Ilha de Páscoa - Parte 1

pascoa3A ilha de Páscoa é uma ilha da Polinésia oriental, localizada no sul do Oceano Pacífico (27º 09' latitude Sul e 109º 27' longitude Oeste). Está situada a 3.700 km de distância da costa oeste do Chile e sua população é de 3.791 habitantes (censo 2002), 3.304 dos quais vivem na capital Hanga Roa.

Famosa por suas enormes estátuas de pedra, faz parte da V Região de Valparaíso, pertencente ao Chile. Em rapanui, o idioma local, é denominada Rapa Nui ("ilha grande"), Te pito o te henúa ("umbigo do mundo") e Mata ki te rangi ("olhos fixados no céu"). Para chegar lá é preciso percorrer um pouco mais de 3.700 quilômetros sobre o Oceano Pacífico – distância entre o continente sul americano e a ilha. De longitude 109º26’10” oeste e latitude 27º09’30” sul (um pouco abaixo do Trópico de Capricórnio), seu clima é marítimo com características subtropicais. Julho e agosto são os meses de baixa temperatura, fevereiro é o mais quente e maio é o mês mais chuvoso. São apenas 18 km² de terras áridas, originárias das erupções de quatro vulcões, hoje inativos. Pertencente ao Chile, ela é a porção de terra habitada mais isolada do restante da humanidade, em todo o Planeta.

Leia também - Poço de Darvaza: O Portal do Inferno

Qualquer terra mais próxima, está a uma distância de 3000 a 3200km, por isso os pascoanos chamam-na de "umbigo do mundo"; é de imensa solidão, cercada pelas águas perigosas do sul do Oceano Pacífico. Este pequeno pedaço de terra da Oceania foi descoberto, por acaso, pelo almirante holandês Jacob Roggeven, justamente num domingo de Páscoa de 1772; mais tarde, foi rebatizada pelos espanhóis, com o nome do santo protetor de seu imperador, passando a constar nos seus mapas náuticos como Ilha de São Carlos. Atualmente, é designada pelos pasquenses de Rapa-Nui.

Geografia

Páscoa é uma ilha vulcânica, seu território tem a forma triangular e é o pedaço de terra mais isolado do mundo, no limite da Polinésia Oriental. Sua origem consiste em três vulcões que emergiram do mar um junto ao outro, em tempos diferentes, nos últimos milhões de anos, e têm estado adormecidos ao longo da história de ocupação da ilha.

O mais antigo deles é o Poike, que entrou em erupção há cerca de 600 mil anos, formando o canto sul do triângulo. A subseqüente erupção deu origem ao Rano Kau, o segundo a emergir, formando o canto sudoeste da ilha. Por último, a erupção do Terevaka, localizado no canto norte do triângulo. A ilha ocupa uma área de 170 km2 e sua elevação é de 510 metros. A sua topografia é suave, sem vales profundos, exceto suas crateras e encostas íngremes e cones de escória vulcânica. A geografia de Páscoa sempre representou grandes desafios para seus colonizadores, como até hoje ainda o é. Seu clima, embora quente para os padrões europeus e norte-americanos, é frio para os padrões da maioria das ilhas da Polinésia.

Tanto que plantas importantes, como o coco (introduzido em Páscoa somente em tempos modernos), não se desenvolvem bem na ilha, e a fruta-pão (também recentemente introduzida), e sendo Páscoa um lugar ventoso, cai do pé antes do tempo. Além disso, o oceano ao redor é demasiado frio e não permite a formação de recifes de coral, tornando a ilha deficiente tanto para peixes e moluscos associados aos atóis de coral, como para peixes em geral (de todas as espécies de peixe existentes, Páscoa possui apenas 127). Todos esses fatores resultam em menos fontes de alimento. Além do que, a chuva – cuja precipitação média anual é de 1.300 mm, aparentemente abundante, infiltra-se rapidamente no solo vulcânico e poroso da ilha. Há, portanto, limitação de água potável. Somente com muito esforço os insulares obtêm água suficiente para beber, cozinhar e cultivar.

A Ilha antes dos Europeus

Na pré-história humana, até 1200 a.C., a expansão polinésia é contada como uma das explorações marítimas mais dramáticas. Povos vindos do continente asiático – agricultores, navegadores, aparentemente originários do arquipélago de Bismark, a noroeste da Nova Guiné, atravessaram quase dois mil quilômetros de mar aberto, a bordo de canoas, para atingir as ilhas da Polinésia Ocidental de Fiji, Samoa e Tonga. Os polinésios, apesar da ausência de bússolas, instrumentos de metal e escrita, eram mestres da arte da navegação e da tecnologia de canoas a vela. Seus ancestrais produziam uma cerâmica conhecida como estilo lapita.

Historiadores acreditavam que as ilhas polinésias foram descobertas ao acaso. Hoje, porém, há fortes indícios de que, tanto as descobertas quanto a colonização foram planejadas por viajantes que em uma incursão predeterminada, navegavam rumo ao desconhecido. A rota mais provável para a colonização de Páscoa deve ter sido a partir das ilhas de Mangareva, Pitcairn e Henderson, as duas últimas funcionando como trampolins visto que uma viagem direta de Mangareva à Páscoa dura cerca de 17 dias, principalmente transportando produtos essenciais para a sobrevivência da colônia. A transferência de muitas espécies de plantas e animais – de taro a bananas e de porcos a cachorros e galinhas, não deixam dúvidas sobre o planejamento da ocupação de Páscoa pelos seus colonizadores.

 

pascoa1

 

É incerta a data de ocupação de Páscoa, tanto quanto é incerta a data de colonização das ilhas polinésias. Publicações sobre a ilha de Páscoa registram sua possível ocupação entre 300-400 d.C., com base em cálculos de tempo a partir de divergências lingüísticas – técnica conhecida como glotocronologia, e em datações radiocarbônicas de carvão, além de sedimentos lacustres. Entretanto, especialistas na história de Páscoa questionam tais cálculos, considerados precários quando aplicados a idiomas complexos como o pascoense "(...) conhecido por nós principalmente através de, e possivelmente contaminado por, informantes taitianos e marquesanos."

 

No período 600-800 (as datas exatas ainda são objeto de discussão) as ilhas da Polinésia Oriental (ilhas Cook, ilhas da Sociedade, ilhas Marquesas, Austrais, Tuamotu, Havaí, Nova Zelândia, Pitcairn e Páscoa) foram colonizadas. Datações radiocarbônicas mais confiáveis – obtidas através de amostras de carvão e de ossos de golfinhos – que serviram de alimento para seres humanos – extraídas das mais antigas camadas arqueológicas, oferecem prova de presença humana na praia de Anakena. A datação dos ossos de golfinhos foi realizada pelo método EMA (Espectrometria de Massa com Acelerador). Estima-se, portanto, a primeira ocupação de Páscoa em algum tempo antes de 900. Por volta de 1200 os polinésios expandiam suas rotas até Nova Zelândia, completando a ocupação das ilhas habitáveis do Pacífico.

Há evidências de que os insulares de Páscoa eram típicos polinésios, vindos da Ásia em vez da América. Sua cultura saiu da cultura polinésia. Falavam um dialeto polinésio oriental relacionado ao das ilhas do Havaí e das Marquesas (semelhante ao dialeto conhecido como antigo mangarevano). Seus instrumentos (arpões, anzóis, enxós de pedra, limas de coral) eram polinésios e assemelhavam-se a antigos modelos das ilhas Marquesas. Muitos de seus crânios apresentavam uma característica polinésia conhecida como “mandíbula oscilante”. Amostras recolhidas de 12 esqueletos enterrados nas plataformas foram analisados e todos possuíam “(...) uma deleção de nove pares de bases e três substituições de bases presentes na maioria dos polinésios (...)”. Este estudo de DNA comprova que duas dessas três substituições de bases não ocorrem nos nativos americanos, contrariando a tese do explorador norueguês Thor Heyerdahl de que a ilha de Páscoa fora colonizada através do Pacífico oriental, por sociedades indígenas avançadas da América do Sul.

História

A primeira expedição a visitar Páscoa foi a do espanhol Gonzalez (1770), que nada registrou além de diários de bordo. A 5 de abril de 1722, o explorador neerlandês Jacob Roggeveen atravessou o Pacífico partindo do Chile em três grandes navios europeus, e após 17 dias de viagem desembarca na ilha num domingo de Páscoa, daí o seu nome, que permanece até hoje.

A primeira e mais adequada descrição da ilha foi feita pelo Capitão James Cook, em 1774, em sua breve visita de apenas quatro dias, com o seu destacamento, quando realizou o reconhecimento do território pascoense. Cook tinha a vantagem de estar acompanhado por um taitiano, cujo polinésio era similar ao dos insulares, possibilitando o entendimento entre eles.

Leia também - A Ponte do Diabo, em Montoulieu

Em 1870, comerciantes europeus tomaram posse das terras e introduziram gado ovino na ilha. Em 1888, o governo chileno anexou Páscoa, que se tornou uma fazenda de ovelhas administrada por uma empresa escocesa estabelecida no Chile. Os insulares, todos eles, foram obrigados a trabalhar para a empresa contra o pagamento de bens e víveres. Em 1914, os insulares se revoltaram contra a exploração escrava, porém foram dominados com a chegada de um navio de guerra chileno. Somente em 1966 os insulares se tornaram cidadãos chilenos. Os insulares e chilenos nascidos no continente são em número igual aos nativos. Ainda hoje existe tensão entre eles, porém renasce no pascoense o orgulho cultural e sua economia é estimulada pelo turismo: há diversos vôos semanais vindos de Santiago e do Taiti, realizados por empresa aérea estatal do Chile, transportando visitantes atraídos pelas famosas estátuas.

Os Moais

pascoa4

 

A ilha de Páscoa é a terra dos "Moais", gigantescas esculturas, construídas com rochas vulcânicas. Suas dimensões e pesos são variáveis, indo de três a dez metros de altura, com algumas dezenas de toneladas. Feitas com material relativamente frágil, a lava vulcânica petrificada, deveriam ser deslocadas com muito cuidado e com as mãos, pois não haviam máquinas para esse fim naquela época. Tal façanha à luz da razão é inteiramente impossível, levando-se em consideração a natureza do terreno que é acidentado e pedregoso.

São centenas de homens gigantescos espalhados pela pequena superfície da ilha, ao todo, mais de mil. Têm sempre no rosto a mesma expressão e parecem vigiar os horizontes desde todos tempos, com olhar distante e sereno. Colossais, imponentes, insondáveis. Muito se estudou e se estuda sobre eles e, no entanto, continuam sendo um dos mais inexplicáveis mistérios do planeta Terra.

Durante milênios os moais estiveram protegidos do restante da humanidade, pela sua localização perdida no sul do Pacífico. Os habitantes primitivos da ilha contam que, a história dos moais é a mesma história deles, ou seja, vieram de uma ilha fadada a desaparecer sob as águas. Sempre que contam esta história, passada de geração em geração, dizem que as monumentais esculturas foram transportadas, das bases dos vulcões onde foram construídas, para plataformas artificiais onde efetivamente estão, pelo "mana", poder sobrenatural que o rei possuía, pois bastava que ele olhasse para uma das estátuas e a mesma se levantaria, "pousando" no lugar desejado.

Os nativos da ilha mais solitária do mundo, tinham desenvolvido uma escrita própria, independentemente do resto do mundo e até hoje indecifrável. Constituía-se de uma série de sinais, gravados com dentes de tubarão, em tábuas de madeira - as "tábuas falantes", no idioma local.

Os Moais são estátuas esculpidas a partir das pedras do vulcão Rano Raraku, dispostas em diversos santuários que tinham em média 5 estátuas. O maior deles, Paro, tem 22 metros e está inacabado.

O termo "moai" é utilizado pelos estudiosos para designar as gigantescas estátuas de pedra, encontradas pelas encostas da Ilha de Páscoa, construídas por volta de 1300 d.C. pelo povo Rapanui, que atingem até 12 metros de altura e pesam várias toneladas.

As mil estátuas da Ilha de Páscoa contêm em si uma pergunta imediata: como um lugar tão pequeno e isolado poderia originar uma cultura capaz de obras tão espetaculares? Desvendar os mistérios desta ilha não é uma tarefa fácil, e há inúmeras décadas pesquisadores e arqueólogos têm se dedicado às questões que Páscoa suscita. Quem construiu os moais? Como foram eles transportados até os ahus? A Ilha de Páscoa é o lugar habitado mais isolado do mundo: são 118 km² de terra no sudoeste do oceano pacífico, 1.600 km a leste da ilha de Pitcairn e 3.700 km a oeste do Chile. O holandês Jacob Roggenveen foi o primeiro ocidental a visitar o lugar, em 1722. Encontrou polinésios e nativos de "pele clara e cabelos vermelhos", que moravam em cabanas feitas de colmo e subsistiam da escassa vegetação. Em 1956, uma outra expedição, comandada pelo norueguês Thor Heyerdahl, descobriu milhares de ferramentas usadas na execução das estátuas. Mas as dúvidas sobre sua autoria permaneciam. Embora mencionem-se incas e até alienígenas como seus autores, a tendência é atribuí-las aos polinésios, que teriam chegado à ilha no século VII.

Orientação astronômica

As enigmáticas esculturas da Ilha de Páscoa, os moais, podem estar orientados de forma consciente na direção de determinadas estrelas, mais importantes que o Sol para a civilização Rapa Nui, segundo o astrônomo espanhol Juan Antonio Belmonte.
O pesquisador do Instituto de Astrofísica das Canárias fez, junto com o antropólogo da Universidade do Chile, Edmundo Edwards, "uma reinterpretação arqueo-astronômica" dos ahus - as plataformas cerimoniais sobre as quais se erguem os moais - para o que estudaram 30 desses locais.

Ambos reinterpretaram teorias anteriores, especialmente do astrônomo norte-americano William Liller, para quem os ahus estavam orientados para os locais de nascer e pôr do Sol nos equinócios e no solstício de inverno.
Belmonte diz que há mais de uma centena de ahus na ilha, de forma que deveria ser feito um estudo estatístico detalhado para verificar se se orientavam em função da astronomia e da topografia, algo similar ao que, para sua surpresa, encontrou no Egito.

"Os egiptólogos diziam que os templos estavam orientados em direção ao Nilo e nós dizemos que os egípcios elegiam lugares com uma orientação astronômica sugestiva, que algumas vezes eram perpendiculares ao rio", explicou.

Na ilha de Páscoa poderia ter ocorrido algo parecido, mas é preciso "um estudo a fundo."

Uma peculiaridade dos ahus é que a maioria deles está colocada de forma que as estátuas ficam de costas para o mar, o que, a princípio, sugere que a orientação dominante é topográfica.

Os moais "olhavam" para o povoado, do que se supõe que as estátuas eram grandes chefes mortos.

No entanto, os investigadores encontraram "conotações arqueo-astronômicas interessantes" nas estátuas situadas no interior da ilha, das quais uma está "claramente" orientada na direção de Plêiades e outras, na direção da constelação de Órion.
A idéia de que os ahus e seus moais estão orientados para as estrelas parte das investigações que sobre o local que fez o antropólogo Edmundo Edwards, que mora na ilha e está casado com uma neta do último soberano aborígine do local.
Edwards havia ouvido as "idéias antigas e a tremenda importância" que dão os anciãos de Páscoa para as estrelas e, sobretudo, para as Plêiades, que eles chamam de matariki ("pequenos olhinhos") e ao Cinturão de Órion, tautoru ("os três belos"), "mas ao Sol, não prestam muita atenção."

pascoa5

Para os habitantes de Rapa Nui, as Plêiades indicavam o inicio do ano no mês de Anakena, quando saíam ao amanhecer, e marcavam em sua última visão da tarde da estação de Hora Nui, a melhor do ano, quando se abria a temporada de pesca e se realizavam rituais em honra dos antepassados frente aos ahus com seus moais, e estava proibida a guerra. Órion também marcava o início do ano e o início das festas principais da ilha, as Paina, em torno da primeira lua do verão. No extremo oriental da ilha, na afastada península de Pike, se encontra um lugar com uma pedra inscrita conhecida como "a pedra para observar as estrelas", e próxima a esta há outra, onde se representa um mapa estrelar. Para Belmonte e Edwards, este mapa poderia ser uma representação bastante realista das Plêiades e a presença do azul em sua decoração sugere "uma conexão com a temporada de pesca", que vinha marcada pela posição dessas estrelas.

Ambas as pedras estão precisamente no único lugar da ilha em que se pode ser as Plêiades nascerem e se pôr.

Belmonte explica que os habitantes de Páscoa utilizavam as estrelas como guia para a navegação e para o controle do tempo, através da observação de suas posições em momentos chave do ano.

Para os investigadores, o solitário moai Ahu Uri a Urenga olhava para o nascer das Plêiades pouco antes do nascer do Sol no solstício de inverno, marcando o começo de um novo ano em Páscoa.

Além disso, os sete moais Ahu a Kivi, as únicas estátuas da ilha que olham para o mar, estão viradas para as estrelas de Órion bem quando estas desapareciam sobre o horizonte marinho, indicando também a chegada do novo ano com a aparição da nova lua no mês de Anakena.

Uma dificuldade para a investigação é que todos os moais foram derrubados durante as guerras civis que ocorreram na ilha durante o século XVIII, e só começaram a ser reinstalados a partir da década de 1950, sendo que a maioria permanece no chão.

O Rongorongo

 

pascoa8

 

O rongorongo é o sistema de escrita dos povos da Ilha que, apesar de diversas tentativas, ainda não foi completamente decifrado. A maioria dos especialistas em Páscoa conclui que a invenção do rongorongo foi inspirada pelo primeiro contato dos insulares com a escrita (desembarque espanhol de 1770), ou pelo trauma da escravidão quando, por volta de 1805 - ano mais sombrio da história de Páscoa - duas dúzias de navios peruanos sequestraram a metade da população (1500 pascoenses) e os venderam em um leilão para trabalho escravo nas minas peruanas de guano. A maioria dos sequestrados morreu em cativeiro. Os 15 sobreviventes, devido a pressões internacionais, foram repatriados e trouxeram varíola para os que moravam na ilha causando grande morte entre os moradores.

Leia também - A Casa Whaley

Mitologia e Religião

Em a estrutura cosmológica e religiosa dos povo Rapanui (habitantes originais), os mitos mais importantes são:

• Hotu Matu'a: O lendário fundador da ilha.

• Tangata manu: O pássaro culto, que era praticado até a década de 1860

• Make-make: Uma importante divindade local.

Fase da Lenda: Depois de sua Morte o Rei vira Protetor
O povoamento da ilha, no meio do Oceano Pacífico Sul, ocorreu ao redor do século IV de nossa era. A origem de seus colonizadores ainda está em discussão. Maiores detalhes sobre a história são encontrados em um museu local. Existem duas teorias para o povoamento em Rapa Nui.

Alguns defendem a teoria sul-americana: impulsionada por Thor Heyerdhal que através de sua viagem desde o continente, chegou na ilha com a balsa "kon tiki"; e a grande maioria prefere a teoria da Polinésia que diz sobre uma migração desde as ilhas Marquesas – próximas ao Taiti.

Segundo a tradição local, há 1500 anos um grupo de viajantes da Polinésia descobriu uma ilha remota, dando início a um mistério que dura até hoje...

O "ariki" (rei) Hotu Matu'a se viu obrigado a abandonar sua terra ancestral (provavelmente as Ilhas Marquesas) chegando na praia Anakena em duas grandes canoas com vários imigrantes.

No final de sua vida, Hotu Matu’a dividiu a ilha entre seus filhos que formaram a base das principais linhagens e territórios da ilha. Mais tarde, Hotu Matu'a tornou-se deus da ilha e seu protetor.

De qualquer forma, sabe-se através da história que os ilhéus permaneceram completamente isolados cerca de 13 séculos, até que a ilha foi "descoberta" para o Ocidente em 06/04/1722, num Domingo de Páscoa, pelo almirante holandês Jacob Roggeveen.
Na ocasião, os europeus encontraram uma terra estéril, sem árvores, habitada por inúmeras tribos de guerra e gigantescas estátuas de pedra – construídas há séculos para o culto ancestral. Mas ninguém sabia por que as estátuas eram tão imensas ou por que estavam incompletas.

Fase dos Ahus e dos Moais: Frente a Frente com os Gigantes

A história nos remete entre os anos 1000 e 1600, período no qual o culto religioso rendido aos antepassados é o centro da sociedade. Estão simbolizados através dos "ahus" (altares cerimoniais de vasta plataforma) e dos famosos moais. Trata-se de uma contínua competência entre os clãs em construir maiores obras, demonstrando assim o seu poder.

Mas, para alcançar tal poder, dispunha-se de grandes quantidades de pessoas em atividades não produtoras de alimentos, o que resultou em um desequilíbrio. Os nativos trabalhavam na construção dos moais – estátuas de pedra vulcânica, com até 10 metros de altura e que chegam a pesar toneladas. Depois, erguiam os seus ídolos no "ahu" para reverenciá-los como representações de seus ancestrais.

Muito tempo havia se passado desde a vinda do rei Hotu Matu'a e séculos de isolamento os haviam convencido de serem o único povo na face da Terra. Parece que a cultura estava confinada em rituais religiosos de reconhecimento ao deus Hotu Matu’a e a outros antepassados, por isso no âmbito mítico também se debate a origem dos moais...

Existem tantos mistérios em torno destes gigantes de pedra que fica difícil compreender como os levavam a vários quilômetros de distância. A hipótese mais aceitável é a de que os transportavam em troncos de árvores – talvez seja por isso que há ausência delas na ilha.

Existem mais de 600 deles, muitos caíram e outros permanecem mutilados pelas condições do tempo. Sabe-se que eram esculpidos primeiramente em sua parte dianteira e que só no final cortavam a parte que os uniam a montanha.

Também que permaneciam "cegos" até chegar ao seu destino – "ahu" – onde recebiam os olhos de coral e obsidiana para vigiar o altar cerimonial (por isso eles estão de costas para o mar).

Com as desmedidas exigências de construções, um excessivo aumento da população que chegou em uns 10.000 habitantes, uma combinação entre a super exploração do meio ambiente e catástrofes naturais, como prolongadas secas, conduziu finalmente a uma ampla crise ambiental, cultural e social.

Diminuída a produção de alimentos e matérias primas, a escassez da madeira utilizada em obras públicas, cremações ou na construção de embarcações, limitava-se o acesso aos recursos do mar e na possibilidade de emigrar da ilha.

Fase da Transformação: Um Ovo pelo Título de Homem-Pássaro

O derrubamento dos moais simboliza um tempo de crise e adaptação que compreende entre 1600 até 1866. Durante este período aconteceram sucessivas guerras de tribos e um abandono gradativo de seus costumes que culmina na destruição dos "ahus".
A lenda conta sobre crises que incluem terríveis e sangrentos conflitos entre os clãs, algumas décadas antes da chegada dos europeus, onde não esteve ausente o canibalismo. Nesse tempo, abandonam-se os "ahus", ocultam ou os reciclam como tumbas. O centro do poder político religioso se muda para a aldeia cerimonial de Orongo.

Os líderes guerreiros – "matatoa" – ascendem ao poder através da cerimônia anual de Tangata Manu (homem-pássaro). Até hoje, há lugares na ilha que nem os próprios habitantes podem ir por causa da tradição dos espíritos que morreram nestas antigas batalhas.

Sítio arqueológico de grande importância, a aldeia cerimonial de Orongo, encontra-se em um dos vértices da ilha. Restaurada, abrange uma área que conserva a estrutura de 53 casas que formavam a aldeia e mais de mil pinturas rupestres com imagens de Tangata Manu, do deus criador Make-Make e de Komari (um símbolo da fertilidade).

A maioria dessas pinturas foi realizada com pigmentação vermelha – "kie'a" – cor considerada muito importante porque representava o poder, os sacerdotes e o "mana".

Aproximadamente, a 4 quilômetros de distância do templo, Orongo brinda com uma linda vista para 3 ilhotas: Motu Kao Kao, Motu Iti e Motu Nui.

Sobretudo nessa última, era onde uma espécie de gaivota pascuense chamada "manutara" construía o seu ninho. Segundo a lenda, Hotu Matu'a era quem mandava os pássaros para lá, na primavera...

O culto ao homem-pássaro, celebrado anualmente, reconhecia o deus Hotu Matu'a e venerava a fertilidade representada pelo ovo da ave. A cerimônia consistia também na competência entre os chefes das distintas linhagens que disputavam o título de Tangata Manu entre si.

Jovens selecionados dos clãs deviam passar por muitos obstáculos como: descer de um penhasco com mais de 300 metros de altura, nadar quilômetros pelo mar infestado de tubarões, apanhar um ovo do ninho de tal ave migratória, nadar de volta à ilha, escalar o mesmo rochedo e, regressando com o ovo intacto, ainda tinha que ser o primeiro a apresentar o ovo aos anciões da tribo.

Então, o novo e sagrado homem-pássaro (o mais respeitado membro da comunidade), reinaria na ilha até a primavera seguinte. Pintado de branco e vermelho era coberto de regalias e obtinha privilégios econômicos para todo o seu grupo.
O ovo da vitória era colocado sobre a sua casa representando o "mana" que faria mais abundantes os escassos alimentos da ilha.

Fase da Escravidão: O Homem arrasa, depois trabalha pra edificar

Depois daquela expedição no Domingo de Páscoa, logo chegaram várias outras, iniciando-se assim, em 1805, o seqüestro dos pascuenses para serem utilizados como escravos. Em 1862, produziu-se o mais duro golpe externo na sociedade: levaram mais de 2.000 habitantes ao Peru. Entre eles estava o rei e muitos dos sábios provocando uma enorme perda na cultura Rapa Nui...
Há quem diga que muitos jovens foram escravizados e levados da ilha para trabalharem nas minas de cobre do Chile. No dia 9 de setembro de 1888, ao comando do capitão da armada Policarpo Toro, o Chile tomou posse da ilha estabelecendo assim a sua base mais ocidental.

Atualmente, a ilha faz parte da região de Valparaíso e é um verdadeiro museu ao ar livre, cuja maior riqueza são as gigantescas estátuas de pedra espalhadas em suas costas e ladeiras vulcânicas. São intensas as investigações arqueológicas e as restaurações dos monumentos, renascendo assim, a valorização e o orgulho dos Rapa Nui como povo.

O idioma e a cultura da ilha refletem mesmo uma origem polinésia dos pascuenses. Um exemplo disso é que na Polinésia as aves são mensageiras de presságios, guias, alimento e veículo do espírito dos deuses e da morte.

O culto do homem-pássaro foi um poderoso símbolo de morte e renascimento para os nativos durante quase 200 anos, tendo fim com a introdução da religião católica na ilha.

Embora a igreja tenha sucumbido aos antigos cultos, hoje, qualquer turista pode conferir em seu interior estátuas esculpidas em madeira daqueles deuses de outrora ao lado das tradicionais imagens católicas.

Nota: Por séculos, o latim é a língua usada para as celebrações litúrgicas na Igreja Romana. Após o II Concílio do Vaticano (1962-1965) é permitido o uso das línguas locais...

A celebração de sua missa tornou-se famosa porque introduziram orações e cânticos em Rapa Nui – sempre aos domingos, às 9 horas.

Fase do Turismo: Um mundo conquistando seu próprio Umbigo

Dizem que, no mapa, essa ilha representa o umbigo do mundo... Administrada por um governador, a Ilha de Páscoa é uma combinação de passado e presente. O seu povo desfruta de uma conexão com todo o mundo, através de turistas, Internet e televisão. Comentam acontecimentos como a gravação do filme Rapa Nui, de Kevin Costner, no qual participou a maioria dos habitantes. Lugar onde melhor se aprecia a mescla entre tradição e modernidade pode ser em uma das discotecas existentes, pois há músicas de moda internacional e também de compasso polinésio.

Leia também - O templo de Ta Prohm

Os moais, a cratera coberta de musgo do vulcão Rano Kau e as coloridas festas em Hanga Roa (seu único povoado), justificam uma viagem à ilha. Na principal rua, Policarpo Toro, fica o centro de informação turística SERNATUR. Subindo a rua Te Pito Ote Henua que, na língua dos nativos quer dizer "umbigo do mundo", localiza-se a igreja.

Os trabalhos em madeira, a pintura corporal e as tatuagens estão entre as mais tradicionais formas de arte na ilha. Todo ano, entre os meses de janeiro e fevereiro, acontece o festival Tapati Rapa Nui – festa que comemora uma das mais fascinantes culturas do mundo.

Tapati significa semana em rapanui, mas a festa já dobrou sua duração inicial. Foi criada para lembrar e preservar as tradições culturais genuínas da ilha. Atualmente, maior festival de toda a Polinésia, atrai mais de 15 mil turistas a cada ano.

Trata-se de uma gincana com a participação unânime das famílias que, em grupos de clãs, realizam uma série de provas para somar pontos às suas candidatas. O objetivo final é a eleição de uma jovem rainha, recordando a antiga escolha da virgem oferecida ao Tangata Manu.

As equipes passam por várias provas esportivas e culturais, como a exibição de grupos de dança folclórica, concurso de pintura corporal e disputa entre artesãos na escultura de pequenos moais.

Uma das provas mais empolgantes acontece nas bordas do vulcão Rano Raraku, onde jovens disputam uma espécie de "triatlon" que une a travessia a nado do lago vulcânico, voltas completas na cratera e uma corrida com pés descalços e dois cachos de bananas nas costas.

Durante a celebração (1 a 15 de fevereiro de 2003) acontece muita música, dança e antigas tradições de uma civilização milenar.

Carregada de enigmas e mistérios, exige tempo para ser descoberta. É imprescindível alugar um carro para percorrer suas terras – muitos estabelecimentos oferecem este serviço. Sua geografia rodeada pelo Pacífico, sua figura triangular com seus vulcões e sua gente de cultura milenar, tudo isso, é inesquecível.

Só estando em Rapa Nui é que se pode sentir todo o seu verdadeiro magnetismo.

PARTE 2

Compartilhe

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Translate

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Curta nossa página

Mundo

Publicidade