, sendo feita a publicaçao da versao "draft", ou rascunho, e no dia 26 de dezembro de 1985 foi publicada a versão final e atual deste documento.

Mesmo que o "Orange Book" seja considerado, atualmente, um documento ultrapassado, podemos considerá-lo como o marco inicial na busca de um conjunto de medidas que permitam a um ambiente computacional ser qualificado como seguro.

A existência de uma norma permite o usuário tomar conhecimento do quão protegidas e seguras estarão as suas informações, possibilitando ao mesmo uma ferramenta que irá auxiliar a escolha de uma solução.


Hackers X Criminosos


hacker_inside

Sempre que falamos em vírus de computador ou malwares remetemos ao nome do hacker que teria sido o criador.  Os hackers são erroneamente temidos ou malvistos por todos devido a um erro de denominação.  Originalmente, e para certos programadores, hackers (singular: hacker) são indivíduos que elaboram e modificam software e hardware de computadores, seja desenvolvendo funcionalidades novas, seja adaptando as antigas. Originário do inglês, o termo hacker é utilizado no português. Os Hackers utilizam todo o seu conhecimento para melhorar softwares de forma legal. Eles geralmente são de classe média ou alta, com idade de 12 a 28 anos. Além de a maioria dos hackers serem usuários avançados de Software Livre como o GNU/Linux. A verdadeira expressão para invasores de computadores é denominada Cracker e o termo designam programadores maliciosos e ciberpiratas que agem com o intuito de violar ilegal ou imoralmente sistemas cibernéticos.

O termo "hacker" é erradamente confundido com "cracker". Os "crackers" são peritos em informática, porém eles fazem o mau uso de seus conhecimentos, utilizando tanto para danificar componentes eletrônicos, tanto para roubo de dados quer sejam pessoais ou não, em contrapartida, os hackers usam seu conhecimentos para a ajuda e aprimoramento de componentes e segurança. Há ainda o termo "Hacker de segurança da informação" e "Hacker (Subcultura de programadores Unix)", sendo que o primeiro pode ou não estar ligado ao Unix e o Código aberto, e o segundo está estritamene ligado o Código aberto e o Unix. Há a possibilidade dos dois estarem ligados aos dois termos.

Exemplos de Hackers do código aberto: Eric S. Raymond, Linus Torvalds, Richard M. Stallman, Alan Cox.
Exemplos de Hackers de segurança da informação: Tsutomu Shimomura, Jon Lech Johansen, John Draper.
(fonte Wikipédia)


Ética Hacker


Com a expansão da rede e a globalização foi necessário criar um código de conduta para os hackers. Uma vez que a atividade é malvista, o finlandês Pekka Himanen, em conjunto com a comunidade de desenvolvedores, criou a base da ética hacker, sendo que abaixo seguem seus princípios.

1. Acreditar que o compartilhamento de informacões beneficia a sociedade como um todo. Portanto os hackers compartilham suas experiências e programam software livre, facilitando o acesso à informacão e os recursos disponíveis para computadores sempre que possível. A máxima hacker é "A informação quer ser livre". Este conjunto de crenças deriva em parte do pensamento de Buckminster Fuller, o qual proferiu certa vez que "A verdadeira riqueza é a informação e saber como utilizá-la".
2. Acreditar que penetrar em sistemas por diversão e exploracão é eticamente aceitável, desde que não cometa roubo, vandalismo ou quebre a confidencialidade. (Esse princípio não é unânime, alguns consideram a simples invasão uma ação não ética.)

Himanen, em sua obra Á ética do hacker e o espírito da era da informação (que contém um prólogo de Linus Torvalds e um epílogo de Manuel Castells), comentam sobre resgatar o sentido original do termo 'hacker'. Segundo Himanen, um hacker não é (como se acredita comumente) um delinqüente, vândalo ou um pirata da informática com grandes conhecimentos técnicos (este é o cracker), mas sim todo aquele que trabalha com grande paixão e entusiasmo pelo que faz. Podendo o termo hacker ser utilizado para outras áreas, por exemplo, a da ciência. (fone Wikipédia).

Os hackers foram classificados de acordo com sua especialização. Abaixo segue um pouco do perfil de alguns:

 

White hat


White hat (hacker ético), vem do inglês "chapéu branco" e indica um hacker interessado em segurança. Utiliza os seus conhecimentos na exploração e detecção de erros de concepção, dentro da lei. A atitude típica de um white hat assim que encontra falhas de segurança é a de entrar em contacto com os responsáveis pelo sistema e informar sobre o erro, para que medidas sejam tomadas. Um white hat pode ser comparado a um policial ou vigilante, buscando as falhas para corrigí-las. Encontramos hackers white hats ministrando palestras (ou aulas em universidades) sobre segurança de sistemas, e até trabalhando dentro de empresas para garantir a segurança dos dados. Por causa do sentido pejorativo que a mídia associa ao termo "hacker", normalmente o hacker white hat não é publicamente chamados de hacker e sim de especialista em TI, analista de sistema ou outro cargo na área de informática. No entanto, realmente são hackers. Um exemplo, a Microsoft conta com os White hat que testam e divulgam falhas em aplicativos vendidos pela empresa.


Gray hat


Tem as habilidades e intenções de um hacker de chapéu branco na maioria dos casos, mas por vezes utiliza seu conhecimento para propósitos menos nobres. Um hacker de chapéu cinza pode ser descrito como um hacker de chapéu branco que às vezes veste um chapéu preto para cumprir sua própria agenda. Hackers de chapéu cinza tipicamente se enquadram em outro tipo de ética, que diz ser aceitável penetrar em sistemas desde que o hacker não cometa roubo, vandalismo ou infrinja a confidencialidade. Alguns argumentam, no entanto, que o ato de penetrar em um sistema por si só já é antiético (ética hacker).


Black hat


Black hat, (cracker ou dark-side hacker), indica um hacker criminoso ou malicioso, comparável a um terrorista. Em geral são de perfil abusivo ou rebelde, muito bem descritos pelo termo "hacker do lado negro" (uma analogia à série de filmes Star Wars). Geralmente especializados em invasões maliciosas e silenciosas, são os hackers que não possuem ética.


Newbie


Newbie ou a sigla NB, vem do inglês "novato". Indica uma pessoa aprendiz na área, ainda sem muita habilidade, porém possui uma sede de conhecimento notável. Pergunta muito, mas freqüentemente é ignorado ou ridicularizado por outros novatos que já saibam mais do que ele (ao contrario dos lammers que são ridicularizados por todos). Hackers experientes normalmente não ridicularizam os novatos, por respeito ao desejo de aprender - no entanto, podem ignorá-los por falta de tempo ou paciência.

 

PARTE 2

 

 

 

 

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade