Como a CIA criou o GOOGLE - Parte 1

cigol topoInsurgé INTELLIGENCE, um novo projeto de jornalismo de investigação financiados pela multidão, quebra a história exclusiva de como a comunidade de inteligência dos Estados Unidos financiou, alimentou e incubou a criação do Google como parte de um esforço para dominar o mundo através do controle de informações. Startup financiada pela NSA e CIA, o Google foi apenas o primeiro entre uma pletora de startups do setor privado cooptado pela inteligência dos EUA para manter a “superioridade da informação” no planeta.

Como a CIA fez o Google. Dentro da rede secreta por trás da vigilância em massa, guerra interminável e a rede Skynet

Por Nafeez Ahmed - As origens dessa estratégia engenhosa remonta a um grupo secreto patrocinado pelo Pentágono que, nas últimas duas décadas, funcionou como uma ponte entre o governo dos EUA e as elites em todos os setores de negócios, indústria, finanças, corporações e mídia. O grupo permitiu que alguns dos mais poderosos interesses especiais na América corporativa contornassem sistematicamente a responsabilidade democrática e o Estado de Direito para influenciar as políticas governamentais, bem como a opinião pública nos EUA e em todo o mundo. Os resultados foram catastróficos: a vigilância em massa da N.S.A. (National Security Agency-Agência de Segurança Nacional), um estado permanente de guerra global e uma nova iniciativa para transformar os militares dos EUA em Skynet.

Na esteira do ataque (False Flag Attack) da revista satírica Charlie Hebdo em Paris, os governos ocidentais estão se movendo rapidamente para legitimar poderes ampliados de vigilância em massa e controles na internet, tudo em nome da “luta contra o terrorismo”.

Os EUA e os políticos europeus têm chamado para proteger espionagem estilo NSA, e para avançar a capacidade de invadir a privacidade na Internet, proibindo a criptografia. Uma ideia é estabelecer uma parceria de telecomunicações que unilateralmente eliminasse conteúdo considerado como “incitam o ódio e a violência” em situações consideradas “apropriadas”. Discussões calorosas estão em curso a nível governamental e parlamentar para explorar e reprimir a confidencialidade entre advogado e cliente .

O que nada disso surtiria efeito para impedir os ataques na revista Charlie Hebdo continua a ser um mistério , especialmente tendo em conta que já sabemos que os terroristas estavam no radar da inteligência francesa por até uma década.

Há pouco de novo nesta história. A atrocidade do (FALSO) ataque “TERRORISTA” às torres gêmeas de 11/09 em New York foi o primeiro de muitos ataques terroristas, cada um deles sucedido pela dramática extensão de poderes estatais draconianos às custas das liberdades civis, apoiado pela projeção da força militar em regiões identificadas como hotspots que abrigam terroristas. No entanto, há pouca indicação de que esta fórmula testada e testada tenha feito alguma coisa para reduzir o perigo. Se aconteceu alguma coisa, foi que agora parece que estamos presos a um ciclo de violência cada vez mais profundo, sem um fim claro à vista.

Como os nossos governos pressionando para aumentar seus poderes ditatoriais, insurge-intelligence pode agora revelar a grande extensão em que a comunidade de inteligência dos Estados Unidos está implicada em nutrir as plataformas web que conhecemos hoje, com a finalidade precisa de utilizar a tecnologia como um mecanismo para combater a informação global ‘ Guerra “- uma guerra para legitimar o poder dos poucos sobre o resto de nós. O pilar principal desta história é a corporação que em muitos aspectos define o século 21 com a sua omnipresença discreta: o Google.

Google se distingue como uma empresa de tecnologia amigável, divertida, amiga do usuário que subiu para o topo da proeminência através de uma combinação de habilidade, sorte e inovação genuína. Isso é verdade. Mas é um mero fragmento da história. Na realidade, o Google é uma cortina de fumaça atrás da qual se esconde o Complexo Militar Industrial dos EUA. A história interna da ascensão do Google, revelada aqui pela primeira vez, abre uma lata de vermes que vai muito além do Google, inesperadamente brilhando uma luz sobre a existência de uma rede parasitária que impulsiona a evolução do aparelho de segurança nacional dos EUA e lucrando obscenamente com sua operação.

A REDE DAS SOMBRAS

Durante as últimas duas décadas, as estratégias estrangeiras e de inteligência dos Estados Unidos resultaram em uma “guerra ao terror” global, consistente em invasões militares prolongadas no mundo muçulmano e vigilância abrangente das populações civis. Essas estratégias foram incubadas, se não ditadas, por uma rede secreta dentro e além do Pentágono. Fundada sob a administração Clinton, consolidada sob George Bush, e firmemente arraigada sob Obama, esta rede bipartidária de ideólogos principalmente neoconservadores selou seu domínio dentro do Departamento de Defesa americano (DoD) até o amanhecer de 2015, através da operação de uma obscura entidade corporativa fora o Pentágono, mas dirigida pelo Pentágono.

Em 1999, a CIA criou sua própria empresa de investimento de capital de risco, a In-Q-Tel, para financiar empreendimentos promissores que poderiam criar tecnologias úteis para agências de inteligência. Mas a inspiração para a In-Q-Tel chegou mais cedo, quando o Pentágono criou seu próprio setor privado. Conhecida como o ‘Highlands Forum’, esta rede privada funcionou como uma ponte entre o Pentágono e elites americanas poderosas fora das forças armadas desde meados da década de 1990. Apesar das mudanças nas administrações civis, a rede em torno do Highlands Forum tornou-se cada vez mais bem sucedida em dominar a política de defesa dos EUA.

Grandes corporações empresariais da área de defesa (indústria de armamentos e tecnologia), contratantes gigantes de defesa como Booz Allen Hamilton e Science Applications International Corporation são às vezes referidos como a “comunidade de inteligência das sombras” devido às portas giratórias existentes entre elas e o governo, e sua capacidade de influenciar e lucrar simultaneamente com a política de defesa dos EUA. Mas enquanto estes empreiteiros competem por poder e dinheiro, eles também colaboram onde ele conta. O Highlands Forum tem fornecido durante 20 anos um espaço livre para alguns dos mais proeminentes membros da comunidade de inteligência das sombras para reunir-se com altos funcionários do governo dos EUA, ao lado de outros líderes em indústrias relevantes.

A primeira vez que me deparei com a existência desta rede foi em novembro de 2014, quando eu relatei para a Motherboard que a “Iniciativa de Inovação Defesa” do secretário de Defesa norte-americano Chuck Hagel recém anunciada era realmente sobre a construção da rede Skynet ?– ou algo parecido, essencialmente, para dominar uma era emergente de guerra robótica automatizada .

Essa história foi baseada em um “white paper” financiado pelo Pentágono, pouco conhecido, publicado dois meses antes pela National Defense University (NDU), em Washington, uma importante instituição militar norte-americana que, entre outras coisas, gera pesquisas para desenvolver a Política de Defesa dos EUA nos mais altos níveis. O “white paper” esclareceu o pensamento por trás da nova iniciativa, e os revolucionários desenvolvimentos científicos e tecnológicos que esperava capitalizar.

O QUE FAZER NO HIGHLANDS FORUM

Linton Wells, 51 anos e veterano da Defesa dos EUA, foi co-autor do documento oficial da NDU, que serviu na administração Bush como chefe de informação do Pentágono, supervisionando a Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) e outras agências de espionagem. Ele ainda detém as certificações de (Clearance Security Level) segurança ultra-secretos ativos, e de acordo com um relatório da revista Executivo do Governo em 2006, ele presidiu o ‘Highlands Forum, fundado pelo Pentágono em 1994.

cigol2

Linton Wells II (à direita) ex-oficial de informação do Pentágono e secretário assistente de defesa para redes, numa sessão recente do Highlands Forum do Pentágono.Rosemary Wenchel, uma alta funcionária do Departamento de Segurança Interna dos (DHS) EUA, está sentada ao lado dele

A revista New Scientist (paywall) comparou o Highlands Fórum com as demais reuniões da elite como “Davos, Ditchley e Aspen”, descrevendo-o como “muito menos conhecido, mas … sem dúvida tão influente quanto as citadas” As reuniões regulares do Fórum promove encontros entre “pessoas inovadoras a considerar as interações entre política e tecnologia. Seus maiores sucessos foram no desenvolvimento da guerra de alta tecnologia baseada em redes”.

Dado o papel de Wells em tal fórum, talvez não tenha sido surpreendente que seu “white paper” de transformação de defesa tenha tido um impacto tão profundo na política real do Pentágono. Mas se esse fosse o caso, por que ninguém notou?

Apesar de ser patrocinado pelo Pentágono, eu não consegui encontrar nenhuma página oficial no site do DoD (Departamento de Defesa) sobre o Fórum. Ativos e ex-militares dos EUA e fontes de inteligência nunca tinham ouvido falar dele, e nem jornalistas de segurança nacional. Eu estava confuso.

A EMPRESA DE CAPITAL INTELECTUAL DO PENTÁGONO

No prólogo de seu livro de 2007, A Crowd of One: The Future of Individual Identity, John Clippinger, um cientista do MIT do Media Lab Human Dynamics Group, descreveu como ele participou de um encontro no “Highlands Forum”, em um “convite em reunião financiada pelo Departamento de Defesa e presidida pelo assistente para redes e integração da informação”. Este era um alto cargo do Departamento de Defesa que supervisionava as operações e as políticas das agências de espionagem mais poderosas do Pentágono, incluindo a NSA, a Agência de Inteligência de Defesa (DIA), entre outras. A partir de 2003, a posição foi transferida para o que é agora o subsecretário de defesa para a inteligência. O Highlands Forum, escreveu Clippinger, foi fundado por um capitão aposentado da Marinha dos EUA chamado Dick O’Neill. Os delegados incluem altos funcionários militares dos EUA em várias agências e divisões – “capitães, almirantes, generais, coronéis, majores e comandantes”, bem como “membros da liderança do DoD”.

O que a princípio parecia ser o principal website do fórum descreve o Highlands Forum como “uma rede informal interdisciplinar patrocinada pelo Governo Federal”, concentrando-se em “informação, ciência e tecnologia.” Essa explicação é escassa, além de um único logotipo do “Department of Defense” (DoD).

Mas o Highlands também tem um outro site em que descreve-se como uma “empresa de investimento em capital intelectual” com a empresa fornecendo uma “ampla gama de serviços, incluindo” experiência no atendimento de empresas, organizações e líderes do governo”: Planejamento estratégico, criação de cenários e jogos para expandir os mercados globais”, bem como” trabalhar com os clientes para construir estratégias de execução”. O Highlands Group Inc., diz o site, organiza toda uma série de fóruns sobre essa questão.

Por exemplo, além do Highlands Forum, desde o 11/09, o Grupo dirige o “Island Forum”, um evento internacional realizado em associação com o Ministério de Defesa de Cingapura, que O’Neill supervisiona como “consultor principal”. O website do Ministério da Defesa de Singapura descreve o Fórum Island como ” modelado após o Fórum Highlands organizado pelo Departamento de defesa dos EUA.” os documentos que vazaram pela NSA denunciante Edward Snowden confirmou que Singapura desempenhou um papel fundamental ao permitir que os EUA e a Austrália para colocar cabos submarinos para espionar a região asiática, países como a Indonésia e a Malásia.

O site Highlands Group também revela que Highlands é parceira com um dos mais poderosos contratantes de defesa nos Estados Unidos. Highlands é “apoiado por uma rede de empresas e pesquisadores independentes”, incluindo “nossos parceiros do Fórum Highlands nos últimos dez anos na SAIC; E a vasta rede de participantes no Highlands Forum “.

cigol3

Patrick O’Neill, presidente fundador do Pentágono Highlands Forum

SAIC representa a empresa de defesa dos EUA, Science Applications International Corporation, que mudou seu nome para Leidos em 2013, operando SAIC como uma subsidiária. SAIC / Leidos está entre os top 1 0 maiores empreiteiros da defesa nos EUA, e trabalha em estreita colaboração com a comunidade de inteligência dos EUA, especialmente a agência NSA. De acordo com o jornalista investigativo Tim Shorrock, o primeiro a divulgar a vasta extensão da privatização da inteligência dos Estados Unidos com seu livro seminal Spies for Hire, a SAIC tem uma “relação simbiótica com a NSA: a agência é o maior cliente da empresa e SAIC é a Maior empreiteira contratada da NSA”.

O nome completo do Capitão Dick O’Neill, o presidente fundador do Highlands Forum, é Richard Patrick O’Neill, que depois de seu trabalho na Marinha se juntou ao DoD. Serviu seu último posto como o deputado para a estratégia e a política no escritório do secretário adjunto para a defesa para o comando, o controle, as comunicações e a inteligência, antes de assumir fundar o Highlands Forum.

O CLUBE DE YODA

Mas Clippinger também se referiu a outro indivíduo misterioso venerado pelos participantes do Fórum:

“Ele sentou-se no fundo da sala, inexpressivo atrás de óculos grossos, de borda preta. Eu nunca o ouvi proferir uma palavra … Andrew (Andy) Marshall é um ícone dentro do DoD. Alguns o chamam de Yoda, indicativo de seu status mítico inescrutável … Ele tinha servido a muitas administrações do governo federal dos EUA e era amplamente considerado como acima da política partidária. Ele era um defensor do Highlands Forum e um jogador regular desde o seu início. “

Desde 1973, Marshall encabeça uma das mais poderosas agências do Pentágono, o Office of Net Assessment (ONA), o “think tank” interno do secretário de Defesa dos Estados Unidos, que conduz uma pesquisa altamente qualificada sobre o planejamento futuro da política de defesa nas forças armadas e comunidade de inteligência dos EUA. A ONA tem desempenhado um papel fundamental nas principais iniciativas estratégicas do Pentágono, incluindo a Estratégia Marítima, a Iniciativa de Defesa Estratégica, a Iniciativa de Estratégias Competitivas e a Revolução em Assuntos Militares.

Em uma rara matéria de 2002 no Wired, o repórter Douglas McGray descreveu Andrew Marshall, agora com 93 anos de idade, como “o unionário mais evasivo do DoD”, mas “um dos seus mais influentes” funcionários. McGray acrescentou que “o vice-presidente Dick Cheney, o secretário de Defesa Donald Rumsfeld e o vice-secretário Paul Wolfowitz” – considerados amplamente os falcões do movimento neoconservador na política americana do governo Gerge Bush – estavam entre as “estrelas protegidas” de Marshall.

cigol4

Andrew ‘Yoda’ Marshall, chefe do Escritório de Avaliação Líquida do Pentágono (ONA) e co-presidente do Highlands Forum, Marshall está aposentado desde janeiro de 2015

Falando em um discreto seminário da Universidade de Harvard, alguns meses após os “atentados” de 11/09 em New York, o presidente fundador do Highlands Fórum, Richard O’Neill disse que Marshall era muito mais do que um “evento regular” no Fórum. “Andy Marshall é nosso co-presidente, então, indiretamente, tudo o que fazemos volta ao sistema de Andy”, disse ele à platéia”. Diretamente, as pessoas que estão nas reuniões do Fórum pode estar indo para dar briefings para Andy em uma variedade de tópicos e sintetizar coisas”. Ele também disse que o Fórum teve um terceiro co-presidente: o diretor da DARPA, que na época era um nomeado por Rumsfeld, Anthony J. Tether. Antes de ingressar na DARPA, Tether foi vice-presidente do setor de tecnologia avançada da SAIC.

A influência do Highlands Fórum sobre a política de defesa dos EUA tem, assim, operando através de três canais principais: seu patrocínio pelo Gabinete do Secretário de Defesa (por volta de meados da década passada esta foi transferida especificamente ao Gabinete do Subsecretário de Defesa para Inteligência, que é responsável pelas principais agências de vigilância); Sua ligação direta com o ONA de Andrew ‘Yoda’ Marshall’; e sua ligação direta com a agência DARPA.

De acordo com Clippinger em “A Crowd of One“, o que acontece em encontros informais, como o Fórum Highlands poderia, ao longo do tempo e através de caminhos curiosos imprevistas de influência, têm um enorme impacto, não apenas no âmbito do DoD, mas em todo o mundo.” Ele escreveu que as idéias do Fórum “passaram de heréticas para o mainstream. Idéias que eram anátema em 1999 foram adotadas como políticas apenas três anos depois “. Embora o Fórum não produza “recomendações de consenso”, seu impacto é mais profundo do que um comitê consultivo tradicional do governo. “As idéias que emergem de reuniões estão disponíveis para utilização pelos tomadores de decisão, bem como por pessoas dos grupos de reflexão,” de acordo com O’Neill:

“Vamos incluir pessoas de Booz, SAIC, RAND, ou outros em nossas reuniões … Nós damos boas-vindas a esse tipo da cooperação, porque, verdadeiramente, eles têm dignidade. Eles estão lá para o longo prazo e são capazes de influenciar as políticas do governo com o trabalho real acadêmico … Nós produzimos idéias e interação e redes para essas pessoas tomarem e usarem como eles precisarem delas. Meus repetidos pedidos a O’Neill para obter informações sobre seu trabalho no Highlands Forum foram ignorados. O Departamento de Defesa também não respondeu a múltiplos pedidos de informações e comentários sobre o Fórum.

GUERRA DA INFORMAÇÃO

O Highlands Forum tem servido como uma “ponte de influência” de duas vias: por um lado, para a rede das sombras de empreiteiros privados influenciarem a formulação da política de operações de informação através da inteligência militar dos EUA; e por outro, para que o Pentágono influencie o que está acontecendo no setor privado. Não há evidência mais clara disso do que o papel verdadeiramente instrumental do Fórum em incubar a ideia da vigilância total massificada como um mecanismo para dominar a informação em uma escala global.

cigol5

Anthony J. Tether, diretor da DARPA e co-presidente do Pentágono Highlands Forum de junho de 2001 a fevereiro de 2009

Em 1989, Richard O’Neill, então um cryptologist da Marinha dos Estados Unidos, escreveu um artigo para a Escola de Guerra Naval dos EUA, ‘Toward a methodology for perception management. (“Rumo a uma metodologia para gerenciamento da percepçã). Em seu livro, Future Wars, o Coronel John Alexander, mais tarde, um oficial sênior de Inteligência do Exército dos EUA e Comando de Segurança (INSCOM), registrou de que o artigo de O’Neill, pela primeira vez esboçou uma estratégia para “gestão da percepção” como parte das informações na Guerra (Info War). A estratégia proposta por O’Neill identificou três categorias de metas para IW: adversários, eles acreditam que são vulneráveis; potenciais parceiros “, de modo que eles apenas percebem a causa [da guerra]”; e finalmente, as populações civis e a liderança política para que eles “percebam o custo como valendo o esforço”. Um briefing secreto baseado no trabalho de O’Neill “abriu o seu caminho para chegar às mentes na liderança de topo” no DoD. Eles reconheceram que O’Neill estava certo e lhe disseram para enterrá-lo.

Exceto que o Departamento de Defesa não o enterrou. Por volta de 1994, o Grupo Highlands foi fundado por O’Neill como um projeto oficial do Pentágono na nomeação de Bill Clinton, do então secretário de Defesa William Perry ?- que passou a participar do conselho de administração da SAIC depois de se aposentar do governo em 2003.

Nas próprias palavras de O’Neill, o grupo funcionaria como ‘laboratório de ideias” do Pentágono. De acordo com o Executivo do Governo, especialistas em tecnologia militar e na informação recolhida na primeira reunião do Fórum “para considerar os impactos de TI e globalização sobre os Estados Unidos e sobre a guerra. Como a Internet e outras tecnologias emergentes mudariam o mundo?” A reunião ajudou a plantar a ideia da “guerra centrada na rede” nas mentes dos “maiores pensadores militares da nação”.

EXCLUINDO O PÚBLICO

Os registros oficiais do Pentágono confirmam que o principal objetivo do Highlands Forum era apoiar as políticas do DoD sobre a especialidade de O’Neill: a guerra da informação (INFO WARS). De acordo com Relatório Anual ao Presidente e ao Congresso de 1997 do Pentágono sob a seção intitulada “Operações de Informações'(IO) do Gabinete do Secretário de Defesa (OSD) tinha autorizado a criação do Grupo Highlands como elemento chave para o DoD, a indústria, e acadêmicos especialistas em IO “para coordenar” as Operações de Informações'(IO) em todas as agências de inteligência militares federais.

O relatório anual DoD do ano seguinte reiterou a centralidade do Fórum para operações de informação: “Para examinar questões de IO, DoD patrocina o Fórum Highlands, que reúne governo, indústria e profissionais acadêmicos de vários campos.” Observe que, em 1998, o “Grupo” das Highlands se tornou um “Fórum”. De acordo com O’Neill, isso era para evitar submeter as reuniões dos Highlands Forums a “restrições burocráticas”. O que ele aludia era a Lei do Comitê Consultivo Federal (FACA), que regula a forma como o governo dos EUA pode solicitar formalmente o conselho de interesses especiais.

Conhecida como lei de “governo aberto”, a FACA exige que os funcionários do governo dos EUA não possam realizar consultas secretas ou fechadas com pessoas fora do governo para desenvolver políticas. Todas essas consultas devem ser feitas através de comitês consultivos federais que permitam o escrutínio público. FACA exige que as reuniões sejam realizadas em público, e anunciada através do Federal Register, que os grupos consultivos estejam registrados com um escritório na Administração de Serviços Gerais, entre outros requisitos destinados a manter a responsabilidade perante o interesse público.

Mas o Executivo do Governo informou que “O’Neill e outros acreditavam que” tais questões regulatórias” iriam acabar com a livre circulação de ideias e discussões sem impedimento que procuravam.” Advogados do Pentágono havia advertido que a palavra “grupo” poderia exigir determinadas obrigações e aconselhou a executar a coisa inteira em particular: “então, O’Neill renomeou o Highlands Forum e se mudou para o setor privado para gerenciá-lo como um consultor para o Pentágono”. O Pentágono Highlands Forum, portanto, é conduzida sob o manto da empresa de risco de capital intelectual, Highlands Group Inc. de O’Neill.

Em 1995, um ano depois de William Perry ter nomeado O’Neill para dirigir o Fórum Highlands, a SAIC – “parceira” da organização do Fórum -? lançou um novo Centro de Estratégia e Política de Informação sob a direção de “Jeffrey Cooper, um membro das Highlands Group que aconselha altos funcionários do Departamento de Defesa sobre questões de guerra de informação “. O Centro tinha precisamente o mesmo objetivo que o Fórum, para funcionar como “uma câmara de compensação para reunir as melhores e mais brilhantes mentes em guerra de informação patrocinando uma série contínua de seminários, e os simpósios que exploram as implicações da guerra da informação em profundidade. “O objetivo era” permitir que líderes e políticos do governo, da indústria e do meio acadêmico para abordar questões-chave em torno da guerra de informação para garantir que os Estados Unidos mantenha sua vantagem sobre todo e qualquer potencial inimigo externo.

cigol6

Um slide da apresentação de Richard O’Neill na Universidade de Harvard em 2001

Apesar dos regulamentos FACA, os comitês federais estão já fortemente influenciados, se não forem capturados, pelo poder corporativo. Assim, ao ultrapassar a FACA, o Pentágono ultrapassou até mesmo as restrições soltas da FACA, ao excluir permanentemente qualquer possibilidade de engajamento público.

A alegação de O’Neill de que não há relatos ou recomendações é desonesta. Por sua própria admissão, as consultas secretas do Pentágono com a indústria que aconteceram através do Fórum de Highlands desde 1994 foram acompanhadas por apresentações regulares de documentos acadêmicos e políticos, gravações e notas de reuniões e outras formas de documentação que estão bloqueadas por um login somente acessível por delegados do Fórum. Isso viola o espírito, se não a letra, da FACA – de uma forma que é evidentemente destinada a contornar a responsabilidade democrática, a Constituição do país e o Estado de Direito.

O Highlands Forum não precisa produzir recomendações de consenso. Sua finalidade é fornecer ao Pentágono um mecanismo de rede social nas sombras para cimentar relacionamentos duradouros com o poder corporativo e para identificar novos talentos, que podem ser usados para ajustar as estratégias de guerra da informação em segredo absoluto.

O número total de participantes do DoD no Highlands Fórum é de mais de mil, embora as sessões consistam, em grande parte, em pequenos encontros de estilo fechado de 25 a 30 pessoas, reunindo especialistas e funcionários, dependendo do assunto. Os delegados incluiriam pessoal sênior da SAIC e da Booz Allen Hamilton, da RAND Corp, da Cisco, da Human Genome Sciences, da eBay, da PayPal, da IBM, da Google, da Microsoft, da AT & T, da BBC, da Disney, da General Electric, da Enron, entre inúmeras outras; Democratas e republicanos do Congresso e do Senado; Executivos seniores da indústria de energia dos EUA, como Daniel Yergin, da IHS Cambridge Energy Research Associates; e pessoas-chave envolvidas em ambos os lados das campanhas presidenciais.

Outros participantes incluiriam profissionais de mídia seniores: David Ignatius, editor associado do Washington Post e no momento em que o editor executivo do International Herald Tribune ; Thomas Friedman, de longa data New York Times colunista; Arnaud de Borchgrave, editor do Washington Times e United Press International ; Steven Levy, ex- editor da Newsweek, escritor sênior para a Wired e agora editor chefe de tecnologia no Médio ; Lawrence Wright, escritor pessoal no New Yorker; Noah Shachtmann, editor executivo do Daily Beast ; Rebecca McKinnon, co-fundadora da Global Voices Online; Nik Gowing da BBC; e John Markoff do New York Times.

Devido ao atual patrocínio do subsecretário de defesa da inteligência do OSD, o Fórum tem acesso interno aos chefes das principais agências de vigilância e reconhecimento dos Estados Unidos, bem como aos diretores e seus assistentes nas agências de pesquisa DoD, da DARPA, à ONA . Isso também significa que o Fórum está profundamente ligado às forças-tarefa de pesquisa política do Pentágono.

cigol7


GOOGLE: SEMEADO PELO PENTÁGONO

Em 1994 – no mesmo ano, o Highlands Forum foi fundado sob a direção do Escritório da Secretaria de Defesa, da ONA e da DARPA – dois jovens estudantes de doutorado da Universidade de Stanford, Sergey Brin e Larry Page, fizeram seu avanço no primeiro sistema automatizado rastreamento NA Web e aplicação de classificação de página. Essa aplicação continua a ser o componente central do que eventualmente se tornou o serviço de pesquisa do Google. Brin e Page tinhaM realizado o seu trabalho com o financiamento da Iniciativa Biblioteca Digital (DLI), um programa multi-agência da National Science Foundation (NSF), a NASA e DARPA.

Mas isso este é apenas um lado da história.

Durante todo o desenvolvimento do motor de busca Google, Sergey Brin relatou regularmente e diretamente a duas pessoas que não eram professores de Stanford em nada: a Dra. Bhavani Thuraisingham e Dr. Rick Steinheiser. Ambos eram representantes de um programa de pesquisa sensível da comunidade de inteligência dos EUA sobre segurança da informação e garimpo de dados.

Thuraisingham é atualmente ilustre professor e diretor executivo do Cyber Security Research Institute da Universidade do Texas, em Dallas, e um procurado especialista em data mining (GARIMPO), gerenciamento de dados e questões de segurança da informação. Mas na década de 1990, ela trabalhou para a MITER Corp., empresa líder em defesa dos EUA, onde gerenciou a iniciativa Massive Digital Data Systems, um projeto patrocinado pela NSA, CIA e o Diretor da Central Intelligence, para promover pesquisas inovadoras em tecnologia da Informação.

“Nós financiamos a Universidade de Stanford por meio do cientista da computação Jeffrey Ullman, que tinha vários estudantes de pós-graduação promissores trabalhando em muitas áreas emocionantes”, disse a Professora. Thuraisingham. “Um deles era Sergey Brin, o fundador do Google. O programa MDDS da comunidade de inteligência proporcionou essencialmente o financiamento de sementes para Brin, que foi complementado por muitas outras fontes, incluindo o setor privado“.

Este tipo de financiamento certamente não é incomum, e Sergey Brin ser capaz de recebê-lo por ser um estudante de pós-graduação em Stanford parece ter sido incidental. O Pentágono estava em tudo sobre a pesquisa de ciência da computação neste momento. Mas ilustra o quanto a cultura do Vale do Silício está profundamente enraizada nos valores da comunidade de inteligência dos EUA.

Em um extraordinário documento hospedado pelo site da Universidade do Texas, Thuraisingham relata que a partir de 1993 a 1999, “a Comunidade de Inteligência [IC] começou um programa chamado Massive Digital Data Systems (MDDS) que eu estava administrando para a Comunidade de Inteligência quando eu estava na MITRE Corporation. “O programa financiou 15 esforços de pesquisa em várias universidades, incluindo Stanford. Seu objetivo era desenvolver “tecnologias de gerenciamento de dados para gerenciar vários terabytes a petabytes de dados”, incluindo o “processamento de consultas, gerenciamento de transações, gerenciamento de metadados, gerenciamento de armazenamento e integração de dados”.

Na época, Thuraisingham foi cientista-chefe de gerenciamento de dados e informações no MITRE, onde liderou esforços de pesquisa e desenvolvimento de equipes para a NSA, CIA, Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA, bem como o Comando de Sistemas de Guerra Espacial e Naval da Marinha dos Estados Unidos (SPAWAR ) e Comunicações e Comando Eletrônico (CECOM). Ela passou a ensinar cursos para funcionários do governo dos EUA e contratistas de defesa em mineração de dados em contra-terrorismo.

cigol8

Dra. Bhavani Thuraisingham é do Louis A. Beecherl, Jr. Professor Distinto de ciência da computação e Diretora Executiva do Instituto de Pesquisa e Educação de Segurança Cibernética da Universidade do Texas em Dallas

Em seu artigo da Universidade do Texas, ela anexa a cópia de um resumo do programa MDDS da comunidade de inteligência dos EUA que havia sido apresentado ao “Simpósio Anual de Comunidade de Inteligência” em 1995. O resumo revela que os principais patrocinadores do programa MDDS eram três agências : A NSA, o Gabinete de Investigação e Desenvolvimento da CIA e o pessoal de gestão da comunidade de inteligência (CMS), que funciona sob o diretor da CIA. Os administradores do programa, que financiaram cerca de 3-4 milhões de dólares por ano durante 3-4 anos, foram identificados como Hal Curran (NSA), Robert Kluttz (CMS), Dra. Claudia Pierce (NSA), Dr. Rick Steinheiser (ORD – representando o Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento da CIA) e a própria Dra. Thuraisingham.

A Dra Thuraisingham continua em seu artigo para reiterar que este programa conjunto da CIA-NSA financiou em parte Sergey Brin para desenvolver o núcleo do Google, através de uma concessão para Stanford gerenciado pelo supervisor de Brin, Prof. Jeffrey D. Ullman:

“Na verdade, o fundador do Google Sr. Sergey Brin foi parcialmente financiado por este programa, enquanto ele era um estudante de doutorado em Stanford. Ele, juntamente com seu conselheiro, Jeffrey Ullman e meu colega no MITRE, Dr. Chris Clifton, desenvolveu o Query Flocks System, que produziu soluções para a extração de grandes quantidades de dados armazenados em bancos de dados. Lembro-me de ter visitado Stanford com o Dr. Rick Steinheiser da Comunidade de Inteligência e o Sr. Brin se apressava em patins, fazia sua apresentação e saía correndo. Na verdade, a última vez que nos encontramos em setembro de 1998, o Sr. Brin demonstrou para nós seu motor de busca que se tornou o Google logo depois”.

Brin e Page incorporaram oficialmente o Google como uma empresa em setembro de 1998, exatamente no mês em que foram relatados pela última vez a Thuraisingham e Steinheiser. ‘‘Query Flocks’’ também fez parte da papente do Google PageRank um sistema “de busca, que Brin desenvolveu em Stanford sob o programa da CIA-NSA-MDDS, bem como com o financiamento do NSF, IBM e Hitachi. Naquele ano, o Dr. Chris Clifton, do MITER, que trabalhou com Thuraisingham para desenvolver o sistema de “Query Flocks”, foi co-autor de um artigo com o supervisor de Brin, Prof. Ullman, e Rick Steinheiser da CIA. Intitulado “Descoberta de Conhecimento em Texto ‘, o paperl foi apresentado em uma conferência acadêmica.

“O financiamento do MDDS que apoiou Brin foi significativo no que diz respeito ao financiamento de empresas sementes, mas provavelmente foi compensado pelos outros fluxos de financiamento”, disse Thuraisingham. “A duração do financiamento para Brin foi de cerca de dois anos ou algo assim. Nesse período, eu e meus colegas do MDDS visitaríamos Stanford para ver Brin e monitorar seu progresso a cada três meses ou assim. Nós não o supervisionávamos exatamente, mas queríamos verificar o progresso, apontar possíveis problemas e sugerir idéias. Nessas sessões, Brin apresentou-nos sobre a pesquisa ‘Query Flocks’, e também demonstrou para nós versões do motor de busca do Google. “

Brin continuou relatando a Dra. Thuraisingham e a Steinheiser regularmente sobre seu trabalho que desenvolveu o Google.

UPDATE 2.05PM GMT [2 de fevereiro de 2015]:

Desde a publicação deste artigo, a Professora Thuraisingham alterou seu artigo acima mencionado. A versão alterada inclui uma nova declaração modificada, seguida de uma cópia da versão original da sua conta do MDDS. Nesta versão emendada, Thuraisingham rejeita a idéia de que a CIA financiou o Google, e diz em vez disso:

“Na verdade, o Prof. Jeffrey Ullman (em Stanford) e o meu colega no MITRE Dr. Chris Clifton, juntamente com alguns outros desenvolveu o Query Flocks System, como parte do MDDS, que produziu soluções para a mineração de grandes quantidades de dados armazenados em bancos de dados. Além disso, o Sr. Sergey Brin, o co-fundador do Google, fazia parte do grupo de pesquisa do Prof. Ullman na época. Lembro-me de visitar Stanford com Dr. Rick Steinheiser da Comunidade de Inteligência periodicamente e Sr. Brin iria correr em patins, dar a sua apresentação e sair correndo. Durante a nossa última visita a Stanford em setembro de 1998, o Sr. Brin demonstrou-nos o seu motor de busca que eu acredito que se tornou o Google logo depois …

Há também várias imprecisões no artigo do Dr. Ahmed (datado de 22 de janeiro de 2015). Por exemplo, o programa MDDS não era um programa “sensível” como afirmado pelo Dr. Ahmed; era um programa não classificado que financiou universidades nos EUA. Além disso, Sergey Brin nunca me relatou nem ao Dr. Rick Steinheiser; ele só fez apresentações para nós durante nossas visitas ao Departamento de Ciência da Computação em Stanford durante a década de 1990. Além disso, o MDDS nunca financiou o Google; ele financiou a Universidade de Stanford. “

Aqui, não há diferença substancial de fato nos relatos de Thuraisingham, a não ser afirmar que asua afirmação associando Sergey Brin ao desenvolvimento de “‘Query Flocks’” está equivocada. Notavelmente, este reconhecimento é derivado não de seu próprio conhecimento, mas a partir deste artigo, citando um comentário de um porta-voz do Google.

cigol9

Sergey Brin Mikhaylovich, nascido em Moscou, em 21 de agosto de 1973 é um Soviético- americano cientista da computação, empresário internet . Juntamente com Larry Page, é co-fundador do Google

No entanto, a tentativa bizarra de desassociar o Google do programa MDDS perde a marca. Em primeiro lugar, o MDDS nunca financiou o Google, porque durante o desenvolvimento dos principais componentes do motor de busca do Google, não havia nenhuma empresa incorporada com esse nome. Em vez disso, a concessão foi concedida à Universidade de Stanford por intermédio do Prof. Ullman, através do qual alguns fundos do MDDS foram usados para apoiar Brin, que estava desenvolvendo o Google na época. Em segundo lugar, Thuraisingham acrescenta que Brin nunca “relatou” a ela ou à Steinheiser sobre a CIA, mas admite que “fez apresentações durante nossas visitas ao Departamento de Ciência da Computação em Stanford durante a década de 1990”. A distinção está aqui entre o relato, e entregando uma apresentação detalhada – de qualquer forma, Thuraisingham confirma que ela e a CIA tinham tido um grande interesse no desenvolvimento da Brin do Google. Em terceiro lugar, Thuraisingham descreve o programa MDDS como “não classificado”, mas isso não contradiz sua natureza “sensível”. Como alguém que trabalhou por décadas como um contratador de inteligência e conselheiro, Thuraisingham está certamente ciente de que há muitas maneiras de categorizar a inteligência, incluindo “sensível, mas não classificado”. Um número de ex-funcionários de inteligência dos EUA com quem falei disse que a quase total falta de informação pública sobre a CIA e a iniciativa MDSA da NSA sugere que, embora o programa não tenha sido classificado, é provável que seu conteúdo fosse considerado sensível, o que explicaria os esforços para minimizar a transparência sobre o programa e a forma como ele voltou a desenvolver ferramentas para a comunidade de inteligência dos EUA. Em quarto lugar, e finalmente, é importante ressaltar que o sumário do MDDS que Thuraisingham inclui em seu documento da Universidade do Texas afirma claramente não só que o Diretor da CMS, CIA e NSA da Central Intelligence Agency eram os superintendentes da iniciativa MDDS, mas que a Clientes do projeto eram “DoD, IC e outras organizações governamentais”: o Pentágono, a comunidade de inteligência dos EUA e outras agências governamentais relevantes dos EUA.

Em outras palavras, a provisão do financiamento do MDDS para a Brin através da Ullman, sob a supervisão de Thuraisingham e Steinheiser, foi fundamentalmente porque eles reconheceram a potencial utilidade do trabalho da Brin, desenvolvendo o Google para o Pentágono, a comunidade de inteligência e o governo federal em geral.

O programa MDDS é realmente referenciado em vários artigos em co-autoria de Brin and Page, enquanto em Stanford, especificamente destacando o seu papel em patrocinar financeiramente Brin no desenvolvimento do Google. Em seu 1998 paper publicado no Bulletin of the IEEE Computer Society Technical Committeee on Data Engineering, eles descrevem a automação de métodos para extrair informações da web via “Dual Iterative Pattern Relation Extraction,” o desenvolvimento de “um ranking global de páginas Web Chamado de PageRank”, e o uso de PageRank” para desenvolver um novo mecanismo de busca chamado Google. “Por meio de uma nota de rodapé de abertura, Sergey Brin confirma que ele foi” parcialmente apoiado pelo Community Management Staff’s Massive Digital Data Systems Program, NSF grant IRI-96–31952?- confirmando que o trabalho de Brin desenvolvendo o Google foi parcialmente financiado pelo programa CIA-NSA-MDDS.

Esta concessão NSF identificados ao lado do MDDS, cujo projecto de relatório lista Brin entre os alunos apoiados (sem mencionar o MDDS), foi diferente para a concessão NSF para Larry Page, que incluiu o financiamento da DARPA e da NASA. O relatório do projeto, de autoria do supervisor de Brin, o Prof. Ullman, continua dizendo na seção “Indicações de Sucesso” que “há algumas novas histórias de startups baseadas em pesquisas apoiadas pela NSF”: “Finalmente, o projeto google também se tornou comercial como o Google.com”.

O relato da Dra Thuraisingham, incluindo sua nova versão emendada, demonstra, portanto, que o programa CIA-NSA-MDDS não estava só parcialmente financiando Brin durante todo o seu trabalho com Larry Page desenvolvendo o Google, mas que altos representantes de inteligência dos EUA incluindo um funcionário da CIA supervisionaram a evolução do Google nesta fase de pré-lançamento, todo o caminho até que a empresa estava pronta para ser oficialmente fundada. O Google, então, tinha sido habilitado com uma quantidade “significativa” de financiamento de empresa semente sob supervisão do Pentágono: a CIA, a NSA e a DARPA.

Não foi possível localizar o DoD para comentar.

Quando eu pedi ao Prof. Ullman para confirmar se Brin foi ou não parcialmente financiado pelo programa de MDDS da comunidade de inteligência, e se Ullman estava ciente de que Brin estava regularmente informando a Rick Steinheiser da CIA sobre seu progresso no desenvolvimento do mecanismo de busca do Google, ele perguntou; “Posso saber quem você representa e por que você está interessado nestas questões? Quem são suas ‘fontes’?” Ele também negou que Brin tenha desempenhado um papel significativo no desenvolvimento do sistema de “Query Flocks”, embora seja claro a partir de papéis de Brin que ele se baseou nesse trabalho em co-desenvolvimento do sistema PageRank com Page.

Quando perguntei a Ullman se ele estava negando o papel da comunidade de inteligência norte-americana em apoiar Brin durante o desenvolvimento do Google, ele disse: “Não vou dignificar esse disparate com uma negação. Se você não vai explicar o que sua teoria é, e A que ponto você está tentando chegar, eu não vou ajudá-lo em nada.”

PARTE 2

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade