Descobertas ruínas de uma antiga civilização na Antártica... veradade ou não?

varga topo20/09/2017 - É IMINENTE O ANÚNCIO DA EXISTÊNCIA DE RUÍNAS DE CIVILIZAÇÃO FUTURÍSTICA ENCONTRADA NA ANTÁRCTICA. Muitos ficaram ponderando a importância das recentes visitas a Antárctica por altos funcionários e indivíduos proeminentes de governos que oferecem explicações das mais intrigantes para as suas viagens para o continente gelado. Em 9 de Novembro, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, pousou na Antártica, durante o pico da eleição presidencial dos EUA. Antárctica: Iminente o anúncio da descoberta de ruínas de uma antiga civilização altamente tecnológica enterrada sob o gelo.

Por que o atual secretário de Estado deixou os EUA em um momento tão crítico apenas para observar os padrões de aquecimento global na Antártida? Ainda mais misterioso foi a evacuação médica do astronauta Buzz Aldrin em 01 de dezembro para fora da Antártida, depois de uma visita surpresa, aparentemente para tornar-se “a pessoa mais velha a chegar ao Pólo Sul com a idade de 86 anos.” Ele foi visto junto com companheiros vestindo camisas com o logo “Get Your Ass to Mars”. Ele esteve lá porque queria ver pessoalmente a descoberta de algo que faria o seu sonho de colonização de Marte uma realidade?

No início em 18 de fevereiro, 2016, o Patriarca da igreja ortodoxa da Rússia, o russo Kirill visitou um posto avançado russo na Antártida, supostamente para ver pinguins. Pouco mais de um mês depois, em 23 de março, o presidente Obama visitou no sul argentino a cidade turística de Bariloche, que é reivindicada de ter sido o esconderijo secreto de Adolf Hitler após a Segunda Guerra Mundial. Bariloche tornou-se a capital não oficial de uma civilização alemã separatista com base na Antártida, e afirma-se que existe um sistema de túnel escondido desde lá para a Antártida. Também digno de nota, os presidentes Eisenhower e Bill Clinton visitaram Bariloche.

Leia também - DNA, Mudanças Corporais e Recomendações

A verdadeira razão para todas essas visitas misteriosas ocorram na Antártida, e locais próximos, como Bariloche, está prestes a ser revelada de acordo com o denunciante do programa espacial secreto dos EUA, Corey Goode. Ele diz que lhe foi dada informação sensível sobre um anúncio oficial iminente da descoberta de ruínas de uma civilização futurista encontradas na Antártida. As informações de Goode estão prestes a ser lançadas de acordo com uma atualização de 06 de dezembro de David Wilcock, que realiza uma série de entrevistas altamente popular em Gaia TV com Goode intitulada Divulgação Cósmica. Em um artigo intitulado, “ENDGAME: Divulgação e a derrota final da Cabala”, Wilcock escreve:

“Imagine se você acordar um dia para ver ruínas hiper-futuristas sendo reveladas como descobertas na Antártida. Você não está vendo isso em sites como Ancient Aliens ou em sites de notícias alternativas, mas em todos os lugares … em todas as plataformas de comunicação importante que existe”.

magine que jornalistas e oficiais militares revelem estas descobertas com incríveis vídeos filmados no local. Um evento desta magnitude poderia ser muito mais perturbador do que qualquer catástrofe de estilo do (falso) atentado de 11/09 em New York. A elite do poder pode muito bem estar com a esperança de que tal “virada de jogo” que define a civilização poderia fazer todas e quaisquer notícias anteriores irrelevantes e esquecidas”.

Wilcock passa a discutir o que ele acredita ser o motivo oculto para anunciar uma descoberta tão monumental neste momento. Ele afirma que é projetado para distrair o público das massas a partir de recentes revelações do Wikileaks relativos ao “Pizzagate”, e o envolvimento de funcionários de alto nível em ambas as administrações Clinton e Obama em anéis de pedofilia que envolvem até mesmo o sacrifício de crianças.

O ex-chefe da equipe de Bill Clinton, John Podesta, que também era conselheiro de Obama e seu consultor sênior, assim como também comandou a campanha de Hillary Clinton, é uma figura proeminente no escândalo Pizzagate. O artigo de Wilcock, que é um prelúdio para um próximo artigo sobre o anúncio iminente das ruínas descobertas na Antarctica, é bastante detalhado e vale bem a pena ler. Wilcock diz que o próximo artigo foi co-escrito com Goode. Ele descreve o que as fontes de Goode tem revelado a ele sobre a descoberta na Antártida, e que pretende divulgar oficialmente este fato. Wilcock escreve :

Corey Goode tomou conhecimento da descoberta de novas ruínas épicas da Antártida a cerca de três meses atrás, e nem sequer foi autorizado a dizer a David o que estava acontecendo. Temos apenas que só agora foi liberado para lançar essas informações críticas, sensíveis ao tempo para o público. Enquanto aguardamos o lançamento da próxima atualização por Goode e Wilcock para fornecer mais detalhes do que foi descoberto na Antártida, vale a pena ponderar as implicações da recente visita do Secretário Kerry lá, se ele foi realmente testemunhar uma descoberta tão incrível.

Conforme o secretário de Estado, Kerry quer a certeza de liberar informação completa do que ele viu na Antártida antes que o seu mandato termine oficialmente em 20 de janeiro de 2017. O Presidente Obama igualmente gostaria de avançar na liberação com um anúncio no estilo “chocando o mundo” para colocar a Antárctica sobre o seu legado como o primeiro presidente norte-americano Afro-americano, cujas políticas inaugurou uma nova era de prosperidade.

Em contrapartida, como Wilcock sugere, o objetivo REAL é distrair a imprensa e o público americano para longe dos indícios de danos do envolvimento das administrações de Clinton e Obama “em círculos de pedofilia”. Isto sugere que o envolvimento de Podesta numa iniciativa da Força Aérea dos EUA para promover uma “divulgação limitada” sobre UFOs e vida extraterrestre, foi igualmente concebida para servir como uma distração ainda mais prejudicial que a “divulgação completa” das revelações fornecidas por Corey Goode, William Tompkins e outros.

Tendências econômicas positivas continuam a surgir nos indicadores econômicos dos EUA em termos de queda do desemprego, aumento dos mercados de ações e renovado otimismo sobre o estado da economia. Quando combinado com um anúncio oficial da descoberta das ruínas de uma civilização avançada na Antártida, Obama dará um grande impulso ao seu legado. Esta informação é suscetível de ser dada a cobertura de parede a parede com a notícia mainstream, distraindo assim o público a partir de relatórios de mídia alternativas sobre outras informações que mancham o legado de Obama e do establishment.

Talvez uma motivação adicional para o presidente dos EUA liberar as notícias sobre tal descoberta na Antártica seria ofuscar a administração Trump de entrada em termos de futuros direitos de se gabar para quem deve ser, em última análise creditado por “tornar a América grande novamente”.
© Michael E. Salla, Ph.D.

 

A Antártida pode ter sido o lar da civilização mais antiga

 

A existência da civilização na Antártida começou a chamar atenção dos historiadores profissionais após a Segunda Guerra Mundial. A hipótese pode ser comprovada por mapas medievais e as pesquisas de paleontologistas e glaciologistas. Em janeiro de 1820, o tenente imperial russo, Mikhail Lazarev, encontrou um novo continente. No início do século 20, o famoso Dicionário Enciclopédico Efron & Brockhaus continha um artigo no qual declarava que esse continente era insuficiente e que lá não havia fauna ou flora. Além disso, o autor mencionou a variedade de algas e animais marinhos que habitavam as águas da Antártida.

Cerca de 20 anos depois, o chefe do Museu Nacional de Istambul, Halil Edhem, encontrou um mapa antigo, enquanto revisava a biblioteca de imperadores bizantinos em um antigo palácio de sultões. O autor do mapa ilustrou a costa Ocidental da África, a costa sul da América do Sul e a costa norte da Antártida. Halil foi surpreendido. A borda de gelo situada no paralelo 70, na da Terra da Rainha Maud estava livre de gelo. O autor mapeou uma cadeia de montanhas nesse ponto. O nome do cartógrafo era bem conhecido por Edhem. Foi o almirante da frota do Império Otomano, Piri Reis, que viveu na primeira metade do século 16. Em 1949, a expedição britânica-sueca realizou em conjunto a completa exploração sísmica do continente sul através da espessa camada de gelo. Os resultados coincidem com o mapa de Piri Reis. No entanto, era um mistério descobrir como os dados do mapa eram corretos levando em conta o nível da ciência em 1513.

varga 2

O próprio Piri Reis se explicou que o mapa foi baseado em mapas anteriores, alguns dos quais pertenciam a seus contemporâneos, enquanto outros eram datados do século 4. Um dos mapas, por exemplo, pertencia a Alexandre, o Grande. Assim Reis não poderia ser responsabilizado pelos dados apresentados no mapa.

Mapas medievais mostram a Antártida sem cobertura de gelo ou parcialmente coberta de gelo. A precisão dos mapas do séculos 16 é incrível. Em termos de técnica, podem ser comparados com os do final do séculos 18 e, por vezes, com alguns do século 20.

De acordo com o mapa de Reis, a orla costeira do continente não é coberta de gelo. Apesar de não se parecer com o mapa de Reis, o mapa de Oronteus Finaeus, de 18 anos depois, mostra um platô ao redor do Pólo sul, dentro dos pararelos 80 e às vezes 75. Esse último mostra detalhadamente como é o continente gelado muito antes dele ter sido descoberto. Aquela região só viria a ser mapeada em 1956, 400 anos depois.

Em 1949, a expedição do almirante Richard E. Byrd estava perfurando o mundo do mar nos lugares onde Finaeus marcou os leitos dos rios. Os núcleos continham rochas refinadas, bem misturadas com depósitos, trazidos para o mar pelos rios, as nascentes estão localizadas em latitudes médias (ou seja, não cobertas por gelo algum). Cientistas do Instituto Carnegie de Washington conseguiram estabelecer com precisão que os rios da Antártida que continham esses depósitos, estavam fluindo há cerca de 6000 anos. Só depois disso, cerca de 4000 anos a.C. o gelo começou a acumular no fundo do mar. Esse fato foi precedido por um longo período de calor. Como resultado, os mapas mencionam o nascimento da Antártida no mesmo período em que as civilizações egípcias e sumérias nasceram. A maioria dos historiadores assumem esse ponto de vista.

No entanto, existe uma hipótese de que entre o quinto e o décimo milênios a.C. Uma civilização humana viveu no planeta. Possuía grande conhecimento em navegação, cartografia, astronomia e muitas outras caracteristicas que não eram menores do que, por exemplo, a civilização do século 18.

Essa civilização poderia ser uma antecessora de nossa civilização, e, teria sido criada por alienígenas. Sua idade pode ser vários milênios. Provavelmente foi localizada na costa norte do continente sul ou do arquipélago de grandes ilhas – que foi a Antártida, quando tinha um clima moderado. Mais tarde, essa civilização pode ter ocupado o nordeste do continente Africano.

Essa civilização pode ter desaparecido por causa da camada de gelo da terra do sul, que começou a surgir por volta do décimo milênio a.C. Outra possível razão poderia ser as grandes inundações locais, que se estendiam por longos períodos, quais são recusadas por arqueólogos. Tais catástrofes naturais poderiam destruir quase toda a cultura dessa proto-civilização. É possível que parte dela esteja coberta por gelo espesso na Antártida. Outra possibilidade é que alguns dos representantes dessa proto-civilização possa ter sobrevivido. Neste caso, eles poderiam ter passado seus conhecimentos aos egípcios e sumerios. Nós, seres humanos, esperamos que futuras pesquisas arqueológicas possam resolver os mistérios da Antártida, possivelmente, existem muitas surpresas escondidas no continente gelado.

 

Ruínas de uma civilização perdida são descobertas em 2,3 km abaixo do gelo na Antártida

 varga3

30/03/2016, por Phelipe Kling David - Muito interessante a descoberta feita graças a uma nova tecnologia de sensoriamento da NASA, capaz de adentrar o gelo polar. Foi graças ao sistema que se descobriu ruínas que parecem ser de um antigo assentamento humano soterrados sobre mais de dois quilômetros de gelo!

Leia também - Patrimônio Histórico Inglês revela locais assombrados

O sistema de sensoriamento remoto é um produto integrante da missão Operation IceBridge da NASA na Antártida. A descoberta intrigante foi feito durante os testes de ensaio da aeronave, cuja tecnologia LIDAR da NASA é um avançado Sistema de altímetro topográfico, que está previsto para ser lançado ao espaço à bordo de um satélite chamado ICESat-2 em 2017, e que vai monitorar as alterações no Gelo polar.

As ruínas da civilização perdida

“Há muito pouca margem para erro quando se trata de fótons individuais que batem em fibra ópticas individuais, e é por isso que ficamos tão surpresos quando percebemos essas características anormais nas imagens do equipamento”, explica Nathan Borrowitz, cientista do projeto IceBridge no Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland. É impressionante fazer este tipo de descoberta sem destacar uma única pessoa ao local e não escavando nem um centímetro do gelo sequer!

“A partir de agora só podemos especular sobre o que essas características no terreno são, mas com o lançamento de ICESat-2 em 2017 certamente levará a outras descobertas importantes para uma melhor compreensão das características geomorfológicas da Antártida”, acrescenta.

O arqueólogo chefe das pesquisas, Ashoka Tripathi, do Departamento de Arqueologia da Universidade de Calcutá acredita que as imagens mostram uma clara e irrefutável evidência de um assentamento humano antigo debaixo da gigantesca camada de gelo.

“O local claramente dispõe de algum tipo de estrutura feita pelo homem, assemelhando-se algum tipo de estrutura piramidal. Os padrões mostram claramente que não são formações geomorfológicas naturais encontrados na natureza. Nós claramente temos aqui provas da engenharia humana. O único problema é que estas imagens foram obtidas na Antártida sob 2 quilômetros de gelo. Isso é claramente a parte intrigante, não temos nenhuma explicação para isso no momento “, ele admite.

“Estas imagens refletem apenas uma pequena porção da massa terrestre total da Antártida. Há possivelmente muitas outras antigas cidades perdidas que estão cobertas com gelo. Isso nos mostra como é fácil subestimar tanto o tamanho quanto a escala dos assentamentos humanos passadas “, diz o Dr. Tripathi.

Os restos de uma civilização perdida

É realmente muito intrigante descobrir indícios de uma civilização perdida sob tamanho gelo. Isso dá aquela cosquinha especulativa que nos lembra de filmes como “Alien Versus Predador” e “O Enigma de Outro mundo”. Até que ponto podemos garantir que são assentamentos realmente humanos? Para o historiador e cartógrafo da Universidade de Cambridge, Christopher Adam, isso pode haver uma explicação racional.

“Um dos mapas mais intrigantes da História é o do almirante turco Piri Reis, criado em 1513, que mapeou com êxito a costa da Antártica há mais de 500 anos atrás! O que é mais fascinante sobre este mapa é que ele mostra a costa da Antártida sem gelo.

varga4

Como isso é possível quando as imagens do litoral subglacial da Antártida só foram vistos pela primeira vez após o desenvolvimento do radar de penetração no solo em 1958? É possível que a Antártida nem sempre tenha sido coberta por uma camada de gelo? Esta pode ser uma evidência de confirma a possibilidade “, ele reconhece. Uma pequena mudança de pólo ou o deslocamento do eixo de rotação da Terra em tempos passados poderia ser a única explicação racional até o momento para a terra ter sido coberta com tanto gelo. Obviamente que é necessário mais pesquisas para se chegar a qualquer conclusão para além das especulações.

O ICESat-2 é parte do Sistema de Observação Terrestre da NASA, é uma missão para o satélite que visará medir a elevação de massa camada de gelo, o bordo livre do gelo do mar, bem como topografia do terreno e da vegetação características, e está previsto para lançamento em maio de 2017. Quem sabe ele não acha aquela famosa entrada para a base nazista subterrânea, né? (tô zoando hein?)

 

Alerta de Hoax: NASA Images NÃO Revelou Arqueologia Humana Antiga sob 2,3 KM de gelo

varga5

08/01/2016, po Maarten Schenk - Notorious hoax website O World News Daily Report está de novo. De acordo com seu artigo mais recente, a operação da NASA IceBridge descobriu vestígios de um possível assentamento humano antigo sob 2,3 quilômetros de gelo na Antártida. Os cientistas supostamente usaram a tecnologia Lidar do Sistema de Altimetria de Laser Topográfico Avançado (ATLAS) para "o satélite Ice-Cloud e Earth Elevation Satellite-2 (ICESat-2)" que será lançado no próximo ano, mas que atualmente estava sendo testado em uma aeronave.

Claro que é tudo beliche. A primeira pista está na imagem que acompanha o artigo, reproduzido aqui. A parte esquerda é de fato uma imagem da Antártica, mas foi feita pelo Landsat 8. A segunda imagem não é mesmo do mesmo continente: é uma imagem de mapas do Google de Saqqara no Egito, mostrando uma pirâmide enterrada.

Os cientistas mencionados no artigo também não parecem existir: "Nathan Borrowitz, cientista do projeto IceBridge" está notoriamente ausente se você fizer uma pesquisa do Google para ele (o primeiro resultado é um engenheiro de vendas de San Francisco), e a sua suposta imagem é realmente de outro cientista da NASA: Alexander Kashlinsky:

varga6

A pessoa retratada como "Ashoka Tripathi, do Departamento de Arqueologia da Universidade de Calcutá" é na verdade o Dr. Rakesh Tewari, Diretor Geral do Archaeological Survey of India (ASI). Tanto quanto podemos dizer, o Dr. Tewari não tem nada a ver com a NASA ou a Antártica.

varga7

Apesar de tudo isso, o artigo conseguiu acumular um número impressionante de gostos e compartilhamentos nas mídias sociais. Como nós, aqui, no Lead Stories diz: Não é porque é verdade que é verdade!

 

Visita à Antártica confirma a descoberta de uma civilização que foi congelada instantaneamente

 

27/01/2017 - O Dr. Michael Salla, em parceria com Corey Goode, sempre trazem informações que parecem ser sensacionais demais para serem verdade, as quais aguçam nossas imaginações. Mesmo se as informações que eles nos passam tiverem somente um pingo de verdade, já serão interessantes o suficiente para ficarmos em alerta. Veja:

(Dr. Michael Salla) No início de janeiro de 2017, o delator do programa espacial secreto, Corey Goode, diz ter sido levado até a Antártica para testemunhar as primeiras escavações científicas de ruínas de uma antiga civilização que foi enterrada sob 3,2 quilômetros de gelo. Embora a descoberta das ruínas datam da primeira expedição nazista alemã em 1939, de acordo com Goode, foi somente após 2002 que as escavações por arqueólogos e outros cientistas foram permitidas. Os arqueólogos, supostamente, têm preparado filmes documentários e documentos acadêmicos, cujas liberações irão causar espanto na comunidade científica.

Numa atualização de 11 de dezembro de 2016, Goode descreve como ele se tornou ciente das escavações na Antártica a partir de fontes múltiplas, e então as escavações teriam sido reveladas a ele por um oficial sênior dentro do programa espacial secreto da Força Aérea dos EUA, o qual ele apelidou de “Sigmund”. Sigmundo liderou uma missão secreta envolvendo múltiplos tipos de abduções e interrogatórios de Goode, o qual estava sendo testado quanto a fidelidade de suas informações.

varga8

Renderização artística das supostas ruínas encontradas sob a Antártica.

Após ficar satisfeito sobre a precisão das informações e fontes de Goode, Sigmund inesperadamente compartilhou um pouco de seu conhecimento sobre as escavações da Antártica, envolvendo uma civilização liderada por Pré-Adamistas de 3,0 a 3,6 metros de altura, com crânios alongados.

Três naves mãe de formato ovalado, com aproximadamente 48 km de diâmetro, foram descobertas ao redor, revelando que os Pré-Adamistas eram de origem extraterrestre, e haviam chegado na Terra há aproximadamente 55.000 anos. Uma das três naves foi escavada, contendo várias naves pequenas em seu interior. A civilização Pré-Adamita, pelos menos esta parte dela com base na Antártica, havia sido congelada instantaneamente num evento cataclísmico que ocorreu há aproximadamente 12.000 anos.

Também foi contado ao Goode pelos seus contatos que as tecnologias mais avançadas, e os restos da própria civilização Pré-Adamita, foram removidos do sítio arqueológico que se tornará público. Equipes de arqueólogos têm estado trabalhando com o que foi deixado, e requisitados de manterem segredo do que viram.

Além disso, artefatos antigos selecionados de outras localizações serão trazidos de enormes depósitos e plantados no sítio arqueológico para a liberação ao público. Em sua iminente declaração sobre as escavações na Antártica, a ênfase será sobre os elementos terrestres da civilização que foi congelada instantaneamente, para não chocar demais a população.

Leia também - Trabalhadores da Luz

Segundo Goode, o anúncio provavelmente será liberado como distração para os julgamentos vindouros de crimes de guerra contra as elites globais, à medida que os vazamentos de informações ocorrerem sobre os pedófilos e o tráfego de crianças.

Até recentemente, tudo que Goode sabia sobre as escavações na Antártica havia sido compartilhado com ele por fontes internas, ou por Sigmund. Isso mudou no início de janeiro de 2017, quando o próprio Goode foi levado à Antártica para testemunhar as ruínas e escavações que estão ocorrendo.

Numa curta seção de instruções pessoais, em 24 de janeiro, e um subsequente jantar que incluiu David Wilcock, Goode relatou alguns dos detalhes sobre sua mais recente viagem à Antártica. Anteriormente ele reportou sobre uma visita anterior à Antártica, onde ele viu cinco das bases subterrâneas pertencentes ao Conglomerado Corporativo Interplanetário, um programa espacial secreto gerenciado pela corporação, com base na Antártica.

Sem dúvida, se num futuro próximo algo for revelado oficialmente sobre ruínas descobertas na Antártica de alguma civilização antiga, então poderemos começar a pensar que talvez as informações fantásticas relatadas pelo Dr. Salla e Corey Goode sejam mesmo reais. Até então, a dúvida que fica sobrepuja a possibilidade de serem verdadeiras.

 

Evidência da civilização antiga na Antártida? Estranha Estrutura em formato oval, as imagens de satélites foram manchadas.

varga9

06/01/2017 - Localizado no meio da Antártica oriental, uma estrutura estranha, de forma ovalada, medindo cerca de 400 pés transversalmente, pode ser uma das evidências finais que as civilizações antigas estiveram na Antártica em tempos remotos.

Falar sobre uma antiga civilização que habita a Antártida há décadas seria um tabu? E se, no passado distante, quando a Terra e a Antártida era muito diferente, hoje, uma civilização antiga se desenvolveu por lá, criando estruturas fascinantes, monumentos e templos lá Encontraríamos evidências de sua existência hoje?
Curiosamente, existem inúmeros mapas antigos que retratam partes da Antártida livres de gelo. Um dos mapas mais controversos foi sem dúvida composto em 1513, pelo almirante turco Piri Reis, que desenhou um mapa que criaria um debate global mais de 500 anos depois dele te-lo desenhado. O mapa mostra Antarctica que foi descoberto entre 1818-1820 . Mas como isso é possível?

Tornou-se uma crença popular de que as civilizações antigas em todo o mundo eram de fato muito mais avançadas do que os pesquisadores tradicionais estão creditando-os. Numerosos mapas descobertos no passado são indicações claras de que a história contada hoje por estudiosos é incompleta, e existem inúmeros links em falta em nossa história. Esses “elos perdidos” estão sendo reunidos por esses incríveis mapas antigos que provam que a humanidade habitou nosso planeta muito mais do que os estudiosos da corrente dominante acreditam. Talvez esses mapas antigos, em combinação com imagens satélites modernas de nosso planeta sejam a prova final de que a civilização poderia ter se desenvolvido nos lugares mais inóspitos da Terra em um passado distante.

De acordo com numerosos indicadores, essas estruturas já foram identificadas nos últimos anos. As imagens de satélite do continente antártico revelaram várias “estruturas” espalhadas pelo continente gelado. Enquanto alguns deles podem ser facilmente explicados como formações geológicas naturais, existem algumas descobertas que questionam tudo o que sabemos sobre a Antártida. Se essas estruturas são ou não feitas pelo homem e são evidências de civilizações antigas perdidas que habitam a Antártida é difícil de dizer, e improvável de acordo com os estudiosos da corrente dominante. No entanto, existem inúmeras descobertas que apontam o contrário e sugerem que precisamos olhar para as coisas de uma perspectiva diferente.

Em 2012, uma imagem de satélite da Antártica avistou uma estranha forma oval em um dos lugares mais remotos do planeta. A milhares de quilômetros da sociedade, a estranha estrutura em forma de oval levantou inúmeras perguntas entre especialistas. Aos 400 metros de diâmetro, especialistas que analisam a imagem perguntam se essa “estrutura” pode ou não ser o resultado da mãe natureza. A forma invulgar da estrutura sugere que pode ser a formação feita pelo homem.

Observando a imagem, observamos imediatamente como os “anéis” da estrutura se assemelham a uma estrutura em ruínas como se estivéssemos olhando para paredes que foram destruídas, ruínas desmoronadas que foram cobertas pela neve e gelo. A imagem tomada em 2012 claramente se assemelha a algo que pode facilmente ter sido projetado por alguém. Mas projetado por quem? A “estrutura” está localizada no meio da Antártica, um dos lugares mais inóspitos na superfície do planeta, um dos lugares mais remotos e intocados da Terra, a Antártida oriental.

Enquanto a estrutura pode ser uma estrutura artificial, os especialistas têm de considerar uma explicação natural; Uma formação de gelo bizarra criou nevasca pesada, baixa temperatura, e congelamento da Antártica katabatic vento.m Especialistas acreditam que o que os satélites manchados sobre a Antártica Oriental podem ser estranhamente formados Sastrugi-sharp sulcos irregulares formados em uma superfície de neve por erosão do vento. Neve / dunas de gelo. No entanto, sastrugi correr paralelo à direção do vento e não tendem a criar quase perfeitamente moldado estruturas ovais.

 

Será Mesmo que as Ruínas de uma Antiga Civilização Teriam Sido Descobertas nas Profundezas da Antártida?

 

01/03/2016, Por Marco Faustino - Recebi algumas sugestões de notícias muito interessantes por parte do Mateus na manhã de ontem (31). Confesso que eram bem interessantes, e com certeza irei fazer todas elas no decorrer dos próximos dias. Porém, uma em particular me chamou bastante atenção, porque se referia a descoberta de possíveis ruínas de uma suposta antiga civilização que teria vivido na Antártida. Aliás, o mais impressionante é que esses vestígios arqueológicos estariam congelados no tempo, nas profundezas, ou seja, abaixo de uma densa camada de gelo. Impressionante, não é mesmo?

A notícia começava dizendo que uma fotografia de sensoriamento remoto divulgada recentemente por meio da Operação "IceBridge" ("Ponte de Gelo", em português) da NASA, na Antártica, levou a uma "fascinante descoberta", uma vez que as imagens revelaram o que alguns especialistas acreditavam que poderia ser a existência de um possível e antigo assentamento humano a impressionantes 2,3 km de profundidade.

A notícia foi dada no dia 6 de janeiro pelo site World News Daily Report, e isso me deixou um tanto quanto apreensivo por duas razões fundamentais. A primeira é que passei o mês de janeiro como uma raposa para escrever notícias e matérias com um conteúdo substancial para vocês, e estranhei que eu tivesse perdido uma notícia assim, apesar que sempre perco alguma coisa ou outra. A segunda é a questionável reputação do site World News Daily Report em relação ao conteúdo das notícias que são divulgadas por eles, sendo que explicarei melhor isso ao longo dessa postagem. Vamos saber mais sobre esse assunto?

A Notícia Publicada Pelo Site World News Daily Report (WNDR)

Para que vocês possam compreender melhor todo o desenrolar dessa história, abaixo teremos uma tradução integral da notícia apresentada pelo site WNDR, certo? Veja o que foi publicado:

varga10

Notícia publicada pelo site World News Daily Report, onde dizia que imagens da NASA revelavam traços de um antigo assentamento humano sob 2,3 km de gelo na Antártida

A descoberta intrigante foi feita durante os ensaios de testes de aeronave do Sistema Avançado de Altímetro Topográfico a Laser (ATLAS) da NASA, uma adaptação em âmbito espacial da tecnologia LIDAR, que está previsto para ser lançado ao espaço à bordo de um satélite chamado ICESat-2 (Ice, Cloud, and land Elevation Satellite 2) em 2017, e que vai monitorar as alterações no gelo polar.

"Há pouquíssima margem para erro quando se trata de fótons individuais que colidem em fibras ópticas individuais, justamente por isso que ficamos tão surpresos quando percebemos essas características anormais nas imagens do LIDAR", explicou Nathan Borrowitz, cientista do projeto IceBridge, do Centro Aeroespacial Goddard da NASA em Greenbelt, Maryland, nos Estados Unidos

varga5

Embora o cientista da NASA Nathan Borowitz alegue que as imagens em infravermelho sejam definitivamente intrigantes, outros especialistas afirmam que elas são claramente a prova de uma antiga engenharia humana

"De agora em diante só podemos especular sobre o que essas características são, mas o lançamento do ICESat-2 em 2017 poderia levar a outras descobertas importantes, e uma melhor compreensão das características geomorfológicas da Antártida", completou.

Um Assentamento Humano Enterrado a 2,3km de Gelo

Ashok Tripathi, chefe de arqueologia do Departamento de Arqueologia da Universidade de Calcutá, na Índia, acredita que as imagens mostram um clara evidência de um antigo assentamento humano debaixo da camada de gelo.

"Essas são características evidentes de algum tipo de estrutura feita pelo homem, assemelhando-se a algum tipo de estrutura piramidal. Os padrões mostram claramente que não são formações geomorfológicas naturais encontradas na natureza. Temos claramente aqui, provas da engenharia humana.

O único problema é que essas imagens foram obtidas na Antártida sob 2 quilômetros de gelo. Fica claro que essa é a parte intrigante, e não temos nenhuma explicação para isso no momento", disse Ashok Tripathi.

"Essas imagens apenas refletem uma pequena porção da massa terrestre total da Antártida. Há possivelmente muitos outros sítios adicionais que estão cobertos por gelo. Isso demonstra tão somente como é fácil subestimar tanto o tamanho quanto a escala dos antigos assentamentos humanos", completou.

Os Resquícios de uma Civilização Perdida

Christopher Adam, historiador e cartógrafo da Universidade de Cambridge, acredita que pode haver uma explicação racional.

varga12

"Um dos mapas mais intrigantes da história é a do almirante turco Piri Reis em 1513 D.C, que mapeou com êxito a costa da Antártica há mais de 500 anos atrás. O que é mais fascinante sobre este mapa é que ele mostra a costa da Antártida sem gelo. Como isso é possível, uma vez que as imagens do litoral subglacial da Antártida só foram vistas pela primeira vez após o desenvolvimento do radar de penetração de solo em 1958? É possível que a Antártida nem sempre tenha sido coberta por uma camada de gelo? Esta poderia ser uma evidência dessa possibilidade", reconheceu Christopher Adam.

"Uma discreta alteração do pólo ou o deslocamento do eixo de rotação da Terra em tempos passados poderia ser a única explicação racional que vem à mente, porém é definitivamente necessário a realização de mais pesquisas antes de se chegar a qualquer conclusão", completou.

Leia também - O Significado das Doenças

O ICESat-2 (Ice, Cloud, and land Elevation Satellite 2) é parte do Sistema de Observação Terrestre da NASA, uma missão em que planeja que o satélite possa medir a elevação de massa em relação a camada de gelo, a borda livre do gelo do mar, assim como topografia do terreno e da vegetação característica, sendo previsto para ser lançado em maio de 2017.

Aparentemente soa bem interessante que pudessem haver tais estruturas piramidais nas profundezas da Antártida, sendo que a mesma poderia até nos reservar mais surpresas no futuro. Curiosamente, essa notícia já foi compartilhada quase 10.000 vezes no Facebook, entre outras redes sociais. Foi bem popular no início do ano e voltou a ser divulgada recentemente, porém como disse no começo dessa postagem, eu estranhei não ter visto nada assim nos principais veículos de comunicação que normalmente acesso. Seria a famosa "ocultação" de informações que a "grande mídia" faz para evitar que as pessoas discutam as "verdadeiras origens da humanidade"? A resposta é não, e você vai descobrir a razão disso a partir de agora.

A Verdade Sobre a Notícia Publicada Pelo Site World News Daily Report (WNDR)

Lembram que eu disse no começo dessa postagem que o site World News Daily Report tinha uma reputação muito questionável em relação ao conteúdo das notícias que são divulgadas por eles? Pois bem, segundo o site "realorsatire.com", embora o WNDR não seja essencialmente satírico, ele segue uma linha de falso jornalismo de seus predecessores, assim como o Weekly World News. Resumindo, algumas partes das notícias podem até conter algumas informações verdadeiras, porém o conjunto de suas alegações acabam perfazendo em um conteúdo jornalístico falso e totalmente deturpado, visando o que eles chamam de "entretenimento".

varga13

Você também pode consultar o WOT (Web of Trust), um serviço de análise e reputação de sites, que por sua vez conta com as avaliações e análises que são fornecidas por uma comunidade global de milhões de usuários que classificam os sites com base em suas experiências pessoais.

varga14

Na parte específica sobre esse site de notícias no WOT, você encontrará pessoas dizendo que o WNDR é um site que visa a desinformação e que nem merecia ser considerado como satírico. Outras dizem que as notícias do site são amplamente compartilhadas no Facebook, e não é para menos, afinal as notícias quase sempre são bem chamativas e muito absurdas, mesmo que queiram passar a impressão de terem um viés científico ou arqueológico.

Entretanto, a parte mais interessante dessa questão sobre o WNDR, é o "Disclaimer" ("Aviso Legal", em português) contido em seu próprio site na internet. Leiam bem o que está escrito:

"...o WNDR não será responsável por qualquer informação incorreta ou imprecisa, seja causada por usuários do site ou por qualquer um dos equipamentos ou programação associados ou utilizados neste site ou por qualquer erro técnico ou humano que possa vir a ocorrer.

varga15

O WNDR assume, no entanto, toda a responsabilidade pela natureza satírica de seus artigos e pela natureza fictícia do seu conteúdo. Todos os personagens que aparecem nos artigos deste site - mesmo aqueles baseados em pessoas reais - são totalmente fictícios e qualquer semelhança entre eles e quaisquer pessoas, vivas, mortas, ou mortas-vivas, é puramente um milagre..."

Acho que ficou evidente que ninguém deve confiar em notícias do World News Daily Report, não é mesmo? Uma simples pesquisa na internet terminaria rapidamente com qualquer tipo de dúvida sobre esse tipo de site. Entretanto, nessa mesma pesquisa encontramos um site chamado "Lead Stories", que mostrou a verdade por trás de boa parte do conteúdo dessa notícia que foi divulgada pelo WNDR.

Antes de mostrar para vocês as mentiras contadas por esse site, vamos a única parte que é realmente verdadeira da notícia, que é justamente sobre o ICESat-2. Para ajudar a medir com precisão as alterações na Antártida, a NASA está mesmo desenvolvendo o sucessor da missão ICESat, o ICESat-2, que está programado para ser lançado em 2017 na Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia, nos Estados Unidos, sendo que todo o projeto está sendo gerenciado pelo Centro Aeroespacial Goddard.

Aliás, toda a informação final da notícia do site WNDR sobre a missão do ICESat-2 foi extraído integralmente da versão em inglês da Wikipedia. Acrescenta-se ainda que a "Operação IceBridge" realmente existe, conforme consta em uma das páginas do site oficial da NASA.

varga16

Leia também - Vida após a jornada da morte

Entretanto, é a partir de agora que as mentiras começam. Apesar da imagem utilizada na primeira parte da matéria pertencer realmente a uma região da Antártida, a mesma foi tirada pelo satélite Landsat 8 no ano de 2013. Para fazer parecer com que ruínas de uma antiga civilização tivessem sido descobertas a 2,3 km de profundidade, foi utilizada uma imagem do Google Maps, mais precisamente da região de Sacará, um sítio arqueológico do Egito, que funcionou como necrópole da antiga cidade de Mênfis, uma das várias capitais que o Antigo Egito conheceu ao longo da sua história, sendo que a imagem mostra o local onde uma pirâmide estaria enterrada.

varga17

varga18

Uma das primeiras imagens do satélite LandSat 8 da Antártida, e que foram divulgadas no ano de 2013

varga19

Imagem referente a região de Sacara, no Egito, mostrando o que seria uma pirâmide enterrada. A imagem foi obtida após o processamento de uma imagem do Google Maps.

E as mentiras continuam, uma vez que os os nomes dos cientistas mencionados na notícia não correspondem as suas respectivas fotografias. O homem chamado de "Nathan Borowitz, cientista do projeto IceBridge" não aparece em nenhuma consulta que façamos no Google (o primeiro link que aparece é relacionado a um "engenheiro de vendas"). Além disso, a foto utilizada para identificá-lo pertence a uma outra pessoa, um homem chamado Alexander Kashlinsky, astrônomo e cosmólogo, que trabalha no Centro Aeroespacial Goddard, da NASA.

varga20

O homem apresentado como Nathan Borowitz (ao fundo), cientista do projeto IceBridge, na notícia publicada
pelo site World News Daily Report, na verdade chama-se Alexander Kashlinsky (em primeiro plano e à esquerda),
astrônomo e cosmólogo, que trabalha no Centro Aeroespacial Goddard, da NASA.

A pessoa retratada como "Ashok Tripathi, do Departamento de Arqueologia da Universidade de Calcutá, na Índia", na verdade é o Dr. Rakesh Tiwari, diretor-geral da Pesquisa Arqueológica da Índia (ASI). Pelo que consta, o Dr. Rakesh Tewari não tem nenhuma relação com a NASA ou qualquer assunto relacionado a Antártida.

varga21

A pessoa retratada como "Ashok Tripathi, do Departamento de Arqueologia da Universidade de Calcutá, na Índia",
na verdade é o Dr. Rakesh Tiwari, diretor-geral de Pesquisa Arqueológica da Índia (ASI), e não possui nenhuma
relação com a NASA os estudos envolvendo a Antártida.

Resumindo, a notícia sobre a descoberta de uma antiga civilização nas profundezas da Antártida apesar de conter alguns elementos verdadeiros, infelizmente é falsa, o que não quer dizer que no futuro algo assim possa ser descoberto. O que podemos dizer para vocês é que nesse momento não existe nenhuma comprovação do que foi publicado pelo site World News Daily Report.

Caso algum dia vocês se deparem com alguma notícia proveniente desse site, desconfiem, questionem, pesquisem, ou simplesmente caso não queiram fazer nada disso, evitem propagar o conteúdo deles como se fosse verdadeiro, afinal nem mesmo eles acreditam no que escrevem.

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:

http://www.mundogump.com.br/ruinas-de-uma-civilizacao-perdida-sao-descobertas-em-23-km-abaixo-do-gelo-na-antartida/
http://worldnewsdailyreport.com/antarctica-nasa-images-reveal-traces-of-ancient-human-settlement-underneath-2-3-km-of-ice/
http://hoax-alert.leadstories.com/378841-hoax-alert-nasa-images-did-not-reveal-ancient-human-settlement-under-23-km-of-ice.html
http://hypescience.com/camada-de-gelo-da-antartida-cresce-mais-do-que-diminui/
http://icesat.gsfc.nasa.gov/icesat2/
http://stretchingtheboundaries.blogspot.be/2011/06/satellite-archaeological-survey-of.html
http://blog.imagico.de/first-landsat-8-images-of-antarctica/
http://www.nasa.gov/mission_pages/icebridge/index.html

Fonte: https://thoth3126.com.br
           http://exopolitics.org
           http://varievo.com
           http://worldnewsdailyreport.com
           https://hoax-alert.leadstories.com
           http://www.stillnessinthestorm.com
           http://ovnihoje.com
           Ivan, www.ancient-code.com
          http://www.assombrado.com.br

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade