A vida de Miyamoto Musashi

visamu1Conhecido como Kensei, o Santo da Espada, Miyamoto Musashi dedicou sua vida a alcançar a perfeição através da arte da espada. Lutou e venceu mais de 60 duelos de vida ou morte, e nunca foi derrotado. Travou contato com outras formas de arte, como pintura, escultura, caligrafia e poesia, além da meditação Zen e o Budismo.

Deixou seu estilo de luta, um grande legado de obras de arte e o mais importante tratado de estratégia do Japão, O Livro dos Cinco Anéis (Gorin no Sho).

Infância e Juventude

Musashi Sensei, ou Shinmen Musashi-no-Kami Fujiwara no Genshin, como se apresenta na introdução de O Livro dos Cinco Anéis, nasceu na província de Harima durante um dos mais conturbados períodos da história do Japão, quando aconteceram as últimas grandes batalhas da época dos Samurais.

Leia também - Amelia Earhart

Na época, era comum no Japão uma mesma pessoa mudar seu nome em diferentes fases da vida. Na infância, Musashi Sensei era chamado de Shinmen Bennosuke. Acredita-se que recebeu as primeiras instruções de Kenjutsu de seu pai, Shinmen Hirata Munisai. Como relata em O Livro dos Cinco Anéis, seu primeiro duelo aconteceu quando tinha apenas 13 anos. Aos 16 anos venceu outro guerreiro habilidoso, chamado Tadashima Akiyama.

A batalha de Sekigahara e os duelos em Kyoto

Em 1600, aconteceu a batalha de Sekigahara que definiu os rumos do Japão pelos próximos três séculos. Foi a partir desta batalha que Tokugawa Ieyasu ascendeu ao poder, tornando-se shogun, e teve início o período Edo (1603-1868). Nos caóticos primeiros anos do Período Edo, Musashi Sensei viveu sua juventude. Acredita-se que na batalha de Sekigahara lutou no lado derrotado como um partidário de Ukita Hideie. Mesmo assim, conseguir sobreviver ao confronto e à posterior caça aos derrotados.

Em 1604, aos 21 anos, Musashi Sensei ressurge em Kyoto e sua fama se espalha pelo Japão ao vencer três duelos contra a importante família Yoshioka que, décadas antes, tinha sido instrutora de Kenjutsu do antigo shogun Ashikaga.

Foram três duelos. Nos dois primeiros enfrentou os chamados "irmãos kenpo", Seijuro e Denchijiro. Após vencê-los, os partidários dos Yoshioka já não viam mais Musashi Sensei como um oponente, mas como uma ameaça. Queriam vingança, e para isto armaram um terceiro embate contra Matashichiro, filho de Seijuro, um garoto de 13 anos. Matashichiro contaria com a ajuda dos demais alunos da escola. Relatos falam do embate de Musashi Sensei contra 60 oponentes armados com espadas, lanças, arco e flecha e até mosquetes. Musashi Sensei abateu Matashichiro e todos os alunos da academia Yoshioka que se colocaram em seu caminho. Este foi o fim da, uma vez orgulhosa, academia Yoshioka e o início da lenda de Miyamoto Musashi.

Peregrinação Guerreira

Nos anos seguintes, Musashi Sensei continuou viajando pelo Japão em Musha Shugyo, ou seja, peregrinação guerreira em busca de embates. Confrontou muitos desafiantes, principalmente depois que sua fama se espalhou pela vitória arrasadora sobre os Yoshioka. Dentre os duelos mais importantes desta época se destacam:
Monges guerreiros do templo Hozoin, famosos por seu estilo de Sojutsu (ou Yarijutsu - técnica de luta com lança);

Muso Gonnosuke, fundador do estilo de Jojutsu (técnica com bastão) Shindo Muso Ryu, também praticado no Instituto Niten. Gonnosuke criou o Jojutsu depois de perder o primeiro embate contra Musashi Sensei, como uma possível forma de vencê-lo. Existe um relato sobre uma possível segunda luta entre os dois, onde Gonnosuke teria empatado com Musashi Sensei, sem nenhum dos dois se declarando vencedor; Shishido Baiken, um especialista na kusarigama, a foice com corrente. É uma arma exótica e de uso difícil, que também é praticada em alguns dos estilos ensinados no Instituto Niten.

O Duelo contra Sasaki Kojiro

O mais famoso e importante duelo de Musashi Sensei aconteceu em 1612, quando enfrentou Sasaki Kojiro, fundador do estilo Ganryu e conhecido como um dos mais habilidosos samurais de todos os tempos. Diferentemente de Musashi Sensei, que vinha desenvolvendo seu próprio estilo a partir de suas experiências de combate, Kojiro vinha de uma notória e famosa linhagem. Estudou a espada com um famoso mestre da época, Toda Seigen, do Chujo Ryu e com Kanemaki Jisai, seu discípulo. Jisai foi o mestre do famoso Itto Itosai, fundador do Itto Ryu, um dos estilos mais importantes da época.

Na época do duelo, Kojiro era instrutor de Hosokawa Tadaoki, um importante senhor feudal. Musashi Sensei conseguiu permissão para duelar com Kojiro através de Nagaoka Sado, um antigo amigo de sua família que era conselheiro do senhor Hosokawa. O duelo aconteceu na ilha de Funajima. A estratégia de Musashi Sensei para esse duelo foi deixar o oponente esperando. Duas horas depois do combinado para o duelo, ele partiu em um bote. Musashi Sensei sabia que Kojiro utilizava uma espada extralonga e fazia uso da distância que conseguia impor com essa arma. Para anular essa vantagem, Musashi Sensei fez uma longa espada de madeira utilizando um remo quebrado.

Leia também - Papus

O embate foi rápido porém intenso. Ambos atacaram simultaneamente. O golpe de Musashi Sensei sobre o crânio de Kojiro com a pesada espada-remo foi certeiro. Conta-se que o golpe de Kojiro chegou a cortar o lenço que Musashi Sensei usava amarrado na cabeça e fez um corte superficial em sua testa. Mesmo após cair, Kojiro tentou ainda um segundo golpe, visando as pernas de Musashi Sensei, que saltou para evitar o golpe e acertou Kojiro com força nas costelas, matando então seu oponente.
Assim, segundo relatos, se deu o possível duelo mais célebre entre samurais.

Nesta época, Musashi Sensei estava se aproximando da idade de 30 anos. O duelo contra Kojiro teve um grande efeito sobre Musashi Sensei. Conforme contou em sua obra, o Livro dos Cinco Anéis (Gorin No Sho), refletiu sobre as vitórias que alcançara até então, mas não conseguiu descobrir por que vencera tantos duelos. Teria sido sua aptidão física? Ou a falta de preparo de seus adversários? Ou talvez a vontade divina? Foi essa reflexão que influenciou o restante da vida de Musashi Sensei. Dedicou-se, então, em deixar para as gerações futuras seu legado por meio de seu estilo, que chamou de Niten Ichi Ryu. Foi a partir desta época que entrou em contato também com outras manifestações artísticas, como pintura, escultura, poesia e até mesmo arquitetura.

Em 1621, Musashi Sensei teve um duelo famoso, não pelo renome do oponente,Auto-retrato de Musashi Sensei mostrando postura com duas espadas mas por este ser o primeiro registro oficial de um duelo em que utilizou a técnica de duas espadas que até hoje caracteriza o Hyoho Niten Ichi Ryu. Miyaki Gunbei seu oponente, atacou Musashi Sensei repetidas vezes, tendo sua espada bloqueada a cada ataque. Deseperado, Gunbei desferiu uma estocada, que foi bloqueada pela espada curta de Musashi Sensei, ao mesmo tempo que a espada longa desferia um ataque ao rosto de Gunbei. Reconhecendo a derrota, Gunbei pediu desculpas por ter desafiado Musashi Sensei e pediu para se tornar seu discípulo.

Musashi Sensei nunca se casou, mas adotou dois filhos, Mikinosuke e Iori. Ambos se tornaram vassalos de importantes senhores feudais.

Musashi sensei não era visto como um simples ronin. Era considerado um mestre no Caminho e uma pessoa de grande sensibilidade e sabedoria, um conselheiro a ser escutado e um mestre a ser seguido. Era convidado freqüentemente para ficar em importantes feudos e tinha em seu círculo interno importantes personalidades, como o monge Takuan Soho (conselheiro do Shogun Tokugawa), Honami Koetsu (importante artista do movimento chamado "renascença de Kyoto") e dos senhores feudais Ogasawara Tadazane e Hosokawa Tadatoshi. Com este último em especial, Musashi Sensei desenvolveu uma amizade muito profunda.

Musashi Sensei conta no Livro dos Cinco Anéis que aos 50 anos finalmente alcançou a compreensão total da estratégia. O nível de comprensão alcançado no Caminho foi tão profundo que, conforme suas palavras, foi capaz de perceber o Caminho em tudo. Podemos constatar isto vendo as obras de arte que deixou. Algumas de suas obras de pintura, escultura e caligrafia chegaram até nossos dias. Ao alcançar a perfeição técnica na espada, alcançou também a perfeição nesses Caminhos.

Os últimos anos do grande mestre

O maior legado que deixou para as futuras gerações foi seu estilo, o Hyoho Niten Ichi Ryu, resultado de sua experiência no combate e profunda percepção da vida que conseguiu. Em nossa linhagem, o estilo é praticado da mesma maneira de Musashi Sensei idealizou. Musashi Sensei passou seus últimos anos em Kumamoto, como hóspede de seu amigo, Hosokawa Tadatoshi. A pedido deste, deixou registrado seu estilo e seu modo de pensar na obra “35 artigos na arte do kenjutsu”. Em Kumamoto ensinou o Hyoho Niten Ichi Ryu para seus discípulos e se dedicou ao estudo do budismo, à meditação e ao desenvolvimento artístico.

No final de sua vida Musashi Sensei se isolou na caverna de Reigando, onde se dedicou à meditação e à prática ininterrupta de seu estilo. Lá escreveu O livro Dos Cinco Anéis, deixando os ensinamentos de seu estilo ao discípulo Terao Magonojo.

Musashi Sensei faleceu no dia 19 dia de maio de 1645. A seu pedido foi enterrado com a armadura completa na vila de Yuji, próximo à montanha de Iwato. Conta-se que durante seu funeral um forte trovão se fez ouvir dos céus, como se estes dessem as boas-vindas ao poderoso guerreiro.

Bibliografia

- O Livro dos Cinco Anéis, de Miyamoto Musashi
Apresentação Shihan Gosho Motoharu, introdução e revisão Sensei Jorge Kishikawa
Editora Conrad, 2006

-O Samurai, a história de Miyamoto Musashi
William Scott Wilson
Editora Estação Liberdade, 2007

Ficção
-Musashi, de Eiji Yoshikawa
Conhecido como o "E o Vento Levou..." do Japão, este épico de quase 2.000 páginas popularizou a história de Musashi sensei na era moderna.

-Vagabond, de Takehiro Inoue
Vagabond é a premiada adaptação da história de Miyamoto Musashi Sensei para os mangás, pelo famoso artista Takehiro Inoue.


10 Ensinamentos de Miyamoto Musashi


Miyamoto Musashi, conhecido pelos seus 60 duelos vitoriosos, é um dos melhores mestres samurai cujos ensinamentos passaram de geração em geração através de várias obras literárias. Contudo, a sua sabedoria ultrapassa as fronteiras das artes marciais e pode ser absorvida pelo mais comum dos homens. Em sua homenagem, o Club Otaku reúne uma breve biografia do mestre e inclui dez dos seus melhores ensinamentos.

Leia também - Dion Fortune

Nascido por volta de 1584 (a data exacta é desconhecida), o nome completo de Musashi era Shinmen Musashi-no-Kami Fujiwara no Harunobu (?????????). Shinmen era o nome do lorde que o seu pai (Shinmen Munisai) servia, Shinmen Iga no Kami, senhor de Takayama. Musashi no Kami era um título, no caso o título de governador da província de Musashi. E Fujiwara é o nome da linhagem da qual Musashi afirmava fazer parte.

O seu primeiro duelo aconteceu quando Musashi tinha 13 anos. O seu adversário era Arima Kihei, um samurai que lutava usando o estilo Kashima Shinto-ryu e que procurava novos oponentes. Surpreendendo todos, esta foi a primeira de 60 vitórias de Musashi. Durante a guerra entre os Toyotomi e os Tokugawa, Musashi lutou ao lado do exército de Toyotomi e do seu clã, Shinmen. O ainda jovem mestre fez parte da invasão ao castelo de Fushimi, na defesa do castelo de Gifu, e na famosa batalha de Sekigahara. No total, ao longo da sua vida, é tido que Musashi participou em seis batalhas. Aos 20 anos, Miyamoto viaja até Kyoto onde duela com os líderes da Escola de Yoshioka. Todos são derrotados, tendo o mais novo, Yoshioka Matashichiro de 12 anos, acabado morto.

Responsável pela criação da técnica de dupla-espada, Ninten’ichi ou Nitoichi, Miyamoto Musashi era um artista, escultor, e caligrafo. O mestre escreveu igualmente alguns textos e livros, sendo um dos mais conhecidos O Livro dos Cinco Aneís, no qual Musashi afirma que um samurai deve conhecer várias profissões, aumentando o seu conhecimento e a sua técnica através da experiência da batalha.

O Livro dos Cinco Aneís inclui inúmeros ensinamentos que devem ser partilhados, pela sua sabedoria e verdade. Aqui estão alguns dos melhores.

Ao saber o que existe, podes saber o que não existe. Isto é o vazio. As pessoas deste mundo olham para as coisas erradamente, e pensam que o vazio é aquilo que não compreendem. Isto não é o vazio. Isto é confusão.

Respeita Buddha e os deuses sem contar com a sua ajuda.

Não te arrependas do que fizeste.

Deves cultivar a tua sabedoria e o teu espírito. Embeleza a tua sabedoria: aprende sobre justiça pública, distingue entre bom e mau, estuda as diferentes artes uma por uma.

Pode parecer difícil ao início, mas tudo é difícil ao início.

O sedentarismo é o caminho para a morte. A fluidez é o caminho para a vida.

Fúria. Controla a tua fúria. Se guardares rancor contra os outros, eles têm controlo sobre ti. O teu oponente pode dominar-te e derrotar-te se permitires que te irrite.

Tens de compreender que existe mais do que um caminho para o topo da montanha.

Sem medo, sem hesitação, sem surpresa, sem dúvida.

O objetivo supremo das artes marciais é o de não serem usadas.

Estes foram algumas das frases mais icónicas de Miyamoto Musashi.


Fonte: http://www.niten.org.br/musashi-biografia
           http://www.clubotaku.org

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade