A estranha morte de Max Spiers

morsus116/10/2010 - Max Spiers era um investigador de teorias conspiratórias. Dava palestras sobre fenômenos como o UFO e se metia em toda sorte de investigação estranha, tipo alguém que a gente conhece… Um belo dia ele avisou à mãe: “Se algo de ruim me acontecer, investigue”. Logo depois, ele empacotou. Morreu, comeu capim pela raiz, abotoou o paletó de madeira, dormiu o sono eterno, desencarnou, capotou, virou presunto, deu linha, ou para ficar mais ...

apropriado, saiu da Matrix. De fato, a sensação que a morte de Max Spiers causa é de alguém que deliberadamente foi desconectado da Matrix. Spiers estava na casa de amigos quando do nada, vomitou uma gosma preta e morreu ali mesmo. Do nada. Inexplicavelmente e inesperadamente. Seria uma morte estranha e incomum com qualquer pessoa, mas quando se trata de um teórico da conspiração, a coisa ganha uma dimensão extra de anormalidade, sobretudo por ele ter feito o estranho e lacônico aviso à própria mãe. Spiers Sabia que estava na marca do Pênalti? Talvez sim.

A morte do teórico da conspiração

Segundo o Daily Mail, Max Spiers, tinha 39 anos e dois filhos e era de Canterbury, mas foi encontrado morto na Polônia quando viajou ao país para falar sobre teorias da conspiração e Ovnis. Algo que chama a atenção neste caso é que apesar da circunstância incomum da morte, não foi realizada uma necrópsia para determinar a causa da morte. Ele pode ter sido envenenado, mas apesar disso, os médicos apenas determinaram que ele morreu de causas naturais. Nada impede que realmente Spiers tenha morrido de causas naturais. Gente morre de diversas causas a cada minuto pelo mundo e uma significativa parcela dessas mortes são causas naturais, como embolias, derrames, infartos… enfim. Há muitas formas de morrer. O problema reside no fato de que ele pareia ser saudável e seu estranho aviso antes da morte levanta a suspeita de que talvez o teórico da conspiração “morreu de morte matada”. Não foi o primeiro, nem o último.

Leia também - O Poder das Mensagens Subliminares

Sua mãe acha que ele pode ter feito inimigos, começou a descobrir verdades que incomodam e assim, sofreu aquela queima de arquivo que volta e meia aparece em séries conspiratórias, como X-Files. Eu não sei quanto a você, mas se eu vejo alguém morrer depois de vomitar líquido negro eu ia ficar “foxmuldermente” bolado.

A mensagem

Em sua assustadora mensagem de texto para sua mãe, Vanessa, poucos dias antes de sua morte, Max escreveu:

“Seu filho está com problemas. Se me acontecer alguma coisa, investigue.”

Se meu filho me manda uma mensagem assim e dias depois morre vomitando caldo preto desconhecido, nem pelo caramba que eu vou acreditar em causas naturais. Ainda mais quando deliberadamente não se faz uma necropsia. Vanessa disse em uma entrevista recente que Max estava “expondo verdades”, que eram “perigosas sobre um governo mundial [e] o entretenimento.”

Max viveu na América há alguns anos, mas tinha retornado à cidade para ficar um tempo com sua mãe, antes de partir para a Polônia. Max estava trabalhando com o escritor de ficção científica Madlen Namro e Monika Duval, que estavam com ele na Polônia no período de sua morte.

Vanessa contou aos jornais que o amigo Max “estava construindo uma boa reputação no mundo dos teóricos da conspiração e que por isso tinha sido convidado para falar em uma conferência na Polônia”. Vanessa disse que durante aqueles dias, Max esteve com uma mulher desconhecida, que nenhum dos amigos se lembrou muitos detalhes, e que teria sido ela que o encontrou caído no sofá, já morto.

É possível que Max tenha enchido o caneco de goró e morrido em decorrência de asfixia de vômito? Sim, muito possível, inclusive muita gente morre desse jeito. Mas do mesmo jeito que isso é possível, também parece perfeitamente viável que Max em sua ânsia para construir uma boa reputação de investigador da conspiração pode ter conseguido documentos sigilosos que seriam praticamente uma sentença de morte para quem carregar. Julian Assange e Edward Snowden que o digam.

A morte de um teórico da conspiração é sempre um acontecimento que causa um misto de emoções. Em parte, perplexidade e em outro, produz uma certeza inabalável nos que acreditam em diversas teorias de que a morte opera como uma chave de confirmação, que retroalimenta a busca pelas verdades inconvenientes escondidas debaixo do tapete, e ao mesmo tempo, operam como um poderoso aviso: Quem procura, acha.

Como dizem no interior, “passarinho que come pedra tem que saber o * que tem.”

Max fez sua carreira investigando os avistamentos de OVNIs e seus alegados acobertamentos. Mais recentemente, ele esteve sondando a vida de figuras bem conhecidas na política, negócios e entretenimento em busca de evidências. Isso nos leva a uma hipótese bastante bizarra que é a de que Max pode ter sido confundido com um espião pelo serviço secreto de algum país, como o da Russia ou o Mossad, de Israel. Vanessa, deu um depoimento à KMTV sobre a estadia de seu filho na Polônia, e acrescentou: ‘… essas pessoas pareciam estar envolvidos em algumas áreas muito, muito escuras e perigosas do mundo e eu estava com medo que, conforme ele foi ganhando popularidade e fama, que talvez alguém gostaria de tirá-lo do caminho.”

Sua morte inexplicada, e a forma conveniente como o corpo não foi examinado pelas autoridades, deixou muitos seguidores on-line convencido de que Max Spiers pode ter sido morto por agentes do governo. Há uma crença relativamente bem difundida nos círculos e foruns de investigação de conspirações que eventualmente caçadores de OVNIs que ficam muito perto de desbaratar a verdade são ‘abatidos’ pelos serviços secretos ou até mesmo pelos chamados ‘Homens de Preto’ – que são em parte folclore e em parte uma realidade.

A recusa em fornecer documentos

Qualquer pessoa pode achar que teorias da conspiração são coisas para debiloides com bronzeados excessivos, dentes ultra-brancos e cabelo bizarro usando pins de aviãozinho Asteca na lapela, mas a verdade é que a História nos mostra de maneira cristalina diversos momentos em que governos de todo o mundo usaram expedientes conspiratórios para os mais bizarros fins, de experimentos médicos a false flags, passando por ocultação de documentos, obtenção de segredos industriais, ou simplesmente como forma de perpetrar crimes dos mais variados tipos, ou mesmo vingá-los, como na famosa operação do Mossad que sequestrou um oficial Nazista refugiado na Argentina para posterior execução.

Cabe a humildade de reconhecer que nunca sabemos ao certo com o que estamos lidando quando o assunto é a “teoria da conspiração”. existem ideias estapafúrdias e absolutamente cretinas espalhadas pela internet, que é uma sinfonia caótica de informações fragmentadas, falsas, mentiras deliberadas, enganos, engodos para tirar dinheiro de trouxas, e eventualmente, verdades. Em meio a todo ruído, torna-se uma missão hercúlea separar o joio do trigo e achar o que pode ser verdade e o que é apenas perda de tempo. No entanto quando se trata de gente morrendo, gente levando tiro, gente desaparecendo para nunca mais se saber para onde foram, a coisa fica com um gostinho mais assustador. Há inclusive quem sustente que Max Spiers pode nem ter sido o verdadeiro alvo do “cala essa boca”. Ele pode ter sido o que chamam de “bucha”. Para mostrar que estão falando sério, muitas vezes mata-se alguém próximo ao verdadeiro alvo como demonstração inequívoca de que “o buraco é mais em baixo”. Assim, essa morte ganha um contorno de recado bem claro e explícito para quem sabe que a qualquer momento, pode estar na marca do Pênalti também.

“Eles também estão se recusando a liberar qualquer papelada sobre a morte para mim porque, absurdamente, eu não tenho a sua autorização por escrito.” – Diz a mãe de Max.

Max foi enterrado no cemitério Canterbury depois que sua mãe providenciou o traslado de seu corpo para casa uma semana depois de sua morte. Ao que parece, um exame post-mortem foi realizado por um patologista em Kent, mas Vanessa diz que mais de dois meses depois, ela não recebeu resultado, e nem sequer sabe se haverá um inquérito. Ela acrescentou: “Aparentemente, ele não tinha sofrido quaisquer ferimentos físicos óbvios, mas ele poderia ter sido lentamente envenenado, razão pela qual os resultados dos exames toxicológicos de seu post-mortem são tão importantes.

Outros ufologos mortos

Eu já fiz alguns posts em que abordo esta intrigante questão aqui. Há sempre mortes esquisitas rondando a Ufologia e quem investiga conspirações, ou mesmo os que explanam as tais verdades inconvenientes para o mundo. Por exemplo, o ex piloto da CIA, Phillip Marshall. Outro que avisou que ia acabar sendo morto e foi exatamente como ele avisou que seria, o famoso ufólogo Phil Schenider, que não morreu quando quase foi cortado ao meio numa treta épica com aliens, mas acabou enforcado com um catéter em sua casa (e seus arquivos de pesquisa foram roubados).
Mas fora esses, existem muitos outros casos, no minimo estranhos.

Leia também - O Fenômeno Poltergeist

Outro caso recente que indicou morte por estrangulamento ocorreu com um investigador e teórico da conspiração na Índia:

morsus2

Gaurav Tiwari foi encontrado morto em casa, no noroeste do país. Segundo a imprensa relatou, o pai dele ouviu um forte barulho vindo do banheiro e quando foi averiguar, encontrou Tiwari caído ao chão. As autoridades afirmam que uma linha escura foi encontrada enrolada em seu pescoço, levando-os a afirmar que o pesquisador cometeu suicídio. Entretanto, a família de Gaurav diz que ele estava feliz, pois aos 32 anos era recém casado e estava em um ponto muito positivo de sua vida. Seu pai ainda afirmou que o filho havia se queixado de elementos negativos que pareciam persegui-lo. Gaurav Tiwari era presença constante em programas de TV, tendo inclusive ajudado a fundar a Sociedade Paranormal Indiana.

Um estudo que durou 30 anos, feito por um astrônomo amador e ex-conselheiro governamental dos Estados Unidos, Timothy Hood, revelou que os pesquisadores de OVNIs começaram a morrer sob circunstâncias misteriosas. Entre as décadas de 70 e 80, surgiam diversas mortes sendo consideradas suicídios, mas muitos eram improváveis, e também se contavam estranhos desaparecimentos, cânceres súbitos, assassinatos, até muitos outros tipos de morte provenientes de uma variedade de “causas naturais” que muitas vezes foram provadas terem sido medicamente inconclusivas.

A lista dos pesquisadores de OVNIs ou abduzidos que morreram é extensa e inclui Barbara Bartholic, Phil Schneider e Ron Rummel, Edward Ruppelt, Kathy Kasten, Ron Bonds, Damon Runyon, Edgar Jarrold, Dr. B. Noel Opan, Frank Edwards, Rep. Rouse, o escritor H. T. Wilkins, Henry E Kock, diretor de publicidade do Universal Research Society of America, Frank Scully, George Adamski, Rev. Della Larson, Gloria Lee Byrd, Marie Ford, o entusiasta de OVNIs Doug Hancock, Feron Hicks, o pesquisador canadense Wilbert B. Smith, Dr. Olavo Fontes, Jim e Coral Lorenzen, o biólogo Ivan Sanderson, fundador da CUFOS James A. Hynek, e Bill Cooper, um pesquisador quase cego que foi morto em uma invasão policial por ter, aparentemente, perseguido e atirado em um policial, e até o Coronel Uirangê Hollanda que revelou ao mundo a verdade da Operação Prato, que era sistematicamente negada pela FAB e apareceu morto enforcado com uma corda de roupão na cabeceira de sua cama.

Famoso astrônomo americano Morris K. Jessup, cujo seus livros abordam a vida inteligente fora da Terra e tornaram-se best-sellers, cometeu suicídio. Ele terminou sua vida, abrindo um buraco no escapamento de seu carro, fechando a porta e ligando a ignição. Professor James Edward McDonald, que por muitos anos serviu como diretor do Instituto de Física Atmosférica da Terra e estudou objetos aeroespaciais não identificados, supostamente morreu com um tiro na cabeça. Edward Ruppelt, que liderou um projeto para o estudo de objetos não identificados nos céus sobre os Estados Unidos, morreu de uma crise cardiovascular súbita aos 37. Em 5 de novembro de 2001, William Milton Cooper, um ufólogo famoso que acusou repetidamente o governo dos EUA de esconder a verdade sobre os OVNIs, foi morto pela polícia em sua casa. Cooper, comprou armas em massa para criar unidades de resistência para combater um governo secreto liderado por extraterrestres.

Antes do incidente, a polícia foi informada de que Cooper havia ameaçado moradores inofensivos, acreditando que, aparentemente, que eles estavam perseguindo-o sobre as instruções das autoridades. A polícia cercou a fazenda onde ele morava. Ele disse que qualquer um que se atrevesse a cruzar sua propriedade privada seriam mortos, mas a polícia ignorou os avisos. Como resultado, um policial foi gravemente ferido, e outro teve que atirar e matou o pesquisador, como a auto-defesa. Cooper era só um maluco ou isso é o que fizeram parecer? A realidade pode ter muitas dimensões diferentes.

Há quem sustente se tratar apenas de uma coincidência que em uma janela de cerca de dez anos 137 pesquisadores, escritores, cientistas e testemunhas interessados neste assunto morreram, muitas vezes de forma estranha e incomum. A lista de mortos até mesmo inclui proeminentes astrofísicos que tinham se dedicado à procura pela vida extraterrestre. Inclusive, 15 indivíduos trabalhando dentro da indústria espacial morreram em um curto espaço de tempo no final da década de 1980. Essas incidências foram notadas pelo famoso escritor, Sidney Sheldon, que, enquanto trabalhava em seu livro “The End of the World” (O Fim do Mundo), compilou a “Lista Sheldon”, que detalha uma série de mortes misteriosas de especialistas britânicos que trabalhavam no desenvolvimento de armamentos espaciais.

A lista Sheldon

É um fato inegável que a indústria bélica e os OVNIs sempre estiveram intimamente relacionados, de modo que muitas vezes é até interessante para segmentos bélicos que armas em testes sejam confundidas com Ufos. No entanto, a coisa eventualmente pode ser mais estranha do que parece, e olha que parece bizarro pra chuchu! Cientistas, que trabalhavam num projeto secreto, capaz de defender a Terra contra uma invasão alienígena, morrem em circunstâncias intrigantes. Por que? Ninguém sabe, mas isso foi exatamente o que aconteceu em outubro de 1986 na cidade de Bristol.

Um homem elegantemente vestido amarrou cuidadosamente a ponta de uma corda à uma árvore, fez um laço na outra ponta, colocou no próprio pescoço, entrou no carro e arrancou com o veículo em alta velocidade. Teve morte instantânea. Horas depois, quando finalmente a polícia deu as caras no local da funesta ocorrência, encontraram na carteira do morto documentos em nome do professor Arshad Sharif. Os jornais noticiaram como suicídio. Curiosamente, ou convenientemente, ninguém se interessou pelo estranho fato de que o professor Sharif, ao resolver matar-se, incompreensivelmente viajou para isto mais de 100 km de sua casa em Londres até Bristol!

Enquanto isto, praticamente alguns dias depois, mais um professor londrino, sr. Vimal Daziby fez a mesma estranha viagem para então jogar-se, de cabeça para baixo, de uma ponte de Bristol. Foi uma estranha coincidência? Certamente que se levarmos em conta que estes cientistas viajaram mais de 100km para suicidar trabalhavam num mesmo tema: O desenvolviam uma arma eletrônica para um projeto do governo inglês análogo ao “Guerra nas estrelas” dos EUA (defesa espacial). E mais um detalhe curioso : ambos, Sharif e Daziby interessavam-se por UFOs.

Leia também - A Cura

Nas décadas de 1970 e 1980 nos Estados Unidos, houve programas secretos de investigação do fenômeno UFO, como o “Livro Azul”, “Aquarius”, “Área 51”, “Majestic 12”, e GEIPAN. Embora os dados oficiais mostram que a maioria desses projetos estão inativos, muitos teóricos da conspiração duvidam e especulam que eles sofreram alterações em seu escopo de investigação e que mudaram de nome. O famoso escritor americano, Sidney Sheldon, que decidiu fazer uma investigação particular sobre o caso, descobriu que o suicídio de Sharif e Daziby não foram os únicos. Uma misteriosa epidemia pairou sobre os cientistas ingleses que se ocupavam com o problema UFO e armas estelares. Confira:

Janeiro, 1987. Avtar Sing-Gada desapareceu sem vestígios, declarado morto.
Fevereiro, 1987 Peter Pegegel foi esmagado na garagem pelo próprio carro.
Março, 1987. David Senias suicidou-se, jogando seu carro em alta velocidade contra um café-bar.
Abril, 1987. Mark Visner enforcou-se.
Abril, 1987. Stuart Guding assassinado.
Abril, 1987 David Greenhalg caiu da ponte.
Abril, 1987. Shanny Warren afogou-se.
Maio, 1987. Michael Baker morreu em desastre automobilístico.
A sensação é que passaram “o rodo”, não é? Pelos dados de Sheldon, o total de colegas de Sharif e Daziby que, morreram em situações estranhamente incomuns num curto período de tempo, é de exatamente 23 pessoas. Poderia-se considerar isto como simples coincidência?

O fato é que a morte, seja ela decorrente de segredos ou não, é sempre um fato brutal que nos confronta com nossa condição frágil de seres viventes. Evidentemente que podemos imaginar que todos esses mortos podem ser somente um conjunto de situações que quando agrupados, parecem compartilhar algo de misterioso ou oculto. Seria mais ou menos como reunir uns 200 mortos num unico ano e correlacionar que todos eles torciam pelo Flamengo. Isso sugere que há uma força oculta matando flamenguistas? Talvez para um flamenguistas com delírios persecutórios, isso se tornaria um fato absolutamente irrefutável. É perfeitamente possível que essas mortes de pesquisadores das conspirações não seja nada além do acaso. No entanto, se há algo inegável nessa confusão toda é que os Estados Unidos são um prato cheio para os investigadores de conspirações. É irresistível pensar o que pode estar sendo feito com uma montanha monstruosa de dinheiro que desaparece todo santo ano na Terra do Tio Sam.

Os EUA mantém um orçamento ultra-secreto, da ordem de US$ 52.6 bilhões (R$ 125 bilhões) anuais, não declarado ao Congresso ou aos cidadãos daquele país, usado para manter as atividades das agências norte-americanas de espionagem. A soma é dividida entre uma multidão de atores, mas cinco agências estão particularmente dotados: CIA (28%), NSA (21%), NRO (20%), a NGP (9%) e GDIP (8%).

morsus3

Documentos publicados no diário norte-americano The Washington Post, a partir de um vazamento de informações de Edward Snowden, um ex-espião da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) atualmente refugiado na Rússia, revelam que o “black budget” (‘orçamento negro’) financia a ofensiva de ciberespionagem e as pesquisas para a decodificação de mensagens encriptadas ao redor do mundo, entre diversas outras atividades ilegais, algumas tão cabeludas que os jornais assumiram que se recusavam a publicar.

morsus4

O “orçamento negro” é de U$S 52,6 bilhões, e nunca foi submetido a um detalhamento para o contribuinte, embora o governo divulgue anualmente seus gastos com espionagem desde 2007. (obs: Isso sem falar nos dinheiros que somem no ralo do Pentágono e em situações pouco republicanas como no 11 de setembro) Esta é primeira vez que se conhece o destino dos fundos utilizados e o modus operandi dos EUA na área de espionagem, da qual apenas o presidente Barack Obama e setores determinados do Pentágono têm acesso.

Leia também - O jardineiro não ouve mais os zumbidos

O orçamento, que contém 178 páginas e está resumido em infográficos no site do Washington Post, detalha os sucessos e os fracassos das 16 agências de espionagem que compõem a comunidade de inteligência norte-americana, a qual conta com 107.035 funcionários no total. O resumo do documento descreve tecnologias de ponta, recrutamento de agentes e operações em curso. O jornal afirma que optou por não publicar todo o conteúdo a que teve acesso depois de conversar com autoridades, que expressaram grande preocupação quanto ao risco para as fontes e os métodos de inteligência da América do Norte.

 

Fonte: http://www.dailymail.co.uk
           http://emnoticia.blogspot.com.br

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade