Como a CIA criou o GOOGLE - Parte 2

cigol10O Pentágono, sede do comando estratégico das forças armadas dos EUA. O resumo MDDS publicado online na Universidade do Texas, confirma que a justificativa para o projeto CIA-NSA foi “proporcionar capital inicial para o desenvolvimento de tecnologias de gerenciamento de dados que são de alto risco e alto financiamento”, incluindo técnicas de “consulta, navegação e filtragem; processamento de transações; métodos de acesso e indexação; gerenciamento de metadados e modelagem de dados; e integração de bases de dados heterogêneas; bem como o desenvolvimento de arquiteturas adequadas”.

A visão final do programa era proporcionar o acesso e fusão contínuos de enormes quantidades de dados, informações e conhecimento em um ambiente heterogêneo e em tempo real” para uso do Pentágono, a comunidade de inteligência e potencialmente através do governo.

Estas revelações corroboram as afirmações de Robert Steele, ex-oficial da CIA e um director-adjunto civil fundador do Marine Corps Intelligence Activity, que eu entrevistei para o The Guardian no ano passado sobre a inteligência de fonte aberta. Citando fontes na CIA, Steele havia dito em 2006 que Steinheiser, um velho colega dele, era a principal ligação da CIA no Google e tinha arranjado financiamento desde cedo para a empresa de TI pioneira. Na época, a fundador da Wired, John Battelle manobrou para obter a negação de um porta-voz do Google em resposta às afirmações de Steele: “As declarações relacionadas ao Google são completamente falsas.”

Desta vez, apesar de vários pedidos e conversas, um porta-voz do Google se recusou a comentar.

ATUALIZAÇÃO: A partir das 5.41 GMT GMT [22 de janeiro de 2015], o diretor de comunicação corporativa do Google entrou em contato e pediu-me para incluir a seguinte declaração:

“Sergey Brin não fazia parte do Query Flocks Program em Stanford, nem teve nenhum de seus projetos financiados por órgãos de Inteligência dos EUA”.

Isto é o que eu escrevi de volta:

Minha resposta a essa declaração seria a seguinte: o próprio Brin, em seu próprio trabalho, reconhece o financiamento da equipe de gerenciamento comunitário da iniciativa Massive Digital Data Systems (MDDS), que foi fornecida através da NSF. O MDDS era um programa comunitário de inteligência criado pela CIA e pela NSA. Tenho também no registro, como notado na peça, da Profª. Thuraisingham da Universidade do Texas que ela gerenciou o programa MDDS em nome da comunidade de inteligência dos EUA, e que ela e Rick Steinheiser da CIA se encontravam com Brin a cada três meses ou mais durante dois anos para serem informados sobre seu progresso no desenvolvimento do Google e PageRank. Se Brin trabalhou em “Query Flocks” não esta nem aqui nem lá.

Nesse contexto, você pode considerar as seguintes perguntas:

1) O Google nega que o trabalho de Brin foi parcialmente financiado pelo MDDS através de uma subvenção da NSF?

2) Será que o Google nega que Brin relatou regularmente a Thuraisingham e Steinheiser de cerca de 1996 a 1998 até setembro daquele ano, quando ele apresentou o mecanismo de busca do Google para eles?

CONSCIENTIZAÇÃO TOTAL DA INFORMAÇÃO

A chamada de trabalhos para o MDDS foi enviada via lista de e–mail em 3 de novembro de 1993 da autoridade da inteligência dos EUA David Charvonia, diretor do escritório de coordenação de pesquisa e desenvolvimento de CMS da comunidade de inteligência. A reação de Tatu Ylonen (célebre inventor do protocolo de proteção de dados de SSH) para seus colegas na lista de e-mails está dizendo: “A relevância do cripto? Faz você pensar se você deve proteger seus dados”. O e-mail também confirma que a SAIC, empresa de defesa e sócio da Highlands Forum, foi gerir a apresentação do processo do MDDS, com resumos devendo ser enviados para Jackie Booth do Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento da CIA através de um endereço de e-mail da SAIC.

Em 1997, Thuraisingham revela, pouco antes de o Google ser incorporado e enquanto ela ainda supervisionava o desenvolvimento de seu software de busca em Stanford, seus pensamentos se voltaram para as aplicações de segurança nacional do programa MDDS. Nos agradecimentos a seu livro, Web Data Mining and Applications in Business Intelligence and Counter-Terrorism (2003) , Thuraisingham escreve que ela e o “Dr. Rick Steinheiser da CIA, iniciou discussões com a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa sobre a aplicação de mineração de dados para o combate ao terrorismo “, uma idéia que resultou diretamente do programa MDDS que financiou em parte o Google. “Essas discussões acabaram por se desenvolver no atual programa EELD (Evidence Extraction and Link Detection) da DARPA.”

Assim, o mesmo funcionário sênior da CIA e o contratado da CIA-NSA envolvidos em fornecer o financiamento de start-up para o Google estavam simultaneamente contemplando o papel da mineração de dados para fins de combate ao terrorismo e estavam desenvolvendo idéias para ferramentas avançadas pela DARPA.

cigol11

Dr. Anita Jones, diretora da DARPA de 1993 a 1997 e co-presidente do Pentágono Highlands Forum de 1995 a 1997, durante o qual os responsáveis pelo programa CIA-NSA-MDSS financiaram o Google e em comunicação com a DARPA sobre Mineração de dados para o contraterrorismo

Hoje, como ilustrado pela sua recente abertura no New York Times, a Profª Thuraisingham continua a ser uma firme defensora de mineração de dados para fins de combate ao terrorismo, mas também insiste que esses métodos devem ser desenvolvidos pelo governo em cooperação com as liberdades civis advogados e defensores da privacidade para assegurar que sejam implementados procedimentos robustos para prevenir potenciais abusos. Ela aponta, condenadamente, que com a quantidade de informações coletadas há um alto risco de falsos positivos.

Em 1993, quando o programa MDDS foi lançado e administrado pela MITER Corp. em nome da comunidade de inteligência dos EUA, a cientista de computação da Universidade de Virginia, Anita K. Jones – uma administradora do MITRE – conseguiu o cargo de diretora e chefia de pesquisa e Engenharia da DARPA em todo o Pentágono. Ela havia estado no conselho de MITRE desde 1988. De 1987 a 1993, Jones serviu simultaneamente no conselho de administração da SAIC. Como a nova chefe da DARPA de 1993 a 1997, também co-presidiu o Highlands Forum do Pentágono durante o período de desenvolvimento e pré-lançamento do Google em Stanford sob o MDSS.

Assim, quando Thuraisingham e Steinheiser estavam conversando com a DARPA sobre as aplicações antiterrorismo da pesquisa do MDDS, Jones foi diretor do DARPA e co-presidente do Highlands Forum. Naquele ano, Jones deixou a DARPA para retornar ao seu posto na Universidade de Virgina. No ano seguinte, ela ingressou na diretoria da National Science Foundation, que obviamente também havia financiado Brin e Page, e também retornou ao conselho de administração da SAIC. Quando ela deixou o DoD, o senador Chuck Robb pagooo seguinte tributo a Jones: “Ela trouxe a tecnologia e as comunidades militares operacionais em conjunto para desenhar planos detalhados para sustentar o domínio dos EUA no campo de batalha para o próximo século.”

Na placa da National Science Foundation 1992-1998 (incluindo um período como presidente de 1996) esta Richard N. Zare. Este foi o período em que a NSF patrocinou Sergey Brin e Larry Page em associação com a DARPA. Em Junho de 1994, o Prof. Zare, um químico da Universidade de Stanford, participou com o Prof. Jeffrey Ullman (que supervisionou a pesquisa de Sergey Brin), em um painel patrocinado pela Stanford e do Conselho Nacional de Pesquisa discutir a necessidade de cientistas para mostrar como o seu trabalho “se enlaçava com as necessidades nacionais”. O painel reuniu cientistas e formuladores de políticas, incluindo “insiders de Washington”. O programa EELD da DARPA, inspirado no trabalho de Thuraisingham e Steinheiser sob o comando de Jones, foi rapidamente adaptado e integrado com um conjunto de ferramentas para conduzir a vigilância abrangente sob o governo Bush.

De acordo com o oficial da DARPA Ted Senator, que liderou o programa EELD para o programa de curta duração Information Awareness da agência, EELD estava entre uma série de “técnicas promissoras” que estavam sendo preparadas para a integração “no sistema TIA protótipo.” TIA representava Total Information Awareness e foi o principal programa de espionagem eletrônica e de mineração de dados mundial implantado pela administração Bush após o ataque de 11/09. A TIA foi criada pelo almirante John Poindexter, conspirador Irã-Contras, nomeado em 2002 por Bush para liderar o novo Escritório de Informação da DARPA.

O Palo Alto Research Center da Xerox (PARC) foi outro contratante entre 26 empresas (incluindo também a SAIC) que receberam contratos milionários da DARPA (as quantidades específicas permaneceram classificadas) sob Poindexter, para fazer avançar o programa de vigilância TIA em 2002 em diante. A pesquisa incluiu “perfilamento baseado em comportamento”, “detecção automatizada, identificação e rastreamento” da atividade terrorista, entre outros projetos de análise de dados. Nessa época, o diretor e cientista-chefe do PARC era John Seely Brown. Tanto Brown quanto Poindexter eram participantes do Fórum Highlands do Pentágono – Brown em uma base regular até recentemente.

A TIA foi supostamente fechada em 2003 devido à oposição pública após o programa ter sido exposto na mídia, mas no ano seguinte Poindexter participou de uma sessão do Highlands Forum do Pentágono em Cingapura, juntamente com o departamento da defesa e funcionários de segurança de todo o mundo. Enquanto isso, Ted Senator continuou a administrar o programa EELD entre outros projetos de mineração e análise de dados na DARPA até 2006, quando saiu para se tornar vice-presidente da SAIC. Ele é agora um companheiro técnico da SAIC / Leidos.

GOOGLE, DARPA E A TRILHA DO DINHEIRO

Muito antes da aparição de Sergey Brin e Larry Page, o departamento de ciência da computação da Universidade de Stanford tinha uma estreita relação de trabalho com a inteligência militar dos EUA. Uma carta datada de 05 de novembro de 1984 a partir do escritório do renomado especialista de inteligência artificial (AI), Prof Edward Feigenbaum, dirigida a Rick Steinheiser, dá as últimas indicações para projeto de programação heurística (nota Thoth: Heurísticos são processos cognitivos empregues em decisões não racionais, sendo definidas como estratégias que ignoram parte da informação com o objetivo de tornar a escolha mais fácil e rápida.) de Stanford, abordando Steinheiser como um membro do “Steering Committee AI.” a lista de participantes numa conferência contratante em torno desse tempo, patrocinado pelo Gabinete do Pentágono de Pesquisa Naval (ONR-Office of Naval Research), inclui Steinheiser como um delegado sob a designação “OPNAV Op-115” – que se refere ao Gabinete do Chefe de Operações navais ‘Sobre a prontidão operacional, que desempenhou um papel importante no avanço dos sistemas digitais para os militares.

Desde a década de 1970, o Prof. Feigenbaum e seus colegas estavam executando projeto de programação heurística de Stanford sob contrato com a DARPA, continuando até a década de 1990. Feigenbaum já tinha recebido em torno de mais de $ 7 milhões neste período por seu trabalho para a DARPA, juntamente com outros financiamentos do NSF, NASA, e ONR. O Supervisor de Brin na Universidade de Stanford, Prof. Jeffrey Ullman, foi em 1996 parte de um projeto com financiamento conjunto de um programa de integração inteligente de Informação da DARPA. Naquele ano, Ullman co-presidiu reuniões patrocinadas pelo DARPA sobre intercâmbio de dados entre múltiplos sistemas.

Em setembro de 1998, no mesmo mês em que Sergey Brin informou os representantes de inteligência dos EUA Steinheiser e Thuraisingham, os empreendedores tecnológicos Andreas Bechtolsheim e David Cheriton investiram US$ 100.000 cada no Google. Ambos os investidores estavam ligados à DARPA.

Como um estudante PhD de Stanford em engenharia elétrica na década de 1980, o projeto de estação de trabalho SUN pioneiro de Bechtolsheim tinha sido financiado pela DARPA e pelo departamento de ciência da computação de Stanford – desta pesquisa foi a fundação do estabelecimento da Sun Microsystems, que ele co-fundou com William Joy de Bechtolsheim.

Quanto ao co-investidor de Bechtolsheim no Google, David Cheriton, este é um professor de informática de Stanford há muito tempo que tem um relacionamento ainda mais enraizado com a DARPA. Sua bio na Universidade de Alberta, que em novembro de 2014 ele recebeu um doutorado honorário da ciência, diz que de Cheriton “A pesquisa recebeu o apoio da Agência de Projetos de Defesa dos EUA (DARPA) há mais de 20 anos.”

Enquanto isso, Bechtolsheim deixou a Sun Microsystems em 1995, co-fundando a Granite Systems com seu colega do Google Cheriton como parceiro. Eles venderam a Granite para a Cisco Systems em 1996, mantendo a propriedade significativa da Granite e tornando-se executivos sênior da Cisco.

Um e-mail obtido da Enron Corp. (um banco de dados de cerca de 600.000 e-mails adquiridos pela Comissão Federal de Regulamentação de Energia e posteriormente divulgado ao público) de Richard O’Neill, convidando executivos da Enron para participar do Highlands Forum, mostra que os executivos da Cisco e Granite são intimamentes ligados ao Pentágono. O e-mail revela que, em maio de 2000, o sócio da Bechtolsheim e co-fundador da Sun Microsystems, William Joy – que era então cientista-chefe e diretor executivo da empresa – participaram do Fórum para discutir nanotecnologia e computação molecular.

Em 1999, Joy também co-presidiu o Comitê Consultivo de Tecnologia da Informação do Presidente, supervisionando um relatório reconhecendo que a DARPA tinha:

“… revisou suas prioridades na década de 90 para que todo o financiamento da tecnologia da informação fosse julgado em termos de benefícios para uso na GUERRA”.

Ao longo da década de 1990, então, o financiamento da DARPA para Stanford, incluindo para o Google, foi explicitamente sobre o desenvolvimento de tecnologias que poderiam aumentar as operações de inteligência militar do Pentágono em teatros de guerra. O relatório Joy recomenda mais financiamento do governo federal do Pentágono, da NASA e de outras agências ao setor de TI. Greg Papadopoulos, outro dos colegas de Bechtolsheim e então chefe de tecnologia da Sun Microsystems, também participou de uma reunião do Fórum do Pentágono em setembro de 2000.

Em novembro, o Highlands Forum do Pentágono hospedou Sue Bostrom, que era vice-presidente para a Internet na Cisco, sentada no conselho da empresa ao lado de co-investidores do Google Bechtolsheim e Cheriton. O Fórum hospedou também Lawrence Zuriff, então sócio-gerente da Granite, que a Bechtolsheim e a Cheriton venderam à Cisco. Zuriff tinha sido contratado pela SAIC de 1993 a 1994, trabalhando com o Pentágono em questões de segurança nacional, especificamente para o Escritório de Avaliação da Net da Marshall. Em 1994, tanto a SAIC como a ONA estavam, obviamente, envolvidas no co-estabelecimento do Highlands Forum do Pentágono. Entre a saída do Zuriff durante seu mandato na SAIC foi entregue um estudo intitulado ‘Understanding Information War’ , a uma uma Mesa Redonda do exército dos EUA, patrocinando pela SAIC-sobre a Revolução em Assuntos Militares.

Após a incorporação do Google, a empresa recebeu US$ 25 milhões em fundos de capital em 1999 liderados pela Sequoia Capital e Kleiner Perkins Caufield & Byers. De acordo com a Segurança Interna Hoje, “Um número de start-ups da Sequoia contraíram financiamento com o Departamento de Defesa, especialmente após os “taques” de 11/09de N.York, quando Mark Kvamme do Sequoia se reuniu com o secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, para discutir a aplicação de tecnologias emergentes para warfighting e coleta de dados de inteligência”. Da mesma forma, Kleiner Perkins havia desenvolvido” uma estreita relação “com a In-Q-Tel, a empresa capitalista de risco da CIA que financia novas empresas” para promover “tecnologias prioritárias de valor” para a comunidade de inteligência dos EUA.

John Doerr, que liderou o investimento da Kleiner Perkins no Google, obteve a posição de diretoria, e foi um importante investidor inicial na Sun Microsystems de Becholshtein. Ele e sua esposa Anne são os principais financiadores por trás do Rice University’s Center for Engineering Leadership (RCEL), que em 2009 recebeu $ 16 milhões da DARPA para sua Platform-Aware-Compilation-Environment (PACE) Programa computação ubíqua de R & D Pesquisa e Desenvolvimento). Doerr também tem uma estreita relação com a administração Obama, que ele aconselhou logo depois que Obama assumiu o poder e construir o financiamento do Pentágono para a indústria de tecnologia. Em 2013, na conferência da Fortune Brainstorm Tech, Doerr aplaudiu “como a DARPA do DoD financiou a criação dos sistemas GPS, CAD, a maioria dos principais departamentos de ciência da computação, e, claro, a Internet.”

Desde o início, em outras palavras, o Google foi incubado, nutrido e financiado por interesses diretamente afiliados ou intimamente alinhados com a comunidade de inteligência militar dos EUA: muitos dos quais estavam embutidos no Highlands Forum do Pentágono .

GOOGLE CAPTURA O PENTÁGONO

Em 2003, o Google começou a personalização de seu motor de busca sob contrato especial com a CIA por seu Gabinete de Gestão Intelink, “supervisionando top-secret, secretos e sensíveis, mas não classificados intranets para a CIA e outras agências da comunidade de Inteligência (IC),” de acordo com a Homeland Security Today. Naquele ano, o financiamento da CIA também estava sendo “discretamente” canalizado através da National Science Foundation para projetos que poderiam ajudar a criar “novas capacidades para combater o “terrorismo” através de tecnologia avançada”.

No ano seguinte, o Google comprou a empresa Keyhole , que originalmente tinha sido financiado pela In-Q-Tel controlada pelça CIA. Usando Keyhole, o Google começou a desenvolver o software de mapeamento por satélite avançado por trás do Google Earth. Ex-diretor DARPA e co-presidente do Highlands Fórum Anita Jones tinha sido do borad da In-Q-Tel, neste momento, e lá permanece até hoje.

Em novembro de 2005, a In-Q-Tel emitiu avisos para vender US$ 2,2 milhões de ações do Google. O relacionamento do Google com os serviços de inteligência dos EUA foi posto mais ainda à luz quando um empreiteiro de TI disse em uma conferência fechada em Washington DC para profissionais de inteligência em uma base para-não-atribuição que pelo menos uma agência de inteligência norte-americana estava trabalhando para “monitoramento de dados e alavancagem da Google [usuário]” como parte de um esforço para adquirir dados de “interesse de inteligência da segurança nacional”.

Uma foto no Flickr datada de março de 2007 revela que o diretor de pesquisa do Google e especialista em A.I.(Inteligencia Artificial) Peter Norvig participou de uma reunião Highlands Fórum do Pentágono esse ano em Carmel, Califórnia. A conexão íntima de Norvig ao Fórum a partir desse ano também é corroborada por seu papel na lista de convidados na lista de leitura do Forum 2007.

cigol12

Lewis Shepherd (à esquerda), então um oficial sênior de tecnologia da Agência de Inteligência de Defesa do Pentágono, conversando com Peter Norvig (à direita), renomado especialista em IA-inteligência artificial e diretor de pesquisa da Google. Esta foto é de uma reunião do Highlands Fórum em 2007.

A foto ao lado mostra Norvig em conversa com Lewis Shepherd, que na época era diretor de tecnologia sênior da Agência de Inteligência da Defesa-DIA, responsável pela investigação, aprovação e arquitetura de “todos os novos sistemas de hardware / software e aquisições para a Inteligência Global Defense Enterprise IT, “Incluindo” grandes tecnologias de dados “. Shepherd agora trabalha na Microsoft. Norvig era um cientista da pesquisa de computador na universidade de Stanford em 1991 antes de se juntar a Sun Microsystems de Bechtolsheim como o cientista sênior até 1994, e indo dirigir a divisão da informática da NASA.

Norvig aparece no perfil Google Plus de O’Neill como uma de suas ligações estreitas. Analisar o resto das conexões do Google Plus de O’Neill ilustra que ele está diretamente conectado não apenas a uma ampla gama de executivos do Google, mas também a alguns dos maiores nomes da comunidade de tecnologia dos EUA.

Essas conexões incluem Michele Weslander Quaid, uma contratante ex-agente da CIA e ex-alta funcionária de inteligência do Pentágono, que agora é diretora de tecnologia da Google onde ela está desenvolvendo programas para “melhores necessidades das agências governamentais”; Elizabeth Churchill, diretora de experiência do usuário do Google; James Kuffner, um especialista em robótica humanoide que agora lidera a divisão de robótica da Google e que introduziu o termo “robótica da nuvem”; Mark Drapeau, diretor de engajamento da inovação para o setor público da Microsoft; Lili Cheng, gerente geral dos Laboratórios de Experiências Sociais Futuras da Microsoft (FUSE); Jon Udell, o ‘evangelista’ da Microsoft; Cory Ondrejka, vice-presidente de engenharia no Facebook; para citar apenas alguns.

Em 2010, o Google assinou um contrato sem licitação multi-bilionária com a agência irmã da NSA, a Agência Nacional de Inteligência Geoespacial (NGA). O contrato era para usar o Google Earth para serviços de visualização para a NGA. O Google desenvolveu o software por trás do Google Earth comprando o buraco da fechadura da empresa de risco In-Q-Tel da CIA.

Então, um ano depois, em 2011, outra das conexões do Google Plus de O’Neill, Michele Quaid – que havia servido em cargos executivos na NGA, no Escritório Nacional de Reconhecimento e no Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional – deixou seu papel de governo para se tornar o “Evangelista da inovação” do Google e a pessoa chave para a procura de contratos do governo. O último papel de Quaid antes de sua mudança para o Google foi como uma representante sênior do Diretor de Inteligência Nacional para a Força Tarefa de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento e uma conselheira sênior do subsecretário de defesa para o diretor de inteligência de Joint and Coalition Warfighter Support (J & CWS ). Ambos os papéis envolvem operações de informação em seu núcleo. Antes de sua mudança no Google, em outras palavras, Quaid trabalhou em estreita colaboração com o Escritório do Subsecretário de Defesa para a Inteligência, ao qual o Pentágono Highlands Forum está subordinado. A própria Quaid participou do Fórum, embora precisamente quando e com que freqüência eu não pude confirmar.

cigol13

Regina Dugan, ex-diretora da DARPA e co-presidente do Highlands Forum, agora executiva sênior do Google.

Em março de 2012, a então diretora da DARPA Regina Dugan ?- que nessa qualidade também foi co-presidente do Fórum Highlands do Pentágono – seguiu seu colega Quaid no Google para liderar a nova companhia no Grupo de Tecnologia e Projetos Avançados. Durante seu mandato no Pentágono, Dugan liderou a segurança cibernética estratégica e as mídias sociais, entre outras iniciativas. Ela foi responsável por focar “uma parcela crescente” do trabalho da DARPA “na investigação de capacidades ofensivas para atender às necessidades específicas de militares”, assegurando US$ 500 milhões em financiamento do governo para pesquisa cibernética da DARPA entre 2012-2017.

Em novembro de 2014, o chefe de AI e especialista em robótica do Google James Kuffner era um delegado ao lado de O’Neill no Highlands Fórum em 2014 na Ilha de Singapura, para explorar “Avanço em Robótica e Inteligência Artificial:. Implicações para a sociedade, de segurança e de conflitos”. O evento contou com 26 delegados provenientes da Áustria, Israel, Japão, Singapura, Suécia, Grã-Bretanha e os EUA, tanto da indústria e do governo. A associação de Kuffner com o Pentágono, no entanto, começou muito antes. Em 1997, Kuffner era um pesquisador durante seu PhD de Stanford para um projeto de robôs móveis autônomos em rede financiado pelo Pentágono, e patrocinado pela DARPA e pela Marinha dos EUA.

RUMSFELD E VIGILÂNCIA PERMANENTE

Em suma, muitos dos mais altos executivos do Google estão afiliados ao Highlands Forum do Pentágono, que durante todo o período de crescimento da Google na última década, surgiu repetidamente como uma força de conexão e convocação. A incubação do Google na comunidade de inteligência dos EUA desde o início ocorreu por meio de uma combinação de patrocínio direto e redes informais de influência financeira, eles próprios alinhados com os interesses do Pentágono.

O próprio Highlands Forum usou a relação informal de construção dessas redes privadas para unir os setores da defesa e da indústria, permitindo a fusão de interesses empresariais e militares na expansão do aparato de vigilância encoberta em nome da segurança nacional. O poder exercido pela rede de sombra representada pelo Fórum pode, contudo, ser medido mais claramente do seu impacto durante a administração Bush, quando desempenhou um papel direto em literalmente escrever as estratégias e doutrinas por trás dos esforços dos EUA para alcançar a “superioridade da informação”.

Em dezembro de 2001, O’Neill confirmou que as discussões estratégicas no Fórum Highlands estavam alimentando diretamente a revisão estratégica em todo o DoD de Andrew Marshall ordenada pelo presidente Bush e Donald Rumsfeld para atualizar os militares, incluindo a Revisão Quadrienal da Defesa – e que algumas das primeiros reuniões do fórum “resultaram na elaboração de um grupo de políticas, estratégias e doutrina do Departamento de Defesa para os serviços de guerra da informação”. Esse processo de “escrever” as políticas de guerra de informação do Pentágono “foi feito em conjunto com pessoas que entendiam o ambiente de maneira diferente – não apenas cidadãos dos EUA, mas também cidadãos estrangeiros e pessoas que estavam desenvolvendo a TI corporativa “.

As doutrinas de guerra da informação do Pentágono pós-11 de setembro foram, então, escritas não apenas por autoridades de segurança nacional dos EUA e do exterior, mas também por corporações empresariais poderosas nos setores de defesa e tecnologia. Em abril daquele ano, o general James McCarthy havia terminado a sua avaliação da transformação da defesa ordenados por Rumsfeld. Seu relatório repetidamente destacou a vigilância em massa como parte integrante da transformação do DoD. Quanto Marshall, em seurelatório follow-up de Rumsfeld estava indo para desenvolver um plano que determina o futuro do Pentágono na “era da informação”.

O’Neill também afirmou que, para desenvolver informações sobre doutrina de guerra, o Fórum tinha realizado extensas discussões sobre vigilância eletrônica e “o que constitui um ato de guerra em um ambiente de informação.” Papers alimentaram a política de defesa dos EUA escritos através do final de 1990 pela consultores John Arquilla e David Rondfeldt da RAND Corporation, ambos membros do Fórum Highlands de longa data, foram produzidos “como resultado dessas reuniões”, explorando os dilemas políticos sobre até onde chegar o objetivo da “Superioridade da Informação”. “Uma das coisas que foi chocante para o público americano foi que não estávamos fuçando as contas de Milosevic (nota Thoth: Slobodan Miloševic foi um político da Jugoslávia e da Sérvia, foi o Presidente da Sérvia de 1989 a 1997 e Presidente da República Federal da Yugoslávia de 1997 a 2000) eletronicamente, quando de fato poderíamos”, comentou O’Neill.

Embora o processo de I & D em torno da estratégia de transformação do Pentágono continuar a ser classificado, uma dica para as discussões do DoD acontecendo neste período pode ser adquirida a partir de monografia da Escola de Estudos Militares Avançados em Pesquisa do Exército de 2005 no Jornal do DoD, Military Review de autoria de um ativo Oficial de inteligência do Exército.

“A idéia de Vigilância Persistente como uma capacidade de transformação tem circulado dentro da Comunidade de Inteligência Nacional (IC) e do Departamento de Defesa (DoD) durante pelo menos três anos”, diz o documento, referindo-se ao estudo de transformação encomendado por Rumsfeld. O jornal do Exército voltou a analisar uma série de documentos militares oficiais de alto nível, incluindo um do Gabinete do Presidente do Estado-Maior Conjunto, mostrando que a “Vigilância Persistente” era um tema fundamental da visão centrada na informação para a defesa Política do Pentágono.

Sabemos agora que apenas dois meses antes de o endereço de O’Neill em Harvard em 2001, no âmbito do programa TIA, o presidente Bush tinha secretamente autorizada a vigilância doméstica da NSA sobre os cidadãos norte americanos sem mandato aprovado pelo tribunal de justiça, no que parece ter sido uma modificação ilegal do projeto de mineração de dados ThinThread – como mais tarde foi exposto pela denunciantes William Binney e Thomas Drake da NSA .

cigol14

O nexo de vigilância-inicialização

Daqui em diante, o parceiro do Highlands Forum, a empresa SAIC, desempenhou um papel fundamental no lançamento da NSA desde o início. Pouco depois do 11 de setembro, Brian Sharkey, diretor de tecnologia do setor ELS3 da SAIC (focado em sistemas de TI para atendentes de emergência), se uniu a John Poindexter para propor o programa de vigilância TIA. Sharkey da SAIC tinha sido anteriormente vice-diretor do Escritório de Sistemas de Informação da DARPA na década de 1990.

Enquanto isso, na mesma época, o vice-presidente da SAIC para o desenvolvimento empresarial, Samuel Visner , tornou-se chefe de programas de sinais de inteligência da NSA. SAIC estava então entre um consórcio que recebeu um contrato de US$ 280 milhões para desenvolver um dos sistemas de escutas secretas da NSA. Em 2003, Visner retornou à SAIC para se tornar diretor de planejamento estratégico e desenvolvimento de negócios do grupo de inteligência da empresa.

Naquele ano, a NSA consolidou seu programa de vigilância eletrônica TIA sem mandado, para manter “o controle de indivíduos” e entender “como eles se encaixam em modelos” por meio de perfis de risco dos cidadãos americanos e estrangeiros. A TIA estava fazendo isso integrando bancos de dados sobre finanças, viagens, registros médicos, educacionais e outros em uma “grande base de dados centralizada e virtual”.

Este foi também o ano em que a administração Bush elaborou o seu famoso Roteiro de Operações de Informações . Descrevendo a internet como um “sistema de armas vulneráveis”, o roteiro de IO de Rumsfeld havia defendido que a estratégia do Pentágono “deve ser baseada na premissa de que o Departamento [de Defesa]” lutará contra a rede “como seria um sistema de armas inimigo. Deve buscar o “controle máximo” do “espectro completo de sistemas de comunicações, sensores e sistemas de armas globalmente emergentes”, defendeu o documento.

No ano seguinte, John Poindexter, que tinha proposto e executado o programa de vigilância TIA via seu cargo na DARPA, estava em Singapura participando no Highlands Forum em 2.004. Outros delegados incluíram o co-presidente do Fórum Highlands e o CIO do Pentágono, Linton Wells; Presidente do notório contratante de guerra de informação do Pentágono, John Rendon; Karl Lowe, diretor do Comando Conjunto das Forças (JFCOM) Joint Advanced Warfighting Division; Vice Air Marshall Stephen Dalton, gerente de capacidade para a superioridade da informação no Ministério da Defesa do Reino Unido; Tenente-general Johan Kihl, chefe do Estado Maior Supremo da Força Aérea Sueca; entre outros.

A partir de 2006, a SAIC tinha sido premiada com um multimilionário contrato com a NSA para desenvolver um grande projeto de mineração de dados chamado ExecuteLocus, apesar do colossal fracasso de seu contrato anterior, conhecido “Trailblazer” de US$ 1 bilhão. Componentes centrais da TIA estavam sendo “calmamente continudos” em “novos nomes de código”, de acordo com a Shane Harris, da Política Externa mas tinha sido escondido “atrás do véu do orçamento de inteligência confidencial.” O novo programa de vigilância tinha até então sido plenamente transferido da DARPA à NSA.

Este foi também o ano de mais um Fórum Highlands na Ilha de Singapura liderado por Richard O’Neill em nome do Pentágono, que incluiu a membros sênior da defesa e funcionários da indústria dos EUA, Reino Unido, Austrália, França, Índia e Israel. Os participantes também incluíam tecnólogos seniores da Microsoft, IBM, bem como Gilman Louie, sócio da tecnologia de uma empresa de investimento Alsop Louie Partners.

Gilman Louie é um ex-CEO da In-Q-Tel – a empresa investimentos da CIA especialmente em start-ups de desenvolvimento de tecnologia de mineração de dados. A In-Q-Tel foi fundada em 1999 pela Diretoria de Ciência e Tecnologia da CIA, sob a qual o Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento (ORD) – que fazia parte do programa de MDSS do Google – tinha operado. A ideia era substituir essencialmente as funções uma vez executadas pelo ORD, mobilizando o setor privado para desenvolver soluções de tecnologia da informação para toda a comunidade de inteligência.

cigol15

A In-Q-Tel e suas ramificações

Louie liderou o In-Q-Tel de 1999 até janeiro de 2006 – inclusive quando o Google comprou o Keyhole, o software de mapeamento por satélite patrocinado pela In-Q-Tel. Entre seus colegas a bordo do In-Q-Tel neste período estavam o ex-diretora da DARPA e co-presidente do Highlands Fórum, Anita Jones (que ainda existe), bem como o membro fundador William Perry: o homem que tinha nomeado O’Neill do Fórum Highlands em primeiro lugar. Juntando-se a Perry como membro fundador da diretoria da In-Q-Tel, John Seely Brown, então cientista-chefe da Xerox Corp e diretor de seu Centro de Pesquisa de Palo Alto (PARC) de 1990 a 2002, também membro do Highlands Forum desde o início.

Além da CIA, a In-Q-Tel também foi apoiada pelo FBI, NGA e Agência de Inteligência de Defesa(DIA), entre outras agências. Mais de 60 por cento dos investimentos da In-Q-Tel sob vigilância de Louie estavam “em empresas que se especializam na coleta automática, garimpagem e compreensão de oceanos de informações”, de acordo com Medill School of Journalism da News2 1, que também observou que o próprio Louie tinha reconhecido que não ficou claro “se a privacidade e as liberdades civis serão protegidas” pelo uso que o governo faz dessas tecnologias “para a segurança nacional”.

A transcrição do seminário de Richard O’Neill em 2001 na Harvard mostra que o Highlands Fórum do Pentágono havia se envolvido primeiro com Gilman Louie muito antes do Fórum Island, de fato, pouco depois do 11/09 para explorar “o que está acontecendo com a In-Q-Tel. “Essa sessão do Fórum focalizou como” aproveitar a velocidade do mercado comercial que não estava presente dentro da comunidade de ciência e tecnologia de Washington “e entender” as implicações para o DoD em termos da revisão estratégica, o QDR, a ação de Hill e as partes interessadas. “Os participantes da reunião incluíram” militares superiores “, comandantes combatentes,” vários oficiais de bandeira seniores “, e alguns representantes dos EUA, incluindo o congressista republicano William Mac Thornberry e o Senador Democrata Joseph Lieberman.

Tanto Thornberry quanto Lieberman são fervorosos apoiantes da vigilância da NSA, e têm agido de forma consistente para suportar o apoio à legislação pró-guerra e pró-vigilância. Os comentários de O’Neill indicam que o papel do Fórum não é apenas permitir que empreiteiros corporativos escrevam a política do Pentágono, mas também mobilizar o apoio político às políticas governamentais adotadas através da marca informal do Fórum em redes das sombra (vigilância oculta).

Repetidamente, O’Neill disse ao seu público de Harvard que seu trabalho como presidente do Fórum era escanear estudos de caso de empresas reais em todo o setor privado, como eBay e Human Genome Sciences, para descobrir a base da “superioridade da informação” dominar “o mercado da informação – e alavancar isso para” o que o Presidente (dos EUA) e o secretário da Defesa queriam fazer em relação à transformação do DoD e à revisão estratégica “.

Em 2007, um ano após a reunião do Fórum na Ilha de Singapura, que incluiu Gilman Louie, o Facebook recebeu sua segunda rodada de US$ 12,7 milhões de financiamento da Accel Partners. Accel era liderada por James Breyer, o ex-presidente da National Venture Capital Association (NVCA), onde Louie também serviu no conselho de administração enquanto ainda CEO da In-Q-Tel. Ambos Louie e Breyer já tinha servido juntos no conselho de BBN Technologies ?- que tinha recrutado seu chefe Anita Jones uma ex administradora da DARPA e In-Q-Tel.

A rodada de financiamento para o Facebook em 2008 foi liderada por Greylock Venture Capital, que investiu US$ 27,5 milhões. Sócios seniores da empresa incluem Howard Cox, outro ex-presidente NVCA que também faz parte do conselho da In-Q-Tel. Além de Breyer e Zuckerberg, o único outro membro do conselho do Facebook é Peter Thiel, co-fundador da empresa Palantir contratante da Defesa que fornece todos os tipos de tecnologias de mineração de dados e visualização de agências governamentais dos EUA, militares e de inteligência, incluindo a NSA e FBI , e que foi sustentada pela viabilidade financeira dos membros do Fórum Highlands.

cigol16

Os co-fundadores da Palantir Technologies Inc., Thiel e Alex Karp, encontraram-se com John Poindexter, em 2004, de acordo com a Wired, o mesmo ano em que Poindexter havia participado do Fórum Highlands em Singapura. Eles se conheceram na casa de Richard Perle, outro acólito de Andrew Marshall. Poindexter ajudou a Palantir a abrir portas e a reunir “uma legião de defensores dos estratos mais influentes do governo”. Thiel também se reuniu com Gilman Louie da In-Q-Tel, garantindo o apoio da CIA nesta fase inicial.

E então chegamos ao círculo completo. Os programas de mineração de dados como o ExecuteLocus e os projetos relacionados a ele, que foram desenvolvidos ao longo deste período, aparentemente lançaram as bases para os novos programas da NSA eventualmente divulgados pelo insider denunciante Edward Snowden. Em 2008, o Facebook recebeu sua próxima rodada de financiamento da Greylock Capital de Risco, documentos e testemunhos de denunciantes confirmaram que a NSA foi efetivamente ressuscitar o projeto TIA com foco na Internet data-mining através de monitoramento abrangente de e-mail, mensagens de texto e navegação na Web.

Também sabemos agora, graças a Snowden que o sistema de exploração xkeyscore da NSA “Inteligência Digital Network” foi concebido para permitir acesso para os analistas de pesquisa e não apenas as bases de dados da Internet em e-mails, bate-papos on-line, histórico de navegação, mas também serviços telefônicos, de áudio do telefone móvel, transações financeiras e comunicações globais de transporte aéreo – essencialmente toda a rede mundial de telecomunicações. O parceiro do Highlands Fórum a SAIC desempenhou um papel fundamental, entre outros contratantes, em produzir e administrar o sistema xkeyscore da NSA, e foi recentemente implicada na NSA de hackers da privacidade na rede Tor.

O Highlands Forum do Pentágono estava, portanto, intimamente envolvido em tudo isso como uma rede de convocação – mas também de maneira bastante direta. Confirmando o seu papel fundamental na expansão do aparelho de vigilância global, liderada pelos EUA, em seguida, co-presidente do Forum, Pentagon CIO Linton Wells, disse a revista FedTech em 2009 que ele tinha supervisionado projeto da NSA de “uma impressionante arquitetura de longo prazo no verão passado que fornecerá segurança cada vez mais sofisticada até 2015 ou assim. “

A CONEXÃO GOLDMAN SACHS (Wall Street)

Quando perguntei a Wells sobre o papel do Fórum em influenciar a vigilância em massa dos EUA, ele respondeu apenas para dizer que preferiria não comentar e que não mais lidera o grupo. Como Wells não está mais no governo, isso é esperado – mas ele ainda está conectado ao Highlands Forum. Em setembro de 2014, depois de entregar seu influente “White Paper” sobre a transformação do Pentágono, ingressou na Iniciativa de Segurança Cibernética (CySec) do Instituto de Estudos Internacionais de Monterey (MIIS).

Infelizmente, esta não foi uma forma de tentar apenas se manter ocupado na aposentadoria. O movimento de Wells ressaltou que a concepção do Pentágono de guerra de informação não é apenas sobre vigilância, mas sobre a exploração da vigilância para influenciar o governo e a opinião pública.

A iniciativa MIIS CySEC está agora formalmente em uma parceria com o Highlands Fórum do Pentágono através de um memorando de entendimento assinado com MIIS Provost Dr Amy Sands, que está sentado no cargo de Secretário de Estado do Conselho Consultivo de Segurança Internacional. O site do MIIS CySec afirma que o MoU assinado com Richard O’Neill:

“… prepara o caminho para futuras sessões conjuntas do MIIS CySec-Highlands Group que explorarão o impacto da tecnologia na segurança, na paz e no engajamento da informação. Durante quase 20 anos, o Highlands Group envolveu líderes do setor privado e do governo, incluindo o Diretor de Inteligência Nacional, DARPA, Gabinete do Secretário de Defesa, Gabinete do Secretário de Segurança Interna e Ministro de Defesa de Singapura, em conversas criativas para enquadrar Políticas e áreas de investigação tecnológica”.

Quem é o benfeitor financeiro da nova iniciativa CySec do MIIS do Pentágono? De acordo com o MIIS CySEC local , a iniciativa foi lançada “através de uma generosa doação de financiamento de star up de George Lee.” George C. Lee é um sócio sênior da Goldman Sachs, onde ele é diretor de informática da divisão do banco de investimento, e presidente Do Grupo Global de Tecnologia, Meios de Comunicação e Telecom (TMT).

Mas aqui está o kicker. Em 2011, foi Lee quem fez a engenharia dos US$ 50 bilhões em valorização do Facebook, e previamente tratou das ofertas para gigantes da tecnologia conectados com o Forum Highlands como Google, Microsoft e eBay. Em seguida, o chefe de Lee, Stephen Friedman, ex-CEO e presidente da Goldman Sachs, e mais tarde parceiro sênior no conselho executivo da empresa, foi também um fundador membro do conselho da In-Q-Tel ao lado do integrante do Highlands Fórum o senhor William Perry e outro membro do Fórum, John Seely Brown.

Em 2001, o Presidente George Bush nomeou Stephen Friedman para o Conselho Consultivo de Inteligência do Presidencia e, para em seguida, presidir esse conselho de 2005 a 2009. Friedman serviu anteriormente junto com Paul Wolfowitz e outros na comissão presidencial de inquérito de 1995-6 sobre as capacidades de inteligência dos EUA e em 1996 no Painel de Jeremiah que produziu um relatório ao Diretor do Reconnaisance National Office (NRO) – uma das agências de vigilância ligada ao Fórum Highlands. Friedman estava no painel de Jeremiah com Martin Faga, então vice-presidente sênior e gerente geral do Centro para Sistemas de Inteligência Integrados da MITER Corp. – onde a Drª Thuraisingham, gerenciou o programa CIA-NSA-MDDS que inspirou a DARPA, como uma engenheira líder.

Nas notas de rodapé de um capítulo para o livro, Ciberespaço e Segurança Nacional ( Georgetown University Press), o executivo Jeff Cooper da SAIC / Leidos revela que outro parceiro sênior do Goldman Sachs Philip J. Venables – que, como chefe diretor de risco de informações conduziu programas da empresa em informações de Segurança – entregou uma apresentação do Highlands Forum em 2008 no que foi chamado de “Sessão de Enriquecimento sobre Dissuasão”. O capítulo de Cooper baseia-se na apresentação de Venables ‘no Highlands com permissão. Em 2010, Venables participou com seu então chefe Friedman em uma reunião do nstituto Aspen sobre a economia mundial. Para os últimos anos, Venables também sentou-se em vários conselhos de revisão sobre NSA cibersegurança. Em suma, a empresa de investimento (Goldman Sachs) responsável pela criação das fortunas de bilhões de dólares das sensações tecnológicas do século 21, desde o Google ao Facebook, está intimamente ligada à comunidade de inteligência militar dos EUA; Com Venables, Lee e Friedman diretamente ligados ao Highlands Forum do Pentágono ou a altos membros do Fórum.

LUTAR CONTRA O TERROR COM O TERROR

A convergência desses poderosos interesses financeiros e militares em torno do Highlands Forum, através do patrocínio de George Lee ao novo sócio do Fórum, a iniciativa MIIS Cysec, revela-se em si mesma. O diretor do MIIS Cysec, Drª. Itamara Lochard, tem sido incorporada ao Highlands Forum. Ela regularmente “apresenta pesquisa atual sobre grupos não-estatais, governança, tecnologia e conflito para o Escritório dos EUA do secretário de Defesa Highlands Forum”, de acordo com sua biografia da Tufts University. Ela também, regularmente aconselha comandantes combatentes” das forças armadas dos EUA e é especializada em estudar o uso da tecnologia da informação por “grupos sub-estatais violentos e não-violentos”.

cigol16
A Dra. Itamara Lochard é membro sênior do Fórum Highlands e especialista em operações de informação do Pentágono. Ela dirige a iniciativa MIIS CyberSec que agora suporta o Pentágono Highlands Forum com financiamento do parceiro George Lee da Goldman Sachs, que liderou as avaliações do Facebook e do Google.

A Drª Lochard mantém uma abrangente base de dados de 1.700 grupos não estatais, incluindo “insurgentes, milícias, terroristas, organizações criminosas complexas, grupos organizados, atores cibernéticos maliciosos e atores estratégicos não-violentos”, para analisar seus “padrões organizacionais, áreas de cooperação, estratégias e táticas Observem, aqui, a menção de “atores estratégicos não-violentos”– o que talvez insere ONGs e outros grupos ou organizações envolvidas na atividade política social ou de campanha política, a julgar pelo foco de outros programas de pesquisa do Departamento de Defesa.

A partir de 2008, Lochard foi professora adjunta na US Joint Special Operations University, onde ensina um curso avançado secreto em ‘Guerra Irregular “que ela projetou para oficiais seniores das forças especiais dos EUA. Ela já ministrou cursos de “Guerra Interna” para altos “oficiais político-militares” de vários regimes do Golfo Pérsico.

Suas opiniões, portanto, revelam muito sobre o que o Fórum Highlands tem vindo a defender todos estes anos. Em 2004, a Drª Lochard foi co-autora de um estudo para o Instituto da Força Aérea dos Estados Unidos para Estudos de Segurança Nacional sobre a estratégia dos EUA para ‘grupos armados não-estatais. ” O estudo, por um lado, argumentou que os grupos armados não estatais devem ser urgentemente reconhecidos como uma “prioridade de segurança de primeira linha” e, por outro, que a proliferação de grupos armados “oferece oportunidades estratégicas que podem ser exploradas para ajudar a atingir os objetivos políticos. Há e haverá casos em que os Estados Unidos podem achar que a colaboração com grupos armados está em seus interesses estratégicos “. Mas “ferramentas sofisticadas” devem ser desenvolvidas para diferenciar diferentes grupos e entender suas dinâmicas, determinar quais grupos devem ser combatidos e quais poderiam ser exploradas para os interesses dos EUA. “Perfis de grupos armados também podem ser empregados para identificar maneiras pelas quais os Estados Unidos podem ajudar certos grupos armados cujo sucesso será vantajoso para os objetivos de política externa dos EUA”.

Em 2008, a Wikileaks vazou e publicou um manual de campo restrito de Operações Especiais do Exército dos EUA, que demonstraram que o tipo de pensamento defendido pelos gostos da especialista Lochard do Highlands Forum tinha sido explicitamente adotado pelas forças especiais dos EUA. O trabalho de Lochard demonstra assim que o Highlands Forum estava na intersecção da estratégia avançada do Pentágono sobre vigilância, operações secretas e guerra irregular: mobilizando a vigilância em massa para desenvolver informações detalhadas sobre grupos violentos e não violentos percebidos como potencialmente ameaçadores para os interesses dos EUA ou oferecendo oportunidades para a exploração, alimentando assim diretamente as operações secretas dos EUA.

Isso, em última análise, é o motivo fundamental pelo qual a CIA, a NSA, DARPA, o Pentágono, criaram o Google. Assim eles poderiam executar suas guerras secretas sujas com uma eficiência ainda maior do que nunca.

Dr Nafeez Ahmed é um jornalista investigativo, autor best-seller e estudioso da segurança internacional. Um ex-escritor do jornal The Guardian, ele escreve a coluna ‘System Shift’ para a MotherboardVICE, e também é colunista do Middle East Eye. Ele é o vencedor do Prêmio Censurado de Projeto 2015 por Jornalismo Investigativo Destaque por seu trabalho no Guardian.

Nafeez também escreveu para o The Independent, Sydney Morning Herald, The Age, The Scotsman, Foreign Policy, The Atlantic, Quartz, Prospect, New Statesman, Le Monde diplomatique, New Internationalist, Counterpunch, Truthout, entre outros. Ele é o autor do A User’s Guide to the Crisis of Civilization: And How to Save It (2010), e o romance de ficção e suspense ZERO POINT, entre outros livros. Seu trabalho sobre as causas profundas e as operações secretas ligadas ao terrorismo internacional contribuíram oficialmente para as investigações da Comissão do atentado de 11 de Setembro e o Inquérito do Coroner 7/7.

Fonte: https://medium.com/insurge-intelligence
           www.thoth3126.com.br

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade